História Devil's Son - Capítulo 9


Escrita por:

Postado
Categorias Supernatural
Personagens Amara, Bobby Singer, Castiel, Charlene "Charlie" Bradbury, Chuck Shurley, Claire Novak, Dean Winchester, Jack Kline, Jody Mills, John Winchester, Lúcifer, Personagens Originais, Rowena MacLeod, Sam Winchester
Tags Alex Calvert, Castiel, Dean Winchester, Genevieve Cortese, Jack Kline, Jack Winchester, Jared Padalecki, Jensen Ackles, Lucifer, Misha Collins, Sam Winchester, Supernatural
Visualizações 24
Palavras 5.308
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Famí­lia, Hentai, Romance e Novela, Sobrenatural
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá senhoras e senhores que acompanham essa trajetória kkkkk
Então, capítulo grande pq tava inspirada, vamos ler logo?

Capítulo 9 - Claire, a estranha


Fanfic / Fanfiction Devil's Son - Capítulo 9 - Claire, a estranha

3 meses depois

Jack estava no inferno com Lúcifer, o arcanjo queria dominar o território ali e ser o rei do inferno, junto com o príncipe Jack.

Lúcifer até que não estava sendo ruim, tratava Jack muito bem, um pouco nervoso e seco, mas consideravelmente bem para o diabo.

-Por que você está sempre olhando pro nada? -Lúcifer perguntou à Jack, que estava sentado olhando pra um ponto fixo ao longe, ouvindo as vozes das torturas.

-Estou com saudades da minha família. -Jack suspirou e olhou ao redor. -Sam, Dean e Amy já vieram pra cá, né?

-Sim, tive o prazer de ficar preso na jaula junto com o Sam, foi bem divertido. -Lúcifer riu e lembrou dos velhos tempos.

-Queria poder ver eles de novo, saber deles...

-Só sei que tem alguém grávida, o que não me surpreende, nunca vi família pra gostar tanto de fazer bebês, eu só fiz você e olha quantos anos eu tenho!

-Grávida? Como assim? Quem é? -Jack estava curioso, queria muito voltar pra casa, não gostava de ficar na companhia de Lúcifer, por mais que não estivesse sendo mal tratado, ver as coisas que ele fazia com os outros e as coisas que ele o forçava a fazer com seus poderes, as mortes, as lutas e tudo mais, não era pra ele, Jack não gostava daquilo.

-Jack, você está comigo agora, tem que se desligar daquele pessoal, eles não são mais a sua família, sua família sou eu! -Lúcifer esbravejou.

Jack se levantou e saiu da presença do diabo, tentou visualizar sua família, às vezes conseguia ver um ou outro em casa, mas eram por poucos segundos. Ao se esforçar pra ver alguém, acabou vendo Rose sentada com sua mãe na cozinha, Odette estava grandinha e esperta, e Rose estava com uma barriga de um tamanho considerável. A imagem sumiu de sua cabeça e ele pôs imediatamente a mão sobre a boca pra não produzir nenhum som.

Rose estava grávida! Mas como? Ela não podia engravidar, o que será que aconteceu? Espera! Se Rose está grávida... Jack será pai! Ele demorou para digerir todas essas informações e quis imediatamente sair dali.

-Lúcifer...

-Já falei pra me chamar de pai!

-Tudo bem, pai. -Jack revirou os olhos, não gostava disso, seu pai era Castiel. -Te ajudei bastante aqui, mas eu realmente gostaria de ir pra casa, eu sinto que preciso estar lá.

-Meu filho, porque essa obsessão pelos Winchesters agora? -Lúcifer esperava que Jack falasse alguma coisa, mas o garoto sabia que deveria ficar quieto, não podia contar que sua namorada estava grávida. -Tudo bem, eu o deixo voltar pra casa, você já me ajudou bastante!

-O que? -os olhos de Jack brilharam por alguns segundos, mas ele se controlou. Estranhou essa atitude, mas não queria pagar pra ver e correr o risco de Lúcifer mudar de ideia, então ao ser libertado, voltou pra casa num piscar de olhos.

Em casa, Amy tomava café com Odette e Rose, as crianças já haviam ido para a escola, Sam estava no escritório resolvendo casos do trabalho e Dean estava lá também, fazendo as contas e organizações do bar. Castiel estava no céu, nos últimos dias tem ido bastante, era o encarregado de manter tudo em ordem.

