História .dia dezesseis. - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Seventeen, TWICE
Personagens Jeon Wonwoo, Jihyo, Kim Mingyu
Tags Meanie
Visualizações 18
Palavras 586
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Fluffy, LGBT, Romance e Novela, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


bom, eu fiz essa fanfic a um bom tempo, mas só ''agora'' eu quis passar ela pro computador e a aprimorar. espero de coração que voces gostem,,,,, boa leitura.

Capítulo 1 - .dois mil e dezesseis.


Dezesseis de fevereiro de dois mil e dezesseis, coréia do sul.

Houve um enorme vazamento de gás no restaurante liqour burger, que por sinal, era onde Kim mingyu trabalhava.

Foi tudo muito rápido.

Mingyu ouviu o rapaz, Joshua – que ate então estava fritando os hambúrgueres -, Gritar ‘’fogo’’ desesperado. E como o local era, razoavelmente, pequeno, logo já se via pessoas correndo desesperadas e o fogo se alastrando.

- FILHA, - gritava a mulher desesperada – JIHYO!

Como a maioria das pessoas já havia escapado, mingyu era um dos poucos que restara e a fumaça começava a pairar no ar.

- calma – a fumaça já estava se espalhando, então começou a tossir – senhora (mingyu sabia que de senhora aquela moça não tinha nada, mas nunca deixaria de ser educado, e estava tão desesperado que acabou nem notando), onde – mais tosse- ela esta?

- esta trancada – a senhora começou a tossir junto – no banheiro.

Depois de tanto esforço por tentar tirar sua filha de dentro do banheiro, ajudar mingyu e inalar tanta fumaça, a moça acaba por cair no chão, desacordada.

- SENHORA! –mingyu não sabia o que fazer, só queria sair dali e correr para os braços do namorado. Mesmo assim, conseguiu derrubar a porta, onde mostrava uma garotinha de, aparentemente quatro anos, assustada.

- vem! Temos que ir! –disse ele a pegando no colo, tirando seu avental e colocando por cima da pequena garota, tentando impedir que ela inalasse tanta fumaça quanto ele.

- e a minha mamãe? – perguntou a menina assustada, se agarrando a ele.

- depois eu a buscarei– deram um passo, mas uma parte do teto cedeu, caindo bem ao lado deles, por pura sorte conseguiram desviar.

Felizmente conseguiram sair do restaurante, os bombeiros ainda não haviam chegado.

Mingyu, mesmo com a respiração precária e o corpo pedindo por descanso, largou a menininha no chão

- olha só, vou lá buscar sua mãe e, caso eu não volte, se você vires um moço de calça jeans e blusão amarelo diga a ele que você me conhece e que eu o amo. Eu sou o mingyu.

Sendo assim, sem esperar respostas, partiu restaurante adentro. Só que o teto cedeu vindo tudo abaixo.

Mingyu não resistiu.

Wonu, assim que recebeu a noticia, se dirigiu o mais rápido possível pro restaurante. Procurou entre todos os presentes o rosto de mingyu. Mingyu não estava ali.

Quando, de repente, sua perna foi tocada.

- você conexe o minhu? Perguntou a garotinha com a pronuncia errônea e o semblante preocupado.

- mingyu? – seu coração apertou

Ela fez que sim com a cabeça.

- ele foi buscar a minha mamãe. – apontou para o, agora, destruído restaurante.

- e você tem mais alguém? - a menina fez que não

- eu também não – wonu sussurrou

No momento, adentraram no que restou do restaurante (se é que era possível), saindo logo depois.

- sem mais sobreviventes.

Wonwoo ficou sem chão, desatou a chorar como um criança. Ele queria mingyu.

Quando viu, a menina estava abraçada em sua perna, chorando.

- sinto muito. –conteve parcialmente o choro e afagou os fios da menina.

- qual seu nome? – a menina olha para cima, mostrando sua carinha vermelha e inchada.

- jihyo.

- wonwoo. – não perdeu tempo, abraçou a pequena garotinha. Precisava dar apoio a ela, e ele sabia que receberia apoio também.

- ele pediu para falar que – fungou – ama você. – diz a garotinha ainda mais agarrada a wonwoo.

Então, entre o abraço, ele se permitiu chorar mais uma vez, sendo acompanhado por jihyo.


Notas Finais


puts eu to muito insegura


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...