História Destino (Hiatus) - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Amizade, Assassinato, Brigas, Lutas, Mortes, Prisão, Romance, Roubo, Segredos, Songfic, Suspense, Traição
Visualizações 35
Palavras 1.367
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção Adolescente, Luta, Mistério, Musical (Songfic), Policial, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Gif do Lee para vcs :) Gente a história não acabou, eu que tinha marcado sem querer dizendo que tinha acabado, desculpa hahahahah

Capítulo 3 - So Cold


Fanfic / Fanfiction Destino (Hiatus) - Capítulo 3 - So Cold

- Você foi sequestrada? - Lee me perguntou.

- Sim. - Falo assentindo.

Quando acordei estava amarrada em uma cadeira em um quarto escuro com poucas frechas de luz por ele e tinha um cheiro horrível. Nada fazia sentido e eu tinha feito uma confusão enorme de tudo aquilo. Estava sentindo uma dor muito grande como se tivesse passado vários dias naquela posição e então ecoou uma voz dentro do quarto dizendo:

- Você deve colaborar com a gente para que possa ser solta logo. Não faremos nada com você. - A voz saia por de trás das paredes. Depois saiu um cara por uma porta todo encapuzado dizendo que ia me ajudar.

Ele tirou a fita que estava na minha boca e se sentou na minha frente. Depois de um longo tempo o cara encostou uma colher próximo da minha boca empurrando um tipo de caldo para dentro da minha boca eu cuspo ele em cima do cara. Depois disso ele joga o prato no chão e eu o vejo quebrar. O cara se levantou com raiva e puxou o meu cabelo e a voz por de trás das paredes volta a falar.

- Pare! - E o homem me solta e volta a se sentar na cadeira dele na minha frente. - Olha moça, seja boazinha e nos diga o seu nome.

- Marília... Marília Müller. Agora que tipo de pessoa sequestra uma pessoa e não sabe nem o nome da pessoa? - A pessoa por trás das paredes gargalha. 

- Eu sei quem você é. Já nos vimos antes. Você está tão diferente, tão crescida.

- Do que você tá falando?

- Daniel, nos dê um minuto a sós por favor. - E então o cara que estava sentado na minha frente se levanta novamente e caminha para fora do quarto, mas antes de sair ele perguntou ao cara por trás da parede se ele tinha certeza disso e o cara ordenou que ele saísse de lá. Depois de uns segundos em silêncio eu resolvo falar alguma coisa.

- Achei que você viria aqui para perto de mim.

- Você quer que eu fique perto de você? - Eu encaro a parede, acredito que ela era feita daquele material que a pessoa que está de fora consegue olhar lá dentro ou então tem alguma câmera nesse quarto e esse maluco está me olhando.

- Sim. - Falo olhando para a porta.

- Ok. Mas não tente nada. Meus homens são fortes e violentos, aposto que seu amiguinho Lee não te ensinou a se defender de mais de vinte homens armados.

- Esperai, o maluco me conhece? Como assim? - Lee me pergunta incrédulo.

- Sim. Esse cara esteve presente em minha vida de inúmeras maneiras, a gente só não percebia isso.

E então eu posso colocar um rosto naquela voz que estava falando comigo, quando ele passou pela porta e começou a caminhar em minha direção em silêncio. Ele era branco e careca, já apresentava marcas de idade e olhos castanhos escuros. Vestia um terno azul escuro e uma calça jeans preta com um tênis escuro. Ele me olhava mas não falava nada até que se sentou onde o outro cara estava sentado.

- Você está tão linda.

- Para de falar como se a gente se conhecesse. Não nos conhecemos.

- Não se engane. Eu sei tudo sobre você.

- Sabe? - Ele cruzou os braços e continuou a me observar. - Fala ai o que você sabe de mim.

- Ok, deixa eu ver. Eu sei da sua cicatriz no braço esquerdo.

- Isso não prova nada. Você pode muito bem ter olhado ela quando eu estava apagada.

- Tem razão. Mas nesta perspectiva não teria como eu saber de onde essa cicatriz veio. - Não falo nada, apenas espero que ele continue a falar. - Você levou quatro pontos no braço esquerdo depois que estava lutando e correndo com o Lee, e acabou caindo por cima da porta do escritório dos pais dele que era de vidro. Um... Pedaço... Do... Vidro... Entrou... Aqui... - Ele falava pausadamente enquanto passava o dedo fino e gelado por cima da minha cicatriz.

