1. Spirit Fanfics >
  2. Destined Souls >
  3. In the middle of the night

História Destined Souls - Capítulo 15


Escrita por:


Capítulo 15 - In the middle of the night


Fanfic / Fanfiction Destined Souls - Capítulo 15 - In the middle of the night

Lauren Jauregui Point Of View.

      Após deixar Becca no seu quarto com muito cuidado para não acorda-la voltei para a sala, vi Camila de pé próximo ao sofá em que minutos atrás nos pegavamos.

- Ela não acordou... - Me aproximei de Camila envolvendo os meus braços em sua cintura, estávamos tão perto que novamente senti o seu perfume quando enconstei meus lábios em seu pescoço poderia sentir o ponto forte de aroma doce naquela região. - Olha se quiser ir para casa...está tu..- Camila não me deixou continuar a frase, foi rápida ao unir nossos lábios mais uma vez, confesso que estava desejando mais que tudo que ela fizesse isso. Sua língua quente se movimentava com maestria junto minha, era incrível a sincronia em que nos encontrávamos, o beijo parecia ter um encaixe perfeito e eu não pretendia tampouco acabar com aquele contato, me sentia totalmente entregue a morena, como uma viciada em que tudo que mais almejava era a droga do seu beijo.

      Puxei sua cintura te obrigando a unir nossos corpos mais ainda, precisava disso, precisava de Camila. Com impulso a latina subiu em meu colo, suas pernas se entrelaçaram em minha cintura e o choque dos nossos corpos tão próximos me fez arfar, eu tinha ela agora em meus braços e enquanto nós beijavamos eu a levei para o meu quarto.

      O cômodo estava escuro e nem ousei ligar a luz pois não precisaríamos, corpo de Camila colidiu com o colchão da cama e com uma rapidez eu me acomodei entre suas pernas, mesmo ambas cobertas pelos as roupas eu podia sentir Camila totalmente quente e molhada quando minha coxa entrou em contato com o seu sexo coberto pelo o pequeno tecido de sua calcinha, suas pernas estavam expostas devido a saia do vestido que subiu até altura de sua cintura, fiz questão de pressionar minha coxa contra a sua boceta enquanto minha língua deslizava na região do seu pescoço que por fim chupei sua epiderme, Aquilo fez Camila soltar um gemido e arranhar minhas costas.

Estávamos totalmente rendidas ao desejo que nos consumia.

      Com delicadeza ajudei Camila a se livrar de seu vestido, joguei a peça de roupa em qualquer lugar do quarto e me permiti a observar o seu corpo, a morena estava deitada apenas com uma calcinha de renda vermelha, a mesma não usava sutiã e com a pernumbra da noite vi seus seios rosados e enpinados minha boca chegava a formigas por quere-lôs, voltei aproximar nossos corpos e logo a Latina puxou meu pescoço para novamente unir seus lábios aos meus, estávamos quente, diria fervendo e totalmente guiadas a onda de prazer entre nós. A intesidade em que nos beijavamos era tanta que podia sentir meus lábios doerem, não havia mais racionalidade ali, apenas um desejo intenso que tardará em acabar.

         Eu chupava a pele do seu pescoço tão forte que julgaria ficar marcas ali, mas no momento estava pouco me fodendo. Movi minha língua até um dos seus mamilos rígidos, eram rosados e tão bonitos, não demorei a abocanhalos e enquanto deslizava minha língua em círculos no seu mamilo a Latina arfou ao sentir minha língua quente em contato com sua pele mais sensível.

- Eu quero logo você...laur - Seus olhos estavam fechados com força e seus dentes mordiam os próprios lábios em uma tentativa falha de cessar com   seus gemidos.

        Camila se encontrava totalmente entregue a mim, pensei no momento em que retirei a sua calcinha vermelha, mordi o lábio inferior com força ao perceber que o tecido se encontrava úmido, o joguei e aproximei minha mão na entrada de sua boceta, Camila abriu mais as suas pernas para que pudesse ter um melhor espaço, lentamente introduzi meu indicador e o mediano em seu clitóris, o seu sexo úmido me fez ter facilidade ao deslizar meu dedo em seu clitóris.

- Isso...

     Percebi Camila apertar os lençóis no momento em que penetrei dois dos meus dedos em sua entrada, a morena estava tão quente, úmida e tão apertada que não precisava me tocar para eu sentir prazer, só de ve-la ali totalmente despida e entregue a mim era um prazer descomunal. Eu penetrei meus dedos em um ritimo mais rápido e de acordo com o movimento de seu corpo que se precionava contra os meus dedos, Camila segurou o meu pulso e o forçou contra sua intimidade em um pedido mudo de que queria mais, seus olhos me fitavam com uma intesidade, o castanho agora tinha uma presente luxúria e desejo neles demostrando o quanto estava excitada com os meus toques.

