1. Spirit Fanfics >
  2. Dias Sangrentos >
  3. Migalhas

História Dias Sangrentos - Capítulo 84


Escrita por: e dubid8


Capítulo 84 - Migalhas


Fanfic / Fanfiction Dias Sangrentos - Capítulo 84 - Migalhas

Wellyton: Então o lugar é esse? – ele disse analisando o shopping de cima abaixo

Joel: É, foi aqui que a gente veio. Pronto?

Wellyton: Se eu dissesse que estava estaria mentindo, vamos lá

Wellyton chutou algumas tábuas de madeira que estavam tampando o buraco por onde Maycon e Joel passaram da última vez, foram cerca de três chutes, mas todos com uma força concentrada nos pés, a madeira caiu

Joel: Presta atenção – ele disse segurando a sua lanterna e indo na frente – essa gente gosta de atirar sem aviso prévio

Wellyton: As pessoas atiram sem aviso prévio desde que tudo começou, não é novidade

Joel: De todo jeito, tome cuidado                                                                 

Ambos entraram no edifício, dessa vez o silêncio que pairava ali dentro era tão agudo que chegava a fazer barulho, se esgueiraram por entre as cobertas de algumas longes e se correram agachados até chegarem a uma grande parede vermelha, onde pararam um pouco, mas mantendo os olhos vidrados em todo lugar

Joel: Eu posso te mostrar o que eu vi, haviam alguns zumbis vestidos com a roupa amarela que te interessa tanto, mas acho que só isso

Wellyton: Não vai ser o bastante Joel, precisamos falar com essa galera que te ameaçou da última vez, não acha uma boa ideia?

Joel: Péssima ideia! Quase me mataram e tiraram a vida da Clara e da Ísis, desculpe se a hipérbole for grande, mas acho que estamos perdendo tempo aqui dentro

Wellyton deu um sorriso e apontou para o lado esquerdo de Joel com o dedo indicador

Wellyton: Não, eu acho que não

-Mãos ao alto! – disse uma voz feminina que ecoava em meio à escuridão diurna do lugar – já mandamos vocês irem embora daqui antes, tenho certeza disso, minha memória não é tão ruim assim, por que voltaram?

Joel: Precisamos voltar

-Que seja, não vamos ter piedade dessa vez, não respeitaram nosso espaço, vagabundos – Wellyton olhou que a mulher estava prestes a puxar o gatilho, e Joel estava deslizando seus dedos suavemente pela lateral da calça jeans afim de alcançar o coldre do seu velho calibre trinta e oito, um dos dois sairia na melhor, mas se nada fosse feito, haveria derramamento de sangue

Wellyton: Espere!

A moça olhou para Wellyton

-O que foi?

Ele pegou a arma de Joel do coldre

Joel: Você não tá fazendo isso – Wellyton sussurrou para ele manter a calma – puta merda

Wellyton: Confia em mim, não vamos trocar balas, não agora

Em seguida ele puxou sua espada da bainha e a jogou no chão, para chutar para perto da mulher das sombras, fez o mesmo com o calibre trinta e oito

Wellyton: Sei que não devíamos ter voltado, confesso que deve ser bem ruim ser atrapalhados assim por gente desconhecida, mas não vamos tomar muito do tempo de vocês, então por favor

-Desembucha! – ela gritou, com uma voz sedenta por desordem, Jesus, aquela mulher tinha um parafuso a menos na cabeça

Wellyton: Queremos falar com seu líder, viemos aqui pra isso

-O que querem com ele?

Joel: Isso cabe entre nós e ele, não acha?

-Fica quieto

Joel franziu o cenho, mas não disse nada

Wellyton: Por favor

A mulher bufou, mas talvez não tivesse a coragem suficiente para atirar em duas pessoas que se renderam, e estavam desarmadas ainda, boa estratégia

-Sigam-me

Ela andou pelos corredores frívolos e inóspitos, os dois a seguiram com receio, mas era o que precisavam fazer, atravessaram uma loja de roupas e outra de esportes. Chegaram a outro corredor do velho estabelecimento comercial, e conforme andavam, percebiam uma coisa, quem quer que fosse o líder daquele lugar, liderava muito bem, os vidros de praticamente todas as lojas estavam quebrados, haviam espécies de rotas e entradas e saídas por todos os lugares do shopping, era como se eles tivessem um jeito de pegar um atalho ou fugir sempre, independente de onde estivessem

Joel: Do que vocês tem medo?

-Por que essa pergunta do nada?

Joel: Não dá pra deixar de notar as frestas visíveis por todos os cantos daqui

-Vocês também teriam medo, se soubessem o que a gente passou

Joel: Temos os nossos motivos para ter medo

-Então deviam ter motivos para ter mais medo ainda

Eles pararam em frente a uma loja de automóveis, os carros estavam perfeitamente alinhados, formando um corredor retilíneo que levava até uma porta de ferro, no fim desse corredor

-Ele está além da porta, não encham muito o saco do chefe

Ela disse estas palavras e voltou a sumir, por entre as frestas e corredores do lugar

Wellyton: Ok, é a nossa deixa

Os dois foram andando pelo corredor lentamente, levaram mais tempo do que o esperado, uma pessoa andando em condições normais levaria menos tempo para chegar até onde aquela porta estava, mas eles não tinham a mínima pressa naquele momento, na verdade estavam cautelosos até demais, ao chegarem perto da porta, Joel bateu, três vezes, e em seguida Wellyton girou a maçaneta

Wellyton: Com licença, estamos entrando

Haviam dois homens na sala, um sentado em uma cadeira e escrevendo algo em um caderno, apoiando-o nas pernas, e outro, sentado na mesa principal (pelo menos aparentava ser) ao fim da sala

-Quem são vocês? – disse o do caderno

Joel: Quem de vocês é o líder?

