História Diante do Lago - Capítulo 18


Escrita por: e Ligia_22

Postado
Categorias Orange Is the New Black
Personagens Alex Vause, Piper Chapman
Visualizações 219
Palavras 6.821
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Romance e Novela
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá, garotas!

Após meses de pausa, chegamos ao final!

Esperamos que gostem!

Sem mais delongas...

Enjoy!
Beijo grande,


PS: Recadinho nas Notas finais.

Capítulo 18 - Diante do Lago


Fanfic / Fanfiction Diante do Lago - Capítulo 18 - Diante do Lago

Em Wichita...

_ Al, você não vai dormir? Agora você vive em cima desses livros. _ falou Lorna, vendo a amiga debruçada em pilhas de livros.

_ Você deveria estar fazendo o mesmo…

_ Não às três da manhã.

_ Vai dormir, Morello.

_ Vou mesmo… Eu sou normal, preciso de sono. _ caminhou até a porta do quarto e voltou _ Ah… Marquei de me encontrar com a Pipes amanhã, dessa vez você vem?

_ Acho que ela não está muito interessada em ver minha cara.

_ Como sabe? Vocês nem se encontraram mais.

_ Como sei? Talvez eu saiba pelas inúmeras mensagens que mandei e ela ignorou ou pelas ligações que ela não atendeu.

_ Pqp! Já se passaram dois meses, estamos na Universidade, mudamos de cidade, somos adultas! Bom, pelo menos tentamos ser... Então, resolvam essa merda!

Lorna, parou por um segundo, depois continuando...

_ Aliás, eu ainda não entendi bem porque vocês brigaram tão feio. _ a morena, tão somente, olhou-a _ E, pelo visto vou continuar não sabendo… Vocês duas parecem Ilhas isoladas, credo! Eu vou é dormir…

_ Já ouviu aquela frase: Por medo de perder é que perdi…?

_ Filosofar a essa hora da madrugada não me ajuda muito na interpretação. Mas, acho que entendi.

_ Dorme bem, Lorna…

_ Você também, Al… Isso é, quando resolver dormir.

A morena permaneceu ali. Estudou… Pensou… Relembrou…

Pegou o celular, pela centésima vez, nos últimos meses, decidiu enviar uma mensagem para Piper.

Do outro lado da cidade, com o pibe do celular, a loira despertou. Lendo a mensagem…

_ Até quando vai fugir e não falar comigo? _ dizia a mensagem da morena.

Piper por longos instantes, apenas olhou para a tela daquele celular.

Para a surpresa de Alex, depois de meses de tentativas, finalmente, uma resposta.

_ Até o dia que você parar de ser uma covarde e deixar de se  esconder atrás desse aparelhinho!

_ Fdp… _ sussurrou Vause, guardando o celular.

 

No início da tarde, na parte externa de uma lanchonete…

_  Poxa, nem temos nos visto. _ reclamou Lorna, enquanto tomava um suco com Piper.

_ Eu estudo no Norte da cidade e você no Sul.

_ Que desculpinha mais esfarrapada, Pipes.

_ Acho que nossos horários que são malucos.

_ Você deve estar amando ficar no meio dos bichos.

_ Por falar em bichos, tenho que passar num Haras ainda hoje.

_ Viu! Falei.

_ Um amigo vem me buscar.

_ Amigo...? _ questionou com um semblante divertido.

_ Tipo, pra minha mãe, ele é o genro que ela pediu à Deus. Pra ele, eu sou quase uma namorada.

_ E para você?

_ Pra mim… Eu sou eu!

_ Boa resposta, espertinha. _ riu Lorna.

_ Estou deixando rolar… só isso.

_ Ultimamente não tenho nada pra deixar rolar. _ divertiu-se.

_ Ow dó… _ brincou.

_ Você bem que podia ir conhecer o nosso ap heim.

_ Qualquer hora eu vou.

_ Olha, eu não ia falar nada, mas... Que droga esse clima entre você e a Al.

_ Não tem clima.

_ Segundo ela você a tem ignorado.

_ Só não nos encontramos mais.

_ E como poderiam? Você a ignorou, agora ela te evita.

Piper fez sinal para a amiga aguardar, enquanto buscava dois pedaços de brownies, depois voltou ao assunto.

_ Admito, tivemos um momento estranho ou sei lá, mas já passou.

_ Tomara mesmo.

_ E… Onde ela está?

_ Estudando!

_ Estudando ou no harém!? _ ironizou.

_ Que nada, menina. Ela está levando bem à sério a Universidade.

_ Bom pra ela!

_ Vê como você fala!? Vou repetir pra você o que falei pra ela… Vocês são amigas! Deem um jeito nessa merda. _ Lorna saboreava sua sobremesa _ Putz, como eu gosto dessa gordice!

_ Eu tô de boa quanto à Alex, relaxa.

_ Ahh você está de boa?

_ Totalmente!

_ Que bom... Porque ela está vindo aí.

_ Hã?_ Chapman levava o garfo à boca com seu brownie, porém, parou-o no ar. _ Caralho! _ murmurou sem perceber, fazendo Lorna rir.

Sentindo um típico frio na barriga que há muito não sentia, virou-se... A morena caminhava calmamente em sua direção, com cabelos soltos e um sutil sorriso nos lábios.

E, finalmente, parou diante das amigas.

_ Olá… _ disse à Lorna, logo após, fitou a loira _ Olá, Chapman…

_ Oi, Vause… _ retribuiu, porém, permanecendo exatamente onde estava.

Como era possível ela estar ainda mais bela, pensou a loira. Sem imaginar que a morena tivera o mesmo pensamento sobre ela.

_ Resolveu sair da toca? _  brincou Lorna.

_ Pois é… Milagres acontecem… _ respondeu sentando-se e voltando-se para a calada loira _ Tudo bem, Piper?

