1. Spirit Fanfics >
  2. Destined Souls >
  3. You?

História Destined Souls - Capítulo 17


Escrita por:


Capítulo 17 - You?


Camila Cabello Point Of View

   
      Estávamos em meu consultório resolvi levar meu marido para lá antes que algum curioso do prédio tentasse escutar nossa conversa na recepção. Henry havia recebido uma ligação de que precisaria comparecer a Seattle uma das cidades que tinha a filial da empresa Cabello, Seatlle é uma cidade linda e Henry sabia o quanto eu adorava viajar mas eu não queria ir aquela viagem, no momento uma pessoa me prendia em Los Angeles e ela estava do outro lado da divisória do meu consultório, tínhamos muitos assuntos pendentes.

- Querida...vai ser bom para a gente, podemos ir ao Museu sei que você adora. - Henry se aproximou de mim segurando minhas mãos, meu marido me olhava em uma esperança de tentar me convencer.

- Henry você sabe que tenho uma ONG, não posso me dá ao luxo de sair por três dias e deixar as consultas de lado.

- Eu sei amor e admiro muito você mas precisa de um descanso...

- nós dois sabemos que você ficará esses três dias ocupado...não entendo por que insiste em eu ir.

       Soltou um suspiro exausto já não parecia o homem tão confiante que vi mais cedo. Ele soltou minhas mãos e sua atenção foi para o outro lado do consultório, para o escritório de lauren. Ele sorriu ao observar a mulher concentrada em seu computador mas que olhava algumas vezes em nossa direção.

- Vejo que tem uma secretária nova...podemos falar com ela e resolver esse problema, ela pode achar um veterinário para cuidar de suas consultas durante esses dias. - Disse o homem seguindo até a porta.

- Não!

      Por impulso falei mais alto que deveria atraindo atenção do homem que me olhou confuso, não sabia por que gritei mas funcionou, impedi ele de ir até o escritório de lauren.

Problema.

      Pensei ao imaginar nós três em uma sala e em uma conversa, já era estranho ter os dois em meu campo de visão. Henry me olhava provavelmente esperando que eu falasse alguma coisa já que alterei a minha voz.

- É...Ela está ocupada e considero essa conversa encerrada, não poderei ir. - relaxei os músculos e olhei acima do ombro de Henry, Lauren olhou em nossa direção, ela fez questão de disfarçar mas sabia que a mesma nesse exato momento tinha sua atenção a nós.

- Bom, se é o que decidiu. - Deu ombros e se aproximou de mim, seus braços novamente rodearam minha cintura e o mesmo depositou um selinho em meus lábios. Mentalmente eu me perguntava se Lauren estava vendo aquela cena, o que passava em sua cabeça era a minha maior curiosidade. Lamentei por fazer ela assistir a isso.

- Tudo bem...preciso voltar ao trabalho. - Me afastei do homem e fingi ler alguma coisa no fichário que peguei na mesa.

- Irei a Seattle essa tarde...

- Mas já? Pensei que seria amanhã

- Viagens emergenciais amor... - suspirou - vou sentir saudades. - Ele fez menção em se aproximar mas eu novamente me afastei e dessa vez Henry percebeu.

- O que foi? Por que está se afastando?

- Estamos em um consultório exposto para todos, não quero meus funcionários vendo a chefe deles aos beijos com o marido - minha preocupação maior era com lauren se ela veria.

- Tudo bem...bom trabalho então. -Ele novamente fez menção em se aproximar mas parou e olhou ao redor, parecendo pensar no que eu havia acabado de falar. - Tchau, te vejo em três dias!

         Henry se retirou do consultório e através da janela vi o homem caminhar em direção a saída do prédio soltei um longo suspiro e olhei para o escritório de Lauren, ela estava concentrada em seu computador mas a mulher pareceu perceber que estava sendo observada e tirou sua atenção do computador a sua frente para  me fitar. Mantiamos uma troca de olhares intensas e mesmo distantes Lauren consegui ter um efeito forte sobre mim. Sabia que minha relação com Lauren estava longe de está certa e que precisávamos conversar o quanto antes para saber dessa situação pendente entre nós.

