1. Spirit Fanfics >
  2. Destiny >
  3. Capitulo-53

História Destiny - Capítulo 56


Escrita por:


Notas do Autor


Ai que ansiedade, falta tão puco!!!!
Espero que estejam gostando dos capítulos!

Capítulo 56 - Capitulo-53


Ainda passei mais uma semana inteira no hospital. Os meus exames apresentaram alterações e eu tive que ficar em observação. 

As minhas costelas só estavam "magoadas" devido a gravidade do acidente. Mas o mais importante é que o meu bebê está bem so tenho que tomar alguns cuidados.

Não vou mentir, essa semana foi muito diferente de tudo o que já passei. Eu tive que aprender sobre mim, eu tive que me conhecer, saber sobre a minha vida. Como o Peter tinha me relatado anteriormente, descobri que eu sou dona de um buffet, bastante renomado por sinal. Sou independente, mãe superprotetora, afinal, meu filho tem bronquite, asma, e todas essas coisas respiratórias, deve ser terrível!


Descobri também que tenho uma casa em São francisco, que é para onde viemos quando tive alta a três semanas atrás. Peter fez questão de nos trazer em seu jatinho, ele disse que vai fazer uma reforma na sua casa, para poder deixar tudo pronto para a chegada do bebê, e que vai ficar conosco enquanto isso acontece.
Eu achei bom, afinal, eu não me recordo de muitas pessoas em minha vida, e as que me lembro, e mais confio, que seriam os meus pais, não estão mais aqui. Então, a proximidade da Tathianna, dele e do nosso filho, é ótima para mim.


Por falar em nosso filho, só eu sei como tudo isso é estranho, tenho consultado muito o meu coração, elevado os meus pensamentos a "alguém" maior do que eu, e eu sinto que mesmo me recordando de absolutamente nada dos últimos 13 anos, estou indo por um bom caminho com o meu filho, em minha cabeça, nunca fui mãe, é um desafio, mas acho que estou indo bem em relação a isso.


Desde o acidente, a minha gestação se tornou de alto risco e com isso não posso ficar fazendo tantas coisas, tenho que tomar cuidado com tudo, não quero correr o risco de acontecer qualquer coisa com o meu bebê.
O médico disse que agora estou de quatro meses e meio, e coisa  abessa. Mas, como não me lembro de nada mesmo, é como se tivesse acabado de descobrir. Ele perguntou se eu queria saber o sexo do bebê, mas a minha amiga disse que queria fazer um chá revelação. Eu não sei o que é isso, mais pelo o que me explicou, acho que vou gostar.

 
A minha casa é simplesmente enorme, muito bem decorada, tem um piano de cauda na entrada, meu filho disse que eu dei para ela praticar, ja que ele toca piano.  Tenho muitas garrafas de bebida e pela quantidade que tem no interior delas, ou eu bebia demais, ou dava festas todos os dias.
O engraçado é que eu, a minha memória atual, não se vê morando aqui, é tudo muito grande, exagerado, não parece combinar comigo, é como se tivesse na casa de outra pessoa.
A dona Sônia, que eu descobri trabalhar para mim, desde que o Nick era menor, parece ser uma ótima pessoa, ela cuida de mim, de todos nós na realidade, como uma mãe, é  muito carinhosa, e atenciosa. Sorte a minha.


O Peter foi para Los Angeles, na última semana, e vai passar mais uma semana por lá, ele disse que vai resolver alguns problemas da produtora musical, e da sua carreira, já que ele pretende dar uma pequena pausa.
Ainda não consegui ter nada com ele, sei que estou grávida dele, temos um filho lindo, é muito carinhoso comigo, mas ainda não aconteceu nada. Primeiro por causa da minha recuperação, e outra, é que para mim, será como a primeira vez com ele, já que não me lembro de estarmos juntos. Uma pena!


Por que uma pena?

Vou te explicar.


Uma vez eu fui até o quarto em que ele está dormindo, já que não estamos dividindo o mesmo quarto, e ele estava me mostrando as suas músicas, tando as ja lançadas, como as que ainda estão no papel, que são simplesmente incríveis por sinal. E em um certo momento ele disse que iria tomar banho, e que já voltava.

 

Flashback on

 

- Quer  que eu me retire? - o questionei retirando os fones.