_ Sim...

_ Está gostando da Faculdade?

_ Muito… E você, Alex?

_ Também. Mais do que eu imaginava.

_ Que bom!

O celular de Lorna tocou, então, afastou-se para atender.

_ Meninas, já volto… _ avisou.

Alex achegou-se na cadeira, aproximando-se mais de Piper.

_ Quem é a covarde agora? _ cochichou no ouvido da loira. Tendo como resposta um olhar fulminante. Mas, ao mesmo tempo, os olhos azuis não desviavam daqueles olhos verdes, mesmo que em silêncio.

_ Meninas, a Nicky está eufórica por estarmos indo. _ comentou Lorna, voltando à mesa, fazendo-as desviarem aquele olhar.

_ Ah é? _ disse Alex.

_ Aquela cretina só vem aqui de passagem! _  completou a loira.

_ Al, você vai, né?

_ Sei não, Lorna. Acho que vou ficar por aqui.

 _ Não terá aula todos esses dias. Vai ficar fazendo o que aqui? A Nicky vai te matar!

 _ Ela deve ter coisa melhor pra fazer, do que ir pra Parsons. _ cutucou Piper.

_ Talvez… _ respondeu arqueando as sobrancelhas.

_ Ela está tirando uma com a nossa cara, Pipes.

Alex somente sorriu, pois, era o que estava fazendo.

Ainda conversavam quando foram interrompidas.

_ Oi garotas! _ um rapaz interrompeu-as.

_ Oi!!! _ levantou Piper beijando-o no rosto, depois apresentando-o às amigas _ Alex, Lorna...esse é o Larry Bloom, nós fazemos o mesmo curso.

_ Oi!!! Como estão? _ disse o rapaz.

Alex encostou-se na cadeira, mediu-o dos pés à cabeça, por fim, respondendo.

_ Tudo bem… Harry.

_ É Larry, Alex. _ corrigiu-a Piper, percebendo o tom cínico da dona daqueles olhos verdes.

_ Ahh Desculpe. _ respondeu capciosa.

_ E aí Larry, tudo bem? _ Lorna tratou de dar-lhe atenção.

_ É um prazer conhecer vocês. A Piper fala muito em vocês. _ disse o rapaz, colocando a mão na cintura da loira. Imediatamente, detalhe notado pela morena.

_ Quer tomar um suco antes de irmos? _ questionou a jovem Chapman.

_ É, acho que sim e temos que buscar a Polly também. Então, vou lá dentro pedir.

_ Perai, vou ver se acho outra gordice.

Assim, Lorna e Larry adentraram pela lanchonete.

_ Agora entendi… _ falou a morena.

_ Desculpe, o que disse?

_ Entendi o porquê de me ignorar.

_ Está falando do Larry?

Alex apenas calou encarando-a.

_ Está enganada, Alex. Ignorei o fato de você sequer ter coragem de falar comigo cara a cara. Foi isso que ignorei.

A morena tornou-se séria e pensativa.

_ É... Você tem razão.

_ Está sendo irônica?

_ Não… _ levantou-se, beijando o rosto da loira demoradamente _ Eu sinto sua falta... _disse em sussurro, deixando-a sem saber como agir.

Tudo ocorrera no mesmo instante em que os outros dois voltavam à mesa, fazendo com que se afastassem.

_ Lorna, eu preciso ir…

_ Calma, Al! Eu também vou.

_ Vocês precisam de carona? _ perguntou Larry.

_ Não... Larry. _ respondeu Alex _ Mas, obrigada.

Piper sentiu um incômodo com toda aquela educação da morena. Talvez preferisse uma cena de ciúme.

_ Pessoal que fica, nos vemos depois! Pipes, a gente se fala… _ despediu-se Lorna dos dois.

_ Se cuidem… _ limitou-se a dizer a morena, saindo.

Larry sentou-se tomando seu suco.

_ Está tudo bem, Piper?

_ Hunrun… _ sorriu, porém, não conseguiu evitar observar Alex distanciando-se. Sentia saudade, falta dos momentos que tinham e, vê-la depois de alguns meses, tão somente aumentou essa sensação.

Após o Estágio, Larry levou Piper até sua casa, onde foram muito bem recebidos por Carol.

_ Larry! Entre!

_ Olá Senhora Chapman.

_ Que bom que veio, assim toma um café conosco.

_ Mãe o Larry só veio me trazer, ele tem um compromisso.

_ Então, está bem!

_ Em outro momento prometo ficar, Senhora Chapman.

_ Claro! Aliás, você poderia nos visitar em Parsons. Não é, Piper?

A jovem olhou para a mãe, sem confirmar o convite, no entanto, somente sorriu educadamente.

_ Seria um prazer, vamos ver.

_ Ótimo! Vou deixá-los à vontade.

A mulher saiu deixando-os à sós.

_ Sua mãe é sempre muito agradável.

_ Com você!

_ Não posso reclamar e gostei do convite. Acho que ela pensa que namoramos.

_ Talvez sim.

Larry aproximou-se da loira.

_ Por que não tornamos isso verdade? Já que ficamos algumas vezes...

_ Larry…

_ Me deixe falar Piper. Eu não sei como aconteceu tão rápido, mas eu estou apaixonado por você.

_ Larry, nós nos conhecemos há três meses praticamente… Olha, eu gosto muito da sua companhia, mas…

_ Mas?

_ Nesse momento meu foco são os estudos.

_ Você gosta de alguém... Estou certo?

Piper hesitou em responder.

_ Pode me dizer, Piper.

_ Se a pergunta é se tenho alguém, a resposta é não. Mas, se o que quer saber é se existe alguém no meu coração, a resposta é sim.

_ Eu já imaginava. Mas posso fazer uma pergunta?

