História Detalhes - Tododeku - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias Boku no Hero Academia (My Hero Academia)
Personagens Izuku Midoriya (Deku), Shouto Todoroki
Tags Abo, Bnha, Boku No Hero Academia, Dekutodo, Kiribaku, Lemon, Omegaverse, Tododeku, Universo Paralelo, Yaoi
Visualizações 777
Palavras 3.882
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção Adolescente, Fluffy, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Shounen, Slash, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Cross-dresser, Estupro, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Pansexualidade, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oiiw bolachas, antes de qualquer coisa eu quero avisar que o capítulo demorou por causa de uns problemas, que eu não vou entrar em detalhes (°∇°╬) , mas agora ele está aquiヾ(≧ᵌ≦)ノ゙

*Uma amiga minha está escrevendo uma fanfic SasuNaru, se vocês quiserem ler, o link estará nas notas finais, vocês não vão se arrepender, sério! (●ω●)و*

Boa leitura, espero que gostem ^^

Capítulo 5 - Brigas e discussões


Fanfic / Fanfiction Detalhes - Tododeku - Capítulo 5 - Brigas e discussões

Agora que já era tarde de mais para reverter qualquer coisa, Midoriya arrumou uma solução rapidinho para esquecer dessa sensação de culpa e arrependimento. Foi até a cozinha, buscou mais água, pegou o frasco de medicamentos que Eijiro largou na sala e deixou cinco dos comprimidos caírem em sua mão, então engoliu todos de uma vez.

Em menos de dez minutos, ele perdeu a consciência e caiu no chão.

•∆•∆•∆•∆•∆•

Izuku finalmente abriu os olhos, estava em uma sala totalmente branca, um aparelho hospitalar apitava em seu lado. Ele se sentou, Sentiu algo incomodando em seu pulso e então puxou, retirando a agulha que estava implantada em sua veia. Largou em cima da cama e descolou o esparadrapo da mesma e colocou em cima da pequena ferida que a agulha deixara. Olhou para a sala, em um sofá amarelado, Katsuki e Haru dormiam como pedras, o quê estava acontecendo?

O ômega pisou no chão gelado e olhou para a própria roupa, estava com uma camisola lilás, da qual não se lembrava ter vestido. Midoriya andou até o sofá onde se encontravam Haru e Bakugo e cutucou o loiro, fazendo-o levar um susto e acordar. O alfa olhava para Izuku incrédulo, principalmente depois de ver que ele estava sem aparelho nenhum.

- D-DEKU!? - gritou o loiro, acordando Haru, que estava dormindo na sua perna - QUER ME MATAR DO CORAÇÃO DE NOVO?

- Mas... O que eu fiz? - Midoriya estava confuso - Porquê eu estou aqui?

- Você não lembra papai? - Haru escorregou para fora do sofá e abraçou a perna do pai, ele estava com saudades - Você dormiu um monte!

- Eu dormi? - Izuku se abaixou e pegou o filho nos braços, depois Bakugo levantou e deixou o ômega sentar no sofá - O quê está acontecendo?

- Deku, fique aqui que eu vou chamar o médico. - o esverdeado assentiu, vendo o alfa deixar o quarto rapidamente.

- Papai, você não pode dormir tanto! - o pequeno bicolor se agarrou ainda mais ao pai e começou a chorar de alegria - Eu achei que você não iria acordar mais!

- Haru, não chora, eu acordei! - Midoriya limpou as lágrimas que escorriam pelas bochechas do filho - O que aconteceu enquanto eu dormi?

- Eu vim aqui todos os dias junto com o tio Kacchan e o tio Kirishima, e às vezes aquele moço parecido comigo veio também.

- Espera... Ele veio?

- Veio sim! - exclamou Haru, já se animando novamente.

- O Midoriya acordou, já? - uma voz familiar, mas que o ômega não conseguia reconhecer até o dono da mesma aparecer, era Natsuo Todoroki - Midoriya!!

- N-Natsuo?! - Izuku não sabia que o beta de cabelos brancos era médico, por isso ficou surpreso.

- Você... A agulha... - Kirishima apareceu animado com Katsuki, mas quando ele viu o que o ômega havia feito ele simplesmente ficou branco - E-Ele vai ficar bem Katsuki?