- Como você sabe sobre tudo isso? - Pergunto tentando afastar o meu braço do toque dele.

- A questão não é como eu sei, a questão é que eu sei. E sou eu quem faz as perguntas aqui.

- Ok. O que mais você quer saber?

- Eu vou perguntar só uma vez. Onde está o meu dinheiro?

- Que dinheiro?

- O que você me roubou junto com o Hunter.

- O quê? Eu não roubei nada.

- Roubou sim. Um dos meus homens me disse que entregou o dinheiro pra você na boate.

- O quê? Eu não faço ideia do que você está falando.

- Não testa minha paciência garota. Vamos, diga onde está o dinheiro.

- Eu não tenho dinheiro nenhum. O Hunter pegou o dinheiro. E ele não roubou nada, ele vendeu a mercadoria dele, se você não gostou do resultado o problema é seu. E você deve ir tirar satisfação com ele e não comigo.

- Você se acha tão inteligente.

- E você é tão estúpido. - Falo e ele me dá uma tapa no rosto.

- Não é porque você é filha de quem você é que tem o direito de me desacatar. - Ele fala se levantando e sai do quarto. - Aproveite o resto da sua noite, querida. - Antes que ele passasse pela porta vi a tatuagem que ele tinha atrás do pescoço. Algo começou a tomar conta de mim dizendo que eu conhecia aquele símbolo.

Olhei ao redor e vi que tinha apenas aquelas duas cadeiras no quarto e eu estava amarrada a uma delas. Estava com fome, frio e não suportava mais aquele cheiro. Prendi a respiração e fiquei o resto da noite tentando descobri como aquele cara sabia daquelas coisas. Eu nunca tinha visto ele. Ou melhor, não estava conseguindo lembrar quem era aquele homem.

Comecei a rever vários acontecimentos estranhos na minha vida e caramba. Foram muitos. E tudo me levou para aquela noite de Março chuvosa. A noite que tudo começou a mudar, a ficar estranho, a ficar fora do normal. Uma noite antes dos meus pais morrerem, a minha mãe estava sentada no sofá da sala segurando o seu vaso favorito.

Ela tinha uma paixão por aquele vaso horroroso que o meu avô tinha dado pra ela. Ele era laranja, imagina só na sua sala toda cinza e sem graça um jarro medonho e laranja. Minha mãe tinha muito ciúmes daquele jarro, eu lembro que uma vez quando acordei depois dela ter me colocado para dormir, eu desci as escadas e ela estava próximo do vaso.

Ela colocou a mão lá dentro e tirou uma coisa de lá. Todo dia eu descia e via ela tirando uma coisa de lá e colocando no bolso da calça. Teve um dia que eles tinham saído para o supermercado e eu decidi ver o que tinha dentro do vaso. Coloquei a mão lá dentro e puxei uma moeda lá de dentro. Era uma moeda diferente. Nela tinha um círculo que era dividido na horizontal e na vertical ao mesmo tempo dos dois lados. Ela era de uma cor prateada brilhosa, fiquei apaixonada por aquelas moedas.

Imediatamente virei o vaso derrubando todas as moedas no chão da sala. Virei todas, uma a uma. Todas eram iguais. Quando meus pais chegaram minha mãe brigou tanto comigo por causa daquelas moedas. Ela juntou todas bem rápido e colocou no vaso me perguntando inúmeras vezes se eu tinha perdido alguma daquelas moedas, eu disse que não e ela me mandou para o quarto.

Uns meses depois eu desci as escadas e vi minha mãe segurando o pote chorando e dizendo ao meu pai que as moedas haviam acabado. No dia seguinte eles estavam mortos e meu irmão tinha sumido. A tatuagem no pescoço do cara era idêntica ao desenho da moeda, um círculo divido em quatro partes por duas retas, uma horizontal e outra verticalmente. Com certeza tinha mais alguma coisa nessa história e aquele maluco teria que me contar tudo.


Notas Finais


Qual será o significado disso tudo? Vcs estão gostando da história?
Música: So Cold - Ben Cocks
https://www.youtube.com/watch?v=cpChIf3WNKA&list=PLwiHgMZrWolODp-OaayhpjEKQ94BlL4yA&index=3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...