História Deuses lendo Percy Jackson e A Maldição do Titã - Capítulo 13


Escrita por:

Postado
Categorias Percy Jackson & os Olimpianos
Personagens Afrodite, Apollo, Ares, Artemis, Atena, Demeter, Dionísio, Hades, Hefesto, Hera (Juno), Hermes, Nêmesis, Perséfone, Poseidon, Quíron, Zeus
Tags Percabeth Zeus, Percyjackson, Poseidon
Visualizações 199
Palavras 3.800
Terminada Sim
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Mistério, Romance e Novela, Saga, Suspense
Avisos: Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 13 - Capitulo 12


- Pratico Snowboard com um porco-Leu Demeter

Nós chegamos à periferia de uma pequena cidade de esqui localizada nas montanhas. O aviso dizia: BEM VINDO A CLOUDCROFT, NOVO MÉXICO. O ar estava frio e fino. Os telhados dos chalés estavam cobertos de neve, e grandes montes dela estavam empilhados nas laterais das ruas. Altos pinheiros teciam o vale, formando sombras escuras, embora a manhã estivesse ensolarada.Mesmo com o meu casaco de pele de leão, eu estava congelando quando chegamos à rua principal, que ficava a mais ou menos 800 metros da linha de trem.

-Ou seja péssimo lugar para férias,e ótimo lugar para monstros.-Disse Quiron.

 Conforme andávamos, contei ao Grover sobre minha conversa com Apolo na noite anterior 

– Então como ele me disse para procurar por Nereu em São Francisco. 

Grover olhou apreensivo.

– Isso é bom, eu acho. Mas temos que chegar lá antes.

Eu tentei não ficar deprimido com as nossas chances. Não queria deixar Grover em pânico, mas eu sabia que nós tínhamos outro prazo se esgotando, além de salvar Ártemis a tempo de seu concílio dos deuses. O General havia dito que Annabeth seria mantida viva apenas até o solstício. Isso seria na sexta-feira, distante apenas quatro dias. E ele falara algo sobre um sacrifício. Eu não gostava mesmo de como isso soava.Nós paramos no meio da cidade. Você podia ver tudo muito bem dali: a escola, algumas lojas e cafés para turistas, algumas cabines de esqui e um armazém.

– Ótimo – Thalia disse, olhando em volta. – Sem estação de ônibus. Sem táxi. Sem aluguel de carros. Sem saída.

 Há uma lanchonete! – disse Grover.

 Sim – Zoë disse. – Café é bom.

– E pastéis – Grover disse sonhadoramente. – E papel encerado.

Thalia olhou duvidosa.

-A dieta dos sátiros também me deixa duvidosa-Disse Nemesis.

Certo. Que tal se vocês forem pegar alguma comida para nós ,enquanto Percy, Bianca e eu vamos checar na mercearia. Talvez eles possam nos dar algumas direções.

Nós combinamos de nos encontrar em frente à mercearia em quinze minutos. Bianca não pareceu muito à vontade, mas foi.

-Claro ela não os conhece direito,e ainda está sem Zoe-Disse Ártemis

Na mercearia, nós descobrimos algumas coisas valiosas sobre Cloudcroft: não havia neve suficiente para esquiar, a mercearia vendia ratos de borracha a um dólar cada, e não havia meio fácil de sair ou entrar da cidade, a menos que você tivesse seu próprio carro.

– Você poderia chamar um táxi de Alamogordo – o balconista falou duvidosamente. – É lá embaixo, na base das montanhas, mas levaria pelo menos uma hora para chegar lá. Custa centenas de dólares.

O balconista parecia muito solitário e eu comprei um rato de borracha. Então voltamos e esperamos na entrada.

– Maravilha – Thalia disse. – Eu vou descer a rua e ver se alguém nas outras lojas tem alguma sugestão.

– Mas o balconista disse...

– Eu sei – ela me disse. – Eu vou checar mesmo assim.

-Melhor não discutir com a fera.

Eu a deixei ir. Eu sabia como é ser inquieto. Todos os meio-sangues têm problemas de déficit de atenção por causa de nossos reflexos natos nos campos de batalha. Nós não podíamos simplesmente ficar esperando. Além disso, eu achava que Thalia ainda estava chateada por causa da nossa conversa noite passada sobre Luke. Bianca e eu ficamos sozinhos de modo embaraçoso. Quero dizer... eu nunca me senti confortável conversando frente a frente com garotas de qualquer jeito, e eu nunca estive sozinho com Bianca antes. Eu não sabia bem o que dizer, principalmente agora que ela era uma Caçadora e tudo o mais.

