História Diário de decepções - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, D.O, Tao, Xiumin
Tags Azar, Baekhyun, Baekhyun Trouxa, Baekyeol, Chanbaek, Chanyeol, Chanyeol é um viadinho, Chanyeol Homoterossexual, Comedia, Comedia Romantica, Decepção Amorosa, Exo, Gay, Lemon, Lubaek, Xiubaek
Visualizações 911
Palavras 5.486
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oizinho kjkkk eu demorei não foi eu sei eu tô mal por isso. É só que eu pensei em muitos plots para escrever recentemente, então eu tô escrevendo umas 7 fanfics kkkk me matem, eu tenho duas pra att e ainda vou fazer mais que horror né
Mas é que escrever me relaxa, pessoal
Amo escrever
Então, voltando a DDD, não acho que eu me expressei bem nesse capítulo, fiquei até impressionada que passou de 5.000 palavras, então talvez nem seja um dos melhores que eu escrevi kkak mas eu escrevi com muita paciência, então espero do fundo do heart que vocês gostem aaa.
Eu vou deixar uma playlist no final, pra quem quiser ouvir as músicas citadas aqui 🍌❤
Então bora ler né pq o capítulo todo eh Chanbaek puríssimo, amo.

Capítulo 10 - Meus grandes questionamentos, o Insta de Chanyeol e DRAMA


Fanfic / Fanfiction Diário de decepções - Capítulo 10 - Meus grandes questionamentos, o Insta de Chanyeol e DRAMA

》4 de maio, sábado

De todas as coisas do mundo, a minha coisa favorita ainda é ficar sentado na cama olhando pra um certo ponto por duas horas ou mais. Por quê? Porque o Soo não me atrapalha quando eu começo a fazer isso, é como se fosse o meu momento de reflexão e de paz.

No entanto, quando seu nariz está escorrendo mais que mulher na menstruação, o momento não é mais tão refletivo e relaxante, é só um momento em que eu estou parado olhando pra parede, soluçando, tossindo, pigarreando e parecendo um idiota.

Acho que peguei gripe, provavelmente do Sehun, um ridículo daqueles deve ser cheio de doenças em cada canto do corpo dele. Eca. Ainda tem coragem de me perturbar no Kakao dizendo que me ama, que ainda quer ficar comigo e outras coisas. Dá pra acreditar? Não, eu não sou nenhum caminhão de mudança pra acreditar que aquele vara-pau mudou ou tá mudando, foi ele quem escolheu assim, ele que sofra as consequências.

— Baekhyun, não quer mesmo ir para o médico? Já é o segundo dia que você tá tossindo, tô te achando meio tuberculoso.

— Eu não tenho tuberculose, seu ridículo. — respondo abrindo os olhos e olhando sem expressão para o baixinho na minha frente.

— Mas você devia tomar um remédio pra gripe — falou preocupado e se aproximou, colocando a mão sobre a minha testa parecendo checar minha temperatura. — está um pouco quente, quer uma sopa?

— De você eu não quero nada. — tirei a mão do infeliz de cima de mim.

— Para de ser Insuportável, vem, você precisa de um remédio. — me puxou para fora do quarto — passou a  manhã inteira enfiado nesse quarto, deve ser por isso que tá doente.

— Eu não tô doente! — digo igual uma criança birrenta, batendo os pés no chão e tudo.

— Eu vou sair com o Jongin hoje mas não quero te deixar sozinho. — fez um bico tristonho.

Me sentei no sofá enquanto o outro pegava sei-lá-o-que na cozinha, revirando o freezer da geladeira e resmungando não-sei-o-que.

— Você tá mesmo saindo com aquele cara? — pergunto alto o suficiente para que ele pudesse ouvir. — mesmo depois de tudo? Como tem coragem? Você é tapado por acaso?

Quando apareceu na sala de estar, parecia totalmente inofensivo e inocente, com um balde na mão, se agachou em frente ao sofá e gesticulou para que eu deitasse. Foi o que fiz.

— Não estou saindo com ele nesse sentido. É só sobre a faculdade, nada demais. Quietinho. — em seguida ele colocou um pano gelado na minha testa, parecendo bem concentrado no que estava fazendo.

— E vocês nem transaram nem nada? — arqueei a sobracelha, vendo Kyungsoo revirar os olhos.

— Não tá acontecendo nada, quietinho Baekhyun, para de ser intrometido. — ele ajeitou o pano na minha testa e pegou um termômetro, colocando por baixo do meu braço.

— Nem um oralzinho só pra vontade passar? — continuei provocando.

— Pelo amor de Deus, Baekhyun! — ele me deu um peteleco na testa. — acha que eu sou assim igual você? Deixa esse assunto pra lá, essa febre tá te fazendo delirar!

