História Destiny - Capítulo 13


Escrita por: ~

Postado
Categorias 2PM
Personagens Chansung, Junho, Nichkhun, Taecyeon, Wooyoung
Tags 2pm, Kpop, Lemon, Musica, Romance, Yaoi
Visualizações 191
Palavras 2.496
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi (Gay)
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Quem aí gosta de um pouco de drama? haha
Não sei se vão gostar muito desse capítulo, mas lá vai!
Boa leitura. ^_^

Capítulo 13 - Without U


Eu estava com Khunnie, no quarto. Estávamos deitados na cama, nos abraçando de frente um para o outro. Nós nos olhávamos nos olhos, eu tentava disfarçar a minha culpa. Ele não parecia suspeitar de coisa alguma, mas eu sabia que se continuasse assim cedo ou tarde ele desconfiaria.

Comecei a acariciá-lo, tentando desviar tanto sua atenção, quanto a minha. Eu precisava tê-lo agora e sentir o seu corpo, seu calor. Precisava sentir aquele mesmo desejo que tivera com ChanSung, ou melhor, eu necessitava que fosse ainda maior do que o que sentira por ele. Eu queria amar apenas NichKhun.

Mas é impossível...

Coloquei minha mão sobre sua nuca e puxei-o mais para perto, selando nossos lábios, mais com urgência do que com paixão. Não que o problema fosse com ele e que eu não estivesse apaixonado, bem pelo contrário. O problema é que aquele cara ainda estava na minha cabeça e insistia em permanecer ali, por mais que as coisas esquentassem.

– Vai devagar, garotão! – Parou após eu morder seu lábio um pouco forte demais.

– Desculpa... – Fiquei meio sem jeito.

– Algum problema, meu amor? Você parece um pouco... hm... tenso!

– Não é nada, acho que só estou um pouco cansado da viagem e na noite passada eu não dormi muito...

– Ah... Desculpa! – Ele pareceu chateado. – Isso é minha culpa, não é mesmo?

– Hm...?

– Eu te acordei ontem... Você não conseguiu dormir direito depois, não é mesmo? Desculpa...

– Ah... Não se preocupe, não foi nada...

– Vem cá! – Estendeu os braços. – Deita aqui em mim que eu te faço um cafuné bem gostoso pra você descansar.

Deitei sobre seu peito, fechei os olhos e apenas fiquei sentindo o seu toque. Tentei relaxar, senti que estava pegando no sono, quando de repente algumas cenas começaram a invadir a minha mente. A primeira era do sonho que eu tivera com ChanSung antes de conhecê-lo, depois a declaração de NichKhun, o beijo de ChanSung no banheiro, o beijo que Khunnie me dera para retirar a espuma de capuccino que estava em meus lábios, o beijou que dei em Chan quando ele me salvara de seu irmão, eu e NichKhun fazendo amor e, por último, as imagens da noite passada.

A minha cabeça estava revirada. Não sabia o que fazer e nem em quem pensar. Sem perceber deixei algumas lágrimas escorrerem, tocando a camisa de NichKhun.

– O que...? O que houve? Porque está chorando?

Ele estava realmente preocupado.

– Não... Não é nada. Eu vou tomar um banho...

Pulei da cama, peguei a primeira roupa que encontrei na mala e corri para o banheiro.

– O que estou fazendo...? – Suspirei.

Despi-me, liguei o chuveiro e fiquei sob a água. Ergui minha cabeça e olhei para o teto, após um rápido (porém profundo) suspiro as lágrimas voltaram a cair. Meus olhos estavam ziguezagueando por lugares aleatórios, tentando colocar meus pensamentos no lugar.

Voltei a pensar naquele cara.

Analisei meu corpo, lembrando cada lugar que ele havia tocado. Olhei para meu membro, ele estava animado. Porra, porque ele estava assim? A resposta era óbvia: por culpa dele, do que ele fez na noite passada.

Ainda sem conseguir segurar minhas lágrimas comecei a me tocar, lembrando-me de quando ele mesmo fizera isso. Imagino que essa deveria ser uma cena bizarra: eu, sob as gotas de água que me encharcavam, chorando, me masturbando e contendo meus gemidos ao mesmo tempo. Agora eu não tinha mais dúvidas que eu estava maluco.

