História Diário de uma adolescente - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias After
Tags Badboy, Escola, Eua, Girl, Hot, Lgbt, Romance, Violencia
Visualizações 1
Palavras 1.475
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Festa, Ficção, Ficção Adolescente, LGBT, Literatura Feminina, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 4 - Um gatinho muito fofo


Faltando alguns minutinhos para chegar a escola, o telefone de Mike toca enquanto nós três conversarmos. O mesmo pega o seu celular e atende já na terceira chamada. Assim que alguém começa a falar no outro lado, o sorriso de Mike desaparece... Dando um semblante de medo e preocupação.

Willians se vira para mim e Lisa quando desliga o telefone.

Ele está se tremendo.

- Daqui para escola falta um minuto. Vocês podem ir?? - Destranca o carro.

- Está tudo bem, cara? - Lisa pergunta confusa.

- Sim, sim, sim, sim. Está tudo... Tudo bem. - Mike embola as palavras totalmente sem jeito.

- Você tem certeza? - Pergunto para o mesmo hesitante.

- Tenho sim, Alice. - Tenta falar com mais calma desta vez.

- Ok, então. Vamos, Lisa. - Chamo a garota no banco de trás enquanto abro a porta.

- Mas... - Eu a interrompo.

- Vamos, Lisa. - Dou um ênfase em "Lisa" quando a mesma decide se fica ou sai. - Vem logo. - A puxo. - Vai logo na frente.

- Ok. Sua grossa. - E sai logo andando.

Assim que a garota está uns dez metros do carro, eu entro novamente e abraço Mike.

- Boa Sorte. - e saio finalmente do carro vou andando em direção a garota dos cabelos cacheados.

Eu queria correr.

Porém eu tenho asma.

:(

••••°°°°••••°°°°••••°°°°••••°°°°••••°°°°••••°°°°••••°°°°••••

Eu acho que sou lerda.

Tipo, para o caralho mesmo.

Estou a sete minutos encarando o grande portão da escola.

Motivo?

Esqueci que tinha levado quatro dias de suspensão por causa do "incidente" com o merda do senhor Carter.

E eu, Alice Jones, não posso voltar para casa já que tenho vizinhas que conta absolutamente tudo da minha vida para minha mãe. O que é um grande cu. E a minha doce mamãe não sabe que eu levei uma suspensão por ter xingado o meu professor de matemática.

Ótimo.

Então eu decido andar um pouco por essas ruas de bosta.

- Você é surda ou se faz? - Retiro meus fones de ouvido para saber de quem é a voz. - Eu estou lhe chamando durante um bom tempo, Alice. - Brittany cruza os braços e demonstra seriedade em seu rosto completamente perfeito.

Na verdade, tudo nela é perfeito.

Brittany tem quase o meu tamanho(alta pra caralho já que eu tenho 1,74.), seus cabelos cacheados, sua pele morena, e seu corpo cheinho.

Iti Malia.

- Eu não tenho culpa, poxa. - Digo arrependida.

- Tudo bem, querida. - Insinua que a frase que ela disse antes foi uma brincadeira. - O que está fazendo do lado de fora?

- Levei uma suspensão de quatro dias. - Antes que Brittany perguntasse o motivo, eu me adiantei. - Eu meio... - Travo. - Meio...

- Meio o que, Alice? - Pergunta já sabendo a resposta.

- Eu meio que xinguei o Júnior...- A garota leva a sua mão até sua cabeça, dando uma batida fraca na testa.

- Nós duas já conversamos, Alice. Nada de xingar quem você tem raiva. - A mesma coloca sua mão na cintura.

- Ele havia fumado!! - Me justifico.

- Ah, bom. Explique. Isso pode. Vem, vamos para o parque?

- E Austin tem parque? - Pergunto curiosa.

- Garota? Moramos na capital do Texas. O que a dama queria? - Pergunta como se eu morasse em uma caverna.

- Vai se foder. - Rio.

- Obrigada, linda.

E assim fomos ao parque mais próximo do lixão... Ops, escola.

Passamos um bom tempo sentadas em uma cadeira de madeira com um mendigo do nosso lado. Inclusive o senhor Batista virou nosso amigo.

Ele é um bom homem.

Nós três compramos sorvete e ficamos conversando sobre a vida.

Descobrimos que o Sr. Batista é morador de rua a 20 anos, pois sua mulher faleceu e deixou a herança para o filho que é um tremendo filho de uma puta. Infelizmente o seu filho o expulsou e agora o mesmo mora no parque de Austin durante 20 anos.

Prometemos passar todos os dias ou um dia sim e um dia não para visitá-lo.

Ele é muito top.

- Tchau, Sr. Batista. - Nós duas diz ao mesmo tempo

- Tchau, garotas. - Diz o velho com sua voz rouca.