Crowley apareceu no escritório, entre os irmãos e eles já puxaram as armas.

-O que você faz aqui? -Dean olhava pra cara do demônio, que levantou as mãos em sinal de rendição.

-Não quero atrapalhar vocês, quero ajudar. -Crowley rapidamente pegou uma foto de Jack e Lúcifer no inferno, Jack usando seus poderes e Lúcifer também. -Como podem ver, tem um de vocês no meu reino, junto com o arcanjo engomadinho.

-O que o Jack está fazendo? -Sam olhou a foto, não pôde deixar de sorrir ao ver que o garoto estava vivo.

-Lúcifer resolveu que vai tomar o inferno pra ele, sendo assim, o rei e o pirralho de vocês, o príncipe. -Crowley revirou os olhos. -Eu quero meu reino de volta! Então o que vocês forem fazer pra jogar esse desgraçado de volta na jaula, pra que ele apodreça lá dentro, eu prometo que ajudo!

Dean olhou pra Sam, desconfiado e Crowley suspirou.

-Eu não quebro minhas promessas, vocês sabem disso, sou um demônio de palavra. -Crowley sorriu e esticou a mão para apertar as dos rapazes. -Temos um acordo?

Amy estranhou o falatório no escritório, mas ignorou quando ouviu alguém bater na porta. Se levantou com Odette no colo e foi atender, era a Senhora Harris novamente.

-Pois não? -Amy odiava a presença daquela senhora ali, e nos últimos meses, ela apareceu bastante.

-Amelia, fui ao hospital onde você trabalha e me informei melhor sobre Emma. -A senhora tinha uma cara de quem merecia tomar um socos, e Amy a deixou entrar. Havia conversado com o pessoal do hospital a respeito dessa mulher, e que não era pra contar nada sobre Emma, mas provavelmente ela e seu dinheiro jogaram sujo e alguém cedeu. -Eu tenho aqui uma cópia do atestado de óbito da Emma, ela faleceu no parto da minha neta, e pelo que eu soube, você ficou com a bebê.

-Senhora Harris, eu tenho sido gentil com a senhora todas as vezes que nos encontramos desde que eu conheci a Emma na faculdade, por mais que você sempre tenha me tratado mal, eu nunca revidei, mas já estou de saco cheio da senhora vir encher meu saco e perturbar minha paz por conta dos seus assuntos pessoais. Você queira que Emma se formasse em medicina, ela se formou, ela viajou, ela trabalhou na área, ela se envolveu com alguém, engravidou e teve uma filha, eu sei disso tudo e a senhora não, sabe porquê? Porque a Emma não queria que a senhora soubesse de nada da vida dela, ela te queria longe! Ela me fez prometer que eu nunca falaria absolutamente nada sobre sua filha pra nenhum de vocês da família dela, ela odiava vocês, e com razão! Ela tinha família, e essa família éramos todos nós que moramos aqui nessa casa!

-Olha só, mocinha...

-Não tem nada de mocinha, eu não sou mais uma garota de 22 anos fazendo faculdade, eu estou na minha casa, tenho um marido, tenho filhos e agora até neto eu vou ter, e a senhora está aqui querendo me causar medo!

-Admita o que eu estou esperando, Amelia! Que você não teve gêmeos coisa nenhuma, que você pegou a minha neta e está brincando de casinha com ela!

-Ei ei ei, vamos abaixar o tom de voz dentro dessa casa! -Sam saiu do escrito e logo em seguida, Dean saiu também, olhando a mãe de Emma ali, querendo intriga com Amy. -O que a senhora quer aqui de novo?

-Só falo agora na presença de um advogado! -a senhora olhava pra Amy, que segurava Odette no colo.

-Então pode continuar falando, eu sou advogado! -Sam rebateu e parou na frente da senhora.

-Que audácia! Eu vou ligar para o meu advogado e vou dizer que vocês sequestraram minha neta e vou levar ela comigo!

-Ninguém aqui sequestrou ninguém, minha senhora. -Dean apoiou as mãos na barra da calça e sorriu para a senhora.

-E quem é você para me dirigir a palavra? -A mulher olhou pra Dean de cima a baixo e levantou uma sobrancelha.

