1. Spirit Fanfics >
  2. Devil Side >
  3. Capítulo 24

História Devil Side - Capítulo 24


Escrita por: SuperDaLuthor

Capítulo 24 - Capítulo 24


Narrador POV

Apesar de estar um clima ameno em Nova Iorque, Alura estava com um enorme sobretudo, cachecol, calça e óculos escuros, como se não quisesse ser reconhecida em momento algum e mesmo com toda a sua fama Alfred, seu motorista particular que acompanhava ela em ocasiões que exigiam sigilo.

O prédio escuro não chamava atenção por estar em obras ainda, uma recém aquisição do Grupo Zor-El, o lugar perfeito para uma conversa amigável com um fugitivo raivoso.

Os seus saltos ecoavam pelo prédio vazio, sua respiração descompassada e o coração a mil indicavam sinais de nervosismo, porém nada disso importava, apenas a segurança da sua família e ela nunca iria deixar um bastardo como Frederico Zor-El acabar com a paz que ela planejava ter.

- Eu imaginei que demoraria mais tempo a aparecer querida esposa. - Ele segurava um copo vazio, provavelmente havia finalizado a garrafa do Whiskey mais caro da nossa adega. - Não se preocupa comigo, Mark cuidou bem de mim, olha as acomodações incríveis. - Era perceptível o sarcasmo em sua voz, Alura sabia disso e não iria cair nos seus joguinhos.

- Um porco nojento como você não merecia mais que isso. - Ela praticamente cuspiu as palavras, mesmo com o sangue fervendo Zor-El nada disse, naquele momento a desvantagem era dele.

- Você não irá me atingir com a sua raiva Alura, eu só quero o que é meu e eu irei sair da sua vida e dos nossos queridos filhos, coisa que deveria ter feito a tempos.

Alura sentou na poltrona velha que ali tinha e começou a analisar a postura do marido, sua barba estava começando a ficar maior, olheiras profundas e as roupas começando a ficar larga, por um momento ela chegou a ter pena da pessoa asquerosa e sem nenhum escrúpulo em sua frente, mas ele plantou tudo que está colhendo neste momento e ela sabia disso.

- Você não tem absolutamente nada, tudo está no nome dos nossos filhos, empresa, casas, carros, contas no exterior e até mesmo aquele chalé em Seattle que você amava passar com a sua amante está no nome deles. Você era apenas um treinador quando eu te conheci, só gastava dinheiro com vadias e drogas, nunca foi exemplo de nada. A empresa de Marketing é fruto das coisas que o meu pai batalhou e o meu trabalho e dinheiro. - Respirou fundo, tirando os óculos e seu sobretudo, dobrando perfeitamente e colocando sobre as pernas cruzadas - Mas eu serei bondosa com você, vou te dar 35 milhões em dinheiro, para você sumir da minha vida para sempre ou ser jogado no mar, não haverá corpo para sua família sanguessuga enterrar.

- Você está louca?! - Levantou jogando o copo no chão, até tentou alcançar Alura, mas seus pés acorrentados impediam tal coisa. - Aquela é minha empresa, eu lutei para ela ser como é!

- Lutou? Você apenas sentava na cadeira presidencial e fazia tudo o que eu mandava, você sequer sabia que estava tendo desvio de dinheiro, que a sua secretária fazia junto com o namorado que trabalhava na segurança. - Seus olhos azuis quase caíram no chão, seu rosto antes levemente corado pelo excesso de raiva estava pálido. - E qualquer ser humano com o mínimo de senso perceberia que você se apaixonou por ela.

- Você está louca, Amanda nunca faria isso, ela me amava! - Fred estava transtornado, não queria acreditar que a pessoa que ele amava tão profundamente poderia fazer algo assim com ele, logo ele que era tão bondoso com ela. - Ela me ama, você está mentindo!

- Sabe quem te amava? Eu, eu era apaixonada por você, você era fora da linha e sem juizo, mas mesmo assim eu te amava e queria me casar com você, eu te amei até não poder amar mais, até não aguentar suas agressões e o que você fazia com Clark, mesmo ele sendo um bebê.

- Você me traiu! Como você queria que eu reagisse. - Ele já havia sentado, talvez seja pela presença do brutamontes chamado Mark, que havia entrado no andar com os gritos de sua chefe.

- Você me traiu primeiro, você não pensou na minha carreira, não pensou na sua família e muito menos em mim, quando decidiu enterrar o seu pau na minha colega de trabalho. - Apontou para a sua bolsa e Alfred apenas serviu uma taça de vinho, ele estava tão quieto olhando para o movimento das ruas pela grande janela que ninguém ao menos percebeu que ele estava lá. - Naquela noite Astra me consolou, me levou à boate, eu dancei e me diverti horrores, fomos para casa dela. Ela hospedava o melhor amigo, eram amigos de infância e eu me lembro dele na minha casa, passávamos horas conversando, mas por um mal entendido ele se afastou de mim e manteve a amizade com Astra. Eu era apaixonada por ele e aquela paixão que eu não sentia há tempos por você, ele restaurou. Nós transamos tanto naquela noite e eu nem lembrei que era casada, minha irmã ficou tão feliz, porque ela nunca tinha me visto daquele jeito, o mês que passei na casa dela foi incrível. Até Clark gostou do Liam e o sentimento foi recíproco, então quando você voltou com a sua fúria e destruiu a casa da minha irmã, bateu em Clark e em mim, eu perdi o chão. Você nos chamou de traidor e disse que me mataria. - Contar essa história era como reviver de novo o trauma que ela pensava ter superado,ela nunca se perdoaria pelo que aconteceu, o bolo em sua garganta era um indicativo de um choro sem fim. - Astra se sentiu tão culpada quando você foi embora, ela sabia que eu estava grávida e o medo era tanto que ela queria que eu dissesse que era seu, eu fiz. Minha irmã ficou com medo de você matar ela e por medo eu continuei essa farsa, até você descobrir e mandar dar um fim em Liam e quase matar minha irmã apenas porque ela sabia, você mandou matar o melhor amigo dela e eu te odeio desde esse momento, mas seria pouco apenas te matar e sumir com seu corpo. - Os olhos de Frederico estavam fixos em sua esposa, ele nunca havia visto ela assim, o seu corpo estremeceu, havia medo em toda parte e ele sabia que nada de bom sairia dessa conversa.

