1. Spirit Fanfics >
  2. Devil May Cry: Trajetória da Lady >
  3. Visão de Lady - Parte 3

História Devil May Cry: Trajetória da Lady - Capítulo 47


Escrita por: CarolVilhena999

Capítulo 47 - Visão de Lady - Parte 3




Na manhã seguinte, cheguei á Red Grave City junto com Enzo e fomos até Devil May Cry e o local estava só com a presença da Trish. Ela não conhecia o italiano, expliquei que ele era conhecido meu e do Dante de longa data. Alguns minutos depois, Vergil chega com sua Yamato suja de sangue porque quando foi abrir seu portal com a espada, acabou acertando em cheio um demônio que acabou de matar uma humana com víceras pra fora. Ele estranhou a presença do Enzo, seu olhar de arrogância não escondia.

Vergil: Um recém chegado?

Trish: Ele é o antigo devedor do Dante, quero dizer, o primeiro porque Morrison veio depois. Não é, Lady?

Lady: Exatamente. Mas por quê essa estranheza, Vergil?

Vergil: Ele fede. Seu cheiro é insuportável. Não parece ser bem-vindo por aqui.

Enzo: Epa, epa, epa. Eu sei que estou fedorento mas abaixa essa espada milagrosa aí.

Vergil: Hum.

Trish: Seja bem-vindo. Não ligue para o mal humorado do irmão do Dante, ele não tem costume de receber tantas visitas.

Em visto, só tinha nós quatro ao local. Desde então, Enzo usou o banheiro de fundo para se limpar enquanto os outros, estavam de braços cruzados esperando pela volta do Dante porque ele saiu para arrumar um problema do cliente e não era caso que envolvia demônios mas sim de fazer faxina porque a fachada faz qualquer tipo de serviço além de resolver casos sobrenaturais. Logo em seguida, sentei no sofá de segunda mão do local e abri uma revista de moda e tinha algumas roupas até bonitas com preço razoável até Trish tirar o caderno em que estava folheando e queria conversar comigo sobre aquele problema lá em Runna.

Trish: Conseguiu resolver aquele problema ridículo, né? Era mais fácil o Dante ter mandado Patty para resolver uma coisa tosca como essa mas, pensando bem, você conheceu uma pessoa do meu tipo.

Lady: Isso é de menos. Parando para pensar, foi bom conhecer mais uma da sua espécie e ela era uma pessoa gentil. E consegi descobrir uma coisa a mais.

Trish: Compreendo. Quer dizer que, Enzo está envolvido nessa furada também? E o que andou descobrindo a mais?

Lady: Se o Dante não querer esquartejá-lo, sim. O outro descobrimento era sobre a morte do pai da minha amiga garçonete.

Vergil: Do que vocês estão falando?

Trish: Lady salvou vida de outra pessoa demoníaca. Ela está do nosso time também mas o seu irmão, poderia ter mandado Patty para resolver esse caso. Por ventura, ela achou Enzo na suposta cúpula em Runna.

Vergil: Tá falando sério?

Lady: Sim. Até Morrison estava envolvido e não é algo ruim. Mas, pelo menos resolvi e descobri uma morte misteriosa.

Enzo: Desculpem a demora, senhoritas. Eu estava ouvindo às conversas e respondendo suas perguntas...sim, fiquei no meio do buraco e estava com o psicológico fodido e espero que Dante não me mate.

Dante: Enzo???? Meu pai amado, que bela surpresa. Aliás, você me deve muitas explicações.

Todos pararam ali mesmo enquanto eu pegava a mesma revista para fingir de não estar presente. Como Dante era distraído de costume, ele chegou ao local só pensando em pizza, querendo descobrir sobre o desaparecimento de Enzo por anos e só percebeu quando estava ali uma hora depois. Ficou impressionado de como consegui resolver esse problema chato em um único dia, até falei daquilo ser muito mais entediante do que imaginava e ele soltava gargalhadas. Vergil ficou isolado de todos com seus braços cruzados olhando para a janela totalmente empoeirada e às cortinas sujas por conta da poluição da cidade.

Dante: Então existia uma cúpula em Runna, né? A propósito, foi coincidência de você ter encontrado Enzo pelo visto.

Lady: Sim. Até nos acertamos porque ele devia uma explicação particular a mim.

Dante: Entendo. E por quê você foi parar naquele lugar, Enzo? É claro que não irei cortar essa sua cabecinha de vento.

Enzo: Eu estava com o psicológico fodido porque comecei a desandar quando perdi esse precioso emprego, afinal, até merecia uma surra na bunda porque estou te devendo hoje sobre gerenciamento da loja.

Dante: Lady e Morrison já consertaram essa parte. Eu agradeço até hoje e olha só! Ganhou até fachada essa belezura. Sua parte foi importante, Enzo. Na época do passado, eu era muito filho da puta contigo.

Vergil: Queria saber sobre essa cúpula. Como ela surgiu lá em Runna?

Lady: Ela foi criada pela Matiê, mãe de Lúcia.

Dante: Mãe adotiva. Eu estive presente nesse espaço, Lúcia é a mesma réplica que Trish.

Trish: Por quê caralhos você não enviou Patty Lewell ao invés da Lady?

Dante: Como iria chamá-la se ela está fazendo faculdade?

Lady: Cof, cof... continuando, Matiê é uma humana já idosa. Ela criou para abrigar pessoas pobres pelo que andei vendo no mapa aonde Dante ajudou criá-la. Não existe fonte demoníaca, o local enfraquece os poderes.

Vergil: Pelo visto, vou passar longe dessa cúpula. Ah... tem alguma ideia daquilo enfraquecer os poderes?

Enzo: Matiê mexe com magia negra, aprendeu com duas mulheres do local. Elas tem um dom incrível de enfraquecer poderes de escala muito alta. E... pra encerrar esse assunto, existe uma taberna por lá e tem de tudo um pouco.

Dante: A Lady não foi junto, né?

Enzo: Ela foi mas já desconfiada pelos olhos maliciosos do pessoal curioso mas se saiu muito bem. Até pagou pela cerveja pra gente mas Morrison está lá para gerenciar aquela fachada.

Dante: Oh yeah! Assim que eu gosto.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...