História Diabolik Irai Okina ai - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias Diabolik Lovers
Personagens Ayato Sakamaki, Azusa Mukami, Beatrix, Carla Tsukinami, Christa, Cordelia, Kanato Sakamaki, Kou Mukami, Laito Sakamaki, Reiji Sakamaki, Richter, Ruki Mukami, Seiji Komori, Shin Tsukinami, Shu Sakamaki, Subaru Sakamaki, Tougo Sakamaki "Karlheinz", Yui Komori, Yuma Mukami
Tags Amantes Diabólicos, Amor, Diabolik Lovers, Um Pouco Lolicon
Visualizações 51
Palavras 4.417
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Hentai, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oie gente!!!! Sentiram saudades? Eu senti!
Espero que gostem do cap e me desculpem a demora! Tinha outro cap prontinho mas reformatei o cell e... Já viu né?
Quero agradecer a minha irmã mais nova pela ideia do "Ataque da Ciumenta".
Não entenderam? Só lendo para descobrir!

Capítulo 5 - The true face of a jealous


Fanfic / Fanfiction Diabolik Irai Okina ai - Capítulo 5 - The true face of a jealous

- E as vezes uma menina quando quer algo, não diz nada! Essas sim! São uns anjinhos! 

- Arigatö, Akira-chan! Você me ajudou muito! - Laito sorriu charmoso fazendo o coração da morena derreter -

- Un! - ela assentiu corada mas ouve o sinal tocar e ai se toca - O meu Kami-sama! Meu namorado já deve estar me esperando! - ela pega sua bolsa e vai em direção a porta - Ja nee! - e saí correndo -

Laito sorriu ainda mais. Sussurrou um "Bye Bye" e olhou para a janela onde estava encostado. O ruivo estava conseguindo ainda mais atenção das meninas quando disse que tinha novas "irmãzinhas", ganhava muitas dicas de como criar as menininhas e isso o deixava satisfeito, afinal, não saberia como cuidar delas. 

Laito-chi! "

A voz carinhosamente inocente da gémea a qual se apegou a ele ecoa em sua cabeça. Lembrou-se também do sorriso dela, como fazia uma festa ao vê-lo chegando perto. Realmente, como seu mundo virou de cabeça para baixo desse jeito? Nunca sentiu tanta vontade de ficar perto de um ser como tinha com a pequena ruiva de olhos azuis celestiais, ela o fazia se sentir confortável com sua presença, não se sentia assim desde que nasceu, a 300 anos atrás. Que tipo de mágica a garotinha havia jogado nele? 

O ruivo deu a desculpa a seu ser de que ela era uma criança que sofria e ele se sentia com o dever de ajuda-la mas não se convenceu. Afinal, em todos esses anos nunca houve sequer um momento onde Sakamaki Laito senti-se empatia por alguém, nem mesmo por seus irmãos. Deveria arrumar outra desculpa para essa insuportável agonia de ficar perto da garotinha.

Sua linha de pensamentos foi cortada ao sentir a presença de um de seus irmãos, se virou para frente e sorriu falsamente.

- O que houve, Subaru-kun? Ama tanto assim a seu irmão que quer ficar mais tempo com ele? - perguntou, sarcástico. Levantou seu chapéu com o dedo indicador e piscou um olho. Como amava irritar seus irmãos! -

Subaru soltou um resmungo e logo informou.

- Vamos logo. A limusine já chegou. - se virou e começou a andar em direção a porta estilo shoji moderna com as mãos na calça -

- Opa! Por que a pressa? Ayato não vai ficar para a detenção? - Laito perguntou, levantando as mãos como em rendição e ao terminar a pergunta estendeu as palmas para o lado em dúvida -

Subaru soltou outro resmungo e virou a cabeça com uma carranca.

- Karlheinz entregou dinheiro a Reiji. Parece que vamos passar o dia na porcaria do shopping para comprar as coisas das meninas. - explicou e virou a cabeça para frente - Ande logo! Ou vamos sem você. - e começou a andar novamente -

Laito suspirou e se desencostou da parede seguindo o mais novo.










