História Devaneios - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Yaoi
Visualizações 8
Palavras 1.152
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Ecchi, Escolar, Esporte, Famí­lia, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Saga, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Visual Novel, Yaoi, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 4 - Cap. 3


ANGELO_

 

Estou voltando para casa com a desgraça do Gustavo suando com minha cara, serio isso? Em que patamar eu cheguei?

-O apaixona Dinho, fica calmo ele só deve ter ido dá uns pega na amiguinha só isso. Já basta o meu ciúme, sim ciúmes aceitei que gosto dele então estou com ciúmes, vem a praga e me atormenta.

-Vai para a puta que te pariu. -Desculpa mãe sei que a senhora não e isso.

-Nossa vou conta pra mãe, além de ficar com ciúmes vai dormi com o rabo quente, e se eu fosse você eu ia falar com a Fernanda...

-Por que eu iria falar com ela?

-Vocês não viraram amigos? Aproveita para pergunta se ele namora ou se ele gosta da mesma fruta que ele tem no meio das pernas. -Ele falou isso come se fosse óbvio e pior que não e!

-Até que você não e tão lerdo quanto parece, valeu bagaça.

-Lerdo e teu cu, vai lá logo não quero te ouvi murmurando coisas que só você e a mãe entendem de noite hoje não.

-Mais tarde eu vou lá, quero primeiro falar com ele.

De pois dessa conversa rápida nós voltamos para nosso caminho, mas como era de costume começamos a briga, somos um caso perdido mesmo.

 

 

ALEC-

 

 

Era só o que me faltava, vou ser obrigado a da explicação da minha vida pra Misa... não que eu me importe, mas hoje não está sendo o meu dia.

Saímos da sala e fomos e direção a uma sorveteria que tinha lá perto, fizemos nossos pedidos e os tomos em silencio, um silencio que estava me corroendo por dentro.

-Fala logo!

-Você e gay? – me assustei na hora que ela perguntou.

-E se eu for? -perguntei com receio.

-Se você for nada, você mais que ninguém sabe que eu não tenho preconceito, e acima de tudo eu sou bi então meio que não posso falar nada. – Arregalei meus olhos na hora que ela falou.

-QUE PORRA E ESSA?!

-Não grita idiota, tem muita gente aqui.

-Ta bem vamos lá pra casa agora, quero todos os detalhes, todos. – falei já andando/correndo.

Chegamos na minha casa rápida já que não era muito longe de onde nós estávamos, conferi se não tinha ninguém em casa e me virei para ela.

-Pode começar a me explica isso direito, como assim você e bi eu sei muito bem que você já viu muito mais paus que eu nessa vida, agora me vem com essa? -Eu poderia estar me exaltando de mais.

-Calma meu filho, você queria o que a família da minha mãe nunca me aceitaria se eu não “me passasse” de hetero ne, agora que ela se separou e eu fiquei com meu pai posso me assumir.

-Entendi...

-Agora e sua vez, pode me contar t-u-d-i-n-h-o.

-Eu sou gay feliz.

-MUITO, AGORA NOSSA AMIZADE VAI FICAR MUITO MELHOR... CARALHO PODEMOS FALAR DE TAMANHOS DE PAU. – Meu pai em que merda eu fui me meter.

-Cala a boca retardada, eu nem me assumir ainda e você já que fazer alarde? E nem vem com essa de tamanho de paus, e também para isso eu precisaria de velos ne? Não sou você que perdeu a virgindade com 13 anos não me respeita.

-De santo você em só a cara, boto minha cara a tapa se você nunca viu um pau que não sege o seu. – falou ele com o dedo na minha cara.

-...-

-Quem cala com sente, de quem foi?

-Do vínicos da nossa antiga sala...- fui cortado por um grito.

-Eu sabia que aquela coca era Fanta, e temos muito o que conversa.

-Amanhã, minha mãe daqui apouco esta ai e eu ainda tenho que ir na casa do Ângelo. -Eu estava literalmente expulsando ela da minha casa.

-Me responde só mais uma coisa.

-Não tenho escolha mesmo, manda.

-Você gosta dele? – corei e confirmei com a cabeça, quando o assunto e ele eu mudo totalmente. -Você deve ser bipolar só pode.

-E você com isso.

-Fica calmo.

Depois dessa aí sim eu a expulsei, subi correndo para o meu quarto troquei de roupa e viu em direção a casa do Ângelo.

 

 

ANGELO-

 

De pois que eu cheguei em casa fui direto tomar um banho para refresca a minha cabeça, já não estava aguentando esse sentimento, queria poder ser cara de pau que nem o Gustavo e pergunta para ele se aquela garota sua namora ou não, se ele ao menos tem uma ou se eu teria chance com ele se me declarasse.

De pois do banho pego um livro que o Alec me emprestou e começo a ler, eu nunca pensei que um livro de romance poderia me entender tão bem quanto esse.

Fico olhado para o relógio a cada paginar terminada, estava ansioso, meu corpo já estava sentindo falta de estar perto do Alec era como se eles fossem um.

Voltei minha tenção para o livro.  

Se passou um tempo e escuto a campainha e os passos da praga descendo as escadas e a atendendo, me levanto só para ver quem e mais paro aquando uso a voz do Alec.

-Olha se não e o Alec.

-Fala.

-Ou assim você me magoa.

-Você que eu falasse o que.

-A sei lá. – Ele olha para mim e abri um sorriso, filha da puta. – Tipo “oi, tudo bem como você está diferente, eu nem sei o que eu vejo no seu irmão”, algo assim ou simplesmente pula em meus baços.

-... Vai a merda. – Ele falou e virou o rosto vermelho.

-Que fofo você está corado. – Ele falou apertando as bochechas do Alec... ele apertou as bochechas DO MEUALEC.

Desço as escadas que nem o flash e pego a mão do Gustavo.

-Se você encosta nele de novo, eu enfio o seu pau no seu cu. – falei baixo só para ele ouvi.

-Crise de ciúmes? Essa está melhor que novela mexicana. – Ele se soltou e falou perto do meu ouvido. – Não se preocupe eu não gosto dessa fruta, mas adoro te ver com raiva.

Se despediu do MEU Alec e voltou para o seu quarto.

-Seu irmão e uma desgraça. – falou ele ou volta olhar para a frente.

-Concordo com você. – Começamos a ri. -Vem entra.

Ele entrou e me seguiu até a sala de leitura do meu pai, já que eu sei que ele não gosta de ver tv, chegando lá ele olha para mim e para no mesmo instante.

-O que foi?

-Nada, só que você fica bem de óculos, devia usar mais vezes. -Falou sorrindo e passando a mão no meu rosto.

 

       “PUTA QUE PARIU, ACABEI DE ADIQUIRIR UM NOVO ESTILO.”

-Obrigado.

Ficamos o resto da tarde lendo os livros do meu pai, uma hora ou outra eu olhava para ele, mas logo voltava a ler o livro que estava em minha mão.

-Ângelo, pergunta logo o que você quer saber.  – Falou ele olhando dentro dos meus olhos


Notas Finais


Espero que tenham gotado, e ate a semana que vem!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...