História Desventuras de um amor - Capítulo 18


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jimin, Jin, Jungkook, V
Tags Bts, Jimin, Jin, Kook, Park Jimin, Taehyung
Visualizações 42
Palavras 2.887
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi xuxuzinhos, como vocês estão?
Desculpem a minha demora, os vestibulares tão me deixando doida!!!
Enfim, o Enem é amanhã, eu to ficando doida, ansiedade a milhão de novo, dai resolvi escrever e postar hoje para descontrair. Desculpem os possíveis erros e perdão se ficar ruim, foi tudo feito hoje haha
Boa Leitura, espero que gostem <3
ps: boa sorte ai pro povo que vai fazer Enem tbm !!!!

Capítulo 18 - Isso é uma longa história...


Fanfic / Fanfiction Desventuras de um amor - Capítulo 18 - Isso é uma longa história...

Até que dormimos bem, já que estávamos em uma cama de solteiro. Eu demorei a pegar no sono depois de sentir sua barriga, o fato de saber que um ser humaninho cresce dentro dela me fascina. Sempre me imaginei tendo uma família, filhos correndo pela casa, mas depois da morte de Yang Mi a ideia se perdeu dentro de mim e S/N me fez acha-la.

Acordo cedo, me levanto, a acordo e vou tomar um banho. Deixo a água fria despertar meu corpo sonolento, faço minha higiene matinal, saio do banheiro me sentindo finalmente acordado, me arrumo e vou chamá-la novamente. Ela já levantou, ainda de pijama prepara nosso café da manhã, assim que me sento à mesa, ela se levanta e vai se arrumar. S/N não demora muito para se arrumar, se senta a mesa e aí sim começamos a comer. Comemos rapidamente, pois já estávamos atrasados e então saímos.

 - Dormiu bem? — pergunto a ela ao perceber que ela está distraída olhando pela       janela.
- Dormi sim e você? —Ela agora abre um leve sorriso           .
- Sim, está tudo bem?. Te achei meio triste hoje — Ela volta seu olhar para a janela.

- Estou bem, apenas pensando na vida — Ela me responde ainda encarando o horizonte além da janela.

Não esperava por essa resposta, não sei o que falar depois disso e o resto do caminho até o restaurante se passa sem silêncio. Assim que chegamos S/N desce do carro, vai direto para dentro do restaurante e eu vou atrás.

- Ei, certeza que está só pensando na vida? — Digo ao entrar em sua frente, bloqueando a passagem.

- Estou bem, só preciso ficar um pouco sozinha com meus pensamentos, ok? — Ela diz ao se afastar de mim e seguir até os fundos do restaurante.

Eu fico meio preocupado, ela parecia bem ontem, mas hoje parece tão abatida. Será que eu fiz algo que não devia?.

~POV Taehyung OFF~

 

Eu me senti sozinha ontem à noite, eu precisava sentir alguém, precisava sentir que alguém estava comigo e o fato de simplesmente dormir ao lado do Tae me fez bem. Infelizmente essa falsa sensação boa desapareceu pela manhã, assim que acordei me dei conta que não podia ter feito isso, não posso me envolver, mais do que já estou envolvida, com Taehyung. É um tanto quanto injusto com ele, eu ainda não sei exatamente o que sinto por ele, sei que gosto da sua companhia, do seu jeito carinhoso e cuidadoso, gosto da sua risada, gosto do jeito como ele me observa, eu gosto de tantas coisas nele, mas mesmo assim não sei definir em palavras o que eu sinto por ele.

Não posso brincar com os sentimentos dele, primeiro preciso me decidir, organizar minha vida e ai sim pensar em termos algo. Preciso ir atrás de Jimin o mais rápido possível, preciso me abrir francamente com Tae, falar com Omma Sook sobre nosso plano, preciso fazer tantas coisas, não sei exatamente por onde começar, mas preciso mudar as coisas.

Tento me concentrar no trabalho, mas fica cada vez mais difícil, meus planos invadem cada pensamento meu e não me deixam pensar em mais nada. Tae percebe algo diferente na nossa atmosfera, ele até tenta falar comigo, mas eu não posso falar com ele sobre isso agora e o dispenso. Vou para os fundos do restaurante, coloco meu uniforme e sigo em frente, afinal tenho o dia todo pela frente no trabalho. Começo por organizar as mesas, pego as cadeiras e vou a organizando uma por uma em seus respectivos lugares.

- Ei, se esqueceu de que não pode carregar peso? — Tae fala alto ao me ver levantando uma das cadeiras.

- Não esqueci, mas não vou parar de trabalhar por causa disso — Digo sem ao menos me virar para ele.