- Eu não sou o médico Kiri. - respondeu Bakugo, tenso.

- Creio que sim, ele tirou a agulha da maneira certa aparentemente, até estancou o sangue.. Depois eu coloco um curativo na ferida. - Natsuo respondeu, fazendo sinal para Izuku mostrar o ferimento em seu pulso causado pela agulha, era uma pequena abertura na pele que nem sangrava mais - Nossa, eu jurava que ele passaria meses desacordado.

- Deku, você lembra do que aconteceu?

- Eu mandei uma mensagem para uma pessoa e decidi dormir o mais rápido possível, então eu tomei os mesmos remédios que o Eijiro.. - Natsuo e Katsuki suspiraram de alívio, pelo menos ele se lembrava de tudo - E eu acordei aqui.

- Deku, POR QUE DIABOS VOCÊ FOI TOMAR CINCO COMPRIMIDOS DE UMA VEZ? - o alfa de cabelos loiros berrou e na mesma hora o ruivo foi acalmá-lo.

- É que eu pensei que se eu tomasse mais, eu conseguiria dormir bem mais rápido, só não imaginei que fosse tanto tempo.. Aliás, o quê aconteceu durante esse tempo?

- Izuku, você desmaiou e bateu a cabeça... Haru te encontrou e veio correndo pedir para ajudar á te levar para a cama, aí nós viemos aqui e fizeram uma lavagem intestinal em você e... - Kirishima disse, se sentindo culpado por deixar os medicamentos perto do esverdeado - ... Você ficou desacordado por seis dias.

- SEIS? - todos os presentes na sala assentiram, o ômega estava em choque.

- Sim, eu achei que você demoraria mais tempo para retomar a consciência. - falou Natsuo, calmo.

- O papai vai para a casa agora? - Haru perguntou, animado com o fato de voltar para casa com seu pai.

- Haru.. - Bakugo resmungou, franzindo as sobrancelhas.

- Vou fazer uma consulta nele daqui a pouco, se ele estiver bem o suficiente, receberá alta. - o beta sorriu ao ver o sobrinho se alegrar, para ele, o outro pai de Haru estava bem óbvio, só não via quem não queria - Vamos Midoriya?

- Claro...

- Até depois papai!

•∆•∆•∆•∆•∆•

O ômega estava saindo do hospital, foi liberado pois uma pessoa mais doente precisaria ocupar o quarto, mas Izuku ainda não estava no seu melhor estado, por isso, precisaria de cuidados redobrados.

Katsuki levou Haru para uma pequena pracinha no centro da cidade, Izuku iria para casa com Kirishima agora, mas eles precisariam adiar um pouco isso, já que receberam a notícia de Natsuo que alguém queria ver Midoriya. Quando o esverdeado estava indo jogar uma latinha de Coca-Cola no lixo, ele sentiu alguém o abraçando.

- M-Mas o quê...? - o esverdeado sentia que reconhecia essas mãos, e quando a pessoa que o abraçou foi até a sua frente, ele pôde confirmar seu pensamento - S-Shouto?!

- Izuku, eu fiquei com tanto medo! - o bicolor o abraçou mais uma vez, só que muito mais forte do que da vez anterior - Nunca mais faça esse tipo de coisa, nunca!

- T-Tá bom. - o ômega estava literalmente congelado quando o bicolor desfez o abraço, o alfa continuou segurando nos ombros de Midoriya, agora com uma face mista entre preocupação e felicidade.

- Aaah, você quase me matou de susto sabia? Já tinha até me arrependido de não ter falado com você na festa! - Shouto suspirou, tomando coragem para falar uma coisa que queria muito dizer - Eu preciso que você me explique uma coisa Izuku.

-Posso até imaginar sobre o quê se trata... - Midoriya se acalmava aos poucos, mas seu coração ainda batia rapidamente por conta do alfa na sua frente - É sobre o Haru, né?

- Haru? Não, é sobre o motivo do teu sumiço mesmo. - o esverdeado estava confuso, Todoroki não percebeu ainda? Ou ele estava apenas desinteressado sobre seu próprio filho? - Não dá mais para adiar isso!