Após tudo isso tratei de terminar o meu banho o mais rápido possível. Eu já estava tempo demais ali.

Ao abrir a porta do banheiro, me deparo com Khunnie guardando o meu casaco e deixando cair o papel que ChanSung me dera. Ele esta prestes a pegá-lo quando eu rapidamente juntei do chão e coloquei no bolso da calça.

Ele ficou um pouco intrigado, mas não perguntou o que havia ali, apenas perguntou como eu estava, me deu um beijo na testa e foi tomar um banho. Aproveitei que agora estava sozinho para ler o papel.

Apareça às 10 horas em frente à cerejeira, na praça há três quadras ao norte do hotel, estarei te esperando. Venha sozinho. Hehe ;) ♥

Ri ao ler.

– E pra que serve celular mesmo? – Ironizei.

Coloquei o papel no bolso, vesti os tênis e saí à procura do lugar.

Chegando na praça, avistei a tal cerejeira, mas nada de ChanSung. Sentei-me em frente a ela e apoiei minhas costas na mesma. Fiquei olhando o céu, as nuvens. Eu finalmente estava conseguindo relaxar. Fechei meus olhos para sentir a harmonia do lugar.

Lábios de repente tocam os meus, assustando-me. Era ChanSung.

– Tão fofo... – Disse enquanto apertava minhas bochechas.

– Hey! Cuidado! – Olhei para os dois lados a procura de alguém conhecido. – Alguém pode ver!

Ele deu de ombros.

– Por mim seria até melhor.

Resmunguei um pouco, mas depois já estávamos rindo.

Ele me obrigou a andar de mãos dadas pela praça, me deixando muito sem graça. Pessoas nos olhavam estranho, pois provavelmente elas não estavam acostumadas a ver uma cena como aquela.

Depois de muitas voltas, nós voltamos até a cerejeira e ficamos lá sentados por mais algum tempo.

– Não seria ótimo se pudéssemos ficar assim pra sempre?

– Hum...? Como?

– Assim, de bom humor, de mãos dadas e... – Pôs suas mãos em minha nuca e aproximou nossos rostos – Nos beijando...

Nós nos beijamos calmamente, como se tivéssemos todo o tempo do mundo. Como se nada nem ninguém pudesse nos atrapalhar. Esse foi exatamente o nosso engano...

***

NichKhun POV – On

Eu estava arrumando as coisas de WooYoung quando, ao guardar seu casaco, deixei cair um papel de seu bolso. Quando fui pegar Woo rapidamente surgiu e tomou o papel tão rápido que foi realmente esquisito, ele parecia querer esconder algo.

Preferi não ligar praquilo agora, mais tarde eu perguntaria sobre isso. Agora eu estava preocupado com outra coisa. Ele parecia um tanto triste e diferente, isso sim me preocupava.

– Está tudo bem, meu amor?

Ele concordou com um leve sorriso fofo. Beijei sua testa e fui para o banheiro, mas ao entrar me lembrei que havia esquecido a toalha. Que cabeça a minha, não é mesmo?

Abri a porta devagar e pude ver WooYoung lendo aquele papel, com um sorriso nos lábios, e saiu rapidamente do quarto.

O que havia naquele papelzinho para acabar com aquela cara de enterro tão rápido? Muito estranho...

Peguei a toalha, que estava sobre uma mesinha e tomei meu banho, que foi bem demorado por sinal.

Me perguntei o que era tudo isso e porque dele estar tão distante. Será que algo aconteceu? E que maldito papel era aquele... – Olho para o chão ao perceber que algo havia grudado no meu pé. – O papel...

Sim, aquele mesmo papel que me deixara tão curioso estava ali, no chão. O que era estranho, porque havia o visto colocando no seu bolso, mas provavelmente errou a “mira”.

Peguei aquele papel, sem ler ainda. Me perguntava se era certo invadir sua privacidade, eu devia confiar nele, não é? Ele ficaria magoado se soubesse que eu estava desconfiando dele.

Coloquei aquele papel sobre a mesa e fiquei de costas pra ele e me dirigi à porta, mas parei em frente a mesma.

