1. Spirit Fanfics >
  2. Devil or not? - NCT >
  3. Quem é sua omma?

História Devil or not? - NCT - Capítulo 115


Escrita por: Love_Dreams

Notas do Autor


Oie... estou apressada em entregar.. pq tenho um pequeno prazo a cumprir.

Tenho que organizar tudo e dar um jeito na vida.

Boa leitura


Quero feedback

Capítulo 115 - Quem é sua omma?


Fanfic / Fanfiction Devil or not? - NCT - Capítulo 115 - Quem é sua omma?

POV YangYang



Depois que a noona saiu o ambiente com toda certeza deu um esfriada, acho que o inverno russo é mais fácil de encarar. – Porque uma conversa formal com ele é algo que tenho medo, vai que eu fale merda e isso acabe com todas as chances de continuar tendo uma namorada:

- Não precisa ser formal, mas mantenha o respeito, ainda sou o mais velho. – ele falou enquanto cortava a carne para filha.

- Sua filha é linda, ela deve parecer com a mãe. – comentei tendo sua atenção. – Não que você seja feio, vvoc é muito bonito, mas é porque ela não parece ter nenhuma característica sua.

- Eu entendi Yang. – ele pegou outros pedaços de carne, cortou eles novamente e despejou em meu prato. – Sua deve gostar muito de você. Porque quando ela me ver a única coisa que ela fala é sobre você.

- Isso é sério! – me senti orgulhoso afinal a menina que gosto, gosta de mim também da mesma forma. – Meu amigo já não aguenta mais ouvir o nome dela. Mais eles dois se dão muito bem.

- Você pensa em apresentar ela para “S/N”? – afirmei, na verdade este era o plano inicial antes de anunciar que estava namorando. – Seus pais, sabem?

- Sim. Eu estou planejando em ir visitá-los nas minhas férias. – E pretendo levar sua irmã comigo, ela precisa conhecer meu país. – E claro se seus pais permitirem e você, quero levá-la para conhecer minha cidade.

- Bom, é um passo importante para os dois. E a SUA é bem grandinha, ela deve saber o que quer. – ele colocou mais alguns pedaços de carne no meu prato e no do Yejun. – Acho que o rapazinho merece uma ajuda. – ele saiu da cadeira dele e picou os pedaços de carne do Yejun em pedaços menores. – Prontinho, pode comer mocinho. – ele passou a mão na cabeça dele e voltou para seu lugar.

- Sabe, eu pensei que você fosse que nem os caras chatos com quem meu pai trabalhava. – ele sorriu e eu achei legal. – Mais você é bem legal.

- Bom, se minha irmã gosta de você, meu dever é descobrir motivo. – ele apontou para meu prato de comida que ainda estava com as duas porções de carne que ele mesmo colocou intocadas. – Melhor comer antes que esfrie.

Conversamos bastante, falei sobre minha vivencia em morar numa casa onde quem mandava era a “S/N” e as regras sobre ‘não levar garotas e nem casos de uma noite’, o lance que ela e o Kun tinha que só era para afastar os caras chatos das festas. – E ele me perguntou sobre Yejun, curiosidade sobre o pai dele:

- A “S/N” nonna me falou que você é parente da Chang. – ele confirmou. – Você estava no casamento da Sarah?

- Não fui. O primeiro não tinha dado certo, optei por não ir nesse temendo que pudesse ocorrer o mesmo.

- Eu fui e tipo, foi uma merda. Dava para ver na cara do Jaehyun sunbae que ele estava bem infeliz. Ele e a nonna. Tinham decidido terminar. Mas aí houve a pandemia e ela descobriu que estava grávida. Eu só soube deste rapaz, quando nasceu. – olhei o menino com a boca suja. – Vamos limpar essa boca, você ainda quer comer?

- Não hyung. – ele empurrou o prato vazio para o meio da mesa e pediu água. – Água.

- Pega. – MoonBin entregou a mamadeira do Yejun e ficou olhando o menino por uns minutos. – Só vi Yoonoh uma vez e Yejun parece com ele.

- Nem me fale. – suspirei depois de comer e olhei às horas. – Temos que ir.

- Tá bom, vou pedir para embrulhar comida. Pode levar Jiwoo no banheiro para lavar as mãos, tem um fraldário aqui. – Não vi problema, eu já iria levar Yejun para trocar de fralda já que a dele estava bem cheia. – Jiwoo, vai com o oppa, ele vai lavar às mãos com Yejun.