- Isso tudo aconteceu por sua culpa, se não tivesse engravidado daquela bastarda nós seriamos felizes. - Alura sentiu tanto ódio, que sua vontade era de jogar aquele homem do andar que estavam e ver seu corpo espatifar no chão.

- Chega de reviver o passado, 35 milhões é o suficiente. Você vai fazer uma coletiva, dizer que vai se afastar da mídia, que quer férias por tempo indeterminado e vai sumir. Uma palavra errada e você morre, eu irei escrever o seu texto. O lugar será público, você terá um segurança que é da minha confiança, o seu celular está grampeado. Você tem tudo para se safar dessa ou irá para o buraco junto com Juan, lembra dele? Um infeliz AVC.

Alura apenas levantou, vestindo-se com tamanha classe quem nem ao menos parecia que ela estava lidando com um psicopata.

- Você quase matou meu filho, o filho de Hank e minha irmã, eu ainda estou te dando muito. Liam seria um pai incrível, um que você nunca foi e nunca será, Kara tem traumas por sua causa, você me afastou da minha filha por ego, me ameaçando e ameaçando a Astra. A culpa que ela carrega é tão forte que ela queria pegar a minha filha e sumir, apenas pra ela não sofrer como Clark. Então se eu fosse você, eu aceitaria o acordo. E se você pensa que eu deixaria você culpar Jefferson, está muito enganado, aliás o prefeito está na minha folha de pagamento.

Ela saiu do mesmo jeito que entrou,silenciosa e com os saltos ecoando pelo ambiente vazio, sua alma lava por falar tudo que estava entalado há anos.

Alfred mais silencioso que sua chefe entrou no elevador, o ambiente estava pesado e ele sabia que teria que voltar a pé porque seus serviços se encerraria naquele momento.

- Me deixe em casa, por favor. - Alura disse com a voz firme, após enxugar algumas lágrimas, não iria mais ser fraca, não por causa do Zor-El.

O caminho foi feito em silêncio, seu nome não havia saído em nenhum tablóide e nem nada sobre o que aconteceu há semanas atrás.

Clark estava livre,

Kara estava livre.

Astra estava livre.

Ela estava livre.

Duas semanas depois

Kara Pov

Meu pai fez uma conferência com repórteres, ele teve a coragem de dizer que tiraria férias intermináveis, eu sabia que ele estava fugindo como o covarde que ele é, nada disso é surpresa.

- Eu estou tão irritada, ninguém vai impedir isso? - Eu andava de um lado para o outro, meu rosto estava queimando de ódio.

- Se irritar agora não vai adiantar, sua mãe não disse que resolveria? - LEna me puxou pela mão e eu caí sentada ao seu lado. - Mantenha a calma, ela vai resolver tudo.

Desliguei a TV com raiva, querendo quebrar ela mesmo sabendo que ela não tinha culpa. Hank sumiu, mas ao menos disse que Jeff estava fora de perigo e iria ser transferido para outro hospital, ele apenas me disse isso em uma ligação de um minuto, disse que não estava com raiva de mim ou Clark, porém a segurança de seu filho e a sua vinham em primeiro lugar.

Uma parte de mim estava realizada, eu estou namorando uma pessoa incrível, em um relacionamento bom com o meu irmão e aparentemente minha vida está começando a entrar nos eixos, confesso que quando as coisas ficaram difíceis eu quis ir atrás do Mike e pedir uma boa para ele, eu sei que no momento em que usasse eu sairia da órbita e esqueceria dos problemas, mas então Lena apareceu na minha casa e todo o transtorno e vontade que eu estava sentindo parou aos poucos. estar nessa situação é ruim, mas não quero ter que me submeter a isso de novo apenas para sair da órbita, Lena era boa para mim e eu não queria perder ela por erros bobos.

- Você está parada aí por uns quinze minutos, algum problema?

- Eu te amo. - As palavras fluiram tão rapido para fora que eu nem ao menos me dei conta do que tinha dito até sentir ela se jogar em cima de mim.

- Eu também te amo Kara.

O beijo que veio em seguida contribuiu mais ainda para eu querer ela nua em minha cama e pelas pressas em tirar minha roupa eu imagino que ela também.

Estávamos sentadas na minha banheira, deixando a água morna acalmar nossos corpos, se eu soubesse que iria ao paraíso com ela, eu com toda certeza faria isso desde o primeiro momento.

Eu beijei seus ombros com delicadeza, ela merecia todo amor do mundo e eu daria todo esse amor, eu não quero nunca ser igual ao meu pai.


Notas Finais


Quem é vivo sempre aparece, cá estou eu.
Capítulo cheio de emoções e revelações, arcos estão se fechando e tudo indica que o final está perto.
Desde já quero agradecer a todo mundo que permaneceu lendo, eu sei que não é fácil acompanhar um escritor fantasma, vocês fazem isso acontecer.
Vocês são incríveis.
Até o próximo

Twitter: @superdaluthor


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...