- Deixa isso ai, não quero ter que te levar para o hospital de novo — Taehyung fala ríspido ao tomar a cadeira das minhas mãos.

- Solta isso Tae — Digo totalmente irritada com a situação.

- Não! — Ele fala alto puxando a cadeira para perto de si.

- Solta! — Grito puxando a cadeira.

- Não! Para de ser teimosa, não quero te machucar — Dessa vez Taehyung grite e puxa mais forte a cadeira para si.

Ficamos ali gritando, ele puxa a cadeira com força, eu resisto ao máximo tentando puxa-la para mim, tudo se resume em Tae de um lado, a cadeira entre nós e eu, num cabo de guerra. De repente a porta se abre, alguém entra gritando, Jin foi quem entrou.

- O que está acontecendo aqui??? — Jin grita.

Tae se assusta, solta a cadeira e eu caio no chão, logo sinto algo escolher em meu rosto e uma dor terrível me invade. Jin e Tae se aproximam de mim rapidamente, me levantam, me colocam sentada, Jin corre para a cozinha e volta com um pano em mãos.

- Toma, coloca isso aqui — Jim diz ao me entregar o pano e colocar minhas mãos pressionando minha testa. No mesmo instante sinto uma dor gritante.

- AAAH — Não consigo conter um pequeno grito de dor. Afasto o pano e ao olha-lo percebo que está coberto de sangue.

Tae me olha assustado, percebo que ele está muito preocupado e tento acalma-lo.

- Tae, calma está tudo bem ok? — Ele anda de um lado para o outro com as mãos no rosto, nem sequer me ouve.

- Tae, é só um pouco de sangue. Eu vou ficar bem, ok? — Digo ao me levantar e me por na frente dele. Sinto uma leve tontura, devo ter me levantado rápido demais. Tae me segura, me senta novamente no banco e se ajoelha ao meu lado.

- Me desculpa. Eu realmente não queria te machucar, eu só queria que você não se esforçasse. Eu me preocupo com seu bebê — Ele fala baixo, mas baixo o suficiente para qualquer um ouvir. Jin segurara minha bolsa e estava exatamente atrás de Tae, ao escutar isso seus olhos se arregalam, Jin leva as mãos à boca e em seguida abre um sorriso enorme. Ele vem até mim, me abraça por um breve instante e logo em seguida me ajuda a levantar.

- Vamos ao hospital dar uma olhada nesse machucado, ok? — Jin diz enquanto me ajuda a caminhar, já que me sinto tonta.

- Deixa que eu a levo, afinal fui eu que causei tudo isso — Tae diz com um tom de culpa.

- Fique aqui, esfrie a cabeça e logo estamos de volta, ok? — Jin fala enquanto saímos. Tae protesta, murmura algo e por fim apenas concorda.

Jin me leva até seu carro, abre a porta, me ajuda a afivelar o cinto, da à volta no carro, entra, se senta, põe o cinto de segurança e saímos em direção ao hospital. Minha cabeça dói, sinto uma dor pulsante. O sangue já manchou todo o pano, percebo que minha blusa está manchada, ao olhar ao meu redor percebo que algumas gotas de sangue caíram no banco.

- Jin me desculpa, eu sem querer sujei o banco — Digo muito envergonhada pela bagunça que fiz.

- Não se preocupe, eu nunca gostei desses bancos mesmo — Ele diz e em seguida nós dois rimos.

O resto do trajeto se passa em silêncio, menos de 20 minutos e chegamos ao hospital. Ele desce primeiro, da à volta no carro e me ajuda a descer. Entramos no hospital, uma enfermeira nos leva para o pronto socorro, ela faz minha ficha e logo sou conduzida a sala do médico de plantão.

- Bom dia senhorita. O que houve? — O médico diz e logo sorri ao se virar para mim.

- Ah, a senhorita aqui de novo — O médico era Kim Namjoon, o mesmo que me atendeu da outra vez que estive aqui.

- Olá Doutor Kim — Digo me curvando em reverência, mas quase caio. Jin e Dr. Namjoon me seguram.

- Oi Doutor, meu nome é Kim Seokjin, mas pode me chamar só de Jin mesmo — Jin diz ao cumprimentar o médico, os dois apertam as mãos. Dr. Namjoon sorri para Jin e faz sinal para nos sentarmos.

- Então mocinha, o que aconteceu? — Namjoon diz ao se aproximar e retirar o pano do meu rosto.

