História Dezoito Outra Vez - Kim Taehyung (BTS) - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jeongguk (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Açucar, Jãocu, J-esperanca, Jimin, Jin, Kim Taehyung, Suga, Tae, Treta
Visualizações 29
Palavras 1.684
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Esporte, Ficção, Ficção Adolescente, Luta, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


oi eu amo narina

Capítulo 1 - Eu odeio atender as ligações otárias de Kim Namjoon.


— Por que e pra quê o fogo do seu fundilho acendilhoso resolve derramar lava bem nessas horas do dia, Namjoon? — Respondia já com um tiquinho bem pequenininho que fôra multiplicado setenta vezes ao diminutivo que foi levado ao quadrado ter paciência com aquele ser do lado do telefone. 

Kim Namjoon ou Rap Monster como deseja falar o nome dele, poderia ser muito bem visto por VOCÊS — porque a mim não —, ser uma pessoa gentil, o cara que fala “de boas” ou até mesmo o lindão da porra, mas não gente.

Oh, cabecinha tola de vocês.

Ele é um lixo, um côco, um merda e um bosta chato que precisa ter a famosa descarga pra sumir da minha privada. Eu sei que às vezes exagero nas coisas, porém é a verdade meus parças. 

Já ia fazer vinte e cinco minutos e treze, catorze, quinze, dezesseis… OU SEJA, segundos, que o prego do meu chinelo estava me atormentando com uma puta marreta de ferro, os meus lindos ouvidos. Eu sei muito bem e nem precisa dizer a mim, que eu poderia desligar na cara dele ou apenas falar o que os sábios falam: “foda-se” e desligar a ligação com um sorriso de calmasidade — essa palavra existe? — porém, eu sou um gentil e uma pessoa maravilhosa demais pra fazer tal ato, mesmo o Namjoon merecendo muito, muito, muito e muito. Foram quatro muitos, percebeu? Então sim, ele merece esse acontecimento, mas eu não sou um amigo tão… sei lá, na verdade eu sou belo de um trouxa, deveria fazer sem mesmo ligar para os sentimentos ou sei lá o quê para o que ele sente. 

Não custa nada, seu papel higiênico melado de bostaaaa, me dizer como foi que começou esse rolo todo de adulto — Ele fala com palavras tão fofinhas, né pessoal? Nossa que kawaii, vamos colocar ele num potinho e deixar ele lá… sem ar. 

O que mudaria na vida de merda dele, saber como é que aconteceu pra mim, Kim Taehyung, se tornar um adulto? Isso mesmo, NADA DE NADA. Eu me sinto muito humilhado quando vou falar sobre o meu último dia de adolescente com um pré-adulto ou qualquer outra pessoa. Parece que antes eu era um garoto maneiro, o engraçadão do rolê ou o último biscoito do pacote — não bolacha — e agora eu pareço um velho que fica perguntando várias vezes as mesma coisa pra saber o que a pessoa tinha falado. 

— Namjoon, em vez de você ficar enchendo o meu saco, porque o senhor não procura um trabalho ou até mesmo espera o seu dia de virar adulto, que pra avisar, logo está próximo? — Indaguei, mexendo o miojo na panela que estava no fogo, enquanto eu orava pra papai do céu não deixar meu celular cair dentro da panela. Se isso ousasse acontecer seria culpa de quem? Acertou miserável! Kim Namjoon. Nem mesmo na hora de cozinhar tenho paz.

Você deve estar achando que eu não sei cozinhar, e posso afirmar que você está muito errado. Eu não sou tão fracassado assim, não ache que sei fazer apenas gelo! Sei fazer coisinhas básicas e olhe bem, isso é bom e também o bastante. 