_ Pode…

_ Por que não estão juntos?

_ Porque… _ Piper tentava encontrar a resposta _ Porque é um amor improvável… Acho que de mão única.

_ Sendo assim, me deixe tentar te ajudar a esquecer esse amor.

_ Nunca te usaria, Larry. Não seria certo. Por favor, vamos simplesmente deixar as coisas acontecerem, Ok!?

_ Tudo bem. Mas, eu estou muito afim de você e não desisto do que quero.

Piper silenciou somente, apenas despedindo-se.

_ Bom... Tenha uma boa noite, Larry.

_ Durma bem, Piper.

Despediram-se, por fim.

Existia ali duas relações distintas. Alguém que a cada dia apaixonava-se ainda mais, mesmo sem receber tamanha esperança. E outra que, apesar de inúmeras tentativas, não conseguia tirar de seu coração aquele sentimento intenso e inevitável.

 

De volta a Parsons, Alex amenizava a saudade de sua mãe.

_ Como é bom acordar e ver você em casa, minha filha.

_ Para mim também, mãe. É muito bom estar em casa.

Conversavam enquanto tomavam o café da manhã, após Alex ter chegado muito tarde na noite anterior e acabara de acordar.

_ Você não imagina quem encontrei agora pouco na padaria.

_ Quem? _ perguntou bebendo seu café.

_ Carol Chapman!

_ Cedo assim… _ fez uma cara engraçada.

_ Pois é! Estava contando sobre o novo genro para Aleida.

_ Meu Deus, daqui a pouco ela planeja o casamento da Piper.

_ Eu nem sabia que a Pipes estava namorando. _ disse despretensiosa, mas atenta à filha.

_ Parece que está sim… Eu o conheci.

_ Ah é? E, o que achou dele?

_ Sei lá, mãe. Não sei. _ mudou o assunto _  Ahh à noite umas Bandas vão se apresentar na pracinha e os meninos também, então, nós vamos lá.

 _ Tá bom, filha. Mas, juízo!

_ Pode deixar dona Diane. Agora preciso de um banho e depois vou ver a Nicky, senão ela me mata! Mas, volto para o almoço. _ levantou-se, indo para seu banho.

Quase uma hora depois, Nicole e Alex conversavam sentadas na sala da casa dos Nichols.

_ Caralho, estou me sentindo órfã nessa cidade! Você, a Lorna e a Pipes me abandonaram.

_ Deixa de drama! Não esqueça que VOCÊ não quis ir.

_ Tô pra estudar não. Tenho umas idéias por aqui mesmo.

_ Então, não reclama.

_ Tem alguém nessa casa? _ chamou Piper entrando pelos fundos.

_ Aqui!!! _ respondeu Nicole.

_ Pensei que estava dormindo... _ disse sorrindo adentrando pela sala, dando de cara com a morena _ Alex... Não sabia que estava aqui.

_ Olá, Pipes...

_ Oi Criatura, até que enfim apareceu! _ Nicky foi até a amiga abraçando-a.

_ Cheguei agora pouco.

_ Senta aí, está vamos falando do quanto me sinto abandonada nessa Terra.

_ Senhor! Que drama! _ brincou Piper.

_ Falei a mesma coisa. _ completou Alex.

_ A Lorna é outra ingrata, já amanheceu e cadê ela?

_ Daqui a pouco ela aparece. _ Piper tentava sentir-se à vontade.

_ Mas que cheiro é esse? Tem alguma coisa no forno? _ indagou a morena.

_ Aii droga! Estou criando uma torta nova. _ Nicole saiu apressada para ver seu experimento.

_ Ela é uma figura! _ riu Chapman, vendo a amiga correndo.

_ Sim, ela é...

_ Então... Você decidiu ficar por aqui esses dias.

_ Claro que eu viria... Eu só estava enchendo a Lorna,

_ Percebi...

_ Meninas, olhem aqui pra mim, vou aqui do lado buscar um ingrediente da cobertura. _ pediu Nicky enquanto saía.

_ Lá vamos nós... _divertiu-se Vause.

_ Quem faz uma torta e só lembra do ingrediente quando está terminando a receita?

_ Nicky! _ rindo, falaram juntas, seguindo até a cozinha.

_ Ao menos parece que não queimou.

_ Não tostou, você quer dizer, né Pipes.

A loira sorriu se encostando perto da pia, esfregando as mãos.

_ Está com frio? _ indagou a morena.

_ Um pouco...

Alex aproximou-se pegando as mãos da loira.

_ Estão geladas! _ segurou-as entre suas mãos, depois colocando-as em seu rosto _ Vamos ver se esquenta.

_ Hunrun...

Fatalmente, olharam-se...

Era possível sentirem suas respirações...

Não conseguiam falar de seus sentimentos, mas quando ficavam tão próximas, seus batimentos descompassados falavam mais do que mil palavras.

Alex, suavemente, beijou a palma da mão de Piper, voltando a fitar aqueles olhos azuis.

Desviaram seus olhares para os lábios...

E...

Ouvindo Nicky voltar, disfarçaram distanciando-se.

_ Al, O JB está aí te chamando. _ avisou Nicole assim que entrou.

_ Ah, ele ia me buscar mesmo. Então, nos vemos à noite... _ disse direcionado à loira, que apenas acenou.

_ Combinado! E, depois você experimenta minha torta.

_ Pode deixar, Nicks! _ respondeu já saindo.

Nicole encarou a loira com ar enigmático.

_ Que cara é essa Nicky?

_ Vocês pelo menos conversaram?

_ Sim, conversamos...

_ Sobre o que houve?

_ Não.

_ Não fode, Pipes. Até quando vocês vão evitar? Porra, é só falar: Eu estou apaixonada por você!

_ E, quem disse que estou apaixonada?

