História Destino Implacável- O mal mais uma vez retorna - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Arrow, Batman, Esquadrão Suicida
Personagens Amanda Waller, Donna Smoak, Felicity Smoak, Helena Bertinelli, John Diggle, Laurel Lance, Malcolm Merlyn, Moira Queen, Oliver Queen (Arqueiro Verde), Personagens Originais, Quentin Lance, Raymond "Ray" Palmer (Átomo), Roy Harper (Arsenal), Sara Lance (Canário Branco), Slade Wilson, Thea Queen, Tommy Merlyn
Tags Ação, Arrow, Canario, Drama, Felicity, Olicity, Oliver, Speedy
Visualizações 41
Palavras 1.322
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Luta, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Estupro, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá tudo bom?

Olha quem voltou e com um capítulo fresquinho pra vocês!

Espero de ❤ que gostem!

GIF:Apenas a expressão fácil da Felicity representa a dela ao final desse capítulo,entenderão o porquê.

Lembrete: Isso se passa anos antes do casamento de Thea e Roy.Cinco anos após a reconciliação entre Alenna e Felicity no Bunker.

Então,entre esses dois tempos.
Após o casamento é outro tempo.Contudo,o explico mais para frente!

Desculpem meus erros e boa leitura!
📖😍

Capítulo 2 - Capítulo 1 - Não somos pessoas normais


Fanfic / Fanfiction Destino Implacável- O mal mais uma vez retorna - Capítulo 2 - Capítulo 1 - Não somos pessoas normais

A distinção entre passado, presente e futuro é apenas uma ilusão teimosamente persistente.


Felicity Smoak: 

Anos antes do casamento de Thea e Roy:  

O som é ecoativo,as paredes húmidas esfarelam-se conforme prossigo com o arco em mãos.Os gritos por socorro atravessam as paredes desse maldito lugar,o ar é escasso,quase,findado conforme abro a porta que da para o Hall de entrada.O tempo não parece ter passado por aqui,está tudo conforme estava quando saímos.

-Eu sabia que voltaria para mim.-Giro o corpo colocando a flecha ao arco.-Minha doce e amável menina.

-Saía da sombras seu covarde!-Berro sentindo o coração a palpitar.-Está com medo?!

-De você?-Sua gargalhada ecoou acima do palco.-Não,claro que não!-Seus passos vieram ao meu encontro e eu puxo a corda do arco.Mas não foi ele a sair das sombras e sim.Como nos conhecemos,a primeira vez,da qual eu o vi Oliver estava ali!Diante de mim,com o arco em mira a minha cabeça.

-Você falhou com essa cidade,Felicity!-Seu berro explandeceu-se pelo local. 

-O que?-Meu choque é grande,muito grande.-Oliver...-Mas o choque deu lugar a tristeza,quando os vi.Seus corpinhos em forma fetal,deitados ao chão encaixados um ao outro e as flechas,minhas flechas,fincadas aos seus corpos.-Não...

-Você disse que havia mudado,me prometeu que nada machucaria meus filhos...-Speedy apontou para o corpo dos filhos ao chão.-E agora eles estão mortos! 

-Por sua culpa!-E sou cercada pelo time.-Por culpa sua! 

-Não,por favor,eu posso explicar!-O choro me preenche,por ver a decepção e a tristeza em cada olhar.-Oliver...

-Você não é nada e nem ninguém!-O repúdio em sua voz faz o meu estômago revirar-se.-Você me disse ter mudado,jurou não me mentir! 

-Nos mentir!-Dou um passo a trás,quando eles dão um a frente.

-Eu não...

-Olha o que você fez!-Dou um salto,ao sentir uma mão ao meu tornozelo.

-Felicity!-Harley e Eva estavam ao chão,com se rastejassem,seus rostos dilacerados.-Olha o que você fez!

Desvio meus olhos a frente,retrocedendo da forma mais rápida da qual consigo.

-Não,eu não fiz nada!-Berro entre as lágrimas.-Para! 

-Felicity!-O berro de Selina me fez encarar seus olhos,amarelos cintilantes,nos ferros que sustentavam o local.-Porque fez isso?-Seu choro é tão forte quanto o meu.-Porque me tirou ele?-E então eu o vi,dependurado.Bruce!Com a corda de fenos envolta ao pescoço.-Porque o matou desse jeito?! 

-Não!-Nego,freneticamente,eu não havia feito isso nada!Disso,pelos céus!-E-eu não fiz nada!

