História Destiny - Malec - Capítulo 2


Escrita por:

Visualizações 301
Palavras 1.169
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Famí­lia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Lemon, LGBT, Literatura Feminina, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi (Gay)
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Boa leitura♡
Espero que gostem!! ♡

Capítulo 2 - Não Há Como Voltar Atrás.


Vilde contou a história adaptada da peça com muita alegria. Dava para ver que ela realmente amava a sua profissão. Alexander estava bastante incomodado por ter de ficar com um cara, mesmo que seja apenas uma peça. Ele era hétero, não podia beijar um homem, nem abraçar, nem porra nenhuma. Eram esses pensamentos extremamente errados que ele tinha. Então a aula acabou, e ele se dirigiu até Vilde. Assim como Magnus.

— Eu já sabia que vocês vinham falar comigo - riu.

— Professora, - dessa vez Magnus falou - eu sei que não sou eu que vou beijar um cara, mas sim a personagem - a professora concordou - mas, mesmo assim, eu não quero.

— Cara, eu sou hétero! Não posso beijar um garoto! - Alexander quase gritou, quando disse isso, atraindo o olhar de Magnus sobre si.

— Meu Deus - Vilde riu - estamos em pleno século XXI, como que ainda existem pessoas que pensam assim?

— Hã? - Alec perguntou, com um olhar confuso.

— Se você tem tanta certeza assim, da sua masculinidade, porque tem medo de beijar um garoto? Se você é realmente hétero, não precisa de ter medo de beijar alguém do mesmo sexo, por que isso não vai mudar a sua sexualidade - explicou.

— Eu não vou beijar ele! - Disse ignorando, tudo o que a professora explicou.

— Olhem, eu não vou obrigar vocês a fazerem essa peça. Todavia, gostaria muito que vocês tentassem. Talvez seja mais fácil se vocês se conhecerem. Não estou pedindo para que virarem amigos do nada. Não. - riu - Mas, se observem um ao outro, se conheçam. Se vocês tentarem, mas tentarem mesmo, e me disserem "Vilde, nós tentámos mesmo, mas não conseguimos", eu vou entender. Vou ficar triste, mas vou entender. Podem pelo menos fazer isso?

Ambos concordaram e se despediram de Vilde, saindo da sala. Então, como sempre, foram juntos para suas respectivas casas. Quando o caminho deles se separou, se despediram timidamente.

O destino estava realmente progredindo. Eles se viam todos os dias, porém, mesmo assim, não se notavam. Então, o destino tratou de arranjar uma solução para que eles se encontrassem. E estava funcionando.