-Sou Dean, o cara que engravidou sua filha. -Dean deu um largo sorriso. -Minha filha mora comigo, com o tio -Dean apontou para Sam-com o outro pai dela, que é o meu marido, que também teve participação na hora de engravidar a Emma, e com a mãe -Dean dessa vez apontou pra Amy- Emma nomeou a Amy para ser a mãe da nossa filha, ela já sabia que iria morrer e deixou tudo preparado legalmente pra que minha filha ficasse conosco, a senhora não tem nada aqui, minha filha já tem gente o suficiente na vida dela, gente que a ama e que cuida dela desde que ela nasceu, ela não precisa de gente como você.

A senhora estava surpresa com tudo isso, não teria como tirar a neta de um lar estável onde ela mora com o pai biológico, uma mãe adotiva escolhida pessoalmente por Emma, que é cirurgiã, e um tio advogado. Ela não descansaria enquanto não conhecesse sua neta, mas sabia que seria muito difícil tirar a garota dali. Ela simplesmente bufou e saiu, batendo a porta.

-Como a Emma, linda daquele jeito saiu de um bicho feio desse? -Dean sacudiu a cabeça.

-Algo me diz que ela não vai parar por aí, ela vai querer a guarda da Kate. -Amy suspirou e revirou os olhos. -Só problema na minha vida, Chuck, você tá puto comigo pq eu fiz os rapazes voltarem pra casa, né? Só pode, cara!

Rose pegou Odette do colo de Amy e se sentou com ela no sofá.

Quando Amy estava à caminho da cozinha, a porta da casa se abriu, acharam que era a Senhora Harris de novo, já estavam preparados para bater boca, mas não era, era...

-JACK! -Amy gritou e correu já com lágrimas nos olhos para abraçar o filho, o abraçou forte e passou as mãos no corpo inteiro do filho, procurando ferimentos ou algo do tipo. -Filho...ahh que bom que voltou!

-Mãe, como é bom poder te ver de novo... -O sorriso de Amy murchou e ela começou a dar tapas e empurrar o filho, que não entendeu nada e só protegeu o rosto com as mãos.

-QUER ME MATAR DO CORAÇÃO? SAINDO ESCONDIDO DE MADRUGADA PRA SE ENCONTRAR COM O DIABO? E AINDA POR CIMA PASSA 3 MESES FORA SEM DAR UMA NOTÍCIA! ACHAMOS QUE TIVESSE SENDO TORTURADO, ACHAMOS QUE TIVESSE MORRIDO, SEU PROJETO DE ARCANJO MIRIM! -Amy gritava, Sam e Dean riam escondido do garoto, e Rose estava no sofá, olhando a cena. -QUAL É O SEU PROBLEMA? SEU PAI E EU ESTÁVAMOS MORRENDO DE PREOCUPAÇÃO!

-Perdão, mãe... -Jack estava suando frio, com medo da mãe, mas ela o puxou de volta para um abraço e o encheu de beijos.

Quando Jack já havia falado com Sam e Dean, foi finalmente falar com Rose, que estava barrigudinha. Jack se aproximou da morena e tocou sua barriga, sorrindo e olhando pra moça, que o olhava sem muita reação.

-Rose, eu... -Jack não terminou a frase, apenas abraçou a moça e tentou beijá-la, mas ela virou o rosto. -O que foi?

-Precisamos conversar. -Rose se afastou e protegeu a barriga enquanto subia as escadas.

Jack olhou para os outros ali, tentando entender o que havia acontecido, mas recebeu olhares de confusão.

Ele subiu e encontrou a namorada no quarto deles, se sentou ao lado dela na cama, pegou em suas mãos e a olhou nos olhos.

-Rose, perdão por ter ido embora daquele jeito, eu achei que não tivesse mais escolha, eu estava alucinando, via Lúcifer em todo canto da casa, ele estava brincando com minha mente, e eu estava com medo de acabar machucando um de vocês por conta dessas alucinações... -Jack tentou se explicar.

-Estou grávida, fiquei internada por semanas, sem notícias suas, só imaginando quando eu poderia te ver de novo, se é que um dia eu te veria de novo. -Rose coçou a cabeça e voltou a olhar pra o rapaz em sua frente. -Jack, eu quero terminar.

-O que? Por que? -Jack a olhou confuso, não entendeu essa decisão. -Rose, nós vamos ter um filho, deveríamos ficar juntos! Eu te amo, Rose...