– Se bem que nem tem como ele descobrir, não é mesmo...? –Me convenci. Eu precisava dar um jeito nessa minha curiosidade de uma vez por todas.

Peguei aquele papel e desdobrei-o. Quando li aquilo eu fiquei em uma espécie de estado de choque.

– Mas... que... diabos? – Li umas cinco vezes pra ver se não havia interpretado errado alguma coisa, mas aquele: “Venha sozinho” e com um coração no final não me cheirava boa coisa.

Eu precisava tirar isso a limpo de uma vez.

NichKhun POV – Off

Escuto um barulho de alguma coisa se chocando e ChanSung rapidamente se afasta de mim, gemendo de dor. Olho para o chão e vejo uma pedra caindo... uma pedra?

Ao dirigir minha atenção para frente aconteceu o que eu mais temia. ELE estava ali. Sua face estava vermelha de fúria, nunca havia o visto assim. Era assustador!

– Já falei pra sair de perto do meu homem, seu retardado! – Khun gritava

– Seu homem? Quem foi que falou que ele é seu? – Provocava.

NichKhun agarrou a gola da camisa de Chan, levantou e chocou-o contra a árvore.

– Seu filho de uma égua! Eu to te avisando, não ouse tocar em um fio de cabelo dele ou eu quebro essa tua cara de pau.

ChanSung só ria.

Eu tentava separá-los, mas era impossível.

– Você não vê? Ele quer me proteger. Ele ME quer e não a você, seu corninho idiota.

– O que foi que você disse? REPETE SE FOR HOMEM.

– Cor-ni-nho i-di-o-ta! – Sorriu.

Khunnie deu um soco na cara dele, com tudo o que tinha, fazendo um corte no lábio de ChanSung, que riu sarcasticamente.

– Isso é tudo que tem? Por favor! Pensei que você era homem! – ChanSung continuou a provocar.

NichKhun estava prestes a socá-lo novamente, mas segurei seu braço, impedindo-o. Ele me olhou surpreso, como se não esperasse por aquilo. Seu olhar fez com que eu me sentisse um traidor.

– Então é assim? Você quer a ele?

Fiquei sem reação.

– Faça bom proveito então! – Jogou ChanSung pra cima de mim. – Vai! Pega ele. Vai!

Continuei paralisado. Como isso foi acontecer? Como eu poderia voltar atrás agora? Como...?

– Vai ficar me olhando com essa cara? Pega essa bixona e vende o teu corpo pra ele. Garanto que deve ta te pagando muito bem pra ti correr pra ele tão rápido.

Meus olhos se encheram de lágrimas. Eu estava em estado de choque.

ChanSung teu um soco na cara dele, o que surpreendeu tanto a mim quanto NichKhun.

– Pode me chamar de qualquer coisa, mas não fala dele, seu viadinho do caralho! Vai chamar de puta a tua mãe! Se você pensa assim dele, ele fez muito bem em ficar comigo. – Riu e virou-se pra mim – Vê? Era com esse canalha que você estava querendo tanto ficar? Alguém que pense em ti como uma puta?

Eu caí no chão e comecei a chorar. Chorar incontrolavelmente. Eu havia o perdido, perdi sua confiança, perdi sua amizade, perdi seu respeito, perdi seu amor, perdi seu carinho. Perdi tudo, tudo o que havia sido o meu mundo durante anos. Eu realmente havia perdido NichKhun.

Não sei mais o que havia acontecido. Não consegui prestar atenção em mais palavra alguma que disseram. A única coisa que eu conseguia fazer era chorar.

***

Depois de algum tempo finalmente me acalmei e ChanSung continuou ao meu lado.

Levantei minha cabeça e olhei em seus olhos.

– Ah!... – Ele gritou, me dando um susto. – Você está horrível, todo inchado...

– Id..idiota... – ri um pouco, mas depois voltei a minha feição triste.

– Hey! Woo, sorria! – Colocou seus dedos um em cada canto de meus lábios e puxou-os pra cima, forçando um sorriso. – Vamos, Woo!

Continuei com aquela cara de enterro.

– Você gostava tanto assim dele? – Perguntou meio triste.