- Ne. – ela segurou minha mão e assim levei os dois e ainda tinha a bolsa do Yejun com suas coisas. – O senhor é o namorado de Sua unnie?

- Oh. – confirmei murmurando.

Abri a porta e coloquei a bolsa do Yejun na mesa alta. Coloquei o banquinho para Jiwoo subir e lavar suas mãos. – Deitei o menino e fui buscar suas coisas, nem sou pais deste menino, mas tenho que cuidar dele afinal, uma coisa que Yejun é bom, é de lembrar das promessas que fazemos a ele e já faz muitos dias que ele fica perguntando sobre o Jaehyun, ele nem chama mais de appa. – Troquei até a roupa dele, ajeitei seus sapatos e passei um perfume nele, aproveitei e passei em mim também. – Ainda bem que a mãe dele é bem prevenida, colocou a mamadeira com mingau e a de água, sem falar em um boneco que particularmente acho ridículo:

- Tá bom de jogar essa coisa feia fora Yejun. – mostrei o boneco a ele enquanto arrumava sua bolsa.

- Não vai jogar meu boneco fora hyung. – ele engengatin até mim e pulou de uma vez em minha direção.

- Quer se machucar garoto! – coloquei ele de volta no lugar e fechei a bolsa. – Vamos, você vai ver seu pai.

- Vou ver o Yoon? – como eu disse.

- É. – Abri a porta e Jiwoo fora a primeira a deixar o local.

Caminhei até a mesa, chequei se estou com todos meus perteces e peguei os ursos que consegui na máquina. – Entreguei o coelho para Jiwoo e o dragão branco que faz par com o do Yejun:

- MoonBin hyung muito obrigado pelo jantar. – me curvei e fiz Yejun se curvar também causando os ataques de risos na criança.

- Não foi nada, espero poder conversar com você mais vezes. – ele olhou para filha e depois para o Yejun. – Jiwoo agradece aos presentes.

- Muito obrigado YangYang oppa. – aquilo foi fofo, eu ainda estava adaptando ao chamado oppa que até o momento só minha namorada chama quando queria algo em troca.

- De nada. – olhei o peqpequ ao meu lado que carregava o dragão pelo rabo já que a outra mão eu segurava. – Dá tchau Yejun.

- Posso deixá-los na casa. – o hyung se ofereceu, mas onde estamos é bem perto do hospital, dá até papo irmos andando.

- Não precisa. Preciso pegar umas coisas no hospital antes de irmos. Mas muito obrigado. Volte em segurança para casa. – me curvei e fui andando, Yejun ficou dando tchau até entrarmos em uma rua que saíra na avenida perto do hospital.


*       *        *


Peguei o cartão de visita, prendi na bolsa da criança e fui carregando ele até o andar que o sunbae está se cuidando. A Caminhada demorou muito por o rapazinho queria vir andando e as pernas curtas dele não compensa, mas em meio de caminho muitas garotas me olhavam e ficavam admirando com Yejun. – Bem pensando que ele é meu filho, coloquei ele no chão quando abri a porta e avistei o Jaehyun sentado no sofá assistindo TV:

- Boa tarde ou noite sunbae! – Yejun ainda estava receoso, ele caminhou ao meu lado segurando seu dragão gigante.

- Boa noite, eu acho. – ele deixou a TV muda e olhou sorrindo para baixo onde seu filho se escondeu-se. – Estão vindo de onde?

- Do parque. – não iria entrar em detalhes sobre o jantar.

- Já comeu? – afirmei e até o momento Yejun não desgrudou da minha perna. – Oi filho. – ele tossiu um pouco afastando a rouquidão que sua voz estava. – Vem aqui.

Olhei para Yejun e caminhei para o sofá o menino realmente fazia tempo que não vira o pai e quando o encontra o pai tá com o braço machucado e arranhões na cara, incluindo uns cortes nos lábios. – coloquei a bolsa no chão e o urso que estava pendurado nela, apoiei sobre a bolsa. – Coloquei ele no meu colo já que o sunbae não poderia se esforçar muito:

- Seu appa, não lembra mais dele? – comentei baixo em seu ouvido.

- Appa tá dodói?! – ele indicou apontando a própria perna e braços, eu afirmei e ele fez uma expressão deixando claro que era dor. – Tá dodói appa.