_ Sério que vai negar pra mim!? Está falando com a Nicky, Ok!

_ Eu não sei o que estou sentindo, só não consigo ficar perto dela sem ter um troço! Maldito beijo naquele Lago.

_ Pipes, só vocês não percebiam. Eu já tinha percebido há um tempão.

_ Como eu posso ser tão idiota, Nicky? Ela está acostumada a não se importar com ninguém.

_ Não é assim, além do que, com você a Al jamais brincaria.

_ Não foi o que pareceu... Eu sei lá...

_ E que história é essa de namorado em Wichita?

_ Não é namoro algum, o cara é legal, está tentando, mas...

_ Mas, tem uma morena linda de olhos verdes no caminho.

_ Quer saber, termina essa torta porque eu quero comer. _ mudou o rumo da conversa.

_ É pra já!

 

A noite ainda se iniciava e todos já estavam reunidos, como sempre!

_ Ow Pipes, quando vamos conhecer o noivo? _ brincou Peet, no intervalo de seu showzinho, ao lado de uma garota.

_ Noivo? Você já bebeu demais?

_ Ele vem pra cá? _ questionou JB.

_ Talvez... Não sei bem...

Alex olhou surpresa, não sabia da possível presença do rapaz na cidade.

_ Ele tem que passar pela nossa batuta! _ afirmou JB.

_ Inquisição isso sim! _ completou Lorna.

A morena somente ouvia os comentários sobre o suposto namoro da loira e, discretamente, afastou-se, ficando um pouco distante. Onde uma garota parou, conversando longamente com ela.

Ao longe a loira sutilmente olhava-as.

_ Quem é aquela com a Alex? _ falou Nicky para às amigas.

_ Ela é de outra cidade, já a vi por aqui. _ contou Lorna.

_ Vause e seu harém…

_ Até que não, viu Pipes. Acho que a última pessoa que ela ficou foi… _ pensou Lorna _ Ué, foi você.

_ Obrigada por me lembrar, Morello.

Lorna e Nicky riam, quando iniciou novamente as músicas.

_ Vai recomeçar! _ avisou Lorna.

Ficaram em pé, não muito distante do pequeno palco colocado na pracinha.

_ Já volto, pessoas… _ avisou Nicky, indo até Alex.

_ Tomando um ar por aqui, criatura?

_ Oi Nicks…

Nicole encostou-se ao seu lado.

_ Cadê a menina?

_ Quem?

_ Que estava aqui.

_ Ah... Só estávamos conversando.

_ Você está bem, Al?

_ Estou… Um pouco cansada só.

_ Não. Você está triste, amiga.

A morena sorriu, sem negar.

_ O assunto estava meio chato, só isso...

_ Caralho!

_ O que foi? _ questionou Alex sem entender.

_ Você está se roendo de ciúme!

_ Eu??? O que você andou bebendo?

_ Você e a Pipes heim...

_ Pára com isso, Nicole! Essa história já quase me custou a amizade dela.

_ Sobre o que aconteceu?

_ Então, ela te contou daquele dia...

_ Claro que contou, né.

_ Fiz idiotice...

_ Ela ficou malzona, viu.

_ Eu sei… Ela não falou comigo até esses dias… Nem sei se ela vai me perdoar por ter forçado a barra e a agarrado daquele jeito.

_ Espera… Acho que estamos falando de coisas diferentes. Você acha que ela ficou tão puta porque você a agarrou?

_ Claro!

_ Acorda, Al! Ela deixou rolar porque quis! Criatura, você é tão sagaz, mas quando se trata da Pipes você fica meio burra, sabia!?

_ Do que você está falando?

_ Al, ela não ficou mal por você dar em cima dela e rolar entre vocês…

Alex deu-lhe total atenção.

_ Ela ficou muito puta por, no minuto seguinte,  você ficar se desculpando toda arrependida. Pareceu que você estava brincando com ela.

_ Mas não foi nada disso, Nicky. Eu jamais brincaria com ela. Eu pirei, isso sim.

_ Eu sei, mas amiga, se você não falar, ela não sabe ler pensamentos!

_ Nicole, ela está até namorando...

_ E, apaixonada por outra.

A morena sequer respirou, ouvindo isso. No fundo não tinha se dado conta do que realmente ocorria entre elas.

_ Al, eu amo vocês duas e só quero vê-las felizes e está visível que não estão! Acredite em mim… Ela não está feliz! _ piscou para a morena. _ Ei vamos lá…

A morena assentiu, ainda digerindo as palavras da amiga…

Parou ao lado de Piper com os braços cruzados, atenta ao pequeno palco. Mas, na verdade, seus pensamentos estavam nas palavras de Nicole.

Uma… Duas… Três músicas foram tocadas e elas permaneciam impassíveis, uma ao lado da outra.

Num repente, Alex pegou no braço da loira, puxando-a.

No susto, Piper acabou por acompanha-la.

Nicky e Lorna, tão somente, entreolharam-se, vendo-as sair.

_ Vem aqui… _ disse Alex, depois de saírem e já estarem no estacionamento.

_ Agora que você diz ‘vem aqui‘? Já me arrastou!

_ Podemos encostar ali?

_ Cadê a sua amiga?

_ Que amiga?

_ Ué, a que estava com você.

Alex somente sorriu, enquanto abaixava a carroceria da camionete do primo, sentando-se.

_ Hey, senta aí... _ voltou seu olhar para o pequeno palco em que a Banda do primo se apresentava _ Eles cantam bem...

_ Cantam... _ sentou-se ao lado da morena.

_ O JB e o Peet nasceram para isso.

_ Al...

_ Oi...

_ Está tudo estranho entre nós…

_ Eu sei… E, não quero mais que a gente fique assim, Pipes.

_ Como a Lorna e a Nicky conseguem lidar tão bem com o que rola entre elas?

