História Dias de Vilã - Capítulo 6


Escrita por:


Notas do Autor


Enjoy :3

Capítulo 6 - Encontros e desencontros?


Fanfic / Fanfiction Dias de Vilã - Capítulo 6 - Encontros e desencontros?

Chegamos tranquilos na escola, muitas pessoas me olhando torto e falando merda por causa do curativo na testa, super normal. A escola estava normal... Até a pequena multidão revoltada na porta da diretoria era normal.

-Ei! – Chamei a atenção de uma menina que só faltou dar um pulo de medo. –O que está acontecendo ali? – Apontei para o local.

-Parece que uma professora suspendeu a metade da turma por causa de outro aluno. Agora está todo mundo revoltado. É tudo que eu sei. - Juro que nessa hora só faltou ela dize um: "não me mata, por favor..." Eu consegui conter a risada e só...

-Ok... Muito obrigada. – Dou um sorriso que a deixa meio corada e ela segue seu caminho plenamente.

-O que é que você tem, Cognac? – Perguntou Eike.

-Como assim? – Arqueio a sobrancelha.

-Você simplesmente conquista todos da escola com um simples sorriso.

-Deve ser o poder do protagonismo... - Mentira eu não respondi isso! -Sei lá, vai que eu sou bonita mesmo.

Claramente eu não podia me contentar com a curta história da menina bonita, então depois eu falo com algum aluno da sala, aí tenho respostas melhores (me perdoem, mas eu sou muito curiosa e talvez até um pouco metida nos assuntos dos outros). Eu, Jasmin e Eike nos separamos e fomos cada um para suas devidas salas. Tivemos nossas respectivas aulas e essas coisas chatas, sério quem é que quer te ver em uma sala de aula, durante um filme, livro ou sei lá o que fazendo um monte de nada? Acho algumas dessas partes de sala de aula desinteressantes então não vou falar delas.

No primeiro intervalo, eu estava passando pela diretoria quando vi um outro menino daquela revolta ali perto, perguntei o que aconteceu pra ter aquela treta toda (com detalhes, por favor) e ele me respondeu que uma certa professora tinha passado uma apresentação de trabalho, tinha reservado sala de vídeo-conferencia e tudo. Já em cima da apresentação, sem avisar nada ela desmarcou a sala, outro professor marcou pra sua devida turma e todo mundo ficou irado com isso, já que todos os ensaios estavam feitos, estava tudo organizado bem bonitinho, só faltou a galera enfeitar a sala de tão planejado que estava, com isso a foi passada uma vergonha com a turma invadindo uma apresentação aleatória. E a turma ficou lá... Sem explicação... Só que como ainda existia uma ponta de educação da parte dos alunos, o representante foi resolver tudo com a professora  e ela fez a louca dizendo que não sabia de nada. Então num encontro de amigos que a turma teve, eles começaram a meter o pau na respectiva professora (com as palavras, claro, e sem ela estar por perto... Coisa de aluno adolescente revoltado mesmo) aí um filho da puta aleatório da turma gravou tudo e mostrou para a professora... 

-Espera aí... Mas que vagabundo. – Comento.

Depois disso a turma já concordou em não chamar ele pra nada e grande parte já não fala mais com ele… Boatos de que o mesmo fez isso, pois vai se mandar da escola no próximo ano. Enfim... A professora, revoltada com a situação, mete o processo em cima de todos aqueles que falaram mal dela e suspende a turma, exceto o carinha lá que dedurou todo mundo. E agora estamos aqui... 

-Nunca escutei história tão louca… -

“E olhe que eu nunca escutei mesmo... Tem certeza que você vai poder publicar isso sem tomar processo também?”

"Eu acho que não tem problema eu publicar a história sem revelar o nome de ninguém. Continue..."

-Eu não acredito que uma pessoa da sala de vocês... Um “amigo” faria tal coisa. – Respondo.

-Nós já tínhamos suspeitas... Ele sempre foi o mais próximo da professora que da turma. Parece que nós confiamos demais... 

-E você disse que a própria se fez de vítima. 

-Exato! Ela acusou o cara de tentar agredir ela! Mas por favor, né? Um magrelo que tem até pena de pisar nas formigas? Impossível! Eu fico muito revoltado, pois nós tínhamos as provas de tudo que nos deixava inocentes na história, já que o representante gravou todo o diálogo que teve com a professora e mostrou para a classe, mas sumiu tudo! – Ele fala revirando os olhos.

-E quem será que fez isso hein? – Pergunto ironicamente. 