— Eu não tô com febre. — murmuro um pouco sem graça.

— Sim, tá sim! — resmungou tirando o termômetro debaixo do meu braço e arregalando os olhos de um jeito fodidamente assustador. — 39 graus, Baekhyun! Você precisa de um remédio! Eu vou pegar, calma, todo mundo precisa se acalmar. SE ACALMA BAEKHYUN!

— Mas eu tô calmo, caralho! — digo me sentando no sofá. — Você que tá surtando aí, égua!

— Ok, ok, vamos nos acalmar. Eu vou buscar o remédio. — se levantou do chão com as pernas tremendo, ele realmente parecia assustado. — Eu deveria ir na farmácia comprar outros remédios, não deveria? Acho que deveria comprar outro, e se o remédio que eu te der não funcionar, e se a sua febre não passar? Baekhyun, se acalme, você não vai morrer. Pense em tudo, menos em morte, por favor. Morte não!

— Ei seu idiota, você não quer ser médico?! Para de me assustar! — digo, tão assustado quanto ele. — e-eu  não tô doente, inferno!

— Ok, ok, ok! Vou buscar um remédio! — saiu correndo da sala, indo diretamente para o quarto atrás daquela necessaire cheia de remédios que ele guarda.

Enquanto ele procurava o tal remédio, meu celular começou a vibrar bem na minha cintura, tirei o celularzinho de dentro do meu shorts e vi aquela notificaçãozinha linda brilhando como uma estrela.

“real__pcy compartilhou uma foto”

As quatro palavras me fizeram quase ter um surto epilético, acho que a frase “nunca cliquei em uma notificação tão rápido” nunca fez tanto sentido na minha vida. Cliquei tão rápido que provavelmente fui a primeira pessoa a curtir, pelo menos achei que era o primeiro até ver que 30 pessoas já tinham curtido antes de mim. Fui tapeado!

A coisa mais dolorosa do mundo foi olhar aquela foto e não sentir uma pontada no meu coração, a legenda estava tão divertida quanto a foto dele sentado em um banco com o celular apontado para si. O cabelo todo arrumado e aquela careta que ele faz pra forçar a covinha. Confesso que ele fica até bonitinho desse jeito, nada demais.

@real__pcy: tirando Selfies no parque ~~~ não paro de pensar em como o clima está bom, acho estou mais feliz que o normal. Adoro o emoji de porquinho, me lembra muito alguém que conheço ~~~ hey 🐽 boa tarde ‘><”

Emoji de porquinho? Lembra quem? Alguém? E quem é essa pessoa? A ex namorada dele? Grr. Que ridículo. Foi então, com todo o meu ódio e orgulho do mundo, que eu comentei na foto.


@baekyune_006: @real__pcy, sabia que seu amigo aqui está muito, muito doente? Não, você nem liga se eu estou prestes a morrer, você é um falso que está mais feliz que o normal ~~~ não apareça aqui nunca mais. 🍌

Às vezes me pego pensando sobre essas fotos que o Chanyeol tira. Quem tira pra ele? Com quem ele estava? Jongin? A própria mãe? O pai? A ex-namorada?!

Eu não sei por que sinto a necessidade de saber quem é a pessoa por trás dessas fotos, só me sinto incomodado por não saber quem é. Que merda.

@real__pcy: @baekhyune_006, Doente? Quem tá doente? Você? Está se sentindo bem? Quais os sintomas?

Bingo. Tenho que fingir ser a pessoa mais doente do mundo, quem sabe assim o Chanyeol apareça aqui em casa e cozinhe pra mim. Ou talvez não cozinhe. Mas o importante é que ele venha, assim eu vou ter certeza que ele não vai estar com outras pessoas além de mim.

Não que eu me importe, claro. Não me importo com nada que esse garoto faz, nada mesmo. Eu só quero previnir que ele seja feito de trouxa novamente por aquela vaca da Irene, entendeu? Só isso, só estou preocupado com meu amigo.

@baekhyune__006: @real__pcy, muita febre, dor de cabeça e mal estar. Soo precisa sair pra resolver um negócio da faculdade e eu vou ficar sozinho, Chan. Consegue acreditar nisso? Esse monstro vai me deixar sozinho nesse estado! ~~~ chorando.

Isso não é mentir, eu tô dizendo a verdade. Com uns exageros, mas continua sendo uma verdade. Eu aprendi que a mentira é bem-vinda em certos momentos.

@real__pcy: @baekhyune__006, espera 15 minutos que eu vou ja aparecer aí. Vou fazer uma sopa pra você, ok? Não se desespere, já estou indo. ~~~  beijos.