         Intertifiquei os movimentos entrando com facilidade em sua boceta, meus dedos já estavam totalmente úmidos e quando sentia sua intimidade quente eu podia sentir meu sexo latejar, saber que eu estava dando prazer a Camila que se sentia tão satisfeita e inebriada me fazia sentir mais tesão por ela. Meus movimentos eram precisos e sincronizados, meus dedos entravam e saiam com facilidade em sua boceta, Camila arqueou a cabeça para trás em um gemido alto.

- Eu vou goz..

       Não deu tempo de completar a frase e logo percebi meus dedos lambuzados. A mesma conseguiu atingir o seu primeiro orgasmo comigo e pretendia que fosse vários aquela noite. Retirei meus dedos de seu sexo e os levei até meus lábios, Camila tinha um sorriso malicioso estampado em seu rosto ao ver a cena.

- Você é tão deliciosa. - Falei ao tirar os dedos da minha boca, camila mordeu o lábio e me puxou para um beijo feroz e para sentir o seu próprio gosto.

       ***

      Agora eu já me encontrava nua assim como Camila que estava sobre o meu corpo no colchão, estávamos suadas e cansadas porém não era motivo para pararmos, Camila rebolava seu quadril e roçavam sua boceta por cima do meu sexo, nossas bocetas roçavam uma a outra com veemência e aquilo me deixava totalmente excitada, Camila tinha algumas gotas de suor presentes em sua testa e seus seios balançavam de acordo com os movimentos que fazia.

- Oh céus!

     Murmurei quando Camila intensificou os seus movimentos e senti nossas bocetas úmidas roçarem, senti-la tão quente e está em um ato tão íntimo com ela era novo para mim, mas confesso que Camila estava me fazendo ter uma das melhores noites da minha vida.

- Quero que goze para mim...

     Falei enquanto segurava sua cintura e apertava elas com um aviso para ela não parar com os movimentos, minhas mãos subiram até seus seios fartos e rígidos que fiz questão de aperta-lôs, Camila aproximou seu rosto do meu e depositou um selinho em meus lábios nossas respirações estavam descopensadas devido ao esforço que fazíamos. Deixei que meus dedos se prendessem aos fios pretos de seu cabelo e os puxei contra mim, a Latina novamente uniu nossos lábios e fez questão de rebolar mais enquanto moviamos nossas línguas de forma intensa.

- Você faz tão gostoso...

   Murmurei em um sussurro ao finalizar o beijo e puxar com o dentes o seu lábio. Eu não sabia o que seria depois que sairmos daquele quarto, como seria na ONG, como Camila lidaria com a situação de ter feito sexo comigo mas de uma coisa eu tinha certeza aquilo nem de longe poderia ser um arrependimento nem pra mim e principalmente para ela.

- Faço gostoso?

     Camila perguntou com uma expressão safada no rosto, afastou seu rosto do meu e agora seus cabelos se encontravam bagunçados, a morena delicadamente pôs suas madeixas somente de um lado deixando o outro lado do seu pescoço exposto, mesmo com a pouca iluminação eu podia ver algumas marcas de chupões naquela região e aquilo me fez sorrir, deixaria minha marca em Camila para que ela se olhasse no espelho e lembrasse dos momentos prazerosos que tivera comigo. A morena apoiou suas mãos sobre minha barriga e novamente começou a rebolar em cima de mim, seu corpo escultural sobre mim me fez sentir uma excitação grande.

gostosa pra um caralho.

     Os seus movimentos agora frenéticos me fizeram chegar ao ápice rápido e assim como eu, Camila também chegou ao seu terceiro orgasmo em uma noite. A Latina deitou ao meu lado com uma respiração descopensada, olhávamos para o teto do quarto tentando regularizar nossa respiração.

       Estávamos em silêncio e observando o teto a bastante tempo, nossas respirações já havia voltado ao normal e então tomei coragem para olha-la, me surpreendi ao perceber que Camila tinham os olhos fechados e parecia está em um sono tão bom, sorri com a cena e logo fiz questão de cobri-la com o lençol. Não demorou muito para que eu me rendesse ao cansaço e dormisse ao seu lado.

      ***

  O barulho de risadas me fez despertar, abri meus olhos lentamente e percebi que Camila não estava na cama como esperei, as imagens da mulher dormindo ao meu lado eram as últimas lembranças que tive antes de dormir,me perguntei se ela estava na sala ou havia ido embora. levantei da cama e percebi que me encontrava nua, mas como a porta estava fechada não vi mal em me preocupar em vestir uma roupa. Me dirigi até o box do banheiro e liguei o chuveiro, precisava de um banho e nem sabia que horas eram...

HORA!

   meus olhos arregalaram ao pensar em Becca, deveria ser tarde demais e a minha filha tinha que está na escola e eu no coffee. Rapidamente peguei a toalha e a envolvi no meu corpo cobrindo minha nudez, segui em Passos largos até a sala da minha casa e dei de cara com Becca. Minha atenção foi para minha filha que estava devidamente arrumada e com sua mochila nas costas.