Quando os irmãos chegaram na mansão a encontraram silenciosa. Claro. Eram quase cinco da manhã, provavelmente as pequenas estavam dormindo agora. Bom, foi isso que todos pensaram. Mas ao ouvirem os barulhos da sala de estar e o cheiro adocicado de crianças quando se aproximaram perceberam que elas não dormiam.

Entraram no cómodo vendo a parede de frente para porta sendo riscada por giz roxo nas mãos de Kami. Aya e Layla corriam brincando de pega-pega enquanto Suzy fazia um barquinho de papel que mais parecia um chapéu napoleónico amassado. Suely dormia tranquilamente no sofá grande, toda encolhida parecendo um gatinho. Régina tentava, de algum modo, fazer Kami parar de riscar as paredes.

Reiji suspirou irritado, recebendo a atenção das meninas, menos Suely.

- Por que, em nome de tudo que á de mais sagrado, vocês não estão dormindo? - perguntou, feroz.

Do nada Layla gritou ao lado de Aya. Com o susto, Aya se apoiou em um pé enquanto o outro estava para o lado oposto, ela tinha os braços para cima e cara de horror. Assim como o resto das irmãs, menos Layla e Suely.

- Laito-chi! - Layla correu e pulou no pescoço dele. Que se abaixou para receber o afeto -

- Layla-chan! Sentiu saudades? - ele ria enquanto ela tentava pegar seu chapéu -

Logo um choro é ouvido. Quando olham vêm que Régina tirou o giz de cera de Kami que agora, na mesma posição, sentada de pernas abertas para a parede em que riscava, chorava enquanto coçava os olhos.

Kanato não achou bonito o que Régina fez e franziu o cenho. Estava a ponto de tirar o giz da "sem-graça" para da-lo novamente a Kami. Não porque gostava dela, não! Ela era.... Insuportável! Ele só... Não queria ouvir o choro dela. 

Antes mesmo de Kanato agir. Todos se surpreenderam ao ver a seguinte cena: Régina pegou um papel em branco do chão e colocou na parede segurando e entregando o giz a Kami, que parou de chorar e começou a desenhar no papel enquanto fungava. Régina se ajoelhou enquanto ainda segurava o papel contra a parede.

Novamente aquele sentimento veio aos meninos. O amor daquelas irmãs certamente era um incómodo para eles. E que incómodo!

Um bocejo foi ouvido. Suzy estava quase desmaiando no chão. Seus olhos piscavam frequentemente e ela cambaleava para os lados enquanto sentada de pernas abertas para a mesa.

Subaru saiu da porta e foi até ela, a pegou no colo e com outro bocejo, ela colocou a cabeça no ombro esquerdo dele e os braços ficaram segurando o barquinho mau feito contra o peito dele. Sua respiração logo ficou calma indicando que ela havia capotado.

- Certo. Acho que elas ficaram muito tempo acordadas. - murmurou Ayato -

Ele olhou a cena de Subaru e logo voltou-se para Aya. Assim que seus olhos se encontraram ela deu-lhe língua e correu para trás de Régina quando Ayato ameaçou correr atrás dela.

- Mas que garotinha mais insuportável! - murmurou -

- Acho melhor coloca-las na cama. - falou Laito ao ver que a, antes animada Layla agora dormia em seu ombro -

- Será que elas... - Yui começou e logo deu uma pausa - Estão acordadas desde que saímos..?

- Não seja tola! - Reiji ajeitou seus óculos - Dei uma ordem específica a Edgar, ele não poderia deixa-las sair da cama. Pelo menos não até completarem três horas de sono sem pausas.

Reiji sente alguém puxar sua calça, quando vê era Aya que assim que ele a fitou apontou para Régina com cara de sono mas ainda segurando o papel para a mais nova desenhar. Ele suspirou e foi até elas.

- Hora de voltarem para cama. - Reiji pegou Régina no colo a fazendo soltar o papel e Kami começou a dar vestígios que ia chorar novamente - Kanato! - deu um olhar no meio irmão dando o comando silencioso e logo se teletransportou para algum lugar. 

Kanato grunhiu e foi até Kami a pegando com desgosto, pegou-a puxando para cima enquanto segurava pelo pequeno braço, como se fosse uma boneca de pano. Kami parou de choramingar e sorriu ao ver Kanato. O coração do Sakamaki, se ele tinha um, se aqueceu e ele a puxou deixando-a contra seu peito, como fazia com Teddy ao lado dela em seu colo. 