Bingo de novo! Ele tá vindo, acho que eu deveria sair daqui e colocar uma roupa mais descente, não é? Mas espera, se eu tô doente, então não preciso me arrumar, afinal, quanto mais acabado, mais preocupado ele vai ficar.

Eu sou um crânio.

— Achei! Achei! — o olhudinho reapareceu assustado e falante, seus olhos estavam arregalados e um pouco vermelhos. — Toma o copo, quer dizer, to-toma a água do copo, toma tudinho, mas devagar, você pode se engasgagar-

— Mas o que diabos te deu hoje, Soo? — resmungo tirando o copo das mãos pequenas do outro e tomando a pílula que ele me dera.

— É só que faz tempo que você não fica doente, além disso, a última vez que cuidei de você foi quando seu braço estava machucado… — respondeu olhando pro chão com agoniação.

— E tu não queres ser médico? Esqueceu que tá estudando pra isso?

— É-é-é... Eu quero ser psicólogo, Baekhyun… — murmurou ainda sem graça e depois mudou completamente aquele ar de garotinho tímido. — Ah, cala a boca! Eu só quero te ajudar!

— Ah, me ajudar como? Idiotando pelo apartamento parecendo um pomba lesa? Achei que você já tava preparado pra esse tipo de coisa, idiota.

— É por isso que eu não quero mais morar com você, você é tão egoísta e mal agradecido! Chega, eu preciso fazer a minha pesquisa, passar bem! — deu-me as costas e foi em direção ao quarto.

— Pode ir! Eu não ligo!

Eu não ligo mesmo. Pft, eu? Me importar com os draminhas de Do Kyungsoo? Ah, tá bom. Eu tenho mais coisas pra me importar, tipo quem tira as fotos do Chanyeol. Kyungsoo tá lá em baixo na lista de coisas que eu me importo.

Depois de vários minutos, Kyungsoo saiu do quarto com o seu sueter verde-escuro, parecia uma criança inofensiva, se aproximou devagar do sofá com quem queria alguma coisa.

— Você pode esquentar a sua comida no microondas, não pode?

— Não preciso fazer isso. — voltei o olhar para a tela do celular.

— Ah, vai fazer greve de fome agora? Para de ser infantil, Baek-ah!

— Ah! Eu não quero esquentar, saco! — elevo o voz. — além disso, o meu Chanyeol vai fazer sopa pra mim, não preciso esquentar nada.

— O  seu Chanyeol? — arqueou a sobrancelha.

— Sim, o meu amigo Chanyeol.

— Acho meio impossível, ele tá no restaurante dele porque um evento importante tá acontecendo, até me disse que não ia poder vir aqui porque estaria muito ocupado.

— Ele vai vir.

— Ele não vai. Acha mesmo que ele saíria de uma situação importante pra vir aqui? Baekhyun, ele é diferente, cumpre as suas responsabilidades, entendeu?

BAEKHYUNIEEEE! O OPPA TROUXE OS INGREDIENTES PRA SUA SOPINHA, VOU JÁ JÁ PREPARÁ-LA!

Quando Kyungsoo viu Chanyeol parado na porta usando uma máscara branca e duas sacolas repletas de legumes dentro, ele só faltou ter um surto epilético, eu juro que eu nunca vi olhos tão grandes quanto o de Kyungsoo quando o Chanyeol chegou aqui.

— Eu disse que ele iria vir. — levantei do sofá sorrindo de lado e afaguei o ombro de Soo como uma forma de deboche.

— Ma-mas Chanyeol, você disse que não iria poder vir pra cá, o que diabos você tá fazendo aqui?

— Baekhyunie me disse que não estava se sentindo bem, disse também que você ia sair, eu fico com ele, pode ir little squishy. — por baixo da máscara dava pra notar o seu sorriso feitinho que deixava seus olhos paredidos com duas linhas.

— Mas você disse que-

— Soo, se eu estivesse realmente ocupado, acha que eu viria? Um almoço chato com gente mais chata ainda, fiquei até feliz quando o Baekhyune me disse que estava doente, eu disse pro cliente que meu amigo estava morrendo e então pude vir. Simples, não é?

Chanyeol é farinha do mesmo saco que eu, veja bem, ele usou a minha técnica: Dizer a verdade sim, com um pouco de exagero também.

— Você precisa ir, não precisa? Se você for encontrar com o Kai, acho melhor você ir, acabei de ver ele indo pro esconderijo secreto de oppas.

— Esconderijo secreto de oppas? — franzi as sobrancelhas.

— Starbucks. Você nunca notou que em vários livros, oppas bonitos estão por lá? Pois então. — deu de ombros. — vou cortar os legumes, Baek-ah tome um banho ok? Seu rosto está vermelho, acho que é a febre.

