1. Spirit Fanfics >
  2. Devaneios - Ateez ( VOL.2 de Uma Bela Mentira) >
  3. Reflexão

História Devaneios - Ateez ( VOL.2 de Uma Bela Mentira) - Capítulo 10


Escrita por:


Notas do Autor


Hoy lindezas <3

São duas e meia da manhã... E eu atualizando fanfic hehehe ai ai
Lembrem-se de lavar as mãos com sabão, passar álcool em gel e sair de máscara em lugares muito movimentados! Quero os meus leitores bem ^^ FIGHTING!

Boa leitura e me desculpem por quaisquer errinhos :3

Capítulo 10 - Reflexão


Yeosang realmente parecia uma criança faminta, comia tudo com tanta vontade que até me fez pedir mais comida e me juntar a ele depois de um tempo. Todo o nosso esforço agora fora recompensado, e por estarmos com a cabeça e sangue a mil, o nosso sono já havia ido embora.

Lhe contei sobre a nossa mudança repentina de visual e que isso poderia nos ajudar durante a missão, Yeosang adorou a ideia e disse que se fosse pra ele viver como uma pessoa normal novamente, não se importava de que fosse como um outro ser humano. Agora Sr. Rokuro era único pra ele e Drta. Izo também passava a ser única para mim. Quando terminamos de comer, podemos escutar a campainha do quarto tocar seguido de uma voz masculina:

– Serviço de quarto! Suas roupas chegaram Drta. Izo. – para não dar suspeitas e não ser vista por ninguém antes da troca de visual, Yeosang e eu tivemos uma ideia.

Ele começou a arfar e eu a gemer. Deste modo, comecei a gaguejar quando o disse que poderia deixar na porta. Sem demora, conseguimos escutar os passos apressados dele se afastando do nosso quarto. Yeosang e eu rimos baixo por ter feito tal cena para espantá-lo, mas foi tudo que conseguimos pensar de imediato. Meu amigo se levantou da cama e foi para a porta devagar, a abriu rapidamente e puxou o carrinho com as várias sacolas e caixas que continham tudo que havia pedido:

– Nossa... Você não acha que exagerou nas compras? – disse Yeosang vendo a tonelada de roupas que eu havia comprado.

– Não acho! – respondi me levantando da cama para me aproximar do maior – Drta. Izo e Sr. Rokuro ainda precisam encontrar o seu próprio estilo... Não acha? – terminei de falar pegando uma peruca longa e prateada.

– Tudo bem então... – ele continuava vasculhando as sacolas até ver peças que lhe chamaram atenção. – Acho que vou ter que me vestir como um executivo pra poder me camuflar nesse hotel... Que tal esse blazer vermelho? – disse ele me mostrando a peça de roupa.

– Achei perfeito! Bem, se você será o executivo, eu terei que ser a sua elegante acompanhante... Acho que usarei essa peruca longa prateada, uns vestidos e umas coisas que comprei.

– Ah, eu serei o executivo mais bem acompanhado deste hotel. – disse ele abrindo um largo sorriso.

– Nem vem... Ah, olha! – mudei de assunto pegando um caixa de tintas pra cabelo – poderia pintar o seu cabelo!

– Quais cores tem aí?

– Azul, verde e rosa!

– Okay... Acho que o rosa vai ficar melhor no meu cabelo. Vou fazer isso já! – mais uma vez Sang voltou o seu corpo ao banheiro e eu fiquei sozinha.

Tinha que ser muito cautelosa, estava a procura de vestidos e outras peças de roupas nas quais não mostrassem o meu ombro ferido, sem contar que prender essa peruca no meu cabelo curto não era nada fácil, mas eu precisava tentar.

Yeosang e eu passamos a noite nos produzindo até acharmos os visuais ideias para cada um. Pensamos até em uma história de vida para cada um de nós. Sr. Rokuro era um executivo japonês novo no mercado, mas possuía uma boa renda e uma excelente histórico familiar, já a Drta. Izo era a sua acompanhante de vida, formada em psicologia e moda ainda muito nova e hoje trabalhava diretamente para o Sr. Rokuro e o acompanhava em tudo. Izo portava de um visual exuberante, onde usava vestidos longos com tênis de uma forma estilosa, tinha os cabelos prateados, ondulados que chegavam até o meio de suas costas e olhos verdes, forrnecidos pelas lentes que eu também havia pedido. Sr. Rokuro tinha um visual casual, onde sempre estava de blazer, camiseta e uma calça social, seus cabelos era de um tom de rosa claro e este havia um sotaque japonês quase que perfeito. Vantagem por Yeosang já ter viajado muito na vida.

Quando decidimos tudo, nos arrumamos pra dormir e apagamos quase que instantaneamente. Não queria sonhar com nada, pois estava demasiadamente cansada e sentia que um sonho só cansaria ainda mais a minha mente. Por sorte eu realmente não havia sonhado com nada, acabei sendo tomada pelo breu da minha mente e pelo silêncio do meu coração.