-Mãe!-Dou um salto ao sentir sua mão ao meu ombro,voltando-me para trás posso a ver.-Não precisava ter feito isso.

-Alenna.-Não consigo toca-lá,respirar,perto dela apesar dela estar a poucos centímetros de mim.Gravimente machucada,dilacerada e ao julgar pelas suas roupas,estuprada.-F-ilha,eu não...

-Você falhou com todos nós!-O time voltou a gritar.

-Comigo,mãe!-Alenna soluçava a minha frente.-Porque mãe?! 

-Tudo que você toca Megan,você destroe.-Levo as mãos aos ouvidos,suas vozes são infernais.-Olhe para mim Megan!-Encaro minha mãe,parada ao meu lado esquerdo de preto.-Maldita foi a hora da qual a tive! 

-Não,mamãe não!-Soei melancólica,por que isso está acontecendo?-Não fiz nada disso! 

-Fez sim criança,você é responsável por isso!-Noah falava ao meu outro lado.-Tudo isso! 

-Isso é culpa sua!-E novamente o time gritava.

-Não!Oliver,me escuta!-Imploro a ele,por que eles não me escutavam? Porque ele não acreditava em mim?-Eu não fiz nada!-Berrei caindo de joelhos a sua frente.-E-eu não fiz nada,por favor! 

-Você é a nossa ruína,desde o início!-Jhon,assim como os outros apontou-me o dedo.

-Não!E-eu...-Minha peruca foi puxada junto do meu cabelo a manterem-me de joelhos.-Oliver,não faça isso!-Peço,quando o arqueiro puxa a corda do arco.

-Acaba com ela!-Alenna berra,enquanto,me segura.-Acaba com essa desgraçada! 

-É sua infeliz!-Thea e Roy exclamam revoltados.

-Por favor,não! 

-Vamos amor,tira ela do jogo!-Laureal sorri a mim.-Vamos Ollie.

-Não,Oliver você me conhece!-Tento me soltar de minha filha.-Selina,estamos juntas tanto tempo.Lado a lado!

-Acaba com ela!-A gata rosna.-Vamos arqueiro! 

-Oliver...-Soluço.

-Eu lhe falei,você sempre volta para mim.-Sua voz é seca,incrivelmente fria.Malcom Merlyn para ao meu lado,como um demônio a sussurrar ao meu ouvido.-Vamos juntos para o inferno Felicity,como eu sempre lhe disse que iria acontecer.

-Oliver,não...

-E todo esse amor que você jurou sentir por ele.-Malcom pega meu rosto,apertando-o,a me fazer encarar o homem cujo tem meu rosto sobre mira.-No final,acaba matando você! 

Não consigo dizer,absolutamente,nada.Apenas,deixo que as lágrimas digam,tudo,aquilo que minha boca gostaria de dize-los.Quando,Oliver Queen,solta a flecha do arco e eu vejo seus olhos,meus faróis.


Pela última vez. 


Eu conheci o inferno,estive nele por um longo e fatídico tempo.Do qual,hoje,luto para não recordar-me ou regressar a esse.Meu filósofo favorito sempre fora Milly Milleny,pois ele foi um homem notável e sempre levo comigo uma de suas reflexões:


"Depois da chuva sempre vem o sol, tudo vai melhorar, só o tempo pode por as coisas no lugar, pra recomeçar."


E definitivamente ele está certo.Após,anos,condenada ao martírio finalmente havia conseguido o que sempre quis.


Uma familia.


Contudo,ainda sim as consequências daquele passado marcam meu presente,depois de irmos contra todos os seguidores de Malcom Merlyn Noah Kuttler suas marcas perpetuam a terra.


Como um lembrete.


A dizerem-me que,talvez,jamais eu tenha realmente paz.Ainda sim,Oliver tenta junto do time fazer com que eu não caia na melancolia de lembranças amargas.Mas nem sempre ele consegue me ajudar.


Não de mim mesma.


Não há como fugir.


-Só foi um pesadelo,mais um Felicity.-Digo isso a mim mesma,todas as vezes,que tenho um.Levanto,sem acordar o homem ao meu aldo,já que suas noites em busca dos vilões são corriqueiras.Colocando sua camisa branca me dirijo para fora do quarto,talvez,faltasse para mim um pouco de ar? Só sei que,apesar,de ter se passado cinco anos dos quais eu consegui me livrar,denifitavamente,de valete.Os pesadelos não abandonam-me,o temor e o repúdio.


Suas marcas em mim.