- Isso não está na cara? - Midoriya sentiu alguém lhe abraçar novamente por trás, e ficou ainda mais surpreso quando escutou Todoroki soltar um pequeno rosnado repleto de raiva, puxando o menor para si e encarando com ódio o beta na sua frente - Se me dá licença Todoroki, eu vou com Kirishima levar o Izuku para casa.

- Não vai não! - gritou o alfa, ainda prendendo o esverdeado em seus braços, impossibilitando-o de se mover.

- Vou sim! - o arroxeado foi para cima do bicolor, na falha tentativa de capturar o pequeno ômega dele, mas tudo o que recebeu foi um tapa de Kirishima que o fez cair no chão, Shinso não era tão forte quanto um alfa como Eijiro, que conseguiu derrubar os dois homens que "disputavam" Izuku, depois pegou o ômega no colo e o levou daquele lugar, murmurando palavras incompreensíveis.

- ESPERA KIRISHIMA!! - Todoroki levantou-se quando viu o falso ruivo colocando Midoriya para dentro de seu carro, correu, mas não demorou muito para que Hitoshi fizesse a mesma coisa e o alcançasse, já que o bicolor não era muito rápido. Mas não adiantou correr, Eijiro saiu de lá rapidinho. Shouto então, decidiu ir com o próprio carro em busca de Midoriya, pois se não fosse Shinso, talvez tudo estaria resolvido agora.

Só existia um problema, Shouto não sabia onde era a casa na qual o ômega estava vivendo. O alfa entrou em seu carro e rapidamente pegou seu celular, pesquisando o endereço do restaurante de lámen, e depois seguiu os comandos que o seu celular dava.

•∆•∆•∆•∆•∆•

Quando Midoriya e Eijirou chegaram em casa, Kirishima lembrou que precisaria buscar Katsuki e Haru, mas não faria isso agora pelo fato do esverdeado estar um pouco assustado com tudo o que aconteceu hoje. Eles se sentaram no sofá da sala, o ruivo ligou a televisão e colocou em um canal onde passava um filme de ação.

- Kirishima. - Midoriya falou, atraindo a atenção do ruivo - Eu não consegui explicar as coisas para o Shouto ainda.

- Você vai ter muito tempo para isso, não se preocupe!

- Sinto que deveria ter ficado lá... Esclarecendo as coisas. - por um segundo, Izuku ficou um pouco cabisbaixo, fez mesmo a coisa certa?

- E ser dividido ao meio por dois caras ciumentos? Certeza? - os dois riram, qualquer pessoa que viu aquilo de longe deve ter achado muito engraçado, embora naquele momento, Izuku sentia que estava muito vulnerável.

- É, você tem razão, eu prefiro continuar inteiro. - o esverdeado sorriu, falando aquelas palavras com um pouco de tristeza, se fosse menos ingênuo nada disso teria acontecido - Haru e Kacchan irão demorar muito?

- Eu preciso buscá-los, mas não quero te deixar aqui sozinho. - o alfa falou, passando a mão por seu próprio cabelo espetado.

- Vai buscar eles, eu vou ficar bem, no máximo eu vou na cozinha buscar comida.

- Okay, depois que nós voltarmos, prometo que Katsuki vai fazer um lámen para nós! - Kirishima levantou e tirou as chaves do carro do bolso de sua calça - Não faça coisas perigosas, por favor.

- Sim, eu entendi. - o ômega viu o ruivo sorrir e caminhar em direção à garagem, e quando ouviu o som do carro indo para longe, Izuku deitou no sofá, ele estava cansado. Ficou uns dois minutos daquela maneira, até que ouviu alguém bater palmas do lado de fora, o esverdeado foi ver, mas não tinha ninguém, e quando estava voltando para dentro de casa, sentiu alguem o empurrar para dentro e fechar a porta atrás de si com bastante força - Mas que... Você de novo Shouto?

- Eu sei que estou sendo irritante, mas essa é a única maneira que eu encontrei de conseguir falar com você ainda hoje. - Midoriya foi até o sofá, sendo seguido por Shouto, que fez o mesmo, o ômega fez um sinal com as mãos para que continuasse - Eu precisava falar com você!

- Hm, certo. - disse Izuku, o alfa percebeu o receio presente em sua voz só de pensar que teriam que conversar - Você mudou, antigamente você desistia antes mesmo de tentar caso as coisas não dessem certo..