Apenas concordei com a cabeça, sem olhar em seus olhos.

– Você preferia ter ficado com ele e não comigo...? – Ele olhou para o lado para disfarçar sua tristeza.

Olhei-o rapidamente e virei seu rosto de frente para o meu e respondi:

– Não.

Ele deu um meio sorriso, mas em seguida suspirou.

– Eu te disse que não poderia ficar com os dois. Você teria que escolher mais cedo ou mais tarde...

– Eu sei...

Ele me abraçou e fez carinho na minha cabeça, tentando me acalmar, mas lágrimas voltaram a cair dos meus olhos.

– Sabe... – Comecei a falar em meio de alguns soluços – A gente ta junto a tanto tempo. Não namorando, isso é recente, mas ele sempre foi meu melhor amigo... Desde pequeno, sabe. – Eu não olhava em seu rosto ainda, queria continuar daquele jeito, eu precisava desabafar, mas não teria coragem se o encarasse. – A gente se conhece há tantos anos... – Abri um sorriso triste – Ele foi o meu primeiro e único amor durante a minha vida inteira, foi como um pilar. Sempre senti que eu iria desabar se me afastasse demais dele, por isso eu não me declarei para ele.

ChanSung continuava com seu afago, mas pude sentir a sua tristeza em seus toques.

Comecei a rir, atrapalhado. Era um riso, agoniante, um riso sarcástico e triste.

– Ele foi o meu primeiro em tudo e sempre pensei que seria o único pra sempre. Me senti o homem mais feliz do universo quando ele se declarou pra mim. Quando escutei o primeiro “eu te amo” vindo de seus lábios. – Senti um aperto no coração. – Mas aí você apareceu...

Juntei coragem e olhei bem no fundo de seus olhos.

– Primeiro em meus sonhos. – Ele deu um leve sorrisinho. – Depois naquele bar... Aquele beijo forçado que você me deu revirou a minha vida como nunca pensei que seria possível acontecer. Um beijo foi o suficiente para desnortear a minha vida por completo.

Ele deslizou seus dedos sobre o contorno do meu rosto.

– Eu tentei resistir, você sabe, mas você insistiu em me perseguir. Tentei odiar você. Oh, céus como eu tentei! Mas isso não era possível. Cada simples curva do seu corpo já me fazia esquecer de quem eu era e de todo o resto.

Deixei cair mais uma lágrima e ele a limpou delicadamente.

– Você me promete uma coisa...?

– Tudo! Tudo o que você quiser. – Sorriu.

– Me promete que me fará esquecer todo aquele sentimento que já senti por ele? Que me fará feliz? Me promete que eu não vou me arrepender jamais de ter errado tanto com ele? Me promete que... – Ele colocou o indicador sobre meus lábios, selando o que eu tinha para dizer.

– Você não pode me pedir isso... – Olhei para ele, perdido e triste com a resposta que recebera.

– Espera. Eu não terminei ainda. – sorriu. – Você não pode me pedir isso, ou melhor, não precisa. Isso eu já jurei desde a primeira vez em que te vi. Jurei que você seria apenas meu, meu garotinho. Que faria de você o mais feliz, o mais amado...

Ele deslizou sua mão até minha nuca e eu fiz o mesmo até a dele.

Eu finalmente sorri.

– Seremos apenas nós dois agora. Você não vai se arrepender!

Suas palavras foram seladas com o toque de nossos lábios. Nunca os desejei tanto quanto naquele momento. Seu beijo nunca fora tão quente e acolhedor como agora. Senti mesmo que aquelas palavras eram concretas e logo se tornariam reais.

Mas as coisas nunca acontecem como o esperado...


Notas Finais


E aí?
Não sou muito boa em escrever dramas;'( Espero que tenham gostado.
O que será que ainda vai acontecer? Como será que vai rolar o show com todo esse clima pesado no ar? E a banda como será que vai ficar?
Tem tudo pras coisas piorarem agora. :T
O que vocês acham que o Khunnie vai fazer agora, ein?
Quero saber o que tão achando e quais as expectativas pro próximo capítulo. ^_^
Cuidem-se, pessoal. Até o próximo cap. ?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...