-Eu vou arrumar minhas coisas e vou pra minha casa, você pode participar da minha gravidez, mas eu não quero mais ficar com você. -Rose estava séria, se levantou, soltando suas mãos das mãos do rapaz, que se levantou também, puxando Rose pela cintura e a beijando, não queria se separar dela, não queria ter que parar de sentir aqueles lábios, não queria dormir sem ela naquele quarto. -Jack...

-Eu não vou te deixar ir tão fácil, Rose! -Jack a segurou firme em seus braços e lembrou de todas as conversas que teve com Sam, das vezes que ele disse que Amy foi embora e ele foi atrás, pra resolver, iria fazer o mesmo. -Eu te amo, e eu sou pai do seu filho, nós somos uma família agora, e eu não vou deixar você escapar pelas minhas mãos assim!

-Jack, por favor, facilita as coisas! -Rose o olhava nos olhos, Jack estava com os olhos cheios de lágrima, e respirou fundo.

Jack roçou seu nariz no dela e a beijou novamente, sentiu ela retribuir com vontade, explorando a boca dele, com saudade, fome e desespero. Rose acariciou o rosto do loiro e não parou o beijo nem pra respirar, com os corpos colados um no outro, e no calor do momento, sentiram o primeiro chute do bebê.

-Oh... -Jack soltou dos lábios de Rose e se ajoelhou, levantou a blusa que ela vestia e olhou sua barriga mexer novamente. -Oi pra você também...

-Jack, é melhor eu ir... -Rose respirou fundo e secou as lágrimas com as costas das mãos, tirou a aliança que usava e entregou à Jack. -Se cuida.

Amy foi para o quarto, Odette estava com Dean e ela precisava de um banho. Sam estava ali também e ajudou a esposa a tirar cada peça de roupa, ele olhava hipnotizado para o corpo de Amy e o acariciava por inteiro, beijando as costas dela, a cintura, a barriga, os peitos e por fim, a boca. Amy retribuiu o beijo, sentindo Sam lhe puxando pela cintura e descendo as mãos para sua bunda, apertando e trazendo para seu corpo.

-Amor... -Amy suspirou, mordendo os lábios do marido e sorrindo sem fôlego.

-Você é tão maravilhosa... -Sam sorria abertamente, mostrando seus dentes e suas covinhas fundas nas bochechas. -Eu poderia ficar só olhando pra você pro resto da vida.

-Vamos ficar juntos pro resto da vida, Sammy, você pode fazer o que quiser comigo nesse tempo, não precisa só olhar. -Amy acariciou o rosto de Sam, gostava de sentir sua barba e suas covinhas, estava feliz agora, Jack havia voltado em segurança, estava tudo começando a se encaixar. -Vamos fazer alguma coisa?

-Você não ia tomar banho? -Sam apertou a cintura da moça e ficou olhando seu corpo de cima a baixo, completamente apaixonado.

Quando Amy ia sugerir que Sam fosse com ela, o celular dele tocou, era Bobby.

-Bobby! Tudo bem? -Sam olhava Amy indo para o banheiro e babava nela.

-Emagreci uns 7kg, Jody cortou minhas frituras. -Bobby reclamou e Sam riu.

-Como vocês estão?

-Eu estou bem, minhas calças estão caindo, mas estou bem, e a Jody está ótima, ela adora me ver sofrer sem poder comer uma besteira, essa mulher né tortura! Mas e aí? Como estão todos? Dean e Castiel?

-Estão bem, Dean está lá embaixo com a Odette e o Cas está resolvendo as coisas dele.

-Notícias do garoto?

-Ele voltou pra casa hoje!

-O que? Como assim?

-Pois é, ele simplesmente entrou pela porta e disse que havia voltado, Amy deu um esporro bem típico de Amy nele, e agora ele está se resolvendo com a Rose.

-Caramba! Como Lúcifer deixou o garoto ir embora assim?

-Olha, Bobby, eu também não sei, mas sei que tem algo por trás disso tudo. Lúcifer passou a vida inteira de Jack querendo pegar ele e tal, e agora que finalmente o tinha, o liberou para voltar pra casa? Tem algo aí.

-Claro que tem, mas enfim, e as crianças?