Belo rato – ela disse por fim.

Eu o pus na grade do portão. Talvez atraísse mais clientela para a loja.

-Sonha-Disse Apolo

– Então... o que você tem achado de ser uma Caçadora até agora? – perguntei.

Ela franziu os lábios.

– Você não está mais chateado comigo por ter me juntado a elas, está?

– Não. Desde que, você sabe... você esteja feliz.

– Não sei se "feliz" é a palavra certa, com Lady Ártemis desaparecida. Mas ser uma Caçadora é realmente legal. Eu me sinto mais calma de algum jeito. Tudo parece ter desacelerado ao meu redor. Acho que é a imortalidade.

-A imortalidade minhas queridas-Disse Ártemis

Eu a olhei, tentando ver alguma diferença. Ela parecia mesmo mais confiante do que antes, mais em paz. Ela já não escondia seu rosto sob um gorro verde. Ela mantinha o cabelo amarrado atrás, e me olhava bem nos olhos quando falava. Com um calafrio, eu me toquei de que daqui a quinhentos ou mil anos, Bianca di Angelo estaria exatamente como estava hoje. Ela estaria conversando com outro meio-sangue bem depois da minha morte, mas Bianca ainda pareceria ter doze anos de idade.

-Se nada ocorrer com ela,vai estar com doze até o fim do mundo que conhecemos-Disse Hera

Nico não entendeu minha decisão – Bianca murmurou. Ela me olhou como se quisesse garantia de que estava tudo bem.

– Ele vai ficar bem – eu disse. – O Acampamento Meio-Sangue cuida de várias crianças menores. Eles cuidaram de Annabeth.

Bianca fez que sim.

– Espero que a encontremos. Annabeth, quero dizer. Ela tem sorte de ter um amigo como você.

– Muito bem eu fiz a ela.

– Não se culpe, Percy. Você arriscou sua vida para salvar ao meu irmão e a mim. Quero dizer, isso foi seriamente corajoso. Se eu não tivesse te conhecido, eu não me sentiria bem em deixar Nico no Acampamento. Eu acho que se há pessoas como você lá, Nico ficará bem. Você é um cara legal.

-Uma caçadora acabou de elogiar um menino?-Exclamou Afrodite-Não creio.Mentira

-Diferente de você,minhas caçadoras sabem ser honestas,a dar  honra a quem tem honra.Não ficam por ai se maquiando e destruindo corações.

-E você não destrói corações Senhorita Virgenzinha?-Respondeu a deusa do amor-Quando separa irmãos?famílias?.Tudo para ter mais caçadoras,seus malditos bibelôs.

-Você não sabe o que diz-Disse a deusa da caça furiosa-Até o final desse livro vai perceber o erro que está cometendo.

Afrodite olhou debochadamente e disse:

-Aham Claudia,senta la.

   

O elogio me pegou de surpresa.

– Mesmo eu tendo te derrubado na captura da bandeira?

Ela riu.

Tá tudo bem. Tirando isso, você é um cara legal.

Alguns metros a frente, Grover e Zoë saíram da lanchonete carregados com pastéis e bebidas. Eu meio que não queria que eles voltassem ainda. Era estranho, mas eu percebi que gostava de conversar com Bianca. Ela não era tão má. Bem mais fácil de conversar do que Zoë Doce-Amarga, aliás.

– Então qual é a história de você e Nico? – perguntei a ela. – Onde vocês estudavam antes de Westover?

Ela franziu as sobrancelhas.

 -Eu acho que era um internato em D.C. Parece que foi há muito tempo.

Vocês nunca moraram com seus pais? Quero dizer, com o mortal?

– Disseram-nos que nossos pais estavam mortos. Havia um fundo pra nós. Muito dinheiro, eu acho.

-A mãe deles não é rica,mas eles tem o suficiente.Então de quem é o dinheiro?-Quis saber Hades.

Um advogado viria de vez em quando nos ver. Aí Nico e eu tivemos que deixar a escola.

-Pelo que entendi,ainda nesse ano alguém vai tirar Nico e Bianca de casa,e coloca-los em um colégio interno,e de lá ficarão por setenta anos,no Cassino Lótus-Disse Zeus-Mas não sei como apagaram suas memórias.

Por quê?

Ela uniu as sobrancelhas.