Assim que Chanyeol saiu, Kyungsoo me olhou com a expressão mais confusa do mundo.

— Isso foi estranho. — comentou parecendo não ligar e se aproximando de mim para conferir a temperatura. — ainda tá quente. Melhor ir tomar um banho mesmo, tá bom? Eu volto antes de anoitecer.

— Tá, tá. — respondo — acho que você já pode ir.

— Então tá… Já tô indo… mas você vai ficar bem, certo?

— Eu vou, saco!

— Tudo bem. — respondeu sem graça e em seguida realmente foi embora, fechando a porta com toda a delicadeza do mundo.

No mesmo instante fui correndo para a cozinha e vendo Chanyeol encostado na pia, lavando os legumes que provavelmente iria cortar depois. Ele tem costas bonitas sem aquela imensa jaqueta de couro que insiste em usar, só essa regata preta deixa ele muito, muito gostoso.

— O que você tá fazendo aqui? — perguntou assim que se virou.

— E-eu acho que essa cozinha é minha, assim com esse apartamento inteiro! — respondi nervoso.

— Seu rosto tá muito vermelho… — ele se aproximou levantando minha franja e colocando a costa da mão na minha testa com muita cautela. — Tome um banho, sim? Está quente. Depois você toma a sopa e descansa um pouco, precisa se repouso.

— Entendi… — respondi nervoso, arracando a mão alheia da minha testa. — Então… Chanyeol eu… quero… te… perguntar uma coisa… — balbuciei com uma vontade de me estapear.

— Hum? O quê?

Por dentro, tenho um monólogo interior com a possível resposta de Chanyeol, então, segundo meu monólogo interior a resposta seria:

“Ah, quem tira minhas fotos? A vagabunda da irene. Odeio ela, assim como odeio o irmão dela. Só deixo ela tirar foto minha porque a ridícula é totalmente apaixonada por mim, eca, eu nunca mais quero essa garota perto de mim se não for pra trabalhar pra mim e fotografar a minha beleza inigualável.”

Ok. Chanyeol não falaria isso, na verdade, isso seria mais algo que eu falaria, ele não. Essa pergunta é muito idiota, eu não deveria fazer essa pergunta, sou um maldto idiota, nem deveria ter começado com esse papo de queria perguntar algo, grande ordinário você hein Baekhyun.

— E então? — o altão balançou a mão na minha cara. — quer perguntar o quê?

— Na verdade eu queria pedir pra você não fazer sopa. Por favor. — disse rapidamente tentar não deixar óbvio que aquele não era a porra do assunto que eu queria falar.

— Hã? Por quê? — Cruzou os braços.

— Ah, porque é comida de doente, não quero. Faz qualquer outra coisa, mas sopa não.

— Você precisa  de um caldo, vai tomar a sopa sim, para de birra. — deu-me as costas e voltou lavar os vegetais.

Esse filho de uma mãe pensa que manda em mim, é? Porra nenhuma, ninguém manda em mim!

— Qual parte do “eu não quero” que você não entendeu? — rebati me aproximando cheio de raiva.

— Baekhyun, se você acha que eu vim aqui pra te mimar, você está completamente errado. — se virou, sorrindo daquele jeito debochado — Eu não vou te dar o que você quer, eu vou te dar o que você precisa, entendeu? E você precisa de um banho geladinho, um pijama quentinho e uma sopa. Portanto, vá.

Dei uma risada de puro sarcasmo, só pra vê-lo ficar irritadinho. Fiz questão de me aproximar mais um pouco, vendo ele recostar o cócxi na pia, de um jeito sorrateiro, dei um jeito de ficar com uma perna entre as suas duas pernas, vendo ele ficar nervosinho.

— Sabe do que eu preciso? — sussurrei e alcancei o seu pescoço com a mão, tentando puxar o pescoço do filho da mãe mas ele endureceu aquela porra, dando continuação a uma sequência de caretas vindas de mim, tentando puxar ele para baixo.

— Baekhyun, que porra você tá fazen-

— Amolece essa porra desse pescoço, deixa eu continuar! — reclamei o puxando com força, então ele parou de fazer força e baixou a cabeça, me olhando bem no fundo dos olhos.

— Do que você precisa? — sussurrou.

— Um beijinho, vai. — disse em um tom brincalhão.

— Ah não, beijo não. Não quero beijar você nunca mais, ouviu? Nunca mais. — tentou me empurrar pelo peito, mas segurei as duas mãos firmemente em seu pescoço. — Ah, para de ser infantil, Baek-ah! Vamos, me solta.

— Ahhh, só uma bitoquinha, Channie-aaah! — fiz um bico provocando. — É só um beijo, o que há de errado? Esqueceu o que nós apostamos?