-Ah, as crianças estão ótimas, esgotam a gente até o último pingo de energia, mas não posso reclamar! James e Kate já sabem ler e escrever quase tudo, já fazem algumas contas de matemática e ajudaram muito com Amy e Castiel quando o Jack foi embora e eles ficaram a beira de uma depressão.

-Esses dois são maravilhosos, e pensar que são tão novos e já fazem isso tudo.

-Zeppelin é um amor, está sempre com um sorriso, sempre alegrando a todos, e Odette, bem, começou a dormir a noite toda, o que é incrível!

-Preciso visitar vocês, e comer umas batatas fritas escondido da patroa! E a Amy, como está?

-Maravilhosa como sempre, eu até hoje não sei como você fez uma filha tão incrível e como eu acabei casado com ela.

-Mistérios da vida, meu caro Sam!

-Pois é, mas sobre a visita, podem vir a hora que quiserem, Amy ainda está de licença, dá pra perturbar bastante ela.

-Vou falar com a Jody, se bobear, chegaremos aí pela manhã.

-Tudo bem, tchau, Bobby!

-Tchau, dê um beijo em Amy por mim.

Sam desligou o celular e foi até a porta do banheiro, viu Amy coberta de espuma e molhando os cabelos.

Tirou a roupa que vestia e entrou no box pra dividir aquele banho. Amy sempre perdia o fôlego quando via o marido nu, pois ele não parecia ser real. Um homem grande, forte, com músculos definidos, olhos verdes hipnotizantes, covinhas, um sorriso de tirar a sanidade de qualquer um, e um tom de pele morena que parecia ter sido pintada a mão, Sam parecia obra de algum artista, e por acaso, ela estava casada com essa obra de arte. Ela se esticou e ele se abaixou para se beijarem, as mãos de Amy percorrendo os cabelos molhados de Sam.

-Essa nossa diferença de altura é ótima! -Amy riu ao ouvir os ossos estalarem por se esticar.

Sam a pegou no colo, e ela prendeu suas pernas na cintura dele, se beijaram mais um pouco, mas nada além disso.

Rose havia ido embora, Jack estava incomodado com isso, mas não quis forçar ela a ficar, se ela queria ir embora, não podia prender ela ali, por mais que tivesse vontade. Iria ligar depois e tentar conversar, mas por enquanto, queria aproveitar o fato de que estava em casa.

Passou a tarde com Odette, brincando com a irmã, até que deu a hora de buscar os outros na escola, e ele fez questão de ir. Colocou Odette no canguru em seu colo e foi andando pela rua.

-Ele gosta mesmo dos irmãos, né? -Dean comentou e Amy concordou, sorrindo.

James, Kate e Zeppelin já esperavam nos brinquedos do parquinho da escola, e quando viram Jack, fizeram um escândalo, que chamou atenção de todos ali. Jack se ajoelhou no chão e recebeu os irmãos num abraço forte, mas nem tão forte, já que a caçula estava em seu colo.

-Você voltou de verdade? -Kate beijava o rosto do irmão e sorria, mostrando que seus dentes de leite haviam caído, Jack sorria e confirmava com um aceno de cabeça, a pergunta da irmã.

-Rose vai ter um bebê! -James sorriu e mostrou que estava sem os dentes da frente também.

-Estava com saudade! -Zeppelin não largava de Jack, eram muito apegados uns aos outros.

-Vamos tomar aquele sorvete agora e depois vamos pra casa, ok? -Jack beijou cada um e se levantou, viu que a mãe de uma das crianças dali o olhava com admiração.

-São seus filhos? -Ela perguntou e pegou a filha no colo.

-Meus irmãos. -Jack sorriu e a moça retribuiu o sorriso.

-São lindos, e você leva jeito com eles, será um bom pai. -Ela se despediu com um gesto de mão e Jack agradeceu, nunca tinha pensado em si mesmo como pai, afinal de contas, tinha a idade de James e Kate, se estivesse em seu corpo normal, estaria na fase de trocar os dentes de leite, mas não, estava num corpo mais velho, e estava prestes a ser tornar pai.

Levou as crianças para tomarem sorvete, se divertiram bastante e conversaram sobre a escola, quando começou a escurecer, foram para casa. Assim que entraram, só deu tempo dele tirar Odette de seu colo e a colocar no carrinho, e Castiel desceu as escadas correndo, atropelando Jack com um abraço forte. Ambos caíram no chão, Jack ria e abraçava o pai, estava morrendo de saudade.