- Certo, hora de voltar para cama, Aya! - Ayato fito-a e andou em sua direção, a menina, no entanto, começou a correr em direção a escada do local - Ei! Volte aqui! - ele se teletransportou para sua frente, a ruivinha tomou um susto soltando um pequeno soluço - Peguei! - exclamou ao pega-la e coloca-la por cima de seu ombro esquerdo enquanto ela gritava e esperneava - Argh! Fica quieta! - ele se virou e foi andando em direção ao quarto da pequena Nonoko -

Laito pegou Layla no colo e começou a leva-la em direção ao seu quarto, sendo seguido por Subaru e Kanato. Subaru parou e chamou.

- Ei! 

Yui gemeu confusa e olhou para Shu que a fitava, logo ela percebeu que se tratava dela a quem o mais novo chamava. E deu um passo a frente.

- Sim?

- Vamos. Vou deixa-la em seu quarto. - ele começou a andar de novo sem espera-la.

- A-Ah! Certo! - ela se virou e se curvou para Shu em forma de respeito e correu atrás de Subaru.

Shu soltou um suspiro nasal e se virou para o sofá a sua frente. Suely dormia tranquilamente com os joelhos encolhidos e os cabelos soltos bagunçados. Todas as meninas estavam usando as roupas que ganharam de Karlheinz e ainda possuíam os cabelos bagunçados.

Shu não entendia como havia chegado nesse ponto. Não entendia o porquê de não ter deixado ela na floresta chorando. Para começo de conversa, por que ele a seguiu? Não devia ter feito isso, mas fez. Ele poderia simplesmente deixa-la novamente na floresta como a um cachorro sarnento mas, assim como não tinha coragem de deixar um filhote sozinho também não tinha de deixar a uma menininha. Cachorro; essa palavra não lhe trazia boas lembranças de sua infância.

Um gemido manhoso o despertou de seus devaneios. Olhou para o sofá novamente e viu Suely abrindo os pequenos olhos redondos da coloração azul, assim que ela o viu lhe deu uma pequena surpresa.

- Shu-hidenka... - ela praticamente gemeu o nome sonolentamente antes de voltar a dormir.

Shu arregalou os olhos. Ela o havia chamado de príncipe? Mais importante, essa havia sido sua primeira palavra? Shu-hidenka? Ela o achava um príncipe? Não. Ela simplesmente estava sonolenta, só isso.

Shu a olhou por mais alguns minutos e depois foi até ela a pegando no colo como se fosse uma princesa.

Minha princesa.









Os irmãos Sakamaki haviam acabado de chegar no shopping. Assim que entraram no local as pequenas meninas começaram a se agitar enquanto seguravam as mãos dos meninos, que, desesperados, tentavam mante-las quietas.

- Mas por que elas estão tão agitadas? - se perguntou, Kanato.

- Quando meu pai me levava ao shopping eu também ficava assim. Elas devem estar querendo correr. - respondeu Yui sorrindo -

- Correr? Mas que tolice! - Reiji ficou frustrado - Uhm. Não vejo esse comportamento em Régina. - comentou.

E era verdade. Régina não ficava puxando Reiji ou se debatendo para se soltar como suas irmãs, ela só olhava em volta e mexia na barra do vestido que usava.

- Puxa. É a primeira vez que vejo uma criança tão pequena e tão bem comportada - murmurou Yui.

- Comportada? Sem-graça você quis dizer - murmurou Kanato -

Régina o olhou com os olhos marejados e se soltou de Reiji o agarrando pela perna mais próxima, sendo ela a esquerda. Reiji o olhou com um olhar cortante.

- Já havia um tempo que tenho essa pergunta em mente, Kanato. Talvez você pudesse tirar-me essa dúvida. - disse Reiji - Por que Régina têm tanto medo de você? 

Kanato deu de ombros olhando para o lado, escondendo o rosto com o Teddy. Reiji suspirou e olhou para baixo, encontrando Régina olhando para Kanato atrás de si, atenta. Reiji abaixou um pouco e pegou a mão agarrada a sua perna a tomando novamente. 