– Tínhamos que ir a algum lugar. Eu me lembro que era importante. Viajamos um longo caminho. Ficamos nesse hotel por algumas semanas. E depois... não sei. Certo dia um advogado diferente veio nos buscar. Disse que era hora de partirmos. Ele nos levou de volta para o leste, por D.C. Depois a Maine. E começamos a frequentar Westover.

Era uma história estranha. Porém, Bianca e Nico eram meio-sangues, nada seria normal para eles.

– Então você tem cuidado do Nico praticamente sua vida toda? – perguntei. – Só vocês dois?Ela assentiu.

– É por isso que eu quis tanto aderir às Caçadoras, afinal. Digo, eu sei que é egoísta, mas eu queria minha própria vida e amigos. Eu amo Nico ,não me entenda mal  eu só precisava descobrir como seria não ser a irmã mais velha vinte e quatro horas por dia.

Eu pensei sobre o último verão, em como eu me senti quando descobri que tinha um ciclope como irmão mais novo. Eu pude entender o que Bianca disse.

– Zoë parece confiar em você – eu disse. – Sobre o que vocês estavam conversando afinal - alguma coisa perigosa sobre a missão?

– Quando?

– Ontem de manhã no pavilhão – eu disse, antes que pudesse me conter. – Alguma coisa sobre o General.

Seu rosto escureceu.

– Como você... O boné da invisibilidade. Você estava bisbilhotando?

– Não! Quero dizer, não realmente. Eu só...

-Não vá deletar Nico-Pediu Poseidon.

Fui salvo de tentar me explicar quando Zoë e Grover chegaram com as bebidas e pastéis. Chocolate quente para Bianca e para mim. Café para eles. Eu peguei um bolinho de framboesa, e estava tão bom que eu quase pude ignorar o olhar ultrajante que Bianca estava me dando.

– Nós devíamos fazer o feitiço de rastreamento. – Zoë disse. – Grover, tens alguma bolota sobrando?

– Umm – Grover resmungou. Ele estava mastigando um bolinho de frutas embrulhado no papel. – Eu acho que sim. Eu só preciso...

Ele congelou.Eu estava para perguntar o que havia de errado, quando uma brisa quente passou, como uma rajada de primavera perdida no meio do inverno. Ar fresco temperado com flores do campo e luz do sol. E outra coisa – quase como uma voz, tentando dizer algo. Um aviso.

Zoë arquejou.

– Grover, tua xícara.

Grover derrubou sua xícara de café, que era decorada com figuras de pássaros. De repente os pássaros saíram da xícara e voaram livres , um bando de minúsculas pombas. Meu rato de borracha guinchou. Ele correu da grade até as árvores – pelo de verdade e bigode de verdade.

-Pã-Exclamou Zeus-O deus Pã está vivo.

-Depois de anos desaparecido,nem mesmo nós deuses sentíamos a sua presença,jamais pensei que ele fosse aparecer-Disse Atena

-Eu sinto,como se ele fosse aparecer agora,neste templo e dissesse "Sentiram minha falta?"-Disse Ártemis nostálgica

-Pã não quer ser encontrado-Disse Apolo-Pelo menos ainda não. 

 Grover desmoronou perto de seu café, que derretia a neve. Nós nos reunimos em volta dele e tentamos acordá-lo. Ele gemeu e seus olhos tremeluziram.

– Ei! – Thalia disse, correndo pela rua. – Eu só... O que há com Grover?

Eu não sei – eu disse. – Ele desmaiou.

– Uuuuuhhhh – Grover grunhiu.

– Bem, levantem-no! – Thalia disse.Ela tinha sua lança na mão. Ela olhou para trás como se estivesse sendo seguida.– Nós temos que dar o fora daqui.

Chegamos ao final da cidade antes que os dois primeiros guerreiros esqueleto aparecessem. Eles saíram dentre as árvores de cada lado da estrada. Ao invés de camuflagem cinza, eles usavam agora uniformes azuis da Polícia do Novo México, mas tinham as mesmas peles acinzentadas e transparentes e os olhos amarelos. Eles sacaram suas armas. Vou admitir que costumava pensar que seria legal aprender como atirar com uma arma, mas mudei de ideia assim que os guerreiros esqueleto apontaram as deles para mim.Thalia deu um tapa em seu bracelete. Aegis ganhou vida em seu braço, mas os guerreiros não titubearam. Seus brilhantes olhos amarelos me focavam. Peguei Contracorrente, apesar de não saber bem como ela seria útil contra armas. Zoë e Bianca se apoderaram de seus arcos, mas Bianca estava tendo problemas porque Grover continuava desfalecendo e se inclinando contra ela.