Chanyeol revirou os olhos, parecia que tinha esquecido completamente daquela aposta que está tão vívida na minha mente.

— Então você vai tomar banho?

— Eu vou fazer o que você quiser, entenda a frase como quiser entender. — sorri zombeteiro.

— E vai tomar a sua sopa?

— Qualquer coisa que você queira.

Ele fechou os olhos e respirou pesadamente.

— Acaba logo com o meu sofrimento, vamos. — disse ainda de olhos fechados.

Nem hesitei porque o que é oportunidade nós não joga fora. Me aproximei devagarinho e rocei o lábio no seu, vendo aquela reação exagerada vindo dele. Dei um selinho preciso e focado no seu lábio inferior, mordendo ali com uma delicadeza digna de princesa, em seguida, o beijei com vontade, segurando o seu cabelo e tudo mais.

— Baekhyun, era só um beij-

— Cala a boca.

E ele calou, só continuou me beijando da mesma forma que eu o beijava. Segurei as suas duas mãos apoiadas na pia e fiz ele agarrar a minha cintura, comecei a beijar seu pescoço com carinho enquanto minhas mãos adentravam sua camiseta.

— Isso é estranho, Baekhyun… — saiu como um gemido! Um gemido! O Chanyeol gemeu meu nome!

— Estranho bom ou estranho ruim? — continuei beijando seu pescoço, indo em direção a sua clavícula.

— Não tem uma definição mas- ah Baekhyun, acho melhor você parar. É sério.

— Por quê? Você está ficando duro, não está? — sorri e em seguida mordisquei sua pele de uma forma bem carinhosa.

— Baekhyun, já chega. É sério!

Quando minha mão chegou no local sagrado, bingo. Chanyeol estava duro ao extremo e isso estava deixando ele desesperado. Pega, inferno! Ele é bem sensível, não fazem nem 4 minutos que começamos a nos beijar. Interessante.

— Eu posso fazer isso pra você, não posso? — sussurrei o olhando diretamente nos olhos, notando o nervosismo naquele olhar.

— De jeito nenhum! — gritou, tentando me tirar de cima dele novamente e dessa vez conseguindo, quase tombei pra trás, mas não aconteceu porque eu usei minhas incríveis habilidades de ninja para evitar que isso acontecesse.

Chanyeol parecia realmente desesperado, igual eu no dia em que fui obrigado a ficar excitado. Parece que o jogo virou, não é mesmo?

— E Jesus disse, não bebereis dessa água. E você foi lá e bebeu. Eu disse pra não duvidar de mim. — dei de ombros e cruzei os braços.

— Você é tão infantil… Não foi por causa de você! Há uma outra explicação, é tão óbvio! Eu não sinto nenhum tipo de atração por você!

— Opa opa, tem certeza? Seu corpo não corresponde às suas falas.

— Meu corpo não me obedece! — gritou — droga, eu preciso ir ao banheiro. Você por acaso teria uma revista playboy jogada por aí?

Quis voar na cara dele e dar só de murro naquele rostinho lindo, mas me contentei em apenas ver o desespero dele.

— Você pergunta à um homossexual se ele tem uma revista playboy em casa? É a mesma coisa que perguntar a minha mãe se o único filho dela tem uma esposa. Por que não me deixa fazer isso, hm? Eu sou bom nisso, tenho um também e acredite, já brinquei com mais de 20 desses.

— Ahn, não. Eu faço isso sozinho. — começou a andar meio torto em direção ao banheiro, parecendo uma pessoa com deficiência ou algo assim.

— Boa sorte, Yeollie. — provoquei.

Quando ele entrou no banheiro, eu ri. Mas eu ri com gosto mesmo, porque quem diria né? Um heterossexual desses, bicho. Se excitando com beijos masculinos, ah, amo muito meus amigos heterossexuais.

A coisa estranha é que Chanyeol beija bem demais e tem um corpo muito gostoso, mas eu não me excitei. Eu não tô duro, meu pau nem deu sinal de vida. Acho que realmente tô doente ou eu acho que queria beijar o Chanyeol sem outras intenções, só queria beijar por querer mesmo, e eu sinceramente acho que a primeira opção é a que mais se encaixa na situação.

A campainha tocou e me tirou daquela tensão autônoma que ocorria, fui atender e assim que abri a porta vi Xiumin muito bonitinho com um daqueles óculos de grau que ele usa na universidade só “pra parecer mais maduro”, mas o que acontece mesmo é que ele fica muito fofo, parece um bebê.

— Ah, oi Min. O que foi? — pergunto.

— Eu posso entrar?