- Vamos logo fazer o que viemos fazer e ir embora. 


E assim começaram a vasculhar pelas lojas de roupas, calçados e tudo que aquelas pequenas iriam precisar para passar um belo tempo na mansão Sakamaki.

Já na décima loja de roupas. Layla se solta de Laito e corre para um cabide de vestidos.

- Layla-chan! - ele corre atrás dela e os outros, andando vão atrás. 

Quando chegam veem Layla admirada por um vestido azul claro, parecia ser de gala e tinha uma tiara preta como brinde. Ela tentou pegar o vestido mas não alcançava. Laito sorriu e pegou o vestido entregando a ela. Layla sorriu para Laito e correu chegando perto de sua irmã mais nova, Suzy. E entregou-lhe o vestido, Suzy soltou-se de Subaru e pegou o vestido sorrindo abertamente mostrando que havia gostado do vestido e, como das outras vezes, entregou o vestido a Subaru que o pegou sem hesitar. As outras irmãs sorriram e se soltaram dos irmãos que as seguravam, e foram correndo ao metal rodado que tinha um monte de cabide com vários vestidos.

- Posso ajuda-los senhores? - uma moça de cabelos pretos e olhos azuis com o uniforme da loja e o crachá escrito "Mikage Miia".

- Sim... Mikage-san. - Laito deu uma pausa lendo seu crachá e logo sorriu galanteador. A moça corou com os olhos brilhando.

- Gostaríamos de comprar esse vestido - Subaru disse levantado o vestido enquanto Suzy se amontoava com suas irmãs.

- E o que mais elas escolherem - completou Ayato vendo que elas estavam dispostas a pegar um para cada uma.

- Ah! - a moça sorriu e juntou as mãos olhando as pequenas - Vocês estão no corredor da seção de fantasia. E esse é o vestido da Cinderela. 

- Cinderela? - Kanato perguntou confuso. A moça assentiu.

- Essa menininha ruiva de olhos azuis, ela está escolhendo vestido de princesa para cada amiguinha. - comentou a mulher olhando Layla se pendurar para tentar pegar outro vestido. Novamente, Laito ajudou.

- Irmãs. 

- Como? - a funcionária olhou para Reiji -

- Elas são irmãs. 

- Ô! Entendo. Desculpem-me o erro. - A mulher se virou para as meninas - Parece que já escolheram seus vestidos. 

Os irmãos se viraram para frente e viram. Suely tinha em mãos um vestido azul brilhante, tinha o uma abertura para uma das pernas com o que parecia ser ums capa de pano cristalino zul gelo. Régina tinha um vestido amarelo de gala que parecia ser iguais aqueles de épocas contemporâneas e vinha com uma tiara dourada e esculpida lindamente, também com luvas amarelas longas. Aya tinha um vestido rodado de baile, em cima vermelho rendado mostrando algumas partes que poderiam mostrar seu corpo, em baixo no final do vestido algumas borboletas vermelhas. Layla tinha em mãos um vestido verde água que parecia uma vitória régia estilo tomara que caía de gala e vinha com uma tiara que verde cristal junto a luvas iguais as de Régina só que da cor do vestido. Kami tinha um vestido de gala tomara que caía roxo com pequeno diamantes em cima onde ficava o peito e ia indo até a barriga parecendo um V.

- Layla-chan escolheu isso tudo para cada irmã? - perguntou Yui exasperada -

- Parece que ela tem estilo para a coisa... - comentou a moça. Ela se virou para os meninos novamente - Venham comigo, irei passar os vestidos pela máquina registadora.

Eles a seguiram após agarrar as mãos das pequeninas, a funcionária foi até o balcão e trocou de lugar com a balconista para a hora do intervalo. A primeira Nonoko a entregar o vestido foi a Suely.

- Aqui está! - a morena entregou-lhe o vestido novamente. Ela teve que ir contra o balcão para poder ver a garotinha loira de olhos azuis e se impressionou o quanto ela era parecida com a personagem que sua irmã escolheu para ela - Senhorita Elsa, por favor não se esqueça disso! - ela entregou a loirinha também uma xuxinha para tranças da cor azul com brilhos e uma caixinha com um kit de acessórios para o cabelo de flocos de neve e um brinquedo de um boneco pelúcia de neve fofo - Esse é o Olaf, ele gosta de abraços quentinhos!