Recuem. – Thalia disse

Nós começamos a recuar, mas então eu ouvi um tilintar de correntes. Dois outros esqueletos apareceram na estrada atrás de nós. Estávamos cercados.Imaginei onde estariam os outros esqueletos. Eu vi uma dúzia no Museu Nacional do Ar e do Espaço. Então um dos esqueletos levou um celular à boca e falou nele. Porém ele não estava falando. Ele fez um som ruidoso, de estalos, como dente seco no osso. De repente eu entendi o que se passava. Os esqueletos haviam se separado para nos procurar. Estes estavam agora chamando seus irmãos. Em breve teríamos uma festa completa nas mãos.

– Está perto – Grover gemeu.

– Está aqui – eu disse.

– Não – ele insistiu. – O presente. O presente da Natureza.

-O que Pã ira mandar?

Eu não sabia sobre o que ele estava falando, mas me preocupei com sua condição. Ele não estava bem para andar, muito menos para lutar.

– Teremos que ir um contra um – Thalia disse. – Quatro deles. Quatro nossos. Talvez eles ignorem Grover nesse estado.

– Concordo – disse Zoë.

A Natureza! – Grover gemeu.

Um vento quente veio através do cânion, balançando as árvores, mas mantive meus olhos no esqueleto. Eu me lembrei do General se vangloriando sobre o destino de Annabeth. Eu me lembrei de como Luke a traiu.Então eu investi. O primeiro esqueleto atirou. O tempo passou devagar. Não vou dizer que podia ver a bala, mas eu podia sentir sua trajetória, do mesmo jeito que sentia as correntes marítimas.

(Nota:Não me perguntem como)

 

 Eu a desviei com a borda da minha espada e continuei atacando.O esqueleto sacou um cassetete e eu decepei seus braços na altura dos cotovelos. Então passei Contracorrente por sua cintura e o cortei ao meio.Seus ossos se desmontaram em uma pilha estalando no asfalto. Quase imediatamente, eles começaram a se mover, unindo-se. O segundo esqueleto bateu os dentes para mim e tentou disparar, mas derrubei sua arma na neve.Pensei que estivesse indo bem, até que os outros dois esqueletos atiraram nas minhas costas.

O coração de Poseidon saltou pela boca,mas se acalmou ao lembrar do casaco

Percy! – Thalia gritou.

Eu caí de cara na rua. Então percebi uma coisa... eu não estava morto. O impacto das balas foi tremendo, como um empurrão por trás, mas elas não me machucaram. O pelo do Leão da Neméia! Meu casaco era a prova de balas. Thalia atacou o segundo esqueleto. Zoë e Bianca começaram a disparar flechas no terceiro e no quarto. Grover ficou lá e levantou as mãos para as árvores, como se quisesse abraçá-las.Houve um som de colisão na floresta a nossa esquerda, como uma escavadeira. Talvez os reforços dos esqueletos estivessem chegando. Eu me levantei e peguei o cassetete de policial. O esqueleto que eu havia cortado ao meio já estava totalmente remontado, vindo atrás de mim.Não havia meio de pará-los. Zoë e Bianca disparavam diretamente em suas cabeças, mas as flechas apenas passavam sibilando através de suas caveiras vazias. Um investiu contra Bianca, e eu pensei que ela estava perdida, mas ela puxou sua faca de caça e apunhalou o guerreiro no peito. O esqueleto inteiro irrompeu em chamas, deixando uma pequena pilha de cinzas e um distintivo policial.

– Como fizeste aquilo? – Zoë perguntou.

– Eu não sei – Bianca disse nervosa. – Golpe de sorte?

-Zoe devia ter notado que Bianca era sua filha-Disse Ártemis-Mas não notou.Mas logo vão perceber,e tenho medo do que irá ocorrer.

Bem, faze de novo!

Bianca tentou, mas os três esqueletos que sobraram estavam atentos a ela agora. Eles nos forçaram para trás, deixando-nos ao alcance do cassetete.

– Plano? – Eu disse conforme recuávamos.Ninguém respondeu. As árvores atrás dos esqueletos estavam tremendo. Galhos estavam se quebrando.

– Um presente – Grover balbuciou.