- Claro que não, fique à vontade por favor, como se estivesse em sua casa! - sorrimos.


- Seu bobo!


Continuei a ouvir a música e não demorou mais do que quinze minutos, ele abriu a porta do banheiro vestido apenas com uma toalha. Isso mesmo, uma simples toalha envolta em sua cintura. 

Sabe nos cinemas quando aquela cena tao esperada e colocada em câmera lenta? Então, foi exatamente essa a minha sensação, a que ele andava andando em câmera lenta na minha frente. As gotículas de água escorrendo vagarosamente pela sua pele, foi simplesmente um vislumbre.Ele parecia distraído, como se tivesse esquecido que eu estava ali. Procurava algo no closet onde estavam suas coisas, senti o meu peito acelerar, uma vontade louca de beijá-lo, mas a vergonha me impediu de fazer qualquer coisa, a não ser o olhar. 

Lindo!

É o mínimo que posso falar. 

Parece que ao recordar de que eu estava por ali, ele olhou em minha direção e apenas sorriu. Eu não consegui tirar os olhos dele, mesmo vendo que ele me notou ali, o encarando.E o pior, tenho certeza que estava boquiaberta, e só para piorar a minha situação, eu não consegui mover um músculo. Ele caminhou em minha direção, parou a minha frente, esticando a mão para mim, e eu aceitei. Me levantei deixando os fones de lado, e ele colocou a minha mão em seu peito quente, foi impossível não fechar os olhos, sentindo a sua pele úmida, e cheirosa pós banho. Ainda de olhos fechados senti o seu corpo colar ao meu, e foi a vez da minha respiração falhar. Era simplesmente inexplicável o que eu sentia naquele momento, todo o meu corpo tremia, mesmo sabendo que não, era como se fosse a primeira vez que eu o tocava.

- Só eu sei como sinto a sua falta, mas eu vou ser o homem mais paciente, e compreensível do universo! - sorriu de forma ruidosa me fazendo abrir os olhos.


- Eu posso...


- Não, eu quero que você realmente esteja certa, e segura! - beijou os meus lábios com suavidade, dando as costas em seguida, e voltando para o banheiro.

Flashback off

Bem, depois disso não me restou outra opção a não ser ir para o meu quarto, tomar um banho, e dormir. Já que o meu menino já descansava.

 

Durante esse tempo, a Tathianna dormiu aqui em alguns dias, e nos conversamos bastante sobre isso. Ela disse para que eu ficasse tranquila, que ele era o homem que eu amava, e ela tinha certeza de que ele também me amava. E eu não tinha dúvidas quanto a isso, devido ao seu cuidado conosco.
Ela disse que eu não precisava ficar com receio de nada, e segundo ela, "ele já tinha visto tudo!" E neste momento, eu fiquei vermelha como um tomate bem maduro.


Repassando a nossa conversa, eu decidi sim, deixar esse temor de lado, e dar o primeiro passo.
No início da noite, ele me ligou dizendo que estava de volta e perguntou se queria algo para o jantar. Eu disse que ele poderia trazer o que quisesse, afinal, seríamos somente nós dois, pois a Tathianna tinha pedido para o Nick dormir na casa dela. Não vi problema, somente senti cheiro de armação, eu conheço a minha amiga.
Quando ele chegou, estava lindo e cheiroso, com o nosso jantar em mãos, ele colocou sobre a mesa, e veio ao meu encontro.


- Tudo bem? - beijou os meus lábios com carinho.


- Senti a sua falta! - fui sincera, e o abracei saudosa.


- Eu também senti! - o seu sorriso era lindo, e largo. - Com fome?


- Sim!


- Desculpa, meu amor, mas eu perguntei a outra pessoa!


Ele se abaixou a minha frente e beijou a minha aparente barriga de 5 meses, ele a acariciou, elevou a minha blusa, e a beijou novamente. O contato da sua respiração com a minha pele, fez cada pelo do meu corpo se arrepiar.


- Papai sentiu a sua falta também, meu amor!


Ele está se mostrando ser um pai maravilhoso, atencioso, amoroso demais com minha barriga, e com o Nick.
Após o jantar, decidimos ir para o jardim, a noite estava lindíssima, a lua estava exuberante e o céu bastante estrelado.
Ele segurou em minha mão, depositando um beijo na mesma, sorri ao olhar em seus olhos, e ser presenteada com um lindo sorriso.


