1. Spirit Fanfics >
  2. Destiny? >
  3. Chapter One

História Destiny? - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Tia Millie voltou com mais uma fanfic e dessa vez eu juro que eu não apago.

Me inspirando em uma fanfic minha do Changbin que eu apaguei, amo.

Boa leitura Lollipop's! 💜🍭

(Capítulo revisado mas eu, como a lerda que sou posso ter deixado algo passar batido, quem amou? 😎)

Capítulo 1 - Chapter One




— Deu dois mil wons, senhorita! —arregalei os olhos indignada, as coisas na Coréia realmente são muito caras.

— Apenas um chiclete? —indaguei— Cadê a legislação do direito do consumidor desse estabelecimento? —questionei intrigada. Achei sim o chiclete muito caro mas ainda queria masca-lo.

— Se acalme senhora, podemos chegar em um acordo!

— Mil wons e ainda é muito! —estendi a nota para a mulher que pegou receosa e então, recebi meu chiclete.

Agora eu entendi porque essas lojinhas de conveniência se chamam "C.U"; realmente um cu mesmo.

Caminhei para fora do local e comecei a andar em direção ao meu destino.

Nada mais nada menos que um puta apartamento aparentemente luxuoso apenas por fotos. Se eu nem tenho todo esse dinheiro, como estou indo pra' lá? Simples, é a minha Host Family.

"Uau S/n, que incrível! Você está fazendo intercâmbio na Coréia, com certeza deve ser uma daquelas fãs extremamente loucas que sonham em viver uma fanfic!"

Queria subconsciente, queria.

— Quem é você, senhorita? Não pode entrar neste condomínio sem autorização! —um segurança me barrou, na entrada do prédio.

Sorri sínica e estendi um papel a ele, na qual alegava a minha permissão para entrar no condomínio.

— M-Maddie Hodwell? A mesma… —suspirou e se recompôs— Seja bem vinda ao lar dos Seo's.

— Muito obrigada! —exclamei, com extremo deboche e direcionei o chiclete na qual estava abrindo até a minha boca, começando a masca-lo.

Ajustei minha mochila nas costas e suspirei uma última vez naquele dia antes de entrar no local.

Entrei dentro do amplo elevador do prédio e apertei o botão para o último andar.

Antes de chegar ao meu destino, as portas de metal se abriram no sétimo andar, onde um cara extremamente musculoso se despedia de uma garota enquanto entrava de costas dentro do elevador.

— Até a próxima gatinha! —ele deu uma piscadela para a coreana de aparência extremamente fofa e agradável porém, nada dentro dos padrões coreanos. Talvez isso tenha sido o que me agradou.

— Ei, seu bruto! Não olha pra' onde anda não? —gritei assim que o garoto acidentalmente pisou no meu pé.

Talvez seja meu extinto brigar por coisas fúteis, não sei.

— Ih, marrenta! Sua mãe não lhe deu educação não? —ele me olhou, de cima abaixo e sorriu sínico.

— E sua mãe não lhe ensinou a olhar por onde anda, sua anta? Ainda não lhe caiu a ficha que não temos olhos na parte traseira da cabeça? —resmunguei, cruzando os braços e fazendo bico.

— Aish, garota insuportável —sussurrou e eu dei de ombros.

Aproveitei para tirar o casaco de pele falsa que caia sobre os meus ombros já que dentro do local estava muito quente.

As portas se abriram no último andar, o vigésimo quarto e eu não tardei a sair do elevador, trazendo comigo, minha mala e meu casaco.

Vi o garoto metido franzir o cenho, antes de sair do elevador e então, caminhar em minha direção.

— Você é Maddie Hodwell? —ele questionou, aparentemente aborrecido.

— Sou, porque? —perguntei superior.

— Eu mereço! —ele abriu a porta da mesma casa que eu esperava para tocar a campainha— Mãe, a intercambista chegou! —o moreno gritou, me fazendo arregalar os olhos.

— Você mora aqui? —perguntei num tom de indignação.

Não é possível que eu tenha que morar no mesmo teto que esse garoto chato.

