1. Spirit Fanfics >
  2. Diário de Uma Neko >
  3. Dia de N.D.M.A.P.S! - Parte 2

História Diário de Uma Neko - Capítulo 7


Escrita por:


Notas do Autor


Voltei com a segunda parte dos "Melhores Amigos Pra Sempre" skskskksksks
Me desculpem os erros
Espero que gostem :D
Boa leitura! ;)

Capítulo 7 - Dia de N.D.M.A.P.S! - Parte 2


                  Diário de Uma Neko

Como ainda era de manhã cedo, eles passaram na cafeteria preferida de Adora, comendo waffles e brownies enquanto conversavam banalidades. A todo momento, a loira não parava de checar o celular para ver se Catra havia mandado mensagem.

Logo depois foram em um karaokê, onde ela e Cintilante ficaram com os tímpanos doendo por ouvirem Arqueiro cantar, mas nem deram atenção a dor, pois estavam rindo muito para isso.

- A lua me traiu! – ele cantava desafinado. – Acreditei que era pra valer – se jogou de joelhos no chão, soltando “lágrimas” e apontando para Cintilante. – A lua me traiu!

Adora se divertiu bastante, cantando músicas da Katy Parry junto com sua melhor amiga.

Em certo momento, enquanto ria de Arqueiro e Cintilante cantando Animals completamente desafinados, ela olhou para o lado inconcientemente, procurando por alguém, mais especificamente Catra, mas é claro que ela não estava ali.

Não que Arqueiro e Cintilante deixassem a desejar, muito pelo contrário. Mas Catra era sua amiga também, e sentia falta dela durante o período que não a via na semana. A sensação que sentia por ela... Era diferente do que sentia pelos outros dois, pois eles eram seus irmãos de coração, já Catra, além do sentimento de fraternidade - amizade - ,tinha algo a mais que não sabia denominar. Pensando direito naquilo, decisiu que era bom, aquilo era definitivamente bom.

         (.)

Ela estava completamente irritada e entediada. Nunca passava seus tão amados sábados sem Adora. Na verdade nenhum dia ela queria passar sem Adora.

Assim que ela saira, não parou de olhar a porta. Em pleno sábado Adora saiu cedo com amigos? Quando perguntou quem eram, ela não respondeu objetivamente. Também não respondeu quando iria voltar, nem pra onde ia. Certo, não era como se fosse a única pessoa no mundo que podia ser amiga de Adora, mas que ficou incomodada, ficou. O motivo? Nem ela sabia dizer.

Adora era... importante para si. Sentia o coração esquentar toda vez que lembrava da loira resgatando-a de um homem que queria bater nela, antes de levá-la pra sua casa. Sempre foi uma gata arisca e intrusa, então muita gente já tentou maltrata-la. 

 Mas ela não. Tratou-a com carinho e cuidado. Em todos os momentos.

Notou que ela estava sobrecarregada com o serviço e a faculdade, então tentava poupa-la de bagunça e de tristeza, animando-a com piadas ácidas. Apesar de gostar de irrita-la, sabia quando não era o momento certo para isso.

       (.)

Era uma hora da tarde quando saíram do karaokê, quando os três cantaram Lady Gaga por fim. Foram a um restaurante ali perto para almoçarem.

- Adora? Você tá distraída, aconteceu alguma coisa? – Cintilante perguntou em certo momento.

- Ahn, sim, só estou pensando em umas coisas. – disse apenas.

Apesar de querer muito contar, Adora ainda não havia dito que tinha uma gata.

Notando que os dois amigos ficaram desanimados, já que não estavam conseguindo fazer Adora se distrair dos problemas, ela apertou suas mãos por cima da mesa.

- Ei, não se preocupem, eu tô adorando hoje. – falou sincera.

Ela realmente não podia estar mais agradecida pela preocupação dos amigos. Além de que tudo estava na conta de Cintilante – já que sua mãe era rica e gostava de Adora. Mesmo quando insistia para pagar a conta, a outra não deixava.

Algum tempo depois, foram assistir um filme novo de comédia no cinema. A maior comédia que teve nem fora o filme, e sim Arqueiro levando bronca a cada dois minutos porque não parava de rir alto, tirando a parte que quando o filme acabou ele tropeçou e um chiclete grudou em seu cabelo, tendo como conclusão uma choradeira sem fim da parte do moreno por ter que cortar o cabelo.

Foram jogar boliche, onde ficaram um pouco irritados, já que uma criança não parava de fazer birra porque Arqueiro chupava um pirulito e ela queria também, resultando em uma mãe solteira raivosa exigindo outro do mesmo doce para dar ao filho. Eles foram expulsos do lugar quando a mulher chamou os seguranças depois de Cintilante gritar na cara da adulta.

- “Eu vou chamar a polícia.” – Cintilante imitou-a com a voz fina, desgostosa. Haviam acabado de sair de lá.