— Ainda pergunta? Você é meu melhor amigo, essa casa só não é sua porque você não comprou, e nem eu comprei, mas é, a casa não é nem minha nem sua, mas entra. — abri passagem pra ele passar.

Ele entrou todo acanhado e calado e isso me encheu de medo. Porque Kim Minseok não é calado ou tímido, pelo menos comigo ele não é.

— Aconteceu alguma coisa? Tipo, tu tá bem estranho. — comentei.

Quando Xiumin abriu a boca pra falar algo, foi um interrompido por um grunhido, quase um gemido, vindo do banheiro. Olhou pra mim com os olhos arregalados e soltou uma risada.

— Ou seus vizinhos estão fazendo sexo, ou o Kyungsoo descobriu que tem um pênis, ou o seu banheiro está fodendo alguém.

— Errou. Chanyeol tá lá dentro.

— Se masturbando?

— É, eu beijei ele e ele ficou assim. Até pedi pra fazer isso no seu lugar, mas ele é um homem egocêntrico, não quis que eu fizesse. Chato. — entortei a boca.

— Vocês? Se beijaram? — fez um bico enquanto franzia as sobrancelhas. — mas não é o Chanyeol quem tem uma namorada? Tipo, uma garota de verdade com útero e tudo?

— Parece que agora ele tem um namorado, com pinto e tudo. Baekhyun, o nome dele. — ri fraco — mas o que foi, Xiumin? Você nem ligou. Tem falado com o Tao? Ele meio que sumiu, eu nem dei muita importância, mas é um pouco preocupante o fato de estarmos 6 dias sem nos falar.

— Vi sim, acabei de vir da casa dele. — fez uma expressão de quem estava com raiva, ficando fofo até.

Tao e Xiumin paecem um casal de novela mexicana qualquer motivo é motivo de briga. Odeio muito gente dramática, só eu tenho o direito de ser, não sou obrigado a aturar gente assim. De melodrama já basta a minha vida inteira.

— Ah, é? E o que aconteceu? Conta pro tio Baekkie, ele te ouve. Só ouve mesmo, nem pense em pedir conselho porque ele só sabe ouvir mesmo.

Minseok respirou fundo e se deitou no sofá, e eu sentei na proltona ao lado do sofá, como se realmente fosse um terapeuta e ele fosse meu paciente.

— Baekhyun, me diz como é gostar de alguém. — perguntou olhando para o teto.

— Acho que você tá perguntando pra pessoa errada, amor. Por que não pergunta pro Kyungsoo? É ele quem sofre por amor.

— Foda-se o Kyungsoo. Você já gostou do seu namorado, o tal do Sehun, não gostou? Até porque só teve ele de namorado em 24 anos de vida.

Relaxei as costas na poltrona.

— Eu nem sei gostava de verdade dele. Eu só queria ficar perto dele pra não ficar sozinho, queria saber o que estava fazendo e por quê estava fazendo ao invés de estar me chupando, queria transar com ele em qualquer canto que fosse, ah, essas coisas. Por quê?

— Ah, então acho que o que eu sinto não é amor, eu acho.

— Eu nunca disse que o que eu sentia pelo Sehun era amor. Amor é outra coisa, uma coisa bem mais complexa pra um relacionamento de 2 anos, acho que 2 anos é pouquíssimo tempo pra amar alguém, até porque em dois anos eu nunca amei ele.

— Puta merda, o que eu faço? Você acha que é amor?

— Eu não sou fã de doramas mas o Kyungsoo é, o que automaticamente me faz saber até da ost de The Flower Boy Next Door, então, prossiga.

— Frio na barriga só de pensar que vou vê-lo, gosto de saber o que ele está fazendo, fico me sentindo horrível quando brigamos, sorrio lembrando daquelas piadas de vagabunda que ele faz, gosto do jeito que ele se veste, acho que loiro combina muito bem com ele, assim como a estampa de oncinha também. E todos os beijos dele me acalmam, eu não o beijo por prazer, mas sim porque realmente gosto de sentir uma parte dele colidir com a minha. Simplesmente por aquela parte ser dele.

— Puta merda. — digo olhando para o menino -na verdade homem- deitado no sofá. — Isso é muito estranho, amigo.

— Por quê? — ele se levantou do sofá, me olhando assustado.

— Porque tu tá falando do Tao. Mas que diabos… você gosta dele? Mas o que…?

— Eu gosto?

— Sim, você gosta.

Ele colocou as mãos na boca, parecendo surpreso.

— Caramba, eu acho que gosto!

— Ah, você acha? — fui irônico. — se era isso que te afligia, problema resolvido, agora vai se confessar.

Me levantei da poltrona só pra dar uma espiada se o Chanyeol já tinha terminado o seu trabalho dentro do banheiro.

