1. Spirit Fanfics >
  2. Destinos Cruzados >
  3. O Retorno

História Destinos Cruzados - Capítulo 13


Escrita por:


Capítulo 13 - O Retorno


Convidei Mila e Becky para irem em minha casa tomar um café conosco, Mila não pensou duas vezes e aceitou na hora, papai ficou muito feliz ao vê-la, ele sempre soube da nossa amizade. Uns dois meses depois que eu fui adotada, pedi para meu pai me levar ao abrigo para visitar meus amigos, mas Mila já não estava, por um lado fiquei muito feliz quando soube que ela havia sido adotada, mas por outro, havia ficado triste por pensar que nunca mais a veria, ainda bem que esse mundo é pequeno e que conseguimos nos reencontrar.

Mel, Guille e Becky não pararam de brincar um momento sequer, a filhinha de Mila havia se dado muito bem com a minha pitoca e o meu irmãozinho, legal como criança faz amizades tão rápido, ah, era tão legal ver os três brincando juntos.

-E o que você faz da vida? -Me pergunta Mila.

-Dou aula de espanhol para os anos finais e também sou professora do quarto ano. -Respondo. -E você?

-Que legal, Kim! -Diz Mila. -Ah, eu sou veterinária, com a ajuda dos meus pais adotivos, eu consegui construir minha própria clínica.

-Uau! Que demais! -Falo.

-Mais ou menos, pois muitas vezes chegam animais de rua que foram extremamente maltratados, aí eu cuido deles, e depois o que faço? Fico com eles. Ao todo, já temos 8 cachorros, 7 gatos e 3 galinhas, que eram de um sítio, mas o dono se mudou e as deixou, aí ficamos com elas.

Jesus! Era muito bicho, eu sou apaixonada pelos animais, eu adoraria ter pelo menos um bichinho, mas Lucas não gosta de animais, só que acho que eu não conseguiria ter a quantidade que a Mila tem, e galinha seria um bicho que eu jamais teria, pois uma vez eu dormi na casa de uma amiga no interior da cidade, e na casa ao lado tinha um rapaz que tinha duas galinhas, era 5, 6 da madrugada, eu tentando dormir e quem disse que eu conseguia? Aqueles bichos não paravam de cacarejar, e como estávamos em uma galera, umas 10 pessoas no total, ficamos conversando e fazendo alguns jogos até umas 3h, ou seja, quase não dormir nessa noite, a partir desse dia passei a não gostar mais de galinhas.

Mila jantou conosco e depois ela e Becky foram embora, mas prometemos que manteríamos contato, trocamos whats e facebook, não queria mais perder a amizade dela. Ah, estava tão feliz de a ter encontrado depois de tantos anos.

Mel e eu tomamos banho e depois nos arrumamos para dormir. Como na casa só tinha dois quartos (um do papai e da Sabrina e outro dos meninos), Mel e eu teríamos que dormir na sala, mas para mim isso não era problema, preferia mil vezes dormir em um chão do que ao lado de um homem que não me cuida, não me respeita e não me trata como sua melhor, as vezes acho que moro com um estranho, que não conheço meu próprio marido. Não, não somos casados no papel, mas como moramos juntos, somos praticamente marido e mulher.

-Kim, você e a Mel podem dormir no nosso quarto, o Guille e eu dormimos na sala. -Falou Joca.

-Joca, nós já conversamos sobre isso, e o que eu te disse? Que eu só viria aqui novamente se eu não tirasse vocês do seu quarto, não é justo vocês dormirem na sala cada vez que a Mel e eu viemos pra cá.

-Kim, eu faço questão, você é minha irmãzinha e a Mel minha sobrinha, fora que vocês são mulheres e merecem conforto. Então, não se fala mais no assunto, sempre que vocês vierem aqui, vocês dormirão no meu quarto.

-Te amo, sabia? -Digo sem conter um leve sorriso.

-Sabia. -Brinca Joaquim.

Dou um beijo no rosto dele, e depois Mel e eu vamos para o quarto. 