- Tia Verô. - Ela falou sem nem ao menos eu precisar perguntar. Verônica apareceu no batente da porta da cozinha com uma frigideira em suas mãos e ao julgar pelo o cheiro, ela havia acabado de torrar ovos.

- A bela adormecida acordou  foi? Pelo o visto a noite foi boa! - Verô tinha um riso preso e logo voltou para a cozinha, apesar de as vezes querer mata-la devia muito a ela, principalmente por me ajudar. Verô era uma ótima amiga e coisas como essa eram bem raras.

- Mamãe por que você não acordou cedo hoje? Fui ver você no quarto a porta estava trancada...- Becca segurava sua câmera no colo sentada no sofá. - Eu peguei o celular e liguei pra tia Verô.

      Verô e Lucy tinham cópias da chave da minha casa, não conseguia nem imaginar Becca me pegando no flagra com Camila. E por pensar na latina as lembranças da noite anterior vieram em minha cabeça, o seu corpo, os seus beijos, seu gemidos...por zeus a noite passada foi tão boa.

- Becca seu lanche está pronto vem aqui! - fui salva por Verô, eu nem podia inventar uma desculpa já que Becca estava tão acostumada ao entrar no meu quarto e nunca encontrar a porta trancada.

- Lucy está sozinha no coffee? - Acompanhei Becca até a cozinha e ajudei ela a sentar no banco próximo ao balcão, ao entrar no cômodo o cheirinho de ovos e bacon torrados me fizeram suspirar.

- Sim...pedi a ela para nós cobrir, já que era por um motivo, hm....bem inesperado. - Verô tinha um sorriso divertido no rosto.

- agradeço por ter me ajudado hoje mas vai se ferrar! - murmurei enquanto saía da cozinha e escutava suas risadas. Verô sempre achava um jeito de me atormentar.

       Novamente entrei no box mas dessa vez tomei um banho mais demorado, ao finalizar peguei a toalha e me enrolei. Mesmo sabendo que Camila tinha uma pessoa para dever satisfações, não custava nada ela me deixar um bilhete ou uma mensagem, queria saber como estava, se conseguiu chegar em casa bem, talvez ela se arrependeu e saiu antes que acordasse para não ter que inventar uma desculpa ou olhar para minha cara, milhares de coisas passavam em minha cabeça mas nenhuma delas eram positiva perante a atitude de Camila.

     Ao deixar Becca na escola fui diretamente para o coffee, Lucy deveria está precisando de mim mais que tudo aliás era eu que fazia o café e digamos que os clientes não eram tão fã do café da minha amiga. Um dos motivos para eu não sair no coffee era que sabia que ao sair, Lucy perderia muitos clientes e compreendia que a mesma adorava trabalhar na cafeteria dos seus pais, era a única coisa que eles deixaram a ela e não me perdoaria se minha amiga chegasse a perder o coffee.

      Entrei no estabelecimento que tinha uma movimentação bem caótica, uma fila gigantesca que se estendia até o balcão onde serviam o café, andei até balcão enquanto me desviava das pessoas que resmungava frases como "Quanto tempo vou ficar aqui?" Ou "hoje está muito lento", pela a expressão de Lucy ela estava bem esgotava. Me lamentei por isso, apesar de ser minha amiga eu não deveria ter feito isso, Lucy era minha chefe e eu deveria ter avisado ou algo do tipo. Me sentia muito culpada.

- Desculpa Lucy...

- tá tudo bem...preciso que me ajude aqui no caixa, Verô teve está tentando resolver com o fornecedor de massas que não trouxeram as encomendas ainda  - Lucy não me olhava pois estava ocupada entregado dois copos de café a um homem atrás do balcão e ao mesmo tempo pegava a notas de dólares.

      ***

- Então vocês transaram? - Lucy perguntou incrédula.

         No sábado havia comentado com minhas amigas da Camila ir a minha casa a convite de Becca, e agora Lucy estava surpresa quando falei o que rolou entre mim e Camila.

- retiro tudo que disse de ruim ao seu respeito jauregui você agora é minha ídola! - Verô bateu em minha costas e sorriu.

       Com algumas horas conseguimos normalizar o caos que estava na cafeteria, havia poucos clientes agora que esperavam parcialmente seus devidos pedidos.

- Será que ela não gostou? Ou se sentiu culpada...isso está me martelando por dentro desde que não a vi quando acordei.

- Acho que ela pode ter se sentido culpada...Eu no lugar dela me sentiria, ela deve está com ressaca moral. - Lucy deu de ombros e voltou a atender outro cliente que fazia calmamente o seu pedido.

- Você não vai pra clínica hoje? Acho uma ótima oportunidade para conversarem... - Verô falou e eu concordei, seria uma oportunidade mesmo, aliás trabalhávamos juntas e com certeza nos veríamos. Camila não poderia fugir disso.


Notas Finais


Será que a Camila se arrependeu???


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...