- “Eu exijo que você dê um pirulito para o meu filho!” – Arqueiro também caçoou, risonho.

- Isso foi muito engraçado. Mas é uma pena que ainda exista muita criança assim, e ainda mais com mães assim, entendem? – Adora disse gesticulando com as mãos.

- Quando eu tiver um filho, vou tentar criar ele de uma forma diferente, pra isso nunca acontecer comigo. – Cintilante disse brava, evitando olhar para Arqueiro.

Adora percebeu, mas não disse nada. Observou Arqueiro ficar um pouco nervoso.

- Ahn – pensou rápido. –, a gente vai no aquário que inauguraram agora, não é? Tô louca pra ver as tartarugas. – disse com entusiasmo tentando aliviar a tensão. Perguntaria sobre aquilo depois.

- Claro, vamos lá!

         (.)

Já era cinco horas da tarde, começou a ficar preocupada. Eram oito horas da manhã quando ela saiu, estava demorando tanto... Não conseguia parar de pensar naquilo.

Havia feito – ou pelo menos tentando – mil coisas para se ocupar e esquecer do pensamento por algum tempo, mas não podia rasgar papel, a única coisa que tinha ali era seu pequeno celular(que Adora comprou somente para ela poder ligar e mandar mensagens), seus brinquedos para gatos(que não gostava) e comer, mas já estava de barriga cheia já.

Então, uma ideia lhe veio a cabeça. Se transformou em humana e começou a futricar nas gavetas e o guarda-roupa de Adora, vai que tinha algo para lhe entreter ali no meio?

Não achou nada. Gastara tempo como humana atoa, que ótimo.

Quando foi colocar tudo no lugar novamente, achou uma pasta grande no fundo de uma das gavetas. Movida pela curiosidade, a abriu, vendo que era um álbum de fotos da própria Adora.

Tinham de todos os jeitos; dormindo, com vestidinhos, tomando banho, banguela, comendo, e mais um monte com poses e idades diferentes.

Notou que atrás de todas as fotos, colocaram sua idade.

Não notando o sorriso crescente no rosto, observou uma em que Adora tinha 18 anos, parecia estar em um campo de flores, sorria bem grande. Estava linda, o sorriso era sincero, o cabelo loiro estava solto, provavelmente deveria estar terminando o ensino médio.

Depois de ver todas as fotos, não percebeu quando deixou de devolver a foto específica, e guardou-a para si.

        (.)

Após o aquário, lancharam em um fast food.

- O que tá rolando? – perguntou para Cintilante, direta. Arqueiro tinha ido ao banheiro.

- Como?

- Notei a tensão entre vocês dois, e eu sei que não foi pelo beijo. – respondeu.

Se lembrou de uma semana atrás, quando a amiga ligou doida para contar que o moreno havia lhe beijado, dois minutos depois de encerrar a ligação, Arqueiro fez o mesmo.

- Não aconteceu nada. – a outra disse, não olhando-a nos olhos.

Ela não acreditava naquilo. Conhecia os dois desde os quinze anos, sabia lê-los como a palma de sua mão.

Abrindo a boca para concretizar seus pensamentos, se interrompeu quando Arqueiro voltou do banheiro. Fez um sinal de que falariam sobre  depois.

Não deixaria ficar por aquilo.

[...]

Se despedindo com um abraço carinhoso em grupo, Adora agradeceu várias vezes aos amigos por se preocuparem com ela daquele jeito e pelo dia maravilhoso.

 Pensava seriamente em apresentar Cintilante e Arqueiro para Catra, eles iriam adora-la. 

Assim que pisou no primeiro degrau da escada do primeiro andar, sentiu o coração bater mais rápido e as mãos suarem de ansiedade, ficando daquele jeito agonizante até parar em sua porta. Hesitou quando ergueu a mão com sua chave para abri-la.

Ficou com a cabeça nela o dia inteiro, estava morrendo de saudades da morena, asúnica coisa que queria no momento era abraça-la.

Quase caiu ao sentir Catra se jogar sobre ela como humana assim que entrou no apartamento.

- Oi! – Adora exclamou rindo a abraçando de volta. Ela tinha cheiro de café.

Se afastando, a morena lhe encarou feliz, mas logo a apertou de novo.

- Senti sua falta. – sussurrou no ouvido da loira, corando.

Surpresa, Adora demorou a reagir.

- Eu também senti a sua.   


Notas Finais


Adora: não pode rasgar papel
Catra automaticamente: nada pra fazer
O que vocês acharam do dia de folga da nossa loirinha? Cintilante e Arqueiro são ótimos amigos :D
Aliás, o que acharam desse rolo dos dois? rs
Catra e Adora tão começando a notar que estão gamadas FINALMENTE

Volto antes de sexta, beijão! :^ ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...