O resto da semana foi exatamente igual. A mesma rotina, as mesmas aulas.. Mas algo mudou. Magnus e Alexander se olhavam, tentavam se conhecer mais um ao outro, mesmo que não se falassem.

~~~

Já se haviam passado algumas semanas. Alexander até estava gostando das aulas de teatro, porém, aquela ideia de ter que beijar um cara, não saía da sua cabeça. Ele até que queria ser amigo de Magnus, porém, sempre que se lembrava de que teria que o beijar, a ideia ia embora.

Agora, ele estava em canto isolado da escola, sozinho, enquanto ensaiava as suas falas. Estava tentando teatralizar corretamente, mas parecia que o esforço era em vão.

— Hey - Apareceu de rompante, Magnus, que sem querer assustou Alexander.

— PUTA QUE PARIU! - gritou assustado, pois não estava esperando que ele aparecesse ali, muito menos assim de repente.

— Meu Deus! - gargalhou - você está ensaiando?

— O que você acha? - disse apontando para o roteiro, rindo com o que acabara de acontecer.

— Bem, eu estava pensando.. seria melhor se a gente ensaiasse juntos. O que você acha de a gente ir almoçar, e de depois irmos ensaiar? - sugeriu animado.

— Ah .. - disse receoso - eu ainda não sei minhas falas e nem estou conseguindo teatralizar bem..

Alexander na verdade tinha vergonha de estar perto dele.

— Por isso que vamos ensaiar - sorriu - Vamos?

— Hm.. Okay. Você venceu. Vamos.

Eles foram até ao refeitório, onde encontraram uma fila enorme. Então Magnus, teve uma brilhante ideia.

— Alexander! - chamou, despertando a atenção do menor por ter sido chamado assim, porque afinal todos os chamavam de Alec - Quer saber? Que se dane o refeitório! Vamos para a minha casa, será melhor para ensaiar lá, também.

— Você tem certeza? - disse encarando o chão - Não quero incomodar, nem nada do tipo. Eu..

— Vamos! - Interrompeu o outro, animadamente, e então saíram da escola, seguindo aquele caminho que era tão familiar. Mas dessa vez, para ir para a casa de Magnus.

Quando entrou na casa do jovem, Alexander escutou Magnus chamar pelos pais, mas não obteve resposta. Viu ele tirar os seus sapatos, então Alec fez o mesmo. A casa parecia ser pequena, mas era bem decorada e acolhedora.

— Vem. - olhou para Alexander, e seguiu para a cozinha - pode se sentar aí.

Alec se sentou em uma cadeira do balcão, enquanto olhava à sua volta. A cozinha estava um pouco desarrumada, e viu Magnus tentar arrumar apressadamente.

— Não precisa arrumar só por minha causa - Alec riu.

— Ah ok. É porque eu estou a maior parte do meu tempo sozinho, então acaba ficando assim - riu também, se justificando.

— Eu entendo. - respondeu enquanto via o outro preparar uma sandes com um queijo um pouco meloso - Amo queijo derretido - disse em um tom irónico, enquanto se ria.

— Ah.. eu acabei esquecendo ele fora da geladeira. Tem problema? - olhou para o outro, com um ar preocupado.

— De maneira alguma - respondeu, com um sorriso - Porque você escreve com a mão direita, mas prepara a sandes com a mão esquerda?

— Uau, você notou isso? - riu.

— Não foi o que Vilde pediu? - Perguntou, enquanto via o outro colocar as sandes no forno.

— Agora você faz o que Vilde pede? - Riu, enquanto o outro riu também, mas não respondeu - Eu toco piano, sabe o que isso significa?

— Que é pianista? - Sorriu enquanto o outro revirou os olhos.

— Que engraçado. Isso significa que eu sou bom com ambas as mãos. - tirou as sandes do forno e colocou em cima da bancada.

— Ah entendi.

— Vamos ver o que eu posso colocar nas sandes.. Isso?

— Pimenta? - riu, enquanto escutou sem celular tocar - Claro.

— Isso? - perguntou Magnus novamente, apontando para um frasco com um papel que dizia "sal", com um sorriso nos lábios.

— Sal? Meu Deus vai ficar horrível, mas vamos a isso - riu, enquanto viu o outro colocar um pouco de sal.

— Acho que não tenho mais nada.. só isso - apontou para um frasco de vidro, no qual tinha um papel que dizia "Cardamom".

— Claro! Você tem que botar um monte de Cardamom para a sandes ficar realmente boa! - Gargalhou, enquanto o seu celular tocou novamente.

— Obviamente, nem sei porque perguntei! - riu, e foi até à geladeira, de onde tirou um pacote de suco de laranja, colocou em cima da bancada e foi buscar dois copos. Colocou o suco nos copos, e colocou o mesmo na geladeira. Entregou a sandes e o suco ao outro, enquanto Magnus continuou de pé.

— Você não vai se sentar? - Alexander olhou para o outro que estava encarando a sandes com um olhar apreensivo.

— Não, as minhas pernas doiem de estar tanto tempo sentado.

— Não há como voltar atrás - disse ignorando o que Magnus havia dito, e se referindo à sandes - ambos riram.


Notas Finais


Comentem o que acharam e favoritem. Quanto mais apoiarem, mais rápido eu atualizo ♡
Amo vocês ♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...