_ Talvez porque foi diferente, ou ainda não se deram conta do que realmente sentem. Mas, um dia a ficha cai…

_ Cai?

_ Sim… E, aí não tem volta, Pipes… _ a morena saltou para ficar em pé diante de Chapman, porém, pisando em um pequeno buraco.

_ Aiiiii Pqp, doeu!

_ O que houve? _ no mesmo instante a loira amparou-a _ Machucou?

_ Não, está tudo bem. Só doeu...

Olharam-se...

_ Bom, é melhor voltarmos. _ levantou-se, para sair.

_ Desculpe… _ disse Alex inesperadamente, fazendo-a parar e olhá-la sem entender.

_ Desculpe… _ repetiu a morena.

_ Tenho trauma de suas desculpas, Alex… Por que está se desculpando agora?

_ Porque… _ respirou profundamente _ Porque eu sou completamente apaixonada por você, Pipes.

Chapman sequer conseguia mexer-se.

_ Eu… Eu não sabia como lidar com esse sentimento… Aí me atrapalhei toda aquele dia. _ aproximou-se ainda mais _ Nunca foi um impulso ou brincadeira… Mas, como te dizer isso? E, meu pavor de você se afastar me fez agir daquela forma idiota.

_ Alex, não brinca com isso… _ a voz de Piper era de total seriedade.

A morena fitou-a com firmeza.

_ Piper Elisabeth Chapman, eu amo você… E, não suporto pensar em você com outra pessoa.

A loira soltou um longo suspiro.

_ O que eu faço com você, Alex Vause…

_ Fica comigo… Simples assim.

Piper parecia não saber o que dizer.

_ Não diz nada agora. Eu sei de tudo, Pipes… Seus medos, família, o tal rapaz… _ segurou o rosto da loira.

_ Isso não é impulso, Al?

_ Olhe para mim e diz você mesma o que isso parece… Eu quero namorar com você, Piper. _ disse com palpável convicção.

Piper sorriu.

_ Pode rir, mas isso é sim um pedido de namoro oficial.

_ Eu sou louca por você, sua boba!

_ Isso é um Sim?

A loira abriu os lábios para responder, porém, foram interrompidas por conhecidos da cidade que não as via desde que foram para a Universidade, fazendo distanciarem-se.

 

You say I am loved when I can't feel a thing

Você diz que sou amada quando não sinto nada

You say I am strong when I think I am week

Você diz que eu sou forte quando penso que sou fraco

And you say I am helped when I am falling short

E você diz que eu sou ajudado quando estou aquém

And when I don't belong, Lord you say I am yours

E quando eu não pertenço, Senhor, você diz que eu sou seu

And I believe, yes I believe what you say of me

E eu acredito, sim, eu acredito no que você diz de mim

Oh I believe

Eu acredito

 

E, com o fim do show, logo os amigos também chegaram, para irem para casa.

JB era o responsável por deixar todos em casa.

Pararam na frente da bela casa dos Chapman. E, Piper desceu, mesmo trocando olhares com Alex, nada havia sido dito.

_ Pessoal, boa noite! Até mais. _ despediu-se a loira.

Entretanto, após fechar a porta, olhou especificamente para a morena

_ Até amanhã, Al.

E, saiu caminhando para sua casa.

JB saia com o carro quando a prima o chamou.

_ Hey Estranho, espera um minuto… _ pediu a morena, descendo rapidamente.

_ Piper… _ chamou-a, fazendo-a parar antes de entra em sua casa. _ Faltou te dizer mais uma coisa…

_ O que?

_ Isso… _ achegou-se à loira, segurando seu rosto, beijou-a apaixonadamente. Com gana, entregaram-se completamente àquele beijo.

_ Uhhh! _ exclamou Lorna.

_ Finalmente!!! _ berrou Nicky rindo.

_ Eitha! Bem que eu desconfiava que ali era amor pra mais de metro… _ concluiu JB.

Entre elas havia um diálogo silencioso, dito através de toques de língua, quanta saudade sentiram... Sentindo o sabor dos lábios, demonstravam a paixão que não mais se calava... E, na intensidade de um longo abraço, sem palavras expressavam o amor que, inevitavelmente, acontecera.

_ Sua louca!!! _ sorria Piper, após o inesperado beijo, olhando para a camionete.

_ E, você acha que alguém ali não sabia de nós!?

_ Acho que não...

_ Completando o que eu disse antes… Pense sobre tudo… Amanhã eu vou estar te esperando no entardecer, você sabe onde… Se você não aparecer, eu vou saber sua resposta. Mas, se você for… Piper Chapman, se prepare para nunca mais sair da minha vida.

_ Cuidado com o que deseja! _ sorriu para a morena.

Vause beijou-lhe levemente os lábios, saindo dali.

_ Até!!! _ gritou entrando na camionete.

Piper os via partir, pensando no quanto sua decisão poderia transformar a sua vida e nas consequências do que viria.

JB deixou a prima em casa e, quando entrava, ouviu uma voz chamando-a.

_ Alex.

A morena olhou na direção em que vinha a voz e deparou-se com o inesperado.

_ Larry!?

O rapaz andou na sua direção encarando-a.

_ O que você faz aqui? Aliás, como sabe onde moro?

_ Eu vim fazer uma surpresa para Piper... Horas esperando por ela dentro do carro, querendo fazer uma bendita surpresa e, no entanto, o surpreendido fui eu. Ai te segui..

_ Ok, Larry, já entendi. Só não entendi o que você quer aqui na minha casa.

_ Quem diria, você e a Piper! _ Alex cruzou os braços, fechando completamente o semblante _ Mas, eu queria te dizer uma coisa... Você pode até ter a Piper hoje, só que em algum momento ela vai querer uma família de verdade e isso você nunca poderá dar à ela.