- Eu te amo tanto, sabia?


- Eu também te amo! - beijou os meus lábios.


- A lua está incrível hoje, não é? - me virou de costas para ele e me abraçou por trás.


-.Sim, lindíssima!


- Não mais do que você, meu amor. - senti ele se soltar de mim.


E ao me virar, me deparei com ele ajoelhado, com um lindo anel em uma caixinha preta em suas mãos. Elevei as mãos a boca, e simplesmente fiquei sem palavras.

Musica


- Sabe, eu não tenho dúvidas eu não tenho receio, não tenho tempo a perder com indecisões, definitivamente, você é  a mulher da minha vida. Nos desencontramos anos atrás devido a nossa distância, e depois de 12 anos, no encontramos novamente, e por pura arte do destino, nos desencontramos novamente. Afinal, você se perdeu aqui! - tocou em sua cabeça. Mas nós nos reencontramos aqui novamente! - tocou em seu peito, e sorrimos. Eu te amo demais, Destiny, e o destino vem mais uma vez nos mostrar isso! - tocou em minha barriga. Eu não quero outra pessoa em minha vida, eu não quero te perder pela terceira vez, seria demais para mim. Por isso meu amor, e por muitos outros motivos, eu quero te perguntar, se você quer passar o resto da sua vida ao meu lado, me aturando, me amando, e dividindo a sua vida comigo? Aceita ser a senhora Hernandez?-o sorriso que brincava em seus labios, me deixou simplesmente cega.

Eu fiquei por alguns segundo parada, estava completamente sem reação. Eu tinha apenas 17 anos, e estava sendo pedida em casamento... Não, espera. Destiny, voce e uma mulher feita, entenda, e se acostume, voce a mulher da vida de alguém, e por pura sorte do destino, esse alguém, e o homem da sua vida, não o deixe ir embora.


-Aceito!-sorri decidida, e nada além disso saiu dos meus lábios neste momento.


Ele colocou o anel em meu dedo, me beijou, eu o beijei, nos beijamos muito, e quando vi, estávamos subindo as escadas em direção ao meu quarto. 

Eu estava extremamente relaxada, tranquila quanto a ele, quanto ao que ele sente por mim, e quanto ao que eu sinto por ele. Como já mencionei, em minha cabeça nos conhecemos a poucos dias, mas em meu coração, o amor já e mais do que certo.
Eu dei a iniciativa retirando a sua camisa, ele olhou em meus olhos, e perguntou se era realmente isso que eu queria.


-E tudo o que eu mais quero meu amor! Eu não posso mais ficar um minuto sem te sentir.


Ele me pegou em seu colo colocando-me cuidadosamente sobre a cama, subiu sobre mim colocando uma perna de cada lado do meu corpo, me fazendo sorrir com expectativa.
Se inclinou sobre mim, e senti a sua boca percorrendo o meu rosto, pescoço, e colo entre os meus seios onde o decote do vestido permitia. Senti a minha pele se arrepiar por completo, e foi impossível não o tocar. Envolvi a minha mãos em seu pescoço puxando com força moderada os fios de cabelo em sua nuca.
Ele retirou o meu vestido, me deixando apenas de lingerie, acariciou o meu corpo, contornando a minha barriga, me fazendo sorrir.
O meu coração estava acelerado, eu estava muito feliz.


Retiramos as últimas peças de roupa que ainda estavam em nossos corpos, e entre beijos, carícias e gemidos, me senti ser completamente dele. Ele me penetrou com carinho, e cuidado, sempre me beijando, e perguntando se estávamos bem.
Naquela noite fizemos algo, que eu imagino ser amor. Calmo e tranquilo. Quando ele pediu que eu ficasse por cima, segurou em minhas coxas me ajudando com os movimentos iniciais e  depois as depositou em meus seios, os massageando de leve, me fazendo gemer. As suas mãos ágeis passearam por todo o meu corpo, assim como os seus olhos não desviaram um segundo se quer de mim, e aquilo fez todo o meu interior se acalmar como água de rio.