- Eu e um amigo estávamos brigando por uma cadeira, ele puxava de um lado e eu do outro. O Jin veio ver o que estava acontecendo, o meu amigo acabou soltando a cadeira sem querer, dai eu cai e a cadeira me acertou — Ele para por um segundo de examinar meu ferimento e me encara.

- Certeza que foi um acidente? — Ele diz ao encarar Jin e eu.

- Sim — Eu e Jin falamos juntos.

- Isso aqui está feio, vamos ter que limpar, dar uns pontinhos e fazer uns exames, ok? — O Dr. Namjoon diz ao se afastar de mim, indo até sua mesa, assinando uns papéis e me entregando. Eu me levanto, faço uma reverência, Jin faz o mesmo e me ajuda a caminhar até a porta.

- Obrigada Doutor — Jin e eu dizemos e fazemos uma breve reverência novamente.

- A enfermeira vai te conduzir para uma sala, onde vão limpar seu ferimento e sutura-lo, ok?. Senhor Seokjin, por favor, se sente, preciso conversar com você.

Fico meio confusa com isso, a enfermeira chega, me acompanha e eu apenas me despeço dos dois, os deixando sozinhos na sala.

 

~POV Jin~

- El vai ficar bem, né? — Digo ainda confuso com o motivo de esse médico querer falar comigo a sós.

- Creio que sim, pedi uns exames só para descartar algum trauma interno — Sua fala me tranquiliza.

- Na verdade pedi para que ficasse porque queria entender o ocorrido. O ferimento dela foi feio para um simples acidente — Dr. Namjoon não acreditou no que falamos.

- Doutor, ela disse a verdade. S/N e Taehyung estavam discutindo, ele tentava tomar a cadeira pesada dela, porque  pelo que eu entendi S/N não pode se esforçar por causa da gravidez. Daí, assim que eu cheguei Tae se assustou, soltou a cadeira e ela acertou em cheio a S/N — Namjoon ouve tudo atenciosamente.

- Entendo, esse Taehyung é o mesmo rapaz que a acompanhava da última  vez?  — Ele me indaga, não deixo de notar que ele possui olhos lindos.

- Sim senhor — Respondo meio que no modo automático, fico meio corado ao perceber que o encaro demais.

- Fiquei preocupado porque da última vez que S/N esteve aqui também tinha um machucado feio no rosto, ela parecia bem assustada e eu cheguei a desconfiar de algo, mas como não tinha indícios de violência eu apenas a liberei — Namjoon fala sério e eu apenas consigo concordar.

- Saberia me dizer se ela tem se alimentado bem e tem evitado fazer muito esforço? — Ele me observa com aqueles olhos maravilhosos, sinto meu rosto esquentar e me concentro em outra coisa.

- Pelo que eu saiba, ela se alimenta bem e Tae a proíbe de se esforçar demais — O médico concorda com a cabeça e faz algumas anotações.

- Sabe se ela teve alguma doença ou algo que fosse relevante para o histórico médico? — Ele me questiona enquanto mexe em seus papéis.

- Além das duas vezes que S/N esteve aqui, não sei. A conheço a mais ou menos um mês e meio, desculpe, mas não sei muitas coisas — Digo e instantaneamente ele para de mexer em seus papéis e me encara.

- Como assim? — Dr. Namjoon diz com um ar confuso.

- Ela chegou a nossas vidas a menos de 2 meses — Ele parece mais confuso com a minha resposta.

- Entendo, achei que se conhecessem há mais tempo. O outro rapaz, Taehyung, também a conhece faz pouco tempo? — Ele me questiona e eu concordo com a cabeça.

- Gostaria de informações sobre o histórico médico dela, será que o pai do bebê saberia me ajudar? — Sinto uma sensação estranha com sua fala.

- Tae sabe tanto quanto eu — Digo e Namjoon nega levemente com a cabeça.

- Não me refiro ao outro rapaz, me refiro ao pai do bebê. Não o conhece? — Ele me questiona e mais uma vez me sinto confuso.

- Como assim? — Ele ajeita os óculos, umedece os lábios e me encara. Sinto um frio na barriga ao vê-lo fazer isso.

- Pelos dados que eu tenho, sei que ela está com 5 meses de gravidez. Como se conhecem há menos de 2 meses nenhum dos dois pode ser pai do bebê. Mas não tem problema se não conhece o pai, assim que ela voltar dos exames, a questiono sobre seus histórico médico — Namjoon diz, sorri para mim e eu vejo suas lindas covinhas surgirem.

 - S/N foi fazer alguns exames, assim que eles estiverem prontos os chamo em minha sala de novo, ok? — Me levanto, Namjoon aperta minha mão e procura algo em seus bolsos.