Joca era um garoto muito sangue bom, meio mulherengo, como ele diz ´´ele só perdoa eu e a mãe dele´´, uma vez ele me contou que já ficou até com algumas primas, sempre foi bem namorador, mas a minha maior surpresa foi quando ele estava com 18 anos e me contou que havia perdido a virgindade, fiquei tipo ´´what?´´, para mim, ele não era mais virgem há muito tempo, do jeito que ele é, pensei que ele havia perdido com uns 14, 15 anos, me surpreendi bastante quando ele fez essa revelação. Mas Joca fazia o estilo mulherengo fofo, ele não ficava com mais de uma garota ao mesmo tempo, e sempre tratava bem a menina que ele estava, dava até flores e chocolate, achava legal da parte dele.

No quarto tinha duas camas, uma do joca e outra do Guille, mas Mel e eu resolvemos dormir juntas, pois fazia muito tempo que não fazíamos isso. 

-Tá gostando da nossa viagem? -Pergunto.

-Tô amando, mamãe.

Ah, Lucas havia me ligado algumas inúmeras vezes, mas resolvi não atender, queria descansar dele, apenas mandava mensagens dizendo ´´agora não posso, depois te ligo´´, e assim que Mel dormiu, resolvi ligar pra ele, pois conhecendo - o bem, se eu não ligasse, não dúvido que no dia seguinte ele não estivesse batendo na porta da casa do meu pai atrás de mim, dele eu não duvido nada.

-Como vocês estão, meu amor? -Pergunta Lucas.

-Estamos ótimas. -Respondo. 

-Que bom! Já estou morrendo de saudade.

Lucas com saudade da gente? Até parece. Bom, da Mel é bem provável de que ele estivesse mesmo, mas de mim eu duvido, a não ser que fosse saudade de me bater, aí até poderia ser.

No dia seguinte, fomos todos a um parque aquático, Mila e Becky também foram, nos divertimos tanto, quanto tempo que eu não me divertia assim, pois Lucas não gostava desses passeios, quando saíamos era sempre para comer fora, nunca fazíamos nada de diferente. 

Ah, era tão bom ver a alegria estampada no rosto da minha filha, estávamos todos felizes, se divertindo. Andamos em vários tobogãs, eu andei nos de adulto com Joca, papai e Sabrina e também nos infantis com a Mel. Foi um dia e tanto, chegamos lá de manhã e saímos só quando o parque fechou, quisemos aproveitar ao máximo.

-Hoje foi o melhor dia da minha vida toda! -Falou Mel ao chegarmos em casa.

-O meu também. -Disse Guille.

Assim que entramos em casa, uma guerra se iniciou por conta do chuveiro, todo mundo queria tomar banho. Mel e eu tomamos banho juntas, como de costume, e depois Joca tomou com Guille, em seguida foi a vez da Sabrina e por último papai. Ah, meu pai… Como queria ficar pra sempre com ele, mesmo sabendo que isso não é possível.

-E como estão as coisas entre você e o Lucas? -Questiona meu pai.

-Estamos bem. -Minto.

Não gostava de mentir e papai sempre me ensinou que não devemos contar mentiras, mas eu não podia falar a verdade.

-Sinto falta de você aqui, baixinha. -Diz ao me abraçar.

-Também sinto. -Falo ao retribuir o abraço.

Queria poder ficar para sempre naquele abraço.

E de repente, quando eu menos percebi, havia chegado o dia de voltar pra casa, acho que Mel também queria ficar, mas infelizmente não podíamos, ela tinha escola, e eu tinha os meus trabalhos, fora que ainda tinha o Lucas. Papai e Joca nos levaram até o aeroporto, nos despedimos dele e fomos em direção onde estava o avião, não quisemos ir de carro, pois seria mais de 5h de viagem, e eu não gosto de ficar tanto tempo na estrada, ainda mais com a Melzinha junto.

Mel e eu nos sentamos nas poltronas. Eu a abracei e ela deitou a cabeça em meu ombro. Ninguém disse nada. Acho que estávamos sentindo a mesma coisa. Tento conter as lágrimas que querem cair, não queria que a minha filha me visse chorando. Mel dormiu durante a viagem e eu só rezava o caminho todo para que Lucas mudasse, para que a gente chegasse lá e ele estivesse diferente, uma nova pessoa, eu sabia que isso não aconteceria, mas eu gostava de imaginar de que seria possível ele mudar.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...