Fechei os olhos inclinando a cabeça para trás, aproveitando de todo o prazer que estava sentindo. O meu corpo se movimentava em um ritmo lento, só n osso, sem pressa, aproveitando cada centímetro um do outro. Me inclinei para frente sob o seu corpo, e beijei o seu pescoço devagar, passando a língua, e sentindo o delicioso cheiro da sua pele. 

-Isso e tortura!

Sorri quando ele nos virou sob a cama, ficando novamente por sima de mim. segurou minha coxa por baixo a suspendendo ate a altura do seu quadril, nos unindo ainda mais, e me fazendo senti-lo ainda mais fundo. Foi impossível reprimir um gemido der prazer que formou em minha garganta. O seu ritmo era moderado, mas os gemidos eram altos, eram incontroláveis, era nítido o esforço que fazia para nao passar do limite, e provavelmente me machucar. Envolvi o seu pescoço o fazendo me encarar.

-Mais, mais rápido por favor, esta me matando!

-Tem certeza...

-Sim!

-Não quero te machucar.

-Não vai! Agora por favor, eu preciso sentir de uma vez o que esta se formando aqui dentro!

E, diante da minha suplica, ele se ajoelhou na cama, acomodando o meu quadril de forma confortável, elevou uma de minhas pernas ate a altura de seu ombro, e antes de me levar a um lugar que definitivamente ainda não tinha ido, ele sorriu. Simplesmente sorriu. 

Fechei os olhos com força ao senti-lo ágil, e duro em movimentos acelerados, onde os nossos gemidos ja começavam a tomar outra proporção. Simplesmente. Gememos alto quando chegamos ao ao ápice juntos, com beijos, e muitas carícias.

-Você e a perfeição em forma de mulher, e eu sou muito agradecido por isso!-sorri.


- E a partir de hoje, eu serei sua para sempre!-acariciei o seu rosto.


-Para sempre!-concordou.

Dois meses e meio depois...

Eu estava com sete meses e meio quando a minha amiga organizou o tal do chá revelação.

 A família do Peter compareceu quase por inteira, as suas irmãs, irmão, pai, sobrinhos e alguns primos mais próximos. Da minha parte, foi somente a minha amiga, o seu namorado Maurício, e o Chase que descobri também ser o meu sócio, e um ex namorado, mas ele estava com sua atual namorada.
Uma linda decoração, um lindo bolo, tudo feito pela nossa empresa. 

Nossa, ainda e muito estranho para mim falar isso, na realidade muita coisa ainda e muito estranha para mim. Mas, com o tempo, eu creio que as coisas vão se encaixando. Eu já estou conformada em não me recordar de nada dos anos que perdi, e como prometi ao meu filho, estamos fazendo novas lembranças juntos, nos quatro.


Ao longo desses meses já viajamos, fomos a praia, eles me apresentaram a lugares que eu já tinha ido, porém não me recordava mais. Me deram flores sem um motivo específico, presentes sem datas especiais, e até fizeram uma apresentação na sala de casa para mim, onde o nosso filho tocava piano, e ele cantava.
Novas memórias estão sendo construídas, e eu estou me sentindo a mulher mais feliz e acolhida do mundo.


-Chegou a hora de saber se eu vou ter mais um sobrinho, ou uma linda sobrinha!- a voz da Tathianna, se fez presente.


No segundo andar da casa, pudemos ver o nosso filho na varanda do nosso quarto.
Ah, eu nem contei, mas depois da noite em que passamos juntos, começamos a dividir o mesmo quarto, até por que, agora somos noivos, não teria muito sentido ainda dormirmos em quartos separados.


-Estão todos prontos?-foi a vez do nosso filho falar.


Depois de todos estarmos atentos a ele, o vimos pegar um bastão de fumaça, e com o auxílio de uma das irmãs do Peter, o acender. De início uma fumaça cinca podia ser vista, mas logo em seguida ela tomou cor, e junto com ela, canhões de fumaça que estava discretamente escondido no jardim, começaram a soltar da mesma cor de fumaça.


-Agora eu fico de cabelos brancos mais rápido!-todos sorriram.


-Um lindo casal meu amor, muito obrigada!-acariciei o seu rosto.


-Eu te amo tanto!-ele me encara. 


-Eu também te amo!

-Muito obrigado por mais esse presente, uma linda menina!


Notas Finais


Musica-> https://www.youtube.com/watch?v=QKhgsQlnWkw

Beijos, e ate amanha!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...