_ O que é uma família de verdade para você?

_ Você entendeu, Alex. E, eu vou estar esperando esse momento chegar.

Alex balançou a cabeça de um lado para o outro, cerrando os olhos.

_ Cara, que pena de você... _ virou as costas, porém, parou retornando _ Agora vai um aviso para você... Não dê um de louco e apronte para cima da Pipes, porque aí você vai me conhecer! _ abriu a porta de sua casa _ Mas, se o que quer é esperar... Espere! _ fechou a porta, deixando no jardim de sua casa, um homem de ego massacrado.

 

Foi, certamente, o dia mais longo de toda sua vida… Mas, como prometido, a morena aguardou, sem ligações, mensagens ou nenhuma tentativa de proximidade. Nem mesmo para contar sobre a visita inesperada de Larry.

E, no entardecer, Alex estava diante do Lago que tanto amavam. No deck onde costumavam pegar o barco para a Ilhota, a morena olhava o mais belo Pôr-do-sol que conhecera.

_ Esse Pôr-do-sol é de tirar o fôlego! _ falou Piper, parada um pouco adiante, com as mãos no bolso e um sorriso maroto.

Alex virou-se para a loira, com um sorriso que parecia iluminar-lhe a Alma.

_ Você veio…

Piper somente sorriu, descendo um pouco mais pelas pedras, juntando-se à morena.

_ Está tudo bem, Pipes?

_ Bom, deixe-me pensar... minha mãe nos viu ontem, na frente de casa…

_ O que? Ela nos viu?

_ Viu!!!

_ Ficou muito brava?

_ Digamos que enfurecida, surtada, pirada, entre outras coisas.

 _ Mas, você devia ter digo que eu te beijei a força, sei lá… _ preocupou-se Alex _ Eu consigo enfrentar sua mãe, mas acho que é pedir muito para você.

_ Eu preferi dizer que amo você…

Alex parou espantada.

_ Você disse isso à ela???

_ Hunrun… É a verdade…

_ É?

_ Você sabe que sim, Al...

A morena entrelaçou a cintura de Piper.

_ Que bom! Porque foi bem parecido com o que falei a minha mãe.

_ Você contou à ela???

_ Sim…

_ E ela???

_ Acho que já sabia… Ela te adora…

_ Ufa! _ riu.

_ Mas... Não foi só sua mãe que nos viu...

_ Como assim?

_ Larry.

_ O Larry? Onde?

_ Ele não te procurou?

_ Não, Alex. Eu liguei para ele e falei que ia tentar com a pessoa que eu havia dito que estava no meu coração.

_ Você tinha falado isso para ele?

_ Sim, só não falei seu nome. Mas, que história é essa dele ter nos visto?

_ Ele estava te esperando ontem à noite e viu quando nos beijamos na frente da sua casa.

_ Como você sabe?

_ Ele seguiu a camionete até minha casa.

_ Meu Deus, o que ele te disse?

_ Nada demais..._ preferiu guardar para si a tensa conversa.

_ Ele não me disse nada, nem mesmo que esteve na cidade.

_ Ele é mais perigoso do que eu imaginava.

_ O Larry é inofensivo... Se não disse nada é porque aceitou. Mesmo porque a gente nem namorava.

_ Ah não???

_ Não! Mas antes você não precisava saber disso...

_ FilhadaputadoCaralho! _ riu Alex abraçando a loira.

_ Vamos esquecer isso.

_ Só não gostei do jeito dele...

Piper segurou o rosto da morena entre suas mãos.

_ Quer saber, um a menos para termos que contar. Não me importo mais.

Alex sorriu docemente.

_ Você sabe que não será fácil, não é?

_ Eu sei, mas tudo que houve me mostrou que meus sentimento por você, Al, é maior do que o meu medo de enfrentar minha mãe ou essa cidade toda.

Fitaram-se com tamanha paixão.

_ Parsons é a minha cidade, mas você é o meu lar, Pipes…

Um abraço apertado, com acalento e aconchego, que dispensa palavras… E, um beijo terno, afável são umas das formas mais singelas e profundas de se expressar o amor…

De mãos dadas, voltando a subir as pedras, Piper parou, inesperadamente, encarando-a.

 _ Desde quando você se tornou tão romântica, Vause?

_ Horas de treino na frente do espelho, Chapman… Horas… _ brincou rindo.

 

The only thing that matters now is everything you say of me

A única coisa que importa agora é tudo que você diz de mim

Cuz in you I find my worth in you I find my identity

Porque em você eu acho meu valor em você eu acho minha identidade

 

Dias atuais…

 

O Sol já surgia na varanda da casa de Piper e Alex e, no entanto, continuavam a conversar e recordar.

_ Você já pensou como seria se decidisse não me encontrar naquele dia e, talvez, seguir sua vida? _ indagou a morena.

_ Eu não consigo imaginar como seria a minha vida sem você… _ respondeu abraçando-a _ E, você?

_ Se você não tivesse vindo me encontrar?

_ Hunrun…

_ Provavelmente, eu ia sofrer um bocado… Te deixaria em paz… E, um belo dia te raptaria!

_ Ótimo plano, Vause!

Riram, mantendo-se abraçadas…. Afinal, ali era o melhor lugar do mundo para se estar.

_ Você continua sendo meu lar, Pipes…

_ E, você o meu…

Buck latiu chamando-as a atenção.

_ Ok amigão, vou fazer um café para nós e colocar um lanchinho especial para você. _ disse a morena ao cachorro.

_ Vamos ao café…

Entram na casa, já com a claridade do Sol e com o coração repleto de lembranças.

 

Nos meses seguintes, aos poucos a vida voltava ao normal...

As últimas semanas foram atípicas para a cidade de Parsons, afinal, a Banda de JB faria seu primeiro show profissional na Ilhota.