-Que bom ver você aqui, vivo e bem! -Cas olhava pro filho e sorria, se levantou e ajudou o garoto.

-Estou feliz por estar de volta, pai. -Jack já estava com as bochechas doendo de tanto sorrir, tirando o problema com Rose, teve um dia incrível.

No dia seguinte, Bobby e Jody chegaram logo pela manhã, trazendo coisas frescas da padaria para tomarem café. Claire havia vindo também, mas foi para a casa de Jo.

Amy passou um dia maravilhoso com o pai, não haviam preocupações em sua cabeça.

Jack ligou para Rose antes do almoço, a convidando para almoçar em sua casa, mas ela foi terrivelmente grossa e seca, e desligou. Jack tentou novamente no meio da tarde, e Rose o tratou pior ainda, dizendo que não queria mais saber dele, e que a única coisa na qual ainda mantinha algum vínculo com ele, era o bebê, e que se não fosse pra falar sobre isso, que não falasse mais com ela. Depois de umas horas, Jack resolveu ir até a casa de Rose, chamou e ela não o atendeu, mas ele sabia que ela estava em casa, então insistiu, e quando ela finalmente abriu a porta, foi só pra insultar Jack e por fim, dar um tapa nele, pra que ele fosse embora.

Quando a noite caiu, Jack saiu, foi para um bar longe dali, precisava esfriar a cabeça longe de tudo, estava revoltado e chateado, nunca havia bebido, e hoje seria sua primeira vez. Tomou duas doses de whisky e viu Claire sentada no balcão, se aproximou da loira, esperando ver seu sorriso, mas quando ela virou, estava com os olhos vermelhos e sujos de rímel, ela estava chorando.

-Ei o que houve? -Jack perguntou, pedindo mais uma rodada de whisky pra ele e Claire.

-Jo terminou comigo, disse que não tinha mais condição de continuarmos juntas porque ela está gostando de outra pessoa. -Claire riu e secou as lágrimas com a manga de sua camisa xadrez, sujando tudo de maquiagem e limpando seu rosto.

-Estamos no mesmo barco, Rose não quer me ver nem pintado de ouro, terminamos. -Jack pegou seu copo, brindou com a loira e ambos tomaram suas bebidas. -E pra deixar mais interessante, ela está grávida!

-Céus, Jack! Meus parabéns! -Claire sorriu e abraçou o loiro, feliz pelo bebê. -Sinto muito pela Rose, mas pensa, você vai ter um filho, cara!

-Pois é, fui buscar meus irmãos ontem na escola e uma das mães achou que eu era o pai deles, porque eles fizeram festa quando me viram.

-Você vai ser um bom pai, tem bons exemplos em casa.

Jack e Claire conversaram e beberam juntos por horas, compartilharam histórias e deram boas risadas, até que perderam a noção do tempo.

-Jo era maravilhosa, ela fazia uma coisa com a língua, que até hoje eu não sei como explicar, mas era orgasmo certo! -Claire lambeu os lábios e se arrepiou, lembrando e sorriu pra Jack.

-Rose me fazia abrir as asas quase toda vez, teve uma época que eu fiquei com as costas bem machucadas por isso, porque era o tempo inteiro. -Jack riu e tomou o último gole de bebida que tinha em seu copo, e com isso viu seu relógio. -Caramba, Claire! São 3 da manhã!

-A Jody vai falar um bocado no meu ouvido. -A loira se levantou, pegando sua bolsa.

Jack colocou o dinheiro na mesa, vestiu sua jaqueta e pegou na mão de Claire.

-Devo te levar para algum lugar específico ou você vai lá pra casa?

-Vou com você. -ela sorriu e ambos saíram do bar e resolveram ir andando pra casa, pra conversarem mais.

No meio do caminho, a chuva caiu, o álcool no organismo dos dois, os fizeram rir e brincar na chuva enquanto corriam pra casa. Pulavam em poças, jogando água no outro, Jack dançava no meio da rua e tentava um pole dance fracassado e digno de pega em um poste ali perto, Claire estava sem ar de tanto rir. Quase chegando em casa, Claire estava correndo e tropeçou num buraco que havia na calçada e caiu, batendo a testa no meio fio e abrindo um machucado que escorria muito sangue.