- Eu sei, por isso que eu vou descobrir a verdade e te conquistar novamente o mais rápido possível. - Midoriya ficou um pouco surpreso com o quê o bicolor havia dito, ele estava na defensiva, mas de repente , tudo se acalmou dentro de si - Ah, eu fui muito direto? Te assustei? Desculpe.

- Não, está tudo bem. - disse o menor - Continue.

- Porquê você sumiu, Izuku?

- Olha... Lembra que você me falou uma noite que queria ter um futuro de muito sucesso, que esse era seu grande sonho e objetivo? - Todoroki recordou que há muito tempo atrás, falava esse tipo de coisa, e concordou em um sinal com a cabeça - Um dia, eu percebi que para você alcançar esse sonho, você não poderia estar comigo, eu atrapalharia tudo.

- Espera, isso que você está falando não tem sentido!

- Tem sim, se eu ficasse aqui, seu pai iria me odiar e consequentemente iria lhe maltratar e forçar você a fazer muitas coisas ruins para sua saúde mental, tive medo que você não pudesse suportar isso. - o esverdeado agarrou-se na própria roupa, estava com medo de acabar machucando o bicolor - E eu também estava muito assustado na época, milhões de coisas aconteciam de uma só vez, aí que eu descobri que eu estava grávido.

- Então o Haru... Ele é... Meu filho? - o alfa suspeitou a semelhança, mas aquilo não fazia sentido em sua cabeça antes , mas as coisas se encaixavam lentamente agora.

- Sim, e esse é o outro motivo de eu ter ido embora, sabia que seu pai odiava ômegas, e eu lembro do quê aconteceu quando o ex-namorado do Natsu engravidou, não queria que acontecesse o mesmo comigo e com o Haru. - Todoroki lembrou do dia que foi no enterro do ex-namorado e do filho de Natsu, ambos mortos pelas ordens de Enji - Não queria esse tipo de futuro para você também, e claramente o causador de tudo o que eu disse fui eu, então eu apenas desejei que você fosse feliz e fui para a casa da minha mãe.

- Você... Você fez tudo isso apenas para que eu pudesse ser feliz? E a sua felicidade Midoriya, aonde ela fica nessa história?

- Se você e os bebês estivessem seguros e contentes, eu estaria feliz.

- Os bebês? - Midoriya deixou esse detalhe muito óbvio e Todoroki não deixou passar batido.

- Sim, eram gêmeos, e o outro bebê se chamava Yukine, que infelizmente era muito frágil e ficava doente com facilidade, ele acabou falecendo com poucos meses de vida.. - uma lágrima solitária rolou pela bochecha de Midoriya. Shouto estava muito triste, mas o que mais o entristecia era ver seu amado ômega chorando. Chegou mais perto dele e limpou a lágrima com seu polegar, o que fez o menor corar um pouco - Eu queria explicar tudo direito mas não consigo me expressar por palavras, e me desculpe por te fazer perder seu tempo com essa história sem sentido, eu só queria seu melhor o tempo todo.

- Izuku, você nunca será um desperdício de tempo para mim, nunca mesmo. - quando Shouto observou o menor se encolher e soluçar, imediatamente o abraçou, deitando sua cabeça no ombro do mesmo, conseguia sentir a melancolia vinda de Izuku, e sabia que ele estava muito mais sensível do que há alguns anos, e o alfa sentia necessidade de acalmá-lo - Shhh... Passou, eu estou aqui agora, com você, e... Apesar de todo esse tempo longe, eu ainda te amo.

Passado tanto tempo longe de Midoriya, Todoroki adquiriu a habilidade de fingir sentimentos para outras pessoas, mas isso era uma coisa muito difícil de se fazer com ele, afinal, Izuku o conhecia suficientemente á ponto de saber se estava falando a verdade ou não, na maioria das vezes. Agora que estava sendo verdadeiro, se sentia vulnerável a sentimentos desconfortáveis como a tristeza e a raiva, e consequentemente, o instigava a tentar livrar o ômega de todos os seus medos e inseguranças e tomá-los para si, era o que ele estava tentando fazer no momento, mas sem sucesso.