Não se falava em outra coisa, pessoas de toda região chegavam para o tal show.

A Empresa do pai de Alex cuidou de tudo e Sylvie comandava cada detalhe.

E, grande noite chegou...

_ Ai meu Deus, será que está tudo Ok... _ Sylvie falava consigo, extremamente tensa.

_ Calma! Está tudo perfeito! _ disse a Promotora Linda, beijando-a _ Vou lá com o pessoal! E, você tente não surtar. _ rindo, saiu indo até Lorna, Nicky, Red, Mari e mais algumas pessoas da cidade.

_ Tudo certo por lá? _ perguntou Mari, namorada de Peet. _ Nem quis ficar lá, estou uma pilha.

_ Está tudo ok, fora o fato que a Sylvie está quase enlouquecendo.

_ Normal, ela que cuidou de tudo sobre os meninos. _ comentou Lorna _ Gente, isso aqui está lotado!

Olhavam ao redor, vendo o quão cheio estava o lugar.

_ Essa Ilhota nunca viu tanta gente! _ falou Red observando o movimento.

_ Verdade, MaMa! _ concordou Nicole _ E, onde estão as meninas?

_ Ué, acho que elas não chegaram ainda.

_ Ahh ali as duas! _ mostrou Red, enquanto Alex e Piper cumprimentavam Diane, Lee, Bill Chapman, Cal e Neri com a pequena filha, que estavam ali juntos.

_ Pai, cadê a Sylvie? _ indagou a morena.

_ Está nos bastidores. _ respondeu Lee.

_ Pensamos em ir lá, mas está até difícil andar por aqui. _ comentou Piper, abraçada a Bill.

_ Essa é uma noite muito especial! _ o Senhor Chapman demonstrava muita felicidade naquela noite.

_ Muito! _ concordou Lee.

_ Você está bem, filha? _ Diane disse ao ouvido da filha.

_ Muito bem, mãe... _sorriu, conversando com a mãe, enquanto Cal falava com a irmã.

_ Pipes... A mãe está aí.

_ Aqui!? Ela nunca veio aqui.

_ Foi novidade pra mim também a Senhora Chapman aqui. _ entrou na conversa Neri.

_ O papai está tão feliz, será que é por isso? _ a loira questionava.

_ Não faço idéia. _ disse Cal, segurando a filha no colo.

_ Amor, vamos cumprimentar as meninas? _ chamou-a Vause.

_ Vamos sim... Depois voltamos.

Saíram, não demorando a chegarem até as amigas.

_ Meu Deus, que loucura está isso aqui! _ admirou-se Piper.

_ A Sylvie fez um trabalho e tanto... _ elogiou a morena.

_ Concordo! _ brincou Linda.

_ Claro que você concorda! _ riu Alex.

_ Vou buscar umas cervejas pra nós.

_ Nicky, para mim não, acho que vou de água hoje. _ disse Vause.

_ Pois é, minha esposa parou de beber, minha gente. Posso com isso!? _ zombou a loira.

Alex somente sorriu, voltando sua atenção para o palco.

_ Vai começar! 

_ Al, minha mãe está aqui. _ contou à esposa.

_ Sério? Quer ir até lá?

_ Não! Claro que não!

_ Não teria problema algum se quisesse.

_ Depois de tudo que ela fez?

_ Pipes, quando você foi embora e ela me trouxe o seu endereço eu percebi que ela estava tentando fazer o certo.

_ O certo depois de tantos erros?

_ Só não quero te ver sofrer por estarem assim.

_ Podemos falar disso outro dia?

_ Claro que sim..._ abraçou-a, atentando ao palco.

JB entrou no palco, junto com Daya, Peet e o restante da Banda. E, no mesmo instante, sendo ovacionados por todos.

_ Alô pessoal!!! _ gritou o rapaz _ É um grande sonho para nós, estarmos aqui hoje! Quando perguntaram onde íamos querer nosso primeiro Show, não tivemos dúvidas. E... Aqui estamos!!! _ as pessoas aplaudiam, gritavam, havia uma comoção. _ Neste lugar vivi os melhores anos da minha vida, com amizades de uma vida toda e que serão pra sempre! Agora, bóra cantar nosso hino!

 

I walked across an empty land

Atravessei uma terra vazia

I knew the pathway like

Eu conhecia o caminho como

the back of my hand

a palma da minha mão

I felt the earth beneath my feet

Eu senti a terra sob meus pés

Sat by the river

Sentei-me junto ao rio

and it made me complete

e ele me completou...

 

Na multidão, a diversão e calor humano não faltavam...

_ Pipes, vem cá... _ sussurrou Alex.

_ Hunrun...

Saíram enquanto todos continuavam a acompanhar a letra da música cantada pela Banda.

Andaram até próximo das pedras e, ali pararam.

_ Está tudo bem, Al?

Alex sorria olhando para a loira. Seus olhos pareciam ainda mais radiantes e, inesperadamente, lágrimas escorreram por seu rosto.

_ Al, por Deus, você está chorando! O que aconteceu? _ limpou delicadamente as lágrimas do rosto da morena.

_ Eu ia te falar em casa, mas achei que aqui seria o local perfeito...

Alex retirou do bolso do casaco um envelope, entregando-o à Piper.

_ Isso é para você, Pipes...

A loira pegou-o apreensiva. Olhava para o envelope e para a esposa, até abri-lo.

Nele continha fotos de ultrassom de um bebê.

Piper arregalou os olhos chocada, procurando assimilar o que via.

_ Al... esse ultrassom... _ a voz tornou-se embargada, emocionada.

_ É exatamente isso... Mamãe...

_ Meu Deus... Meu Deus... Como? Meu Deus... _ repetia pasma, após tantas dores, tinha até medo de acreditar no que pensava.