Então, com um possante rugido, o maior porco que eu já havia visto entrou na estrada. Era um javali selvagem, nove metros de altura, com um ranhoso focinho rosa e presas do tamanho de canoas.

-Javali da Erimanteia.Os mate logo de uma vez Pã-Sugeriu Ares.

 Suas costas eriçadas com pelos marrons, e seus olhos eram selvagens e furiosos."REEEEEEEEET", ele guinchou, e jogou os três esqueletos para o lado com suas presas. A força foi tamanha que eles foram voando sobre as árvores para o flanco da montanha, onde se quebraram em pedaços, fêmures e ossos do braço rodopiando para todos os lados.O porco se virou para nós.

Thalia ergueu sua lança, mas Grover gritou:

– Não o mate.

O javali grunhiu e deu patadas no chão, pronto para atacar.

É o Javali da Erimanteia – Zoë disse, tentando permanecer calma. – Eu não acho que nós possamos matá-lo.

– É um presente – Grover disse. – Uma bênção da Natureza!

O javali disse "REEEEEEEEET!" e moveu suas presas. Zoë e Bianca saíram do caminho. Eu tive que empurrar Grover, para que ele não fosse arremessado para a montanha na 'Presa do Javali Express'.

– É, eu me sinto abençoado! – falei. – Espalhem-se!

Nós corremos em direções diferentes, e por um momento o javali ficou confuso.

– Ele quer nos matar! – Thalia disse.

– Mas é claro – Grover disse. – Ele é selvagem!

– Então como é uma bênção? – Bianca perguntou.

Parecia uma pergunta justa para mim, mas o porco se ofendeu e a atacou. Ela era mais rápida do que eu havia imaginado. Ela rolou fora do caminho dos cascos dele e saiu atrás da besta. A besta investiu errado com suas presas e pulverizou o aviso BEM VINDO A CLOUDCROFT.Eu forcei meu cérebro, tentando me lembrar da lenda do javali. Eu tinha plena certeza de que Hércules havia lutado com essa coisa antes, mas não podia recordar como ele o havia derrotado. Eu tinha uma vaga memória do javali ter posto abaixo algumas cidades gregas antes que Hércules o vencesse. Eu esperava que Cloudcroft fosse segurada contra ataques de javalis gigantes.

– Continuai andando! – Zoë gritou.

 Ela e Bianca corriam em direções opostas. Grover dançou ao redor do javali, tocando sua flauta enquanto o javali bufava e tentava pegá-lo. Mas Thalia e eu vencemos o prêmio de má sorte. Quando o javali se virou, Thalia cometeu o erro de segurar Aegis em modo defensivo. A visão da cabeça da medusa fez o javali guinchar injuriado. Talvez parecesse muito com um de seus parentes. O javali nos atacou.Nós apenas conseguimos nos manter à frente dele porque corremos ladeira acima, e podíamos nos esquivar das árvores enquanto o javali tinha que colocá-las abaixo. Do outro lado da colina, eu vi um antigo trecho de linhas de trem, parcialmente enterradas na neve.

– Por aqui. – Eu agarrei o braço de Thalia e corremos pelos trilhos enquanto o javali rugia atrás de nós, escorregando e deslizando enquanto tentava correr sobre a encosta íngreme. Seus cascos não foram feitos para isso, graças aos deuses. À nossa frente, vi um túnel coberto. Além dele uma ponte velha sobre um desfiladeiro. Eu tive uma ideia maluca.

– Siga-me!

Thalia desacelerou, eu não tive tempo de perguntar por que , mas eu a puxei e ela seguiu relutante. Atrás de nós, um porco tanque de dez toneladas estava derrubando pinheiros e esmagando rochedos sob seus cascos enquanto nos perseguia. Thalia e eu entramos no túnel e saímos do outro lado.

– Não! – Thalia gritou.

Ela ficou branca como gelo. Estávamos na borda do precipício. Abaixo, a montanha descia em um desfiladeiro de vinte metros recoberto de neve.O javali estava bem atrás de nós.

– Vamos! – eu disse. – Vai aguentar o nosso peso, provavelmente.

– Eu não posso! – Thalia berrou.

-Thalia tem medo de altura?-Riu Hera-Olhe marido,sua filha amada trai seus instintos.

-Não seja ciumenta-Disse Hefesto-Thalia não entra em sua perfeita família,quem sabe não consiga joga-la do Olimpo?Ela me faria companhia.Ou melhor jogar todos os semideuses filhos de Zeus,não é isso que deseja em seu íntimo?