O bicolor estava desposto a deixar seu ciúmes ainda aceso e seu rancor de vários anos de lado pelo homem de cabelos verdes, ele queria proteger Izuku de todos os perigos do mundo, de todo o mal existente nele. O real problema de tudo isso, é que ele não podia. No momento, o esverdeado estava sendo corrompido por sombras vindas do passado, que o destruíam lentamente, e não havia nada que poderia impedir isso, já ninguém tem o poder de mudar o passado, muito menos as memórias de outra pessoa.

Todoroki sabe que Midoriya pode ser como um livro lindo e intenso, mas ao mesmo tempo perigoso e mortal, nele, milhões de coisas novas para serem descobertas e te surpreender a cada dia, mas coisas que, ao serem relembradas, poderiam afetar Izuku de tal maneira, que se tornavam altamente tóxicas para o ômega, deixando-o frágil e melancólico.

E era exatamente isso que estava acontecendo agora, uma ferida que ainda não foi curada totalmente estava se abrindo de novo.

Todoroki se sentia culpado por deixar o menor nesse estado, de fazê-lo relembrar daquele momento de sua vida, mas ao mesmo tempo feliz, pois estava próximo ao ômega que amava.

- Izuku, olha para mim. - pediu , tentando ser o mais gentil possível na situação, que era muito delicada. O ômega fez o que o bicolor lhe pediu, muitas lágrimas escorriam pelas suas bochechas, lágrimas que o alfa fez questão de limpar com sua língua, na tentativa de distrair o menor dos pensamentos ruins - Quer que eu pegue água para você? Vai desidratar se chorar tanto.

- Obrigado por tentar me entender. - disse o esverdeado, corado - E perdão por tudo, se eu não tivesse sido um covarde...

- Não me peça desculpas, estou muito feliz por ver que ainda se importa comigo. - Todoroki beijou a cabeça de Midoriya, sentindo a textura macia dos cachos esverdeados do mesmo - Você foi muito corajoso!

- Você ach- o ômega se calou ao ouvir a um barulho do lado de fora da casa, o que deixou o maior atento - Acho que o Kirishima e o Kacchan chegaram, vou lá atender.

Antes de ir, Izuku limpou as bochechas úmidas com sua blusa, deixando a manga direita um pouco molhada. Foi até a porta e virou a maçaneta, fazendo a mesma se abrir, mas quem encontrou lá fora não era quem ele esperava que seria, na verdade, era um alfa assustador, que fez com que Midoriya ficasse com muito medo. O ruivo tinha uma presença tão forte, que fez Izuku ficar tonto e cambalear para trás, caindo no chão.

- PAI??? - Shouto gritou, reconhecendo de imediato o sujeito parado na porta, de braços cruzados e sobrancelhas franzidas - C-COMO VOCÊ ME ACHOU AQUI?

- Pelo visto essa putinha está de volta! - Enji sorriu de maneira maquiavélica, olhando para o ômega que grunhia de dor no chão, o bicolor correu para ajudá-lo - Achei que já estivesse livre dessa praga.

- CHAME O IZUKU DISSO MAIS UMA VEZ E EU VOU- Shouto parou de falar depois que o pai, em um movimento rápido, segurou na gola de sua camisa e o ergueu, com um semblante vitorioso por ter estragado o momento que os dois estavam passando juntos.

- Você o quê Shouto? Vai me ameaçar? Me bater? QUER MESMO PERDER SEU FUTURO BRILHANTE E SER A RUÍNA DE NOSSA FAMÍLIA? - o bicolor iria falar alguma coisa, mas seu pai foi mais rápido, sabia como pegar no ponto fraco das pessoas - Ou talvez, você vai fazer o mesmo que sua mãe fez?

- A MINHA MÃE FEZ ISSO POR SUA CULPA, SEU MONSTRO! - Eiji pegou o pescoço do filho com as suas grandes mãos e começou a apertar, deixando o mesmo sem oxigênio, mas parou quando sentiu uma mão a agarrar e puxar levemente a parte de baixo de sua calça jeans, era a mão de Izuku, que mesmo sem forças tentava o deter. Percebendo o quão fraco o ômega estava, o ruivo o chutou para longe e largou Shouto, que começou a tossir logo em seguida - Shouto, você vem comigo.

- NÃO!! - o bicolor tentou fugir e gritar, mas seu pai foi mais rápido e lhe deu um soco na nuca, que fez o mesmo desmaiar, Enji então, pegou seu filho desacordado nos braços e o levou embora, ignorando totalmente o fato de ter deixado Midoriya definhando para trás.