- Se eu fosse você, não virava para trás... - Brittany avisa em vão.

E logo me arrependo...

A minha frente está o grande Luke Lee.

Como eu posso definir Luke?

Vamos começar:

• Galinha da escola.

• Quarteback.

• Namora a Amanda, a garota mais desejada. Eca.

• Dizem que fode bem.

• Filhinho de papai.

• Rico para o caralho.

• Forte.

• Hétero. Eca.

• O bonitão.

• Um grande filho da puta.

- Ora, ora, ora. Alice Jones? Você? Aqui? - Finge estar surpreso. - Descobrimos que você xingou o senhor Carter. - Dá um sorrisinho de diversão. - Que menina mal criada. - Diz todo cínico. - Você não era a perfeitinha? Ela não era rapazes? - Seus amigos brancos filhos da puta aparecem logo atrás de mim e Brittany.

Falando em Brittany, ela está cagando para o que está acontecendo.

- O que você quer? - Pergunto já sem paciência.

- Calma, Jones.

- Meu cu, Luke. Diga logo.

- Ok. Vai jogar Lol hoje? Eu te chamo no Discord? - O mesmo deixa sua pose de durão para um menino nerd.

- Espera. - Antes que eu podesse falar, Brittany me interrompe. - Você não diz que ele era um filho da puta? - Me olha confusa.

- E ele é. - Luke se mostra ofendido. - Só quando quer. - Me veio para Lee. - Mas você é um filho da puta e por isso eu vou jogar Lol.

- Ok. Babaca. - Tenta me xingar.

- Foda-se. Eu tenho que ir, seu filho da puta.

- Eu sou o não sou? - Começa a rir.

- É não, coisa fofa. - Chego mais perto e aperto suas bochechas. - Vain xer fofinhoh na pulta ke paliu - Digo com voz de bebê.

- Senhor, isso não acaba não? - Brian pergunta já sem paciência.

- Ok, vamos. Vai ficar Brian? - Luke se vira para Marcos.

- Sim.

- Certo. Vamos. - Assim, Luke e seus amigos vão em direção ao cabeleireiro a nossa frente.

- Vamos fazer o que agora? - Brian pergunta super empolgado.

- Andar? - Dou uma sugestão.

Os dois assente.

Uh.

Um tempo depois decidimos e para casa de Brittany.

Eu e nem Brian queria, mas ok.

- Friends é a melhor série. - Brittany comenta.

- Meu cu arrombado que é! É Glee e foda-se. - Quase dou na cara da mesma.

- OWN MEU DEUS. - Brian solta um grito agudo, assustando nós duas.

- O que foi, seu arrombado? - Brittany grita já puta da vida. Brian aponta para uma coisa peluda na calçada. - Ain, ovulei.

Chego mais perto para saber o que é, e...

Ovulei.

É um gato do pelo branco com uma bola marrom da barriga, bunda, patas... Seu rosto é 80% coberto pela cor preta enquanto suas orelhas são de cores diferentes, a direta é rosa e a esquerda marrom.

Ovulei 2.0

- Ela parece ter uns 5 meses. - Diz Brian.

- É ele. - Abro suas pernas e vejo um pitinho pequeno. - Own, ele tem pau pequeno. Que fofo.

- Eu quero ele. - Assim que Brittany encosta suas mãos no gato eu dou um tapa. - Aí. - A mesma massageia o local.

- Ele é meu. - Pego o gato no braço com muito cuidado. - Vou levar ele lá para minha casa.

- E como você vai se tem vizinhas fofoqueiras? - Brian diz preocupado.

- Foda-se elas. - Pego a jaqueta de Brian e cubro o gato. - Coitado.

- Ok. Você ainda vai para minha casa, Brian?

- Sim. Tchau, Alice. - Brian se despede.

- Byeee. - Aceno cantarolando.

Assim que os dois vira a esquina, eu vou em direção a minha casa totalmente discreta para que as vadias da minhas vizinhas não me vejam.

Entro em casa correndo e subo as escadas com cuidado para não deixar o pobre do gato cair. Entro no meu quarto e o deixo o bixano  no banheiro enquanto eu pego uma roupa leve.

- Vamos tomar um banho, sua delícia?

Tomo um banho rápido e me troco em dois minutos. Pego o gato e coloco na banheira com água rasa e começo a tosagem do meu filho.

Depois de algumas horinhas, o meu delícia já estava cheiroso e fofinho.

QUE GATO MAIS GATO.

- É o Dantin da mamãe. - Dou um beijo no topo da sua cabeça e penso qual vai ser o nome dele.

Já sei.

- Vou chamar você de: Dato dos Reis Evangleysineisson ll.








¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶¶


Notas Finais


Um capítulo pra descontrair mexmu❤️❤️
Aaa


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...