Puta merda, Taehyung! Você é o maior cu doce do mundo inteiro, se existisse uma pessoa em marte chamado de Sr. Cu docinho que foi até formado em cudoceria, você iria ganhar! Para de ser um bosta pelo menos um tiquinho, affu. — Eu não posso negar que esse Kim metido a besta tem uma vírgula de razão por eu ser um pouquinho bem pouquinho cu doce, mas fazê o quê, mores. Rap Monster tem essa mania de ser um meninão mandão que quer tudo no seu tempo. Eu não sou Albert Austen ou Einstein que fez o relógio! Ele fez o relógio ou foi a luz? Ah, sei lá, não me importo. 

— Se eu falar, o que você vai me dar em troca? — I’m ser cem por cento interesseiro.

Sei lá — Demorou um pouquinho para prosseguir — Um feijão? — Respondeu claramente com uma voz de taquara rachada.

Como assim meu Deus? um feijão? O que você pode fazer com um caralho de feijão?

— Feijão? Que merda faz um feijão? Se fosse um feijão mágico que chegasse até o céu e deixasse você lá eu até aceitaria, agora, o que eu faço com um feijãozinho marrom normal?

O que se faz com um feijão, Tae? Cozinha, né? Enfim, deixe-me pensar em algo melhor. 

— Por favor, né! — Coloquei a ligação no alto falante enquanto eu pegava um prato no armário.

Todo aquele macarrão já estava no pratinho de peixinho. Eu não tenho filhos, ok? Não é pecado ter um pratinho de peixinhos coloridos, minha mãe sempre disse que abria meu apetite quando eu era mais novo e bom, isso ainda funciona. 

Eu posso pagar um lanche pra você no Mcdonald's, algum dia desses, o que acha? — Agora sim ele estava falando a minha língua. Comida sempre é bem vinda.

— Opa! Gostei da idéia.

Eu não acredito que estou gastando o meu dinheiro por causa de uma história besta, ainda mais vindo de um besta. 

— Já apostou, cara. — Sorri em meio a ligação super radical. 

Ok, ok. Agora será que pode começar a falar, meu tempo é muito preciso. — Disse com o seu tom típico de autoritário, ou ele tentava soar assim. Na verdade ele era um idiota que ficava o dia inteiro sem fazer nada. Era mais fracassado que eu. Eu acho.

— Você disse que eu era o besta da história, e olha quem é o besta agora. Querendo saber sobre algo insignificante. — Não me segurei e dei algumas risadas por ouvir um suspiro de cansaço de Namjoon, queria dizer que ele já estava perdendo a paciência. — Ok, vou começar a contar. 

Antes de começar a falar sobre o meu dia de fracassado que foi fracassadamente um fracasso, sentei-me na mesa com o pratinho, que não posso esquecer de falar do detalhe mais precioso, que são os peixinhos coloridos que deixa tudo mais empolgante, e é claro, peguei meus hashis e dei uma provada do sabor delicioso daquele macarrão da Turma da Mônica.

Eu desliguei o fogo e coloquei o tempero sim, ok pessoal? Não se preocupem comigo, sei que sou um Deus Grego precioso.

Taehyung? Tae? CARALHO TAEHYUNG NÃO MORRE! — Ouvi os gritos de Nam, muito feios por sinal.

— Oi, eu estou aqui ainda. Vou começar a falar. — Peguei o guardanapo e limpei os cantos de meus lábios. — Tudo começou em uma quarta feira de julho ou era agosto… eu acho que era- — Fui interrompido pelo ser do outro lado do telemóvel.

Taehyung! É rápido! isso não é um filme romântico e nem de drama drasticamente dramático, se for assim eu nem quero ouvir. 

— Tá, tá. Bicho chato! Bom, eu estava dormindo normalmente e quando acordei eu estava me sentindo diferente, parecia que estava com uma alta disposição corporal e- — Mano o cara não me deixa falar sem me cortar, eu juro que vou entrar nesse celular e cortar a cabeça dele.