Suely sorriu abertamente, mostrando os belos dentinhos brancos alinhados perfeitamente. Ela abraçou o seu novo amiguinho, Kami vendo isso abaixa a cabeça triste se lembrando de uma amiguinha muito querida.

" - Kami-chan! Vamos brincar de casinha hoje? Eu vou ser a mamãe e você a filhinha! 

- Tá bom, Teçá-chan! "

Essa lembrança fez os olhinhos arroxeados marejarem. Mas ninguém percebeu.

A próxima no balcão foi Régina.

- Pronto. - a moça sorriu e pegou os brindes da criança - Ah! Se não é a famosa Bela, cadê a sua Fera? - a mulher entregou-lhe um kit de chá com rostos e um espelho de prata lindo.

Régina ficou confusa mas quando pegou seus brindes sorriu.

- Próxima! 

Aya se aproximou e entregou-lhe o vestido, se esticando da ponta do pé e balançando o vestido até a funcionária o pegar.

- Ora, se não é a guerreira que atravessou todo o mar, Moana! - os olhos escarlates brilharam em animação - Aqui está seu melhor amigo e seu colar! - ela entregou um porquinho de pelúcia e um colar com um pingente verde com símbolos.

Layla apressou-se e deu o vestido a mulher sorridente.

- Vejamos - a mulher estendeu o vestido em sua frente e pegou o preço em seguida o devolvendo a ruivinha - Ô! Temos aqui a determinada princesa Tiana! Seu príncipe a espera. - ela lhe entregou uma caixinha de música e uma cobra de pelúcia. 

A moça deu uma chave pequena em forma de coração verde reluzente na parte em que se segura e quando Layla encaixou ela e suas irmãs ficaram maravilhadas e, os meninos, espantados. A caixa se abriu tocando uma melodia calma e tranquila com dois sapos dançando e em uma determinada parte da música o casal de sapos virou um casal humano, a mulher usava um vestido igual ao que Layla escolheu.

A funcionária soltou uma risadinha. Não se cansava de ver essa expressão no rosto dos clientes quando escolhiam o vestido da Princesa e o Sapo.

- Quem é agora? - Kami se aproximou e deu-lhe o tecido brilhante - Princesa Rapunzel! É maravilhoso que tenha voltado ao seu reino. - ela deu a Kami um camaleão de pelúcia e uma caixa cheia de objetos para arte incluindo cinco telas em branco e um álbum de colorir com fotos da princesa Rapunzel e cenas do decorrer do filme. - Quer uma surpresa? - Kami assente - Aperte nesse botão aí! Na barriguinha de seu amigo, o Pascal.

Assim Kami fez esperando uma surpresa, e não se desapontou! No instante que apertou o botão vermelho do pelúcia ele mudou de cor para azul o que fez Kami sorrir maravilhada.

- São várias cores diferentes, inclusive a cor do arco-íris. - informou a funcionária aos seus clientes - Próxima! 

Suzy estava atrás de Subaru meio temerosa e Subaru vendo isso deu o vestido a mulher e em seguida pegou Suzy no colo fazendo-a corar quando a mulher fitou-a.

- Ah! Então essa é a princesa Cinderela! - sorriu para Suzy que assentiu devagar - Como estão seus fiéis amigos ratinhos? - Suzy soltou uma risadinha gostosa fazendo Subaru olha-la impressionado. - Quanto você calça pequena? - ela perguntou mais para Subaru do que para Suzy.

Régina chamou a atenção de todo mundo ao dar a mulher um papel com os números de calçados e de corpo que cada irmã tinha.

- Obrigado, querida! - Régina assentiu e a mulher olhou para Subaru e para Suzy - Aqui está seus sapatinhos de cristais. - ela deu a Suzy um par de sapatinhos parecendo de cristais - Não posso esquecer do seus amiguinhos né? Os animais! - entregou a Suzy uma caixa de plástico com onze ratinhos com camisas e chapéus, na caixa tinha uma seta apontando o nome de cada rato. Ela também deu um pelúcia de cachorro com a coleira escrito "Bruno". 