-Não me teste Hefesto,não sabe do que sou capaz para proteger minha família.

Seus olhos estavam selvagens de medo. O javali esmagava o túnel, destruindo tudo em alta velocidade. Ela olhou para baixo e engoliu em seco. Eu juro que ela estava ficando verde. Eu não tive tempo para processar o porquê. O javali estava investindo através do túnel, na nossa direção. Plano B. Eu puxei Thalia e nos pus ao lado da borda da ponte, dentro da lateral da montanha. Nós deslizamos em Aegis como um snowboard, sobre rochas e lama e neve, acelerando montanha abaixo. O javali foi menos afortunado; ele não conseguiu se virar tão rápido, então todas as dez toneladas de monstro atacaram o fino suporte, o qual arrebentou sob seu peso. O javali entrou em queda livre no desfiladeiro com um poderoso guincho e aterrissou em um monte de neve com um grandePOOOOOOF!Thalia e eu derrapamos para parar. Estávamos ofegando. Eu estava ferido e sangrando. Thalia tinha pedaços de pinheiro no cabelo. Perto de nós, o javali selvagem estava guinchando e lutando. Tudo o que eu pude ver foi uma ponta de suas costas. Estava enterrado completamente na neve como um pacote de isopor. Não parecia estar machucado, mas não ia a lugar algum, de qualquer forma.Eu olhei para Thalia.

– Você tem medo de altura.

Agora que estávamos salvos na base da montanha, seus olhos tinham a aparência zangada de sempre.

– Não seja estúpido.

– Isso explica por que você se apavorou no furgão do Apolo. Por que você não queria falar com ninguém sobre isso.

Ela respirou fundo. Então ela limpou as agulhas de pinheiro do seu cabelo.

– Se você contar para alguém, eu juro ...

– Não, não – eu disse. – Está bem. É só que... a filha de Zeus, o Senhor do Céu, com medo de altura?

-Super irônico-Disse Zeus-Mas não vou julga-la,ela deve ter seus motivos para ter medo

Ela estava para enfiar minha cabeça na neve, quando a voz de Grover chamou:

– Alôôôôôôôô?

– Aqui embaixo! – eu bradei.

Alguns minutos depois, Zoë, Bianca e Grover chegaram até nós. Nós ficamos olhando o javali lutando na neve

.– Uma bênção da Natureza – Grover disse, apesar de agora parecer agitado.

– Eu concordo – Zoë disse. – Nós devemos usá-lo.

– Espere aí – Thalia disse irritada. Ela ainda parecia como se tivesse perdido uma luta contra uma árvore de Natal. – Explique por que você tem tanta certeza de que esse porco é uma bênção

.Grover olhou adiante, distraído.

– É nossa carona para o oeste. Você faz ideia de quão rápido esse javali pode viajar?

Divertido – falei. – Como... peões de porco.

Grover assentiu.

Nós precisamos montá-lo. Eu queria... eu queria ter mais tempo para olhar em volta. Mas já se foi agora.

– O que se foi?

Grover não pareceu me ouvir. Ele andou até o javali e pulou em suas costas. O javali já estava começando a abrir caminho no monte de neve. Uma vez que estivesse livre, não haveria como segurá-lo. Grover pegou sua flauta. Ele começou a tocar uma música horrível e jogou uma maçã a frente do javali. A maçã flutuou e ficou logo acima do focinho do javali, e o javali ficou doido, esforçando-se para pegá-la.

– Direção automática – Thalia murmurou. – Ótimo.

Ela montou atrás de Grover, e ainda sobrou bastante espaço para o resto de nós. Zoë e Bianca caminharam para o javali também.

– Espere um segundo – eu disse. – Vocês duas sabem sobre o que Grover estava falando – sobre essa bênção da natureza?

– É claro – Zoë falou. – Não sentiste no vento? Foi tão forte... eu nunca pensei que sentiria essa presença novamente.

-Esqueço ás vezes,que Zoe e algumas caçadoras chegaram a conhecer Pã-Disse Dionisio-Na verdade eu mal me lembro dele,faz tanto tempo,e sou um deus novo.

Que presença?

Ela me encarou como se eu fosse um idiota.

– O Senhor da Natureza, é claro. Apenas por um momento, na chegada do javali, eu senti a presença de Pã.

 

-Será que ele vai voltar a aparecer?-Quis saber Hermes

 

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...