        Lauren Jauregui Point Of View.

  

      Ao sair do Coffee atendi a uma ligação de alexia, me sentia muito ocupada por ignora-la o final de semana mas para a minha surpresa a médica nem estava na cidade, de acordo com ela a sua mãe havia ficado doente e ela teve que ir para o Canadá, país em que morou praticamente toda a sua infância e finalzinho da adolescência. Mas ainda sim me sentia culpada, eu deveria está ao seu lado, ajudando ela principalmente em um momento difícil mas ao invés disso deixei ela de lado para me relacionar com uma mulher casada. Alexia me avisou que já estava estava volta a Los Angeles e que precisávamos conversar pessoalmente.

Por que você é tão tola Lauren?

     Me perguntei mentalmente, eu não poderia ter me relacionado com Camila Cabello, além de ser casada continuava a ser minha chefe, ignoramos todas as consequências e fizermos um erro. Um maldito erro. Mas não deixava ser bom, por que o "errado" é tão bom?

       Entrei em sua sala por que estava disposta a acabar com tudo ali mesmo, iria me demitir e ficaria longe de problemas, como a quela mulher. Mas ao invés disso eu fiquei parada ali, olhando Camila que também parecia vagar por seus pensamentos e era isso que a Latina fazia, me deixava sem palavras, sem jeito e era como se eu estivesse em uma apresentação e ao mesmo tempo não sabia de nada que acabará de ensaiar. Eu travava. Simplesmente não tinha controle sobre mim. Apenas sai, ignorei tudo que havia pensado em falar desde que acordei hoje ao invés de falar,eu me retirei de sua sala. Me sentia uma estúpida, medrosa, covarde.

      O restante da manhã foi até tranquilo tirando o fato de ter todas aquelas pastas em minha mesa que teriam que está todas atualizadas na planilha e no sistema da ONG. Mas ao meu ver aquilo era bastante leve comparado a mulher da sala ao lado, de vez em quando eu aproveitava sua distração para admira-la, Camila parecia adorar sua profissão e eu tinha mais certeza disso quando via a mesma tratar dos animais que chegavam em seu consultório, a morena era tão atenciosa, gentil e sempre cuidadosa. Camila era uma pessoa incrível e eu não tinha dúvidas disso, quando ela me contou sobre sua história, de quando perdeu a sua filha eu imaginei a sua dor, Camila teve uma história parecida com a minha e o meu destino encontrou o de Becca e eu lamentava por Camila não ter tido uma segunda chance assim como eu tive.

Camila não teve uma Becca.

      Fui sincera com ela de que poderia encontrar Holly, o mundo é grande mas há chances, sua filha poderia está viva, se isso acontecesse comigo eu estaria a procura, não sossegaria enquanto não achasse e sabia que Camila era assim, imaginar o seu sofrimento por anos me fez sentir um incômodo no coração,eu me importava com Camila.

     Acho que deve ser esse o fato de Camila e Becca se darem tão bem, ela sente a falta de uma filha, e como o amor que guardou para Holly ela depositava tudo em Becca. Apesar do receio que tinha de Camila acabar depositando tanto em uma pessoa mais do que deveria, gostava de saber que ela se sentia bem quando estava com Becca e isso eu podia ver nos sorrisos, expressões, risadas.

      Confesso que me sentia incomodada ao ver o homem que julguei ser seu marido está tão próximo de Camila. Eu nunca o vi antes e pretendia não ver, aliás eu contribuí para trai-lo e era tão culpada quanto ela. Camila parecia tão incomodada ao lado dele e eu cheguei a me perguntar se era por mim ou por sua culpa de ter feito o que fez.

Concentração.

      Pensei antes de deviar meus olhos daquele casal e encarar o computador, apesar de querer muito prestar atenção naquela planilha virtual a minha frente a curiosidade estava me corroendo por dentro, prestar atenção em Camila nem que fosse com o seu marido me parecia mais importante.