- Fique com isso, se precisar de algo, se souber de algo ou se quiser sair para beber algo é só me ligar — Ele me entrega um cartão, sorri e me lança uma piscadinha muito clichê e charmosa. Eu quase infarto, não contenho uma risada estridente, pego o cartão e saio do consultório.

Fui até a sala de espera, não demorou muito S/N voltou e fomos chamados pelo Dr. Namjoon novamente. Ele nos explicou que não havia nada de errado, que tudo tinha sido somente um susto, passou algumas recomendações para S/N se cuidar, fez algumas perguntas a ela, me fez jurar que ficaria de olho nela e nos liberou. Ao entrarmos no carro percebo que ela parece desconfortável coma minha presença.

- Está tudo bem? Parece que algo te incomoda — Ela se vira para mim e sorri fracamente.

- Hoje não foi um dia muito bom. Eu não queria te contar sobre meu bebê, você iria pensar coisas de mim, mas não tive como evitar — Ela parece realmente chateada com tudo isso.

- Boba, achou realmente que eu iria te julgar por causa de uma gravidez? Eu jamais pensaria algo de ruim sobre isso, eu fiquei é feliz! — Ela dá abre um sorriso tão sincero que dá até gosto de ver.

- É que eu já estava grávida quando cheguei aqui, achei que ninguém ia querer ser amigo ou ajudar uma jovem mãe solteira — Ela diz, eu pego sua mão e a encaro.

- Você não vai criar essa criança sozinha, agora você tem dois grandes amigos que vão te ajudar. Na verdade um grande amigo né?! — Não resisto e começo a rir.

- Como assim? — Ela parece confusa.

- Um grande amigo, eu, e um namorado, Taehyung — Ela ri, mas parece abatida.

Ligo para Taehyung para avisa-lo que está tudo bem, depois de insistir que estava tudo realmente bem, ele me dá ordens para leva-la para casa, S/N não iria mais trabalhar por hoje e me deu o dia de folga para cuidar dela. Resolvo leva-la para dar uma volta antes de irmos para casa, ela precisa esfriar a cabeça e eu preciso conversar com ela.

Decido ir até a minha sorveteria favorita, assim que chegamos percebo que ela gostou, sinto um “obrigado” estampado em seus olhos. Sentamos, fazemos nosso pedido e logo estamos comendo deliciosos sorvetes.

- Quer conversar sobre essas coisas que te deixam com essa carinha triste? — A questiono, ela levanta o rosto e sorri fracamente.

- Não sei, eu não sou muito de falar — Ela não confia em mim, ainda.

- Se eu te contar uma coisa que nunca contei para ninguém, você se abre comigo? — Ela parece pensar por um instante e concorda com a cabeça.

- Eu nunca contei isso a ninguém além do Tae, mas como agora você é minha amiga e confio em você, irei contar. Eu por muitos anos me senti mal por ser quem eu sou e você vai ser a primeira pessoa a quem eu confesso que sou gay — Tampo os olhos esperando uma reação ruim, mas ela não fala nada.

- Me sinto honrada por ter sua confiança, mas eu meio que percebi isso quando você e o Doutor bonitão ficaram trocando olhares mais cedo — Sinto meu rosto corar ao lembrar do Dr. Namjoon.

- Ficou muito na cara? — A questiono. Não seguro o riso ao vê-la afirmar com a cabeça.

- Minha vez, mas já aviso que são tantas coisas que talvez fique confuso — Ela diz num tom de tristeza e nesse momento sinto o quão difícil vai ser para ela me contar tudo isso.

Ela começa me explicando sobre como foi expulsa de casa depois de descobrir que estava grávida, sobre como foi difícil chegar aqui, me fala sobre quando conheceu o Tae, me explica exatamente tudo, mas em nenhum momento fala do pai do bebê. Fico chocado com as inúmeras coisas que essa garota passou até agora, com quanto sofrimento e dor ela teve que lidar e agora entendo o porquê dela sempre ser tão quieta e estar tão abatida.

- Eu realmente sinto muito por tudo que já passou, a partir de agora pode contar comigo para tudo, ok? — Digo a ela, que concorda com a cabeça como quem diz obrigado.

- E no meio de tudo isso, onde está o pai do seu bebê? — Sinto uma tensão se formar no ar.

- Jin, isso é uma longa história....  — Ela parece realmente chateada com esse assunto em específico, eu apenas concordo e a deixo falar.


Notas Finais


AAAAAH ESPERO QUE TENHAM GOSTADO!!!!
Desculpem qualquer coisa e até a próxima.
A Omma ama vocês <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...