História Diário de uma adolescente - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias After
Tags Badboy, Escola, Eua, Girl, Hot, Lgbt, Romance, Violencia
Visualizações 2
Palavras 1.403
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Festa, Ficção, Ficção Adolescente, LGBT, Literatura Feminina, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 3 - Uma história não tão ruim assim


Eu me olho no espelho e percebo que o verdadeiro eu voltou novamente. É uma coisa que simplesmente aparece do nada. Ele vem na melhor hora. Resumindo, o sentimento brota aleatoriamente.

A fraqueza paira no meu corpo, e a dor corrói minhas veias rapidamente. "Mexo" meu corpo com lerdeza e pisco meus olhos lentamente. Estou fraca demais para voltar ao quarto ou para falar para minha mãe que estou nada bem. Além disso, falar para ela o que eu estou sentindo não irá servir de nada. A mesma diz que é algo da minha cabeça, psicológico. Então decido ficar em silêncio.

A falta de ar aparece e eu já sei o que virá em breve. A dor no meu peito aumenta e minhas pernas... Eu não as sinto.

O que eu não entendi ainda é que eu estou quase tendo uma crise e mesmo assim, não faço absolutamente nada, apenas me olho no espelho seriamente, como se eu tivesse com raiva de mim mesma.

Escuto alguém me chamando e barulho de pedras sendo jogadas pela janela do meu quarto. Eu ainda não me mexo.

Começo a entrar em desespero.

Meu coração acelera e meu peito sobe e desce rápido, e mesmo assim, não mexo.

A voz masculina fica cada vez mais nítida de se ouvir e o barulho das pedras parece quebrar a janela.

Eu não estou me mexendo.

Em meu rosto, cores roxas aparece enquanto a cor vermelha pinta meu pulso, peito e garganta.

Agora o barulho vem da porta. Antes que esse "alguém" conseguisse entrar, eu me movimento pela primeira vez e aponto para mim mesma e digo:

- Você merece. - Olho para meus pulsos e vejo o sangue cair do meu braço e cair pelo chão branco do banheiro.

- ALICE!! - Sinto alguém me puxar...

•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°

- Acorda mano. - Nathan olha para mim puto da vida.

- Que?? - Olho meus pulsos e vejo que estão "normal". - Que merda...

- O que houve, meu bem? - Nathan sorri para mim.

- Nada demais. É que eu tive um sonho estranho. - Olho para o chão.

- Quer me contar? - Se dá de ombros.

- Ah... - Penso se devo contar ou não. - Eu sonhei que eu estava no quarto e Shaw Mendes estava me fodendo. - Minto.

Seu olhar de surpresa é a melhor.

- Eu pensava que só eu que te fodia. - Diz com ar de tristeza. - Poxa...

- Meu cu. - Rio.

- Eu gosto. - Me olha com malícia.

- Ah, seu tarado. - Bato em seu ombro. - Que horas são? - me sento na cama ao seu lado.

- 02:17. - Se levanta de um pulo. - O que significa que eu te chamei na droga daquela janela. - Aponta para o vidro quebrado. - Uns 17 minutos. - Diz com ar de raiva.

- É tão fofinho ele. - Faço uma vozinha de bebê. - ITI MALIA.

- Quer acordar tua mãe??? - Nathan anda em direção a porta e a abre devagar.

- Seu cu. Sai daí. - Me levanto e vou ao banheiro.

Assim que coloco meus pés no chão do banheiro o sonho volta a minha memória. Eu travo na porta. Nathan não percebe por estar de costas a mim.

O sangue, a paralisia, a dor, falta de ar, o corte, e o vermelho ao roxo...

- Está tudo bem? - Nathan pergunta com sua voz risonha. Assim que vê meu estado se preocupa. - Você mentiu para mim. Sonhou com aquilo de novo?

Eu tenho esse sonho a quase quatro anos. Comecei aos meus 14 quando entrei em uma depressão e comecei a ter grandes crises de ansiedade. O sonho sempre foi o mesmo. Eu sempre me culpando e me cortando e no final, Nathan sempre me "salva"

Conheci Nathan com meus 12 anos. Eu era da sétima série e ele da nona série. Havíamos virados amigos através de um grupo do Facebook criado pelo pessoal da nossa escola. E assim ficamos como amigos virtuais, já que nós nunca nos víamos.