-Claire! -Jack se abaixou pra ajudar a loira a se levantar, olhou pra ela pra ver se estava lúcida e ela riu, cuspindo o sangue que escorria de sua testa e logo em seguida ele também riu até não aguentar mais. Claire estava com o rosto todo molhado de sangue e chuva. -Você está parecendo Carrie, a estranha!

-Claire, a estranha! -Ela riu e passou a manga no casaco na testa, em vão já que continuava a escorrer sangue. -Queria os poderes dela agora. -Claire se apoiou nos ombros de Jack pra se levantar, seu salto havia quebrado com o tropeço e ela tirou os sapatos. Jack tirou seus tênis e fez Claire calçar, em seguida tirou a jaqueta e a camisa que vestia, voltou a vestir a jaqueta só com a camiseta que usava por baixo da camisa e usou ela para limpar o rosto de Claire e tentar estancar o sangue de sua testa.

-Vamos, mantenha pressionado, estamos quase chegando. -Jack segurou Claire e finalmente chegaram em casa.

Entraram com cuidado para não fazer barulho, subiram para o quarto de Jack, onde ele olhou bem o machucado na testa de Claire e com calma, passou os dedos ali, a curando.

-Você seria um bom médico. -Claire sorriu e tocou a própria testa, procurando o machucado.

-Dá pra ganhar mais prêmios que minha mãe. -Jack tirou a jaqueta e a jogou no cesto de roupa.

Olhou pra Claire, lembrando do que já quase fizeram nesse quarto, riu com a lembrança, e viu a loira se levantar da cama para ir para outro quarto.

-Obrigada por hoje, foi incrível! -Ela sorriu na porta e Jack começou a tirar o cinto de sua calça. -Foi bom estar com você, e rir daquele jeito, há muito tempo que eu não me divertia assim, até mais tarde.

-Até. -Jack sorriu e tirou sua roupa, indo para o banho.

Jack tomou um banho quente e escovou os dentes pra tirar aquele cheiro de álcool, saiu e se vestiu apenas com uma calça de moletom e resolveu descer pra comer algo. Ao sair do quarto, sentiu uma necessidade enorme de ir até o quarto de Claire, e mesmo achando errado, foi.

Entrou no quarto sem bater, Claire estava enrolada na toalha e secando seus cabelos com o secador.

-Acho que seu celular ficou na minha bolsa. -Ela desligou o secador e pegou a bolsa, entregando o celular de Jack.

Jack pegou o celular e o colocou na estante que havia ali, trancou a porta atrás dele e puxou Claire pela toalha, a beijando de maneira tímida, mas ao sentir ela retribuir, foi intensificando.

Claire estava surpresa, não esperava essa atitude, mas não estava com vontade de parar, Jack beijava bem e ela ainda tinha uma quedinha por ele.

Jack mordeu os lábios da loira, que suspirou e se afastou um pouco.

-Jack, eu não acho que...

-Shiu, vamos aproveitar e deixar pra nos arrepender depois que tivermos terminado, pode ser? -Jack olhou dentro dos olhos azuis dela, que pareceu considerar a ideia e sorriu pra Jack, voltando ao beijo.

Claire passou as mãos nos cabelos de Jack, em seguida desceu as mãos pelo corpo dele, até que parou em sua calça, Claire sentiu que ele estava ficando duro e com isso, percebeu que ele estava sem cueca, sorriu pra Jack, que sorriu de volta e tirou a toalha que cobria o corpo nu e quente de Claire.

Claire era espetacular, Jack ficou perdido, sem saber por onde começar, chupou seus mamilos rosa e a deitou na cama, descendo a mão e masturbando a moça bem devagar, enquanto ela gemia baixinho e olhava Jack com seus peitos na boca.

Jack não enrolou, desceu os lábios pela barriga de Claire e seus olhos brilharam em castanho claro quando viu que ela o olhava, começou a chupar bem devagar e viu a moça arfar e levantar uma perna, dando uma abertura melhor pra Jack.

Ela segurou os cabelos dele, acariciando sua cabeça e sentindo a língua se movendo dentro e fora dela, ele era ágil, e fazia gostoso, era difícil controlar o volume de seus gemidos.

Jack levantou, com seu membro totalmente ereto, apontando pra frente dentro da calça, com uma marca molhada de líquido seminal, Claire mordeu o lábio e se sentou na cama, puxou a calça de Jack pra baixo, vendo seu membro praticamente pular pra fora, totalmente molhado e o abocanhou, ouvindo Jack suspirar e sentindo suas mãos em seus cabelos, usando como alça para controlar os movimentos pra frente e pra trás.

