História Diário de um Soldado - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Tags Ação, Aventura, Diário, Guerra, Primeira Guerra, Soldado
Visualizações 1
Palavras 602
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, LGBT, Poesias, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Bissexualidade, Heterossexualidade, Mutilação, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 2 - 10.02.1914


10/02/1914

O dia começa antes do sol aparecer por aqui. Não que o conceito de noite seja dormir, por que aqui não podemos dormir, pelo menos não tanto quanto gostaríamos, principalmente depois que chegaram o resto das tropas, o que fez as trincheiras ficarem ainda mais movimentadas. Conheci um soldado hoje. Seu nome é Louis, e ele tem apenas 19 anos, e já é um poeta filósofo apaixonado.

Sinceramente não sei o que ele veio fazer na guerra. Digo, sei que é obrigatório, mas ele não sabe nem mesmo empunhar uma arma! Ou tem ao menos um músculo nos finos bíceps. Ele deixou uns papéis que estava mexendo ali em cima... Vou ver o que é.

É um poema para sua esposa.

Seus olhos

Como pedras preciosas

Com tanta riqueza

Em tão pura e simples beleza;

 

Teus cabelos

Perfeitos cachos

Escorrendo pela sua bela face

Relembrando a pureza de nosso enlace;

 

Teu cheiro

Odor que supera qualquer flor

Nunca sairá de minha memória

As características do meu amor;”

Estou na dúvida se ele é ou não um homossexual, pois pelo visto tem uma esposa. Mas um homem de verdade não escreve isso. Meloso demais. Coisa de mulher.

Começou um tiroteio! Estão nos atacando. Vou pegar uma arma antes que...

 

Ao parar de escrever, corri para pegar uma arma e me posicionar ao lado de meus colegas. Uma violenta troca de tiros ensurdecia o ouvido de todos, que eram movidos por extinto e medo. Não víamos praticamente nada, pela mistura de névoa e poeira, mas sabíamos para qual direção atirar.

Ao meu lado estava o igualmente apavorado e armado Louis, que atirava sem parar na direção da névoa.

Nós dois ouvimos o clique que sua arma deu, indicando que a munição havia acabado.

Ele me lançou um olhar de desespero e se virou, pretendendo descer atrás de munição. Quando aconteceu.

O tiro dessa bala pareceu ser o único que ecoou. O mundo ficou em câmera lenta enquanto eu assistia, sem ter tempo de reagir, meu amigo voar para frente e aterrissar inerte no chão, o sangue já jorrando de sua cabeça e formando uma enorme poça no chão.

Larguei a arma imediatamente, indo ao socorro de Louis. Me ajoelhei ao seu lado, conferindo se ainda respirava ou tinha batimentos. Nada. Sua pele já estava embranquecendo.

O grito de lamento que soltei não duvido que tenha sido escutado pelo lado adversário, por que confesso que até eu me assustei com a força que ele veio.

Louis tinha uma grande consideração de minha parte... Nos conhecíamos a pouco tempo, mas vê-lo me lembrava eu mesmo quando jovem, 10 anos antes, que ao invés de ser filósofo e sensível como ele, tive uma adolescência rebelde e repleta de bebida e mulheres... Ele era de certa forma uma inspiração para mim... Esses pensamentos e lembranças dele me faziam apenas derramar mais lágrimas, e quase não percebi quando mais soldados se reuniram ao meu lado tirando o chapéu. Achei até que o tiroteio havia acabado.

Não havia.

Em um segundo, uma pontada forte atingiu meu ombro esquerdo. Mal precisei olhar para saber que tomei um tiro, a mancha vermelha escura já estava tomando conta da manga do meu casaco.

Depois não lembro de mais nada. Acho que desmaiei, pois lembro apenas de acordar aqui na enfermaria do exército, de onde estou escrevendo agora. O médico disse que o tiro foi de raspão, para minha sorte, e ficaria apenas com o braço enfaixado por um tempo.

Amanhã vou ver se descubro o que fizeram com o corpo de Louis...

O médico mandou-me repousar.

Este dia conturbado acaba por aqui.

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...