Migrei para fora da casa,precisamente,a sacada dessa.Escorando-me no para peito,da qual dividia,com o arqueiro.Acendo um cigarro,vendo a fumaça se dispersar pelo ar.


Como eu queria que acontecesse com meus pensamentos.


Pesadelos.


-Acordada?-Sua voz é inconfundível.-Posso saber o porquê Deusa

-Boa noite Cat Woman-Sorri ao voltar-me a Selina.-O que faz aqui? 

-Pelo visto o mesmo que você.-Rolo os olhos pela sua contestação óbvia.-Perdi o sono.

-Entendo.-Sorri.-As coisas estão...

-Quietas de mais.-Conssito pela sua complementação a minha frase.

-Ou fáceis de mais.-Complemento a sua.

-É um dia festivo as moças estão a falar de problemas,otemo.-Rimos pela carranca de Eva.

-Vocês estão a quanto tempo na minha casa?-Do de ombros,realmente,gostava de suas companhias.

-A exatos,quinze minutos.-Harley sorri,com seu típico sorrio boca de coringa.-Mas esclarecendo as coisas,pudinzinha.-Selina e eu rimos pelo apelido dado a Eva.-Elas tem razão.Afinal,as coisas nunca são tão calmas para nós.

-Ah,é meia noite!-Selina exclama,nitidamente,feliz.-Feliz aniversário Felicity.-E me dá um empurrãozinho com o ombro.

-É!Feliz aniversário loira!-Eva e Harley me esmagam.

-Obrigada.-Agradeço a abrir um sorriso,mas é nítido minha falta de animação.Assim,dando-me espaço minhas amigas retiram-se como entraram.


Pelo telhado.


A verdade é que eu odeio aniversários,não que eu seja ingrata por estar viva.Mas não sou grata por te-lá também.Muitas das vezes,penso em como seria a vida das pessoas ao meu redor sem a minha existência a terra.Felizes ou tristes?Quem poderá dizer,não é mesmo?

Enquanto não encontro repostas para as minhas,inúmeras,perguntas prossigo.Junto das pessoas a minha volta.Contudo,somente quem esteve no inferno e voltou mais de uma vez sabe que,apesar,do tempo que passe não seríamos cem por cento,felizes,plenas e despreocupadas.


Esquadrão suicida tinha razão.


É as coisas estavam calmas de mais ou fáceis de mais,esperávamos o perigo a cada esquina.Uma puxada de faca,um tiro certeiro bem na nossa testa e pronto!Tudo,definitivamente,acaba.

Mas ainda não havia ocorrido,ainda,não estava acontecendo.Mesmo sabendo que Malcom não foi para o mundo dos pés juntos,assim,tão facilmente.Sua diversão era me assombrar e em algum lugar entre esses 193 países e 7 bilhões de pessoas,uma delas estava a nossa caçada.


Como sempre havia sido. 


Eu já havia aceitado o fato de nunca ter,completamente,paz.A vida é feita de momentos bons e ruins,seja eles quais forem inevitáveis.Então,tentava me acostumar com isso. 


Não eramos pessoas normais.


Nunca fomos e nunca seríamos.Bastava,apenas,nos acostumar com isso.  


Então meus pensamentos são interrompidos pelo toque do meu celular.


Sinto um arrepio ao ver que o número é desconhecido,o que é estranho já que meu número é privado.


Quem o poderia ter além das pessoas do meu ciclo de convivência? 

 

-Espero que seja engano.-Proclamo em voz alta meus pensamentos de modo calmo.-Alô?

Uma aperte de mim queria mesmo que fosse um mero engano,mas a outra sabia ninguém iria digitar uma sequência de números a cair,logo,no meu número.

-Acredito,que não seja engano.-Franzi o cenho,aquela voz.Da onde reconhecia aquela voz?-Feliz aniversário Deusa Raposa Fantasma.-Então eu a reconheci,rouca,e tão fria quanto eu poderia me lembrar.-Ou seria Overwatch? 


Concerteza nossa plenitude nesses cinco anos havia findado-se.



Notas Finais


Quero agradecer de coração ❤ pelos favoritos,visualizações e comentários do capítulo anterior! <3 Obrigada por embarcarem nessa mais nova aventura comigo,apenas,gratidão define-me!

Gostaria de saber o que acharam desse capítulo,seus comentários motivam-me muito! Quais foram seus sentimentos em relação a ele? Eu os decepcionei,sim ou não? Quem sabe,talvez?

Fico aos seus aguardos! ❤🙏

Até...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...