— Eu não posso. Kyungsoo tá lá.

Parei de andar no mesmo instante e me virei para Xiumin, que ainda estava sentado no sofá com a expressão melancólica.

— O Kyungsoo? Com o Tao? — dei um riso nervoso. — Impossível, o Soo foi fazer uma pesquisa da faculdade com o Jongin, ele não mente em relação à essas coisas.

— Então acho que dessa vez ele mentiu, porque ele realmente estava lá e eu nem perguntei por quê. Incrível, como o Tao pode sentir atração por ele e não por mim?!

— Espera, o Tao sente atração pelo Kyungsoo? O meu o primo, Do Kyungsoo?! Tem certeza que estamos falando da mesma pessoa?!

— Achei que você soubesse, Baekhyun. — empurrou o óculos no dorso do nariz.

— Não, eu não sabia! Quer dizer, eu sabia das coisas insignificantes, mas não sabia que o Tao realmente sentia atração pelo Soo, quem é que sente atração pelo Soo? Impossível!

— Desculpa ser tão objetivo, mas eu odeio o seu primo, Baekhyun.

— O quê? — quase gritei. — por que você odeia ele? Ele nunca te fez nada!

— Ele fica seduzindo o Taozi! — cruzou os bracinhos. — esse era o meu papel!

— Xiumin, acho que a última coisa que o Soo quer é seduzir o Tao. Ele não vai com a cara do Tao, mas afinal, o que ele estava fazendo na casa do Taozi?

— Eles estavam conversando! Conversando! Que absurdo, o Tao não gosta de “conversar”. — ele fez aspas com os dedos.

— Sério? Conversando? Que absurdo! — cruzei os braços, só depois percebendo a idiotice que falei. — Espera, só conversando? Porra, achei que estivessem transando ou algo assim, mas estão apenas conversando? Porra, Xiumin.

— Mas Baek-ah, eu não gosto quando eles fazem isso, eu sinto aquela coisa chamada ciúmes, eu tenho ciúmes deles dois!

— Mas… por que você teria ciúmes de alguém como o Kyungsoo? Ele meio que inofensivo quando se trata de relacionamentos, eu que o diga, o coitado ficou chupando dedo durante todos os 2 anos do meu relacionamento com o Sehun e não me disse nada.

— Porque o Tao é meu! É totalmente meu, é meu meu meu meu e meu! — gritou como uma criança birrenta.

— Xiumin, você tá chapado né? Para de falar essas cois-

— Eu tô falando sério, Baekhyun, eu vou ser capaz de MATAR o seu primo bonitinho e inocente se ele se aproximar do meu Taozi de novo. Então avise a ele, eu não o quero perto do meu Tao, escutou? Eu não quero!

Dei uma tapa no seu rosto com força, meus olhos arregalados e aquela energia toda percorrendo o meu corpo.

— Ai Baekkie, por que você fez isso? — ele fez um bico enquanto acariciava a bochecha levemente avermelhada.

— Você aí ameaçando o Soo, quantos anos você tem? Nem parece que é o mais velho de nós três, sabia que o Soo pode te denunciar? Aí vai ter aquelas coisas de não poder se aproximar da vítima e como é que você vai vir aqui em casa? Não vai vir, porque não vai poder ficar no mesmo lugar que o Soo.

Minseok baixou a cabeça como se estivesse se sentindo culpado.

— Desculpa, Baekkie. Me abraça, eu quero você perto de mim.

Quando eu o abracei, o menino só faltou desabar de tanto chorar, dizia coisas como “você é o meu único amigo”, “eu amo tanto você Baekkie”, “Eu não sou louco, amigo!”. E eu olhando para a parede, me sentindo todo aéreo, tão aéreo que a única coisa que eu fiz foi acariciar seu cabelo pretinho e dizer “vai passar”. Ótimo conselheiro.

Depois que Minseok foi embora, totalmente renovado por causa dos conselhos de Park Chanyeol, já estava noite. Kyungsoo ainda não tinha voltado, o que pode ter me deixado um pouco preocupado sim, mas não é como se eu me importasse com ele ou tipo isso. Eu só quero que ele volte pra casa.

Mas pra piorar a situação, houve queda de energia. O que resultou em mim gritando pelo apartamento, porque o escuro me incomoda muito, e também o Chanyeol ficou gritando que o chão ia me engolir e minha alma ia ficar presa do outro lado do chão. Chanyeol é muito infantil. Meu celular descarregou já tem um tempo, e não tem nada pra fazer a não ser olhar pra cara do Chanyeol, já que eu tomei banho 4 vezes só durante o tempo que a energia sumiu.

— Então… Qual tipo de música você gosta? — pergunto baixinho.