Suzy abraçou o cachorrinho e desceu do colo de Subaru mostrando a suas irmãs, animadamente. A funcionária olhou para os Sakamakis e sorriu.

- Bom, agora o valor de tudo. - informou.

Ayato suspirou.

- Chichinashi! 

- H-Hai, Ayato-kun? - ela se virou para ele corada.

- Leve elas para algum lugar. - mandou.

- A-ahn? - perguntou sem entender.

- Compre sorvete para elas. - ordenou Reiji e deu dinheiro a loura - Compre os sabores que elas quiserem e se sobrar dinheiro vá em alguma loja e compre algo para elas. Nos encontraremos na entrada do Supermercado as quatro em ponto. Não quero atrasos e espero que todas estejam com você. - ele lhe mandou um olhar gélido fazendo-a arrepiar assim como a funcionária.

- H-Hai, Reiji-san. - ela assentiu e pegou a mão de Suzy, que ficou meio triste de se separar de Subaru mas escolheu não reclamar e foi andando sendo seguida por suas irmãs, logo após de darem todos os vestidos e os brindes aos mais velhos. - Vamos, meninas. - e desapareceu da vista dos garotos tempo depois.

Reiji se virou para a funcionária e perguntou qual era o valor. Ela olhou para o caixa e ficou tensa ao dizer:

- O valor total deu 205.13 ienes. - falou a funcionária tensa - 

- Só isso? Pensei que ia dar mais. - comentou Ayato com os braços atrás da cabeça.

A morena quase teve um treco quando ouviu isso e quase um enfarto quando Reiji deu todo o dinheiro sem nenhum problema em sua mão. Eles são ricos!? Se perguntou paralisada.

- Pode, por favor, guardar os vestidos e os brindes em bolsas logo? Não gosto de atrasos. - informou um Reiji impaciente -

- A-ah! Hai, hai! - ela se apressou em cumprir seu dever mas não se deteve em perguntar enquanto o fazia - Com licença, mas, vocês são ricos ou algo do género? 

Os gémeos ruivos e o irmão mais velho sorriram de lado.

- Digamos que é por aí. - respondeu um Laito malicioso.

- Aquelas meninas. - ela entregou as sacolas a eles enquanto perguntava - Elas não pareciam saber das histórias da Disney. - observou.

- Das histórias do que? - perguntou Kanato confuso. A morena se surpreendeu.

- Vocês também não conhecem? - perguntou espantada.

- Digamos que somos um pouco... Clichés. Como dizem. - respondeu Laito sorrindo com a surpresa da mulher -

- Oh! Então... - a mulher olhou ao redor e se virou para eles sussurrando - Esperem um momento, por favor! 

Ela foi em direção a uma porta atrás do balcão e após alguns minutos voltou.

- Aqui está! - ela entregou a eles uma sacola com alguns livros e CD's da Disney. Entre eles alguns títulos como A Bela e a Fera, Branca de Neve, A Bela adormecida, entre outros.

- Está tentando nós vender mais? - perguntou Reiji com a cara fechada.

- N-não! - ela balançou a cabeça e as mãos em negação - Isso é um pequeno presente para aquelas meninas! Simpatizei muito com elas! - ela parecia honesta e Reiji queria sair logo de lá para comprar o resto das coisas para as pequenas, então suspirou.

- Certo. Obrigada. - ele pegou a sacola e foi embora com seus irmãos.

- Voltem sempre! - ela se curvou educadamente - Isso vai custar dois meses de salário... - falou desanimada enquanto fitava a camera que filmava tudo -


Um pouco longe dali se encontrava Yui e as seis garotas em uma mesa para sete pessoas enquanto tomavam sorvete. Yui estava com a cara emburrada e de braços cruzados enquanto olhava para as crianças com raiva.

Suely tomava um sorvete de caramelo com canudinho de chocolate, Régina tomava um de mirtilo com cobertura de chocolate, as gémeas tomavam sorvete misto de chocolate e chocolate branco com MM, Suzy tomava um de chocolate com canudinho e MM com cobertura de morango, já que não sabia qual irmã imitar.