Nessa época, Nathan namorava uma garota na qual eu não quero citar o nome da vaca, vadia, cadela, puta, nojenta, arrombada... Mas ela fez uma grande bosta com ele, no que resultou um garoto com coração partido. Eu o ajudei com essa dor durante um mês, e foi apenas em um mês que ele gostou de mim e que me pediu em namoro.

Sim, eu e Nathan namoramos, porém, foram apenas 10 dias de relacionamento já que eu era proibida de namorar pelo menos pais. Passamos 5 meses sem nos falarmos, até que criei coragem para voltar a conversar. O que na verdade deu certo.

Nathan sempre me ajudou com meus problemas psicológicos durante anos, e sempre me deixou minha cabeça a cima do nível da água. Me ajudou quando ninguém queria saber de uma garota fraca e odiada por todos até porque os mesmos não queria perder amizades ou perder a fama na escola. Me amou do jeito que eu sou. E eu o agradeço fazendo o mesmo.

Nathan sempre me viu: Triste, Feliz, bêbada, com raiva, com crise, excitada... Porém nunca me viu a beira da morte.

Aos meus 14 anos, eu não estava com minha mente no lugar... No que resultou a minha tentativa primeira tentativa de suicídio.

Os meus cortes sempre foram na horizontal, pois eu era fraca demais para acabar com tudo. No dia oito de julho, eu criei coragem e fiz um grande corte e profundo em meu pulso na vertical.

Eu estava me olhando pelo espelho seriamente, estava tendo uma crise de ansiedade. O motivo foi ter sido humilhada pela escola toda, simplesmente o ódio de todos me deixou fraca. Eu dizia coisas horríveis para mim, o mesmo que todos diziam.

"- Sua vadiazinha. - A lâmina é completamente engolida pelo meu pulso. -"

...

Nathan havia entrado no banheiro e me levado as pressas ao hospital mais próximo. Minha mãe disse que fiquei três dias dormindo, o que eu na verdade não acredito.

Em todos os meus pesadelos, quem me salva sempre é Nathan...

- Puta que pariu. De novo não. ACORDA ALICE. - O garoto grita ao meu ouvido.

- Vai se foder, cara. - Entro de uma vez no banheiro.

- Desculpa, senhorita. - Sinto o deboche em sua voz.

- Foda-se.

Tiro meu pijama e minha roupas de baixo, até que percebo que Nathan ainda tá na minha porta me olhando com cara de bunda.

- Você pode sair? - Cruzo os braços.

- Chata. - Sai sem me olhar.

- Que?

°•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°•°

Volto para casa seis horas em ponto.

Recorde.

Eu e meu caro amigo passamos a madrugada dirigindo e comendo pão com manteiga. Na verdade só eu comi já que o mesmo odeia pão.

???????

Vou no banheiro de baixo e tomo um banho rápido, que apenas demora em torno de quinze minutos.

"Rápido."

Corro para meu closet de pobre e procuro uma roupa mais bonitinha nessa caralha.

Pego uma lista que eu havia feito quando Nathan estava falando sobre a faculdade maravilhosa.

Eu cansei desse assunto, mas ok.

Vamos lá:

• Blusa de Frio Preta √

• Calça Jeans no tom claro √

• Bota preta de cano baixo √

• Assessórios para cabelo √

• Corrente de bolso √

Partiu ser uma E - Girl.

Eu nem sou, mas ok.

Depois de ter feito a minha higiene e ter me arrumado eu desço para cozinha para fazer torradas com um suco de laranja.

- Tem almoço na geladeira. - Diz minha mãe terminando de comer seu café da manhã. - É só esquentar. - Assim sai da cozinha as pressas.

Ok, eu acho.

Depois um tempo, escuto uma buzina de carro bem familiar. Pego minha coisas e vou para fora de casa. Avisto Mike acenando para mim e depois apontando o carro. Corro até o mesmo e o abraço.

- A Lisa está puta porque eu esqueci da passar na casa dela. - O mesmo ri de nervoso.

- Então vamos. Nós temos... - Tiro meu celular do bolso e vejo que ainda temos tempo de pegá-la. - O tempo bastante para passar na casa da Lisa.

- Ok, então. - Mike abre a porta do carro para mim. - Lady? - Pergunta todo formal.

- Lady é seu cu. Vamos.

Mike entra no carro e dá partida a casa de Lisa.









•••••••••••••••••••••••••••••°°°°°°°°°•••••••••••••••••••••••••


Notas Finais


Espero que gostem♥️♥️

VOTEM NESSA CARALHA.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...