— Sim gatinha, moro. Prazer, sou Seo Changbin! —ele estendeu a mão para que eu apertasse.

Isso não é típico coreano, era comum que ele fizesse uma reverência de no máximo, 180°. Provavelmente está tentando se enturmar com a minha cultura, talvez.

— Prazer, eu sou a que não me interessa por quem você é! —dei um tapinha em sua mão e caminhei do hall até o centro da casa.

Extremamente rica e em condições de soberania, com todo o dinheiro de apenas um lustre, pendurado no centro do teto, ajudaria em pelo menos 30% de todos os moradores de rua da Coréia do Sul.

Observei os quadros na estante da ampla sala. Apenas o garoto mesquinho e mais uma mulher de aparência jovem e extremamente bonita.

Observei também o sofá, de pano extremamente fino e sofisticado. Ele era cinza claro e combinava com a modernidade da casa e as almofadas em tom de salmão, preto, cinza escuro, branco e turquesa, todas essas cores colorindo um triângulo de tamanho médio na estampa da almofada.

Suspirei, sentindo o ar gelado do ar condicionado incomodar minhas narinas um pouco e, logo então, um arrepio repentino.

Tratei de colocar meu casaco novamente enquanto decidia mentalmente se deixava a mochila no chão, revestido de um carpete cinza ou colocava a mesma nas costas novamente.

— Olá querida, sinta-se a vontade! —a mesma senhora do quadro apareceu no cômodo, me dando um pequeno susto.


— Oi —sorri tímida e corei, sentindo o olhar de não só da senhora do quadro como também do garoto mesquinho.

— Bom, meu nome é Soojin, Seo Soojin. Aquele é meu filho Seo Changbin, acho que você já o conhece e o meu marido está viajando a trabalho, será bem ausente durante boa parte do seu intercâmbio querida, vou logo avisando! Sinta-se a vontade, agora essa casa também é sua! Changbin irá mostrar os cômodos da residência, incluindo seu quarto, agora eu preciso trabalhar, até mais tarde anjinhos, se cuidem! —ela selou ambas as testas, me deixando constrangida e completamente ruborizada então, petrifiquei por um instante na sala.


F L A S H B A C K 


— Se algo acontecer, já tenho métodos pra' te livrar dessa situação, ok? Confia no seu irmão, eu nunca erro! —riu e beijou minha testa— Aqui está sua identidade falsa, consegui até o nome que você queria! 


— Lucas… Eu não preciso disso, nós iremos dar conta! 


— S/n, eu… Você não tem juízo? Não tem noção do que está dizendo meu bem? Eu estou te prevenindo e te prevenir significa que você precisa manter distância desse país e dessas pessoas más! E o mais importante de tudo, eles não podem te encontrar! Eu sei que meu tempo está acabando, S/a… Por isso eu estou fazendo todas essas coisas. —mais uma vez, minha testa recebeu um selar.


Vou sentir falta de lucas quando ele partir…


— Ei, marrenta! —senti tocarem no meu ombro e soltei um gemido arrastado de dor.

Talvez esse seja um dos mais inúmeros ferimentos e hematomas que eu tenho espalhados no meu corpo por conta de uma noite nada boa.

Mas essa história, bah, ela fica pra outro dia.

— Vamos, eu vou te mostrar a casa! —ele pegou minha mochila e colocou em suas costas, o que foi um alívio pra mim pois meu ombro estava latejando de dor.


Ele começou a me mostrar toda a casa até que finalmente chegamos no quarto.

— E aqui é o seu quarto! —tratei de me jogar na cama rapidamente soltando um suspiro de alívio.

— Meu Deus, como é bom deitar depois de passar trinta horas sentada! —exclamei, afundando minha cabeça no acolchoado fofinho.

— Você é meio folgada para apenas uma intercambista! —o coreano disse, soltando um riso soprado.

— E você é metido demais pra quem tem apenas dinheiro, quanto a fama, ela lhe falta.





Notas Finais


Quem lembra da minha fanfic antiga já sabe a história por trás de todo esse intercâmbio, hihi.

Beijinhos lollipop's 💜🍭


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...