Yui não entendia o por quê dos meninos estarem fazendo de tudo por essas meninas, ela estava a mais tempo com eles e nunca recebeu um tratamento tão afável! Afinal, que feitiço essas coisas estavam usando contra os impiedosos Sakamakis que até Karlheinz foi a mansão por elas?

Uma coisa é certa, pela primeira vez na vida, Komori Yui sentiu ódio. Ódio daquelas crianças infernais que conseguiram o que, em um ano inteiro, ela não conseguiu. Agora estão aí! Se vangloriando em silêncio! 

Yui não aguentou mais ver os sorrisos em seus rostos. Ela se virou e viu que ninguém olhava e então pegou o sorvete da gémea roxa que estava no meio entre Aya e Layla. A menina ficou confusa e tentou pegar o sorvete, suas irmãs tentaram ajudar, Suzy sem querer arranhou Yui que soltou um mini grito fazendo elas se assustarem. Yui ficou tão furiosa que proferiu um palavrão tão sujo e repugnante, pouco esperado, quase inimaginável, para a filha de um homem tão devoto a Deus como o padre Komori Seiji. Após o palavrão Yui jogou o sorvete na cabeça de Kami com brutalidade e riu.

- Você não queria o sorvete? Está aí, seu sorvete. - e riu mais -

Kami ficou paralisada assim como suas irmãs, mas não demorou muito para Kami chorar o mais auto e escandaloso que podia. Todos que ouviam sentiam uma pena e compaixão pela pequena, a agonia no choro era de partir até o coração mais duro em pedaços.

Aya e Layla estavam vermelhas de raiva, se olhar matasse Yui já estaria enterrada de baixo de cem palmos de terra agora. As outra irmãs tentavam dar seus sorvetes para a irmã roxa parar de chorar mas ela negava com a cabeça e esperneava chorando ainda mais.

Yui ouviu algumas pessoas cochichando e se deu conta de que seu momento de prazer havia chegado ao fim e fingiu preocupação falsa. Se tinha uma coisa que as gémeas não gostavam era falsidade e a prova disso era as três garotas do consultório da doutora Sato que receberam um belo chute no traseiro dos seguranças do local.

De repente Aya teve uma ideia e sorriu maligna e quando Yui se virou para falar com uma senhora que perguntava se estava tudo bem, a ruiva usou essa chance para contar seu plano as suas irmãs que sorriram divertidas, menos Kami que ainda chorava. E resolveram executar o plano.

Régina e Suely saíram devagar e silenciosas para um corredor do shopping levando Suzy com elas enquanto Aya e Layla pegaram Kami que parou de chorar um pouco e as olhou confusa, as ruivas fizeram silêncio com o dedo indicador em frente a boca e foram pelo lado oposto de suas irmãs enquanto Yui estava distraída.

Quando a loura por fim parou de conversar com a idosa voltou-se para a mesa com um grande sorriso.

- Certo, meninas! Vamos para o supermercado! Não vamos deixar Reiji-san esperan.... - ela arregalou os olhos e sua tez perdeu a cor - do... Ô não! Elas.... Fugiram! 

Uma coisa é certa. Se não encontrasse as seis meninas em menos de quinze minutos iria ser punida severamente pelos seis vampiros sádicos.

E aquelas pequeninas não iriam se deixar serem encontradas tão facilmente. Yui estava mais do que frita nessa história.



Continua...


Notas Finais


Un- Ok, sim, de nada, obrigado.

Hai- Sim.

Kami-sama- Deus.

Ja nee- Tchau, Bye bye, Adeus, Até.

Hidenka- Uma forma de se tratar a um príncipe.
Quando Suely falou "Shu-Hidenka" ela falou usando Hidenka invés de "kun", "Sama", "Chan" ou "Chi". Como uma criança não sabe diferenciar direito isso mas se um adulto falasse assim iria ser dado como louco fugitivo do hospício pois a maneira certa é "Hidenka-sama" ou "Shu-sama"

Ienes é o dinheiro japonês! O valor dos vestidos das meninas em dinheiro brasileiro é: 7.780 reais e 50 centavos. O iene pode ser representado por "¥" antes do valor.

Obrigado por permitir que nada de mal ocorra comigo e com minha família, meu Deus!
Espero que tenham gostado!
Bye Bye!!! ;3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...