- Yeh. – Jaehyun sunbae confirmou ainda rouco.

- Quer um pouco de água sunbae? – ele afirmou, foi quando coloquei Yejun no sofá ao seu lado e fui pegar água na geladeira. – Já tem previsão de quando vai para casa?

- Bom, quando eu tiver uma casa. Johnny está me ajudando com essa parte. – entreguei a garrafa de água já aberta.

- Oh hyung, tá dodói. – Yejun estava olhando cada parte do pai dele, como se qualquer coisa fosse causar dor nele também.

- Porque trouxe ele? Eu já iria até pedir para alguém ligar para “S/N”. – Yejun desceu do sofá e foi pegar o caderno de desenho dele.

- Ele vivia perguntando sobre você e já nem estava mais te chamando de appa ele perguntava: ‘hyung, quando vou ver o Yoon”. – ele arregalou os olhos. – Demorei um pouco para saber quem era esse Yoon que ele tanto falava. – ele voltou a olhar o filho que colocou o caderno de desenho no sofá.

- E a “S/N”, como ela está? – ele sempre pergunta dela e as respostas sempre são as mesmas, se ela estiver sentindo algo, ela consegui disfarçar muito bem.

- Bem. Depois de tudo que passou se ela estiver com algo ela ainda não contou. – olhei para Yejun e lembrei da nova mudança de horário. - Tem uma novidade. – ele me encarou curioso. – A empresa mudou o horário dela. Ela agora ficou com o jornal da madrugada.

- E Como está sendo?

- Hoje foi o primeiro dia dela. Veremos como será adaptação dela nisso. – Yejun colocou seu caderno nas pernas do pai e ficou conversando com ele.

- Quem são esses?

- Jeno hyung e TaeyTay hyung. – me inclinei para ver os desenhos e eram bem feios.

- Eles são feios. – comentei e recebi um olhar reprovador dos dois.

- Ele só tem três anos. – mano, o olhar dos dois são idênticos. – O que fez hoje filho?

- Fui na escola. Ah minha amiga estuda lá também. Ela me mostrou a mãe dela, ela é que nem a mamãe. – como assim, que nem a mãe dele?

- Como assim Yejun? – perguntei fazendo o menino me olhar.

- Bonita. – nossa, que modesto e ainda fez o pai dele sorri e sentir dor por conta da ação. – E hoje fui no parque com ela e com o ajhussi. – dessa vez o sunbae me olhou esperando um explicação.

- Hoje o rapaz que trouxe eles para Seul chamou Yejun para passear com a filha dele e que por ironia do destino, este rapaz é o irmão da minha namorada. – ele enrugou a testa. – E descobri que ele é parente da Chang e do Moon Taeil.

- Ele tem filha?

- Sim. – o suspirou dele foi de alivio, mas porque?

- Pelo menos é casado. – será se devo falar que não, ele não é casado. Não, deixa ele pensar nisso.

- Já viu o Johnny? – perguntei e ele negou, esse era outra, tá namorando e esqueci das obrigações de médico.

- Deve tá com namorada, ele me comunicou que talvez hoje não apareceria e isso foi ontem. – ele tirou a TV do mudo e foi se levantar, quando fui ajudá-lo, ele recusou. – Obrigado YangYang, mas tenho que me virar sozinho. – ele foi até o banheiro empurrando o carrinho do soro.

Foi nesse meio tempo que ele entrou que as coisas poderiam ter mudado e se eu não tivesse levado Yejun hoje para o hospital. – Algo estava estranho eu devia ter aceitado a carona do hyung e ter ido para casa e não arriscando o que aconteceu. – A mãe dele entrou a senhora Jeong, estava carregando uma embalagem de papel, Yejun veio até mim e sentou quietinho ao meu lado. – Peguei seu caderno de desenhos e coloquei na bolsa eu tinha que sair daqui e levar ele. – A nonna vai me matar depois de hoje, tudo pode mudar:

- Boa noite Liu YangYang. O que faz por aqui? – ela era simpática quando esforçada em ser legal.

- Vim visitar o sunbae. – falei um pouco alto, até mesmo para chamar atenção do hyung que está demorando. – A senhora por aqui a essa, não é comum.

- Vim fazer uma surpresa ao meu filho. E quem é essa criança linda. – Segurei Yejun mais perto de mim.