Pra ser sincero, odeio o escuro, mesmo que tenha três velas iluminadas bem em cima da mesa de centro, ainda odeio o escuro. Mas posso dizer que amo as chamas dessas velas, porque elas iluminam o rosto do Chanyeol com uma suavidade que o deixa totalmente lindo, mais lindo que o normal.

— Acho que meu gosto musical é um pouco diferente do seu. — respondeu limpando o suor da testa.

— Ah, vamos, conta.

— Gosto de rock clássico. Bem clássico mesmo, tipo Queen, The Beatles-

— David Bowie, Aerosmith, The Doors, The Smiths... ? — perguntei com um sorriso surpreso. — Não brinca, eu amo rock clássico!

— Mentira! Eu achei que gostasse de pop igual todo gay!

— Nossa, quanto preconceito. — fiz um bico. — Fique você sabendo que eu amo David Bowie como se ele fosse o meu pai. Inclusive, ontem mesmo eu tava ouvindo aquela música título do melhor album do mundo, hmmm é…

— Heroes! — retrucou. — Caramba, quando o Soo me ligou ontem, achei que fosse ele quem estivesse ouvindo! Essa música é muito boa, antes de vir pra cá eu estava ouvindo Rebel Rebel, acho que é uma das minhas favoritas!

— Hey, baby, seu cabelo está legal! — cantei no ritmo da música.

— Hey, baby, vamos sair hoje à noite! — cantou igualmente.

Começamos a rir igual dois idiotas, depois cantamos Life In The Fast Lane com toda animação do mundo, o que resultou em mais risadas ecoando no apartamento e um solo de baixo-imaginário horrível vindo do Chanyeol.

— Baekhyun. — Chanyeol disse, depois que terminou de rir.

— Hm?

— Se você fosse sempre assim, e não fosse chato, mimado e birrento, acho que eu já teria me apaixonado por você. — disse baixinho.

— Ah, sério? Então está sentindo atração por mim agora? — brinquei.

— Relativamente. Mas não é atração, eu só gosto de quando você não é um idiota.

— Que tal nos beijarmos agora, então?

Ele revirou os olhos.

— Tá agindo como um idiota de novo.

Ohhh você realmente me pegou agora.— comecei a cantar entre um riso, me aproximando de Chanyeol. — Oh não...

— The Kinks. — sorriu.

— Achei que não conhecia.

— Um clássico.

Me aproximei dele, dando-lhe um selinho estalado e vendo ele arregalar os olhos, me afastei como se nada tivesse acontecido.

— Acertou. Agora vamos ver se acerta essa… — olhei pra cima, pensativo. — Mississippi Queen!

— Mountain!

Me aproximei e deixei mais um beijo nos seus lábios, dessa vez com uma mordiscada.

— Acertou de novo. — sorri debochado.

Nem sei ao certo quando paramos, mas minha noite foi resumida em vários beijos bonitinhos e uma cantoria mal pra caramba vinda do Chanyeol. E quando a energia voltou lá pelas 01:00 da manhã, eu e Chanyeol estávamos deitados no chão, olhando para o teto e cantando The Unforgiven. Só aí eu notei que nossas mãos estavam juntas e que ele estava de olhos fechados.

— Você é legal, Mogmul. — ele sussurrou.

— Hmm, um apelido. Interessante. — debochei, bocejando em seguida.

— É um apelido importante. — apertou minha mão com mais força e eu vi um sorriso feitinho na sua boca. — Então considere-se importante.

E foi naquele instante que meu coração fez aquele “tum tum” diferente, foi um TumTumTum, sem pausa alguma.

Acho que é infarto.

Quando adormeci, ainda senti meu corpo ser levantado e ser levado para a cama. E eu juro que não foi coisa da minha cabeça, mas eu juro que senti um beijo quentinho na minha testa.

Eu realmente espero que isso seja infarto.


Notas Finais


As músicas citadas: https://open.spotify.com/user/favbaekhyune/playlist/1Ib8vaanWaP7wAM2sU75WA

So pq eu to mt viciada nessas músicas ultimamente kjkkak

Aposto que vocês não sabiam que o Baekhyun curtia esse tipo de música kkkj
Enfim, parece que o jogo virou não é mesmo Baekhyun? Pra dizia que o Chanyeol quem ia se apaixonar primeiro, acho que errou um pouco na previsão das coisas.
É gente, esse meu Baekhyun que eu criei eh mt chatinho com o Soo mesmo, mas vcs viram como ele ficou revoltado quand o Xiumin falou as atrocidades do Soo??? Aaaa Baekhyun tão egocêntrico u.u
Enfim ne
Foi isso

https://curiouscat.me/bweksoo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...