Eu acho que isso é a gravidez

— Namjoon, eu sou homem. Que cacete de gravidez? ah… 1, 2, 3, 4, 5… respira, respira. — Tentava me acalmar ao som de palpites idiotas de Nam, o que tinha dentro da cabeça dele? Bolo de carne? Cérebro que não era, com certeza. 

Eu juro que paro. — Você acha que ele vai parar? Claro que não, eu conheço esse traste.

— Como eu estava dizendo, eu reparei que havia acordado cedo tipo umas fucking sete e meia da manhã…

A coisa era séria então. — E pela primeira vez naquele dia Namjoon estava certo, acordar naquela hora era realmente uma coisa de louco. É claro que na época em que eu estudava no colégio, eu acordava neste horário para ir estudar, mas, isso era porque eu tinha uma obrigação, agora no meu caso do “dia de adulto” eu havia acordado por livre e espontânea vontade do meu corpinho gostoso e não por obrigação da mãe e educacionalmente educacional. 

— Sim. E eu fui perceber que eu não estava bem, quando eu percebi que havia eu, arrumado a cama. 

Não acredito, estou espairecida, i’m estar chocadooo — Namjoon as vezes dava um de sei lá o que com essas gírias de retardados que só a laia dele entende. E eu nem me custo a aprender, Deus que me livre desses horrores. 

— Enfim. Eu fui falar com a minha mãe e ela me disse que tudo aquilo era porque eu estava me tornando não mais um adolescente, mas sim um adulto. — Dei depois de várias, mais uma espetada em meu macarrão. Na onde? No meu pratinho de peixinho, é claro. 

Mas tipo, mudou alguma coisa no seu perfil? Tipo, se você sentiu suas costas se contorcer, seus ossos quebrarem, o seu pin- — Desta vez foi minha vez de interromper, antes que o moreno falasse alguma merda, como sempre fala. 

— Eu quero muito desligar na sua cara, só não desligo, porque eu tenho uma aposta com você, e não, Namjoon. Eu estou normal, não mudou nada. Apenas algumas coisinhas mais nada demais. — Dei mais uma saboreada do meu almoço. — E por favor não fale de partes íntimas justo no meu horário de almoço. Aliás, em horário nenhum. 

Não ouvi uma voz de resposta nem mesmo alguma piadinha sem graça, chamei várias vezes aquele miolo de bosta. 

— NAMJOON! — Berrei em troca ouvindo um sonco nem um pouco baixo, rapidamente eu lembrei que Nam poderia estar dormindo durante a ligação, uma das manias mais irritantes do mesmo. Parece que você é um bocó falando sozinho. 

Desliguei a chamada e terminei meu almoço no meu pratinho de peixinhos coloridos. Depois de ter terminado minha refeição, coloquei a panela que cozinhei e tudo mais, dentro da pia que mais tarde iria lavar e deixar tudo organizado e talvez bem talvez relaxar um pouco depois de deixar limpinho.



Notas Finais


+o que? você chegou ate aqui? você é um guerreiro de ferro e côco de passarinho por ter se esquivado de tantas merdas escritas por mim uau, parabens
gente eu amo muito o taehyung e voces? eu nem lembro de mim sem saber da existência dele rsrsrschorando
eu nao sei muito bem o que passa na cabeca de um adulto, pq eu nao sou um kkkkkk entao as vezes eu pergunto pra minha mae ou o meu pai, mas eles falam que é uma bosta e se sentem muito fracassados por me terem rsrsvoltandoachorar
TAEHYUNG FALA ERRADO MESMO! VAI TER PALAVRAS QUE NÃO EXISTE SIM!
( )revisado
(X)no revisado
voce gostou do tema (¿e sei la o que?) da historia? quer uma continuação?
mano clica nesse coração pra mostrar que tu curtiu, se quer me matar de amores escreva 1comentário, e cara, você nao tem nocao do quanto eu gosto e amoo :]

perfil cheiroso: @jeonarina
...pq eu postei isso(??????)depois eu apago e o site fica mais limpo, cheirosos(as)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...