Claire sugava cada centímetro, enlouquecendo o rapaz, que gemia entre os dentes e movia o quadril para frente e pra trás, enfiando o máximo possível dentro da boca da loira.

Ela se deitou, abrindo as pernas e se tocando, olhando pra Jack, que sorriu com a imagem e foi pra cima dela, a penetrando bem devagar, há anos que Claire não transava com um homem, passou esse tempo todo com Jo e antes dela já estava há um bom tempo sem sexo, então a penetração foi algo de outro mundo naquele momento, Claire foi ao céu e voltou, sentindo o pênis entrando e saindo de dentro dela.

-Jaaack...aaahhh aaahhh... -Claire procurou e buscou desesperadamente pelos lábios de Jack e o beijou enquanto gemia dentro de sua boca e ele começava a socar com vontade dentro da loira, que estava com as pernas tremulando.

-Nem comecei. -Jack sorriu e passou os dedos nas pernas trêmulas da moça, que revirava os olhos.

Os movimentos ficaram mais rápidos, o som molhado do impacto dos corpos e os gemidos abafados preencheram o quarto.

-Que gostoooso, aaahhh, meu deus! -Claire gemia e Jack sorria pra aquilo, gostou de ver a garota desse jeito, repleta de prazer que ele estava proporcionando.

Jack colocou a loira de quatro, e ela se empinou, sentindo Jack voltar a penetrá-la. Ele pegou em seu cabelo e os movimentos ficaram bem rápidos, a bunda de Claire estava vermelha pelo impacto do corpo do rapaz e pelos tapas que ele estava dando nela.

Transar com Claire estava sendo uma experiência incrível, seu gemido era cativante demais e ela era bem apertada, o que fazia Jack ir a loucura e se controlar para não gozar enquanto ela não gozasse antes.

Ele se deitou na cama e Claire não perdeu muito tempo e já foi sentando e cavalgando no rapaz, que segurava a cintura da loira e via seu rosto vermelho, suas expressões de prazer, seus peitos pulando com o movimento e ela rebolando.

Claire estava próxima do orgasmo, e pra facilitar tudo, Jack se sentou, pra conseguir chupar seus seios enquanto ela cavalgava e arranhava as costas dele.

-Oohhh, Jack! aaahhh, eu... aaaaaahhh... -Claire revirou os olhos e seu corpo estremeceu da cabeça aos pés, o orgasmo veio e ela ficou mole, e sorriu pra Jack, que pegou em sua cintura e continuou socando pra dentro dela com vontade, estava quase gozando também, Claire acariciou seu rosto e beijou seu pescoço, o fazendo se arrepiar por inteiro e abrir as asas ao gozar.

-Droga! -Jack respirou fundo e depois riu da cara de Claire olhando suas asas, ela estava com seus olhos azuis arregalados e a boca levemente aberta. -Não consegui manter elas fechadas, desculpe.

-São lindas! -Claire passou as mãos sobre as penas brancas das asas de Jack e depois acariciou seu rosto, o beijando enquanto ele fechava as asas.

Ambos ainda estavam se movendo lentamente, queriam continuar, mas estavam cansados, o sol já estava nascendo. Claire saiu de cima de Jack e se deitou ao seu lado, de costas, o que fez ele ficar de conchinha com ela.

-Isso foi... muito bom. -Claire sorriu e sentiu Jack beijar seu pescoço.

-Foi sim, muito bom, você é muito boa. -Ele sorriu e a abraçou por trás.

Iriam descansar um pouco pra Jack voltar ao seu quarto, mas ambos acabaram dormindo juntos ali, em meio ao cheiro da culpa e do bom sexo que fizeram.


Notas Finais


Olha a merda acontecendo aí, cara!
Essa mãe da Emma é um pé no saco, hein!
Rose tá doidona, é? Já tô até vendo Amy indo falar com ela pra saber o que tá acontecendo nessa porra.
Jack tá ficando muito safadinho, deixa só

Então, gente, existe um grupo da fic no WhatsApp, quem quiser participar pra poder interagir e tudo mais, eis o link. https://chat.whatsapp.com/F1RiAq3rfPaB3psLYf8kRE


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...