      O homem era bonito e isso eu tinha que admitir, seus trajes formal mostravam quem o homem era, parecia ser algum empresário ou advogado e por sua formalidade e postura seria chutaria dizer que seria um CEO de empresa, o homem mais parecia ter saído de um revista de modelos, sua aparência era de deixar qualquer mulher apaixonada. Mas não no meu caso, me sentia atraída por mulheres, como Jennifer Aniston, Megan Fox...sempre pensei que mulheres são a oitava maravilha do mundo.

      Sai dos meus pensamentos e notei que o homem já não estava mais na sala de Camila como segundos antes, percebi a Latina me olhar e então fiz questão de continuar com nossos olhares conectados, Camila tinha o seu par de olhos castanhos em minha direção.

       E eu nunca desejei tanto que ela estivesse próxima a mim, era só um olhar para acabar com toda a muralha que eu contrui para não está venerável a ela, para tentar controlar todo esse desejo que me consumia por dentro, a tentação de tocar-la, abraçar, beijar e várias outras coisas que pensava em fazer mas havia tantos obstáculos entre nós.

        ***

- Só falta uma semana mamãe! - Becca estava animada demais, largou a mochila no sofá da sala enquanto me olhava marcar mais um "x" no dia do nosso calendário, assim como nosso calendário de post'it na parede tinham outras coisas que faziam parte da decoração da casa que só eu e Becca saberíamos, eram coisas que somente nós vivenciamos era como "piadas internas", os vários desenhos rabiscados na parede, as marcações com piloto mostrando os cm no batente do quarto de Becca que iam de acordo com o crescimento dela, as diversas fotos de sua Polaroid coladas a sua parede bem colorida do quarto, o violão com frases de músicas aleatórias. Eu e Becca ao longo dos anos formos contruindo uma coisa só nossa, eu adorava nossa bolhinha feliz.

- Pertinho das férias de verão. - Sorri pegando minha filha no colo, fazia tempo que não segurava ela assim, estava pesada e alta . Queria minha Becca bebê de volta.

- Isso significa que vamos para Santa Mônica! Eu tenho tanta coisa pra falar pro meninos - Becca entrelaçou suas mãozinhas em volta do meu pescoço, seu sorriso estava visível assim como suas covinhas. - e vamos levar o simba, ele vai adorar a casa da vovó.

- Ah e a dona Clara vai adorar ele sujando a casa toda - Ri ao imaginar simba fazendo um estrago na casa dos meus pais.

        Minha mãe sempre foi apegada a Becca, aceitava tudo que a menina ditava assim como papai que era um babão adorava dar doces escondido para Becca que recebia e sequer me falava, só descobri quando encontrei diversos doces dentro da mala, Becca escondia dentro do bolso das roupas. Eu era bem rigorosa com os alimentos que ela ingeria, becca é alérgica a nozes e lembro do dia em que levei um susto grande quando a mesma ingeriu nozes de um bolinho. Pensei que minha filha iria morrer, ela entrou no hospital em estado grave mas quando a levei para o hospital, alexia cuidou muito bem dela.

       Após ajudar Becca com suas atividades escolares como fazia todas as noites, jantamos e Becca agora dormia em seu quarto, aproveitei para recolher seus brinquedos espalhados na sala, ela nunca guardava aqueles brinquedos e sempre sobrava para mim ainda mais quando acabava tropeçando em um deles no meio do corredor.

- Você está bem confortável ai em - Ri ao perceber que estava falando com um cachorro, simba estava deitado em sua caminha no meio da sala próximo a grande pelúcia que Camila havia presenteado becca.

        Ouvi o barulho da campanhia e olhei para a porta, era tarde demais para alguém está a uma hora dessas na porta de alguém e eu não me surpreenderia se fosse Verô, mas ao pensar que a mesma tem as chaves eu descartei a chance. Caminhei até a porta em um bocejo indicando o quanto estava cansada e então abri a porta me surpreendendo em ver a pessoa que estava a minha frente.

O que ela estava fazendo aqui?
     


Notas Finais


Quem será?????


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...