Passei um tempo conversando com o menino (que era do 2º ano) e retornei para a sala, um pouquinho atrasada, como se nada tivesse acontecido. O professor me olhou com uma cara feia, mas eu não estava nem aí. Assim que eu sentei na minha cadeira o professor já mandou uma pergunta do caralho. E como eu sou a protagonista (Brincadeira!) já tinha pesquisado sobre o assunto, respondi corretamente fazendo ele não falar mais comigo durante o resto da aula. 

No fim das aulas veio uma multidão pra cima de mim perguntar o que aconteceu na outra turma, pois eles só iam falar comigo quando precisavam de alguma coisa, mas eu taquei um foda-se em todos eles e corri pra biblioteca com Jasmin e Eike para conversarmos os babados do TCC e da vida (hehe). No fim do dia voltei pra casa sozinha. Bom... Eu já tinha dito ao grupinho que voltaria sozinha hoje e eles disseram que estava tudo bem, exceto minha fada protetora. Depois de um longo interrogatório de Ivana eu consegui voltar para casa.

Chegar em casa e não ver aquela vagabundinha sentada no sofá frescando, me enche de determinação!

Bom... Elas não foram embora ainda, mas as duas viviam fora pra ver os apartamentos e essas coisas aí. Elas também pararam de comer em aqui, por medo da assassina desequilibrada... Quem será? Pelo menos não terei que me preocupar com as madames me infernizando.

Agora que estou praticamente morando na escola, chego em casa às 18h, tomo um banho, boto uma roupa de dormir básica, janto e vou pra cama procrastinar, eu tinha previsto fazer  trabalhos, mas parece que teria que fazer no outro dia em uns 5 minutos. Prestes a dormir, eu recebi uma chamada, digamos que, inesperada.

-Boa noite dona… - Ouço a voz da maravilhosa.

-Boa noite criança...

Ficamos um bom tempo conversando e fomos dormir era umas 2h? Sim. Eram duas horas. Péssima escolha... No outro dia eu acordei às 8h, claramente atrasada para as duas primeiras aulas. Me arrumei em uns 4 minutos e corri para a escola. Só que pra minha surpresa estava chovendo, meu pai estava trabalhando e eu não dirigia. Peguei um guarda-chuva sem ponta, pra não tomar raio (também para descer escadas… Se é que me entende...).  

Cheguei na escola... Eu estava ensopada... Pelo menos não tinha ninguém pelos corredores me olhando, fofocando ou sei lá o que... 

-Bom dia Cognac... 

-Olha não enche... Bianca? – Eu simplesmente não acreditei quando vi a praga na escola. Completamente vestida de preto, com roupas pesadas e a típica maquiagem exagerada que ela sempre usou, não é atoa que minha mãe a chamava carinhosamente de panda. -O que você está fazendo aqui? Na escola e no Brasil? – Perguntei.

-Fui chamada para substituir uma professora de português que teve bebê ou coisa do tipo. Vou aproveitar a oportunidade para falar com uns adolescentes e ter ideias para escrever. – Ela fala com aquele sorrisão dela.

Mas esperem! Não sabem quem é Bianca? É uma escritora, viajante em busca de histórias. Ela começou cedo escrevendo fanfics e ao terminar a faculdade de letras foi embora do Brasil. Eu admiro muito essa mulher, uma maluca que viaja pelo mundo e ganha a vida escrevendo livros de sucesso, só no Brasil, claro. Enfim... Ela é minha prima. Meu pai, tradicionalmente brasileiro, é irmão da mãe dela, outra professora de português que vive no Canadá (são só detalhes que eu vejo como desnecessários, não é mesmo autora?). Desde pequena eu admiro Bianca. Quando nasci à mesma tinha 24 anos, ainda morava no Brasil e tinha começado sua viagem pelo mundo. Mas enfim.

-Não quer umas roupas emprestadas? Você tá bem ensopada...

-Eu agradeço. Mas eu estou atrasada.

-Minha próxima aula é na sua sala, então tudo bem. Vamos. 

Ela pega umas roupas em seu armário, leva para o banheiro e diz que iria me esperar na sala. Só pra não passar em branco, as roupas eram uma blusa de lã cinza, uma calça jeans preta e botas de couro, também pretas. Eu gostava daquele estilo meio louco dela, louco até demais pra ela usar as mesmas roupas seja em um dia frio ou em um calor de 30 c.

Entrei na sala e Bianca já estava se apresentando para os alunos...