Izuku foi criando forças e se levantando lentamente, arrastou-se até o sofá e apoiou sua cabeça nele, chorando por não conseguir ter feito nada para impedir. Ele se sentia um completo inútil.

- Deku, você está bem? - era Katsuki, que entrou correndo na sala com Haru no colo - Eu vi tudo o que aconteceu, Enji não viu o Haru.

- Ao menos isso.. - murmurou o esverdeado, se forçando para dar um sorriso - Que bom que meu Haru está seguro.

- MIDORIYA ! VOCÊ SE MACHUCOU!? - Kirishima adentrou o local, ele estava muito preocupado, o ômega negou com a cabeça - Nunca mais te deixo sozinho.

- Da próxima vez papai, eu vou bater naquele homem malvado! - todos na sala sorriram com a inocência de Haru - Eu só não fiz isso antes porquê tio Kacchan me disse para ficar quieto e me esconder.

- Midoriya, consegue se levantar? Deixa que eu te ajudo. - Eijirou foi até o menor e o colocou no sofá, mas rapidamente foi até a cozinha e voltou trazendo curativos e uma pomada - Você tem um pequeno machucado na testa, vou ver o que posso fazer.

- Tio Kacchan, podemos fazer lámen? Eu quero comer lámen! - Haru perguntou, lançando um olhar fofo para o loiro, que mesmo se fingindo de durão, não resistiu.

- Claro, só não se acostume. -Bakugo levou Haru para a cozinha.

Kirishima passava a pomada na ferida de Midoriya, quando seu celular recebeu uma notificação e vibrou em seu bolso - Desculpe, posso ver o que é?

- Pode sim. - respondeu Izuku.

- MANO DO CÉU!! - Eijirou berrou do nada, assutando Izuku e fazendo o loiro deixar a cozinha e correr para sala, sendo seguido por Haru.

- O QUÊ FOI? - perguntou o alfa de cabelos loiros.

- O TETSUTETSU COMPROU UM NOVO VIDEOGAME E ME CONVIDOU PARA IR JOGAR NA CASA DELE!! - a expressão de curiosidade do loiro rapidamente se transformou em raiva, Deku já imaginou o motivo - NÃO É INCRÍVEL???

- Não. - Bakugo saiu irritado, o que deixou Kirishima um pouco triste.

- Mas Katsuki... - o ruivo falou baixinho, mas alto o suficiente para que o marido ouvisse - Porquê você não pode ficar feliz por mim uma única vez? Você poderia se alegrar por eu ter amigos hoje, você sabe que antes eu não tinha ninguém além da Ashido.

- Se você acha ele tão incrível assim, PORQUÊ NÃO CASOU COM ELE? - as palavras de Bakugo atingiram Kirishima como uma lâmina, Haru percebeu que o clima começa a se tornar tenso e correu para perto de seu pai, que assistia a cena e tentava processar o que estava acontecendo.

- POR QUE EU NÃO AMO ELE, EU AMO VOCÊ KATSUKI, VOCÊ!! - o ruivo estava falando as coisas com muita sinceridade, já não era a primeira vez que um ataque de ciúmes acontecia por parte do loiro.

- Às vezes eu dúvido disso. - o alfa saiu do cômodo, estava irritado e falou tudo da boca para fora, em poucos segundos de arrependeu de ter dito tudo isso, principalmente depois de acontecimentos que deixaram Eijiro assustado e sensível.

Na sala, o alfa de cabelos tingidos começou a chorar, ele não queria acreditar no que estava acontecendo e no que acabou de ouvir de seu marido novamente, mas pelo menos sabia que dessa vez, Izuku e Haru estariam lá para ouvi-lo e consolá-lo.

Mesmo ainda precisando de cuidados, Midoriya estava disposto a ajudar Kirishima, já que aquela situação era muito mais delicada e complicada que a sua.


Notas Finais


Link da fanfic: https://www.spiritfanfiction.com/historia/sasunaru--i-cant-take-my-eyes-off-you-13607264


Até o próximo capítulo e espero que tenham gostado ( ⁎ᵕᴗᵕ⁎ )❤︎


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...