Conhecem aquele ditado: “Tudo que é bom dura pouco!”? Pois bem, esse ditado parecia estar me seguindo a qualquer custo. Estava dormindo tão bem, mas acabo acordando assustada quando ouço um barulho vindo da varanda. Me sento na cama, esfrego os meus olhos e vejo que Yeosang permanecia dormindo tranquilamente. Olho para a varanda e percebo que as portas de vidro estavam fechadas, mas que parecia ventar muito lá fora. “O vento pode ter jogado algo na janela!” pensei.

Assim, ainda meio sonolenta, eu me levanto e sigo em direção a varanda. Abro a porta de vidro e sinto a brisa bater contra o meu rosto. Realmente estava ventando muito forte lá fora. Dou mais alguns passos a frente e coloco as minhas mãos sobre a barra para poder me apoiar e ver as estrelas no céu. Um tempo de reflexão, onde eu me perguntava se Wozi e Yunho estavam bem. Fecho os meus olhos e respiro fundo, mas neste momento sinto passos pesados atrás de mim. Antes que eu pudesse me mover ou protestar, sou tomada por braços fortes que seguraram os meus pulsos e tamparam a minha boca. “Não é Yeosang!”

Tentei me livrar da pessoa de qualquer forma. Me debatia a todo momento, mas ele parecia ser bem forte:

– Fique quieta S/N! Eu não vou te machucar. – não entendia como ele poderia estar ali. – Só quero que me escute, pois te conheço muito bem e sei que vai chamar o Yeosang se eu te soltar agora. – “Mas como é que você sabe de tudo isso?” – Mingi veio falar comigo na delegacia... – parei de me debater com suas palavras – Não queria lhe dar ouvidos no começo, mas ele soube atingir o meu ponto fraco. – arqueei uma sobrancelha para Hongjoong dar continuidade, mesmo que ele não estivesse vendo o meu rosto de frente – Ele me disse que você é o ser mais importante pra ele, mas que infelizmente ele não chegava a ser o mais importante pra você. Disse que você pensou em mim durante todo esse tempo. Planejou a minha saída, minha participação no seu casamento, nossa convivência ao longo dos anos... – Não conseguia acreditar no que escutava. Mingi iria tão longe assim só para eu retomar uma... amizade? – Ele disse que estaria disposto a conviver bem comigo, para que você pudesse ficar bem, e que a nossa distância estava te deixando atordoada por todo esse tempo. – não pude me controlar. Já sentia lágrimas caindo por todo o meu rosto pelas palavras de Mingi serem a mais pura verdade. – Por isso eu... Venho te seguindo desde que saiu de fininho de sua casa. – “Aonde você quer chegar?” pensei – Quero te ajudar a salvar Yunho e sua afilhada!

Sabendo que esse era o meu ponto mais fraco no momento e que com certeza eu cederia as suas palavras, Hong foi aliviando pra mim. Começou a deixar os seus braços mais leves para poder me soltar, só que o mesmo é pego de surpresa assim como eu. Yeosang surge do nada e dá um soco na cara de Hongjoong fazendo com que ele se curvasse na barra onde eu segurava, me fazendo recuar pelo impacto. Sem demora, Sang tirou uma tesoura afiada de sua cintura, pressionou o pescoço de Hongjoong com o seu antebraço direito e o ameaçou a perfurá-lo:

– O que faz aqui? – indagou Yeosang cujo a voz estava mais grossa do que o normal.

– Vim... Oferecer ajuda! – Hongjoong disse com dificuldade.

– E porque deveríamos acreditar em você? S/N me contou tudo... Você foi um verdadeiro canalha com ela na prisão! – Yeosang me defendendo de tal forma era algo que eu nunca esperava ver novamente.

– E-eu prometo que vou ajudar! – respondeu Hongjoong tremendo por conta da ponta fina da tesoura apontada para o seu pescoço – Sinto muito por tu-tudo S/N! – agora Hong tentava voltar o seu olhar para mim.

– Devo soltá-lo? – perguntou Sang.

– Não! – respondi fria, tirando um sorriso de orgulho de Sang e olhos arregalados de Hong. – Você foi realmente duro comigo, então não significa que eu tenha que ser leve com você!

– Boa, garota! – Yeosang estava realmente se achando vitorioso – Algo para dizer em sua defesa antes que eu perfure o seu pescocinho? – perguntou Yeosang pressionando o seu antebraço no pescoço de Hong, colocando a ponta da tesoura mais a fundo em sua pele.

– Te-tenho...!

– Então diga! – ordenei impaciente.

– E-eu sei onde é o esconderijo de Mi-Minhyuk!!! – confesso que tanto eu, quanto Yeosang, não esperávamos por essa.


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...