-Então né... Meu nome é Bianca Silva, serei professora substituta de português. Eu sou bem velha, mas essa é minha primeira aula pra um bando de jovens adultos como vocês. Podem acreditar, sou um amor de pessoa, porém tenho certeza que vocês não vão querer ver meu lado ruim... Ele não é muito bonito. Gosto de conversar, mas maneirem, por favor. Eu odeio barulho, tenho um sério problema com lugares fechados e barulhentos... Eu sei que sou bem doidinha, tenho sérios problemas, e que com tudo isso não deveria ser professora. Mas quem não gosta de um desafio? Bom… Não sei porquê, mas achei super necessário dar essas informações além da ementa anual. – Ela sorri e todos parece estar na onda dela... -Enfim minha gente. Eu dei uma olhada nos assuntos que a Amanda (antiga professora) passou e vamos iniciar essa aula revisando tudo isso de um jeito bem... Diferente...

Ela é mesmo maluca... Começou a dinâmica de boas, todo mundo parecia estar hipnotizado por aquela mulher. E foi assim que os terceiros anos aprenderam português...

 No fim da aula fui para o refeitório e pra minha felicidade hoje tinha bolo (como eu amava o bolo daquela escola...). 

-A nova professora é bem louca. – Chega Jasmin falando.

-É... Ela é minha prima... – Respondo colocando um pedaço de bolo na minha boca. 

-Tá explicado... Vocês tem uma certa semelhança.

-Eu tentava imitar ela quando era criança. Era constrangedor. E passei uma parte da minha adolescência tendo aquele estilo trevoso dela... Credo. – Lembrei daquela criança problemática que eu era... Ainda sou... Só que pior.

-Falando nela. Oi Bianca. – Cumprimenta Jasmin.

-Oi... Jeniffer... Jessica... Jasmin! – Ela responde. –Nunca fui boa em aprender nomes, desde a escola mesmo. Mas o papo agora é com a Cognac. Quer carona pra casa hoje? 

-O que é isso? Quer me sequestrar? – Olho pra ela irônica.

-Se eu fosse fazer isso, você morria no primeiro dia. Eu não ia te suportar. Mas quero passar na sua casa, ver a família, sabe? – Ela sorri mais irônica ainda.

-Tô sabendo... E como meu pai vai ficar feliz de ver a sobrinha de volta em casa... – Reviro os olhos.

-Fica com ciúmes não, priminha. Ele também te ama. Mas agora eu tenho que ir, anjo. Te vejo mais tarde. – Ela aperta minha bochecha e sai com todos olhando em volta. Nossa família já chama atenção de cara. Tinha que ser um bando de gigantes.

-Que bela relação familiar... Ela é louca que nem você! – Jasmin sorri.

-Tenho certeza que eu sou pior. – Não deixo de retribuir o sorriso.

O dia continuou chuvoso e eu voltei pra casa de moto com Bianca. Péssima ideia... Se não fosse por umas capas de chuva que ela tinha, teríamos chegado mais encharcadas ainda em casa. Ela entrou, meu pai a reconheceu na hora e já deu um abração nela, falando que ela tinha crescido e coisas do tipo. Como Bianca perdeu o pai muito cedo, meu pai (que tem quase a idade dela) meio que assumiu esse papel até eu nascer.

Não queria chegar a falar tanto nesse assunto, mas estão me obrigando a fazer isso (Não vocês. A maldita da escritora). Também não sei se ficaram curiosos com a idade da moça, mas ela tem 41 anos, sim! Quando ela nasceu meu pai tinha 10 anos e assim eles viveram muito felizes como tio precoce e a sobrinhazinha. Porém, quando meu pai tinha 20 anos ela tinha 10 e ele meio que fazia trabalho de babá pra ela. Ele a viu crescer, foi em sua formatura e um ano depois eu nasci.

As vezes ela vinha aqui em casa nos visitar, e cara, eu simplesmente amava! Aos 10 anos eu peguei aquele estilo das trevas que ela tinha e cheguei até a ser maquiada pela própria. Esse dia foi bem louco... Aos 12 meus pais se divorciaram, e aos 13 me mudei para o Brasil, o que mudou minha vida das maneiras mais loucas possíveis. Principalmente por causa de um detalhe… Aquele maldito detalhe...

Finalmente vocês vão ver o primeiro cara que eu amei... E que odiei.

 


Notas Finais


irru! Esse provavelmente foi o cap mais longo, demorado e confuso que eu escrevi... Espero que consigam entender o babado e aproveitem a historia...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...