- Filho de uma amiga. Estou cuidando dele enquanto ela trabalha. – não era uma mentira, mas eu não posso dar na cara.

- Ele se parece muito com alguém? Ah, é a cara do Yoon, que pena que meu filho não quis realizar meu desejo de me deixar ser avó, eu iria amar a ideia.

- Ele ainda pode realizar este sonho. – falei alto e a porta do banheiro foi aberta.

- Talvez. Oh, meu filho, trouxe umas frutas para você. Espero que esteja melhor. – ela foi se aproximar dele e ele se afastou e quando me viu no sofá seus olhos ficaram arregalados.

- Vocês ainda estão aqui, já está tarde melhor irem para casa. – ele pegou o dragão do Yejun e me entregou.

- Mais porque eles já vão, acabei de ver essa criança e estava falando sobre ele se parecer um pouco com você. – ela parou e olhou bem Yejun e encarou o sunbae. – Andou fazendo algum filho fora do casamento Yoon?

Carreguei Yejun que não tem ideia do que está acontecendo, me curvei na direção do sunbae e quando fui me direcionar para sua mãe ela levantou a mão:

- Quantos anos essa criança tem?

- Eles tem que ir mãe. – Yoon falou e sua mãe olhou para ele bem séria.

- Me responda Liu.

- Ele tem três anos, vai fazer quatro este ano. – eu estou com medo, não dela, mas da “S/N”, quando souber que a mãe do Yoon já sabe da existência do filho dela. – Era só isso, preciso levar ele para a mãe dele.

- Quem é a mãe Jeong Yoon oh. – fudeo, olhei para sua direção com medo que ele contasse algo.

- A senhora pode deixar o YangYang sair. Ele precisa ir embora. – o sunbae caminhou para direção cama e Yejun começou a se debater em meus braços.

Soltei o menino no chão onde ele tirou o pelúcia preso na bolsa e entregou ao pai dele. Jaehyun sunbae sorriu com tal gesto e bagunçou o cabelo do menino:

- Vá em segurança. – ele nos disse e com isso eu tratei de sair.

- Liu! – ela chamou meu nome e eu me virei. – Quem é a mãe dele?

- Não importa agora. – respondi e saí do prédio o mais rápido que pudesse.

No caminho para saída encontrei Haechan conversando com o superior, me curvei e fiquei esperando a conversa deles terminar para poder explicar o que tinha acabado de acontecer:

- O que tá fazendo aqui? – Haechan perguntou no tom preocupado e surpreso ao me ver no hospital sem as vestimenta de costume.

- Trouxe o Yejun para ver o pai dele e Adivinha quem acabou de me encurralar para saber quem é a mãe do Yejun? – formos caminhando para lanchonete do hospital.

- A mãe do sunbae? – confirmei e a cara do Haechan pode ter sido a mesma que eu tenha feito quando vi aquela mulher entrar no quarto. – Caracas YangYang. E se ela descobre?

- Eu acho que ela desconfie. Ela viu a semelhança entre os dois e me perguntou quem era a mãe. Mas eu não falei, porém estou fudido do mesmo jeito, por que se eu não morri aqui, vou morrer quando chegar em casa. – Yejun está sentado na cadeira ao meu lado, abraçando seu dragão preto.

- Onde conseguiu esse dragão Yejun? – Haechan alterou a voz para se dirigir à criança ao meu lado.

- YangYang hyung pegou. Ele é melhor que a mamãe. – ele virou i dragão de frente para o Haechan mostrando a carinha do bicho. – A minha amiga tem o branco.

- Oh que legal. – ele sorriu mais uma vez ao menino e me olhou sério. – Quer minha ajuda em alguma coisa?

- Se você puder ir onde o sunbae é saber o que está acontecendo. Agradeço desde já.

- YangYang! VOCÊ tá muito ferrados, a “S/N” noona vai te matar. – ele falou aquilo como se eu não soubesse do óbvio que iria acontecer.

- Me liga. Vou para casa, já chega de aventura por hoje. – Peguei Yejun no colo e formos embora.


Notas Finais


É um pouquinho maior. Acho eu que os próximo capítulo será um POV do personagens...
Então a pergunta é se Vocês querem POV do Yejun... lembrando que cabeça de criança de três anos (internacional) é outra coisa ..



Espero que curtam... até mais

11:09


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...