_ Eu resolvi tentar novamente com os seus óvulos que estavam congelados.

_ Você não me disse nada!

_ Antes foram tantas tentativas sem sucesso, então, decidi esperar até o início do terceiro mês.

_ Terceiro mês? Você não está bebendo, era por isso! Como não percebi?

_ Porque você jamais pensaria isso...

_ E... _ Piper ia questionar mas não o fez, porém, a morena entendeu.

_ Anônimo... Com toda certeza! _ respondeu.

 _ Eu... Eu estou sonhando?

_ Não amor meu, é tudo muito real! E, minha mãe, meu pai, seu pai e a Lorna são a prova disso!

_ Eles sabem??

_ Sim...

_ Minha nossa, sabia que eu sonhei com isso quando estávamos separadas!?

_ Sério?

_ Sonhei!!! E... agora é verdade!!!

 Piper tocou o rosto da morena, delicadamente, não haviam palavras que traduzissem o que sentia. Desceu a mão, parando na barriga de Alex. Mas, não fora o bastante, ajoelho diante da esposa, beijando suavemente sua barriga, abraçou-a, entre lágrimas e sorrisos.

Levantando-se, olhava emocionada para a morena.

 

Um pouco à frente, Carol Chapman via todo movimento e sons vindos do show. Acompanhada de um vazio arrebatador, que alguns chamam de solidão

 Porém, observava à distância a filha e os gestos feitos por ela, foram o suficiente para entender o que ocorria.

 _ Vamos ser avós... _ disse Bill achegando-se.

_ Então, é realmente o que pensei ver?

_ Sim, Carol... Alex está grávida.

_ Você sabia?

_ Soube hoje mais cedo, mas ela não tinha contado à Piper ainda.

_ Deus... Um bebê... _ exaltou _ Como queria participar desse momento..._ a mulher não conseguia limpar a quantidade de lágrimas que escorria por seu rosto.

_ Tudo é possível...

_ Nossa filha jamais me perdoará e com razão, eu não me perdôo.

_ Se quer uma dica... Existe um caminho para conseguir esse perdão.

_ Como, Bill? Eu faria qualquer coisa.

_ O caminho é a pessoa que está carregando nosso neto... ou neta.

_ Alex? Ela me odeia.

_ Vê como você não conhece a nossa nora? Ela ama tanto a nossa filha que para vê-la totalmente feliz perdoaria você e ainda a ajudaria, só para ver a Piper feliz.

_ Você acha que algum dia elas me perdoarão?

_ Acho... Se agir com o coração.

O homem virou-se de saída.

_ E, você? Será que algum dia irá me perdoar?

_ Quem sabe, Carol... O tempo dirá... Tenha uma boa noite.

Bill saiu, voltando ao show. Deixando uma pequena esperança no coração de Carol.

 

Ao longe, Lorna discretamente cutucou Nicky, mostrando as duas amigas.

_ Está tudo bem com elas?

_ Com elas... E, mais um! _ mostrou a barriga.

_ Mais um?

_ Sim!

_ Mais um, assim, mais um ou mais uma?

_ Exato!

_ Minha nossa!!! _ alegrou Nicole. _ Mas, por que você sabia e eu não? Pode me dizer?

_ Porque se você soubesse a Piper saberia!

_ Hum... Tem razão... Caralho, eu vou ser tia! _ animou-se Nicole.

Na verdade, apenas Lorna e Diane haviam acompanhado a morena em todas as etapas, tamanho era o medo de Alex em decepcionar Piper e mais uma vez não conseguir seguir adiante com a gravidez.

As amigas observavam felizes aquele momento.

_ Ei, bem que podíamos fazer o mesmo...

_ Nicky, segura que a vontade passa! _ zombou Lorna, abraçando Nicky, voltando a atenção para as canções.

 

Oh! Simple thing

Oh! Coisa simples

where have you gone?

aonde você foi?

I'm getting tired

Eu estou ficando cansada

and I need someone

e preciso de alguém

to rely on

em quem confiar

 

A loira não conseguia desviar os olhos da esposa.

_ Mamães? _ dizia.

_ Mamães!

_ Yay!!! _ exclamou.

Antes de contar a novidade aos que ainda não sabiam, Piper e Alex decidiram ficar um pouco mais ali, naquele lugar que lhes traziam tantas recordações, em meio a tantas histórias!

Assim, mantiveram-se dentro daquele abraço que fundia o mais puro e nobre dos sentimentos... O Amor.

 

I came across a fallen tree

Me deparei com uma árvore caída

I felt the branches of it

Eu senti os galhos dela

 looking at me

olhando para mim

Is this the place

É este o lugar

we used to love?

que costumávamos amar?

Is this the place

É este o lugar

that I've been dreaming of?

com que tenho sonhado?

 


Notas Finais


Enfim... Concluímos nossa história!

É claro que fica uma sensação boa por conseguirmos concluir algo que sempre colocamos um grande carinho, mas também existe aquele apertinho no coração por ser o fim.
Deixamos aqui a nossa gratidão a cada uma de vocês que acompanharam as idas e vindas desse casal que nos é muito especial.
Muito obrigada!

Quem conhece um pouquinho da nossa história pessoal, sabe o quanto esse site se tornou importante em nossas vidas. Mais do que isso, o nosso encontro aqui mudou nossas vidas por completo.
Desejamos à vocês, exatamente isso... Encontros, sejam onde for, que transformem o que não existia cor em um colorido maravilhoso!

Um abraço carinhoso, desde já, cheio de saudade!
Nos vemos pelos 'corredores' do Spirit!
Lígia e Valéria


Links da Música: Lauren Daigle - You Say

YouTube: https://www.youtube.com/watch?v=sIaT8Jl2zpI

Deezer: http://www.deezer.com/playlist/3803275946


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...