-Eu me lembro de você – disse o da mesa central, ele se levantou bruscamente, enquanto olhava para Joel – disse para irem embora da última vez não disse? Voltaram por qual motivo? E é bom que seja convincente

-Calma Douglas

Douglas: Tô calmo Nick, só tô querendo agilizar as coisas, mas deixe que eu resolvo isso, não se meta

Nick: Ok

Wellyton: Estou procurando ajuda, informações que possam ser úteis a gente

Douglas: Trabalham para quem?

Wellyton: Para ninguém, não temos esse tipo de relação, é uma ajuda mútua no meu povo, ninguém é forçado a nada

Joel deu uma cotovelada de leve em Wellyton, como para alertar que ele estava falando demais

Wellyton: Por que usam essas roupas amarelas?

Douglas: Se arriscaram tanto para chegarem até mim e perguntar porque eu me visto desse jeito? Sumam

Wellyton: Espera! A Chloe, conhece ela?

Douglas pareceu surpreso, e Nick parou de escrever

Douglas: Como você conhece ela?

Wellyton: Conhecemos depois que derrubamos a Potência Sangria, libertamos ela e o pessoal dela, usavam as mesmas roupas que vocês, e eu quero saber o porquê

Douglas: Sentem-se – ele disse puxando a cadeira que estava antes e Wellyton e Joel atenderam ao pedido do homem

Joel: Conhecia ela de onde?

Douglas: Ela é minha prima, saber que ela está de fato viva chega a ser uma surpresa, mas pode ser só um blefe

Wellyton: Cruzaríamos estradas para vir até aqui e ser um blefe?

Douglas: Não duvido de nada

Joel: Não duvide da gente

Wellyton: Sabe Douglas, a razão está do seu lado, não viemos até aqui atrás de saber porque vocês usam essas roupas, não apenas isso, o que nos interessa é saber quem colocou essa roupa em vocês, usam códigos de identificação não é? Vocês vieram da Ordem?

Douglas ficou estagnado por alguns segundos, até que recobrou sua atenção no assunto

Douglas: Ordem... é... viemos de lá. Eles tem esse sistema de prisioneiros, bastante avançado até, as pessoas são identificadas por códigos numéricos e uma letra, fugimos de lá te, algum tempo. O shopping é a nossa casa, mas não sabia que eram vocês que tinham derrubado a Potência Sangria

Joel: Qual foi o impacto disso?

Douglas: O maior que vocês puderem imaginar, os legionários ficaram furiosos, os guardas cerravam os dentes e cuspiam fogo. Estão querendo trucidar vocês até os ossos

Wellyton: Fizemos o que fizemos porque foi necessário

Douglas: Não me importa as suas razões, mas porque querem saber da Ordem?

Wellyton: Porque ela está atrás de nós ao que parece, como eu disse, temos uma comunidade, alguns dos nossos sumiram, outros foram mortos

Joel: Dizimaram uma massa de gente boa, nossa gente, um tal de Xavier

Douglas: Não é flor que se cheira

Joel: Ninguém tá cheirando muito bem ultimamente

Wellyton: De toda forma, viemos pedir ajuda pra vocês, precisamos dar um jeito de destruir a Ordem

Douglas começou a rir, feito um louco, gargalhadas alta mesmo

Wellyton: Eu fui engraçado?

Douglas: Não vão destruir a Ordem, caolho, não vão chegar nem perto disso. Tem noção do quanto de gente ele tem? Estamos falando de uma força paramilitar do fim dos tempos, aquela gente tem poder o bastante para expandir suas fronteiras até onde Deus deixar

Wellyton: Mas tem que ter uma chance, precisamos da ajuda de vocês

Douglas: Não vou colocar o meu na reta pelo de vocês, nem o do meu pessoal

Joel: Ok então prisioneiro, apenas nos diga, tem um jeito de entrar lá?

Douglas: Se o plano for bem arquitetado sim, não acho difícil atravessar os muros, voltar que é o problema

Wellyton: Que seja então, uma chance num milhão é melhor que nenhuma chance

Douglas: Nick, anote as coordenadas

Nick ficou escrevendo uns números nos papéis e assim que terminou entregou para Douglas

Douglas: Toma – ele disse dando o papel para Wellyton – podemos ajudar vocês a chegarem lá, mas o resto é com vocês, então, vão logo

Joel: Obrigado

Os dois se levantaram da cadeira e foram em direção à porta

Douglas: Esperem!

Joel parou, Wellyton também

Douglas: Tem alguma noção de onde a Chloe e o resto possam estar?

Wellyton: Gostaríamos de saber

Wellyton abriu a porta e saiu, Joel também. Mas tinha algo errado naqueles dois, apesar da incerteza em relação a eles, Douglas sentia que as coisas mudariam, lá no fundo

Douglas: O que acha disso Nicolas?

Nick: Não sei, eu só anoto as coisas

Douglas: Estou falando sério

Nick: O líder é você Douglas

Douglas deu uma respirada forte

Douglas: Ah, eu deveria ter matado eles quando eu estava no andaime, facilitaria as coisas

Nick: Mas não matou, e agora já era, eles vão fazer bagunça

Douglas ficou calado, arrependido pela sua falta de pulso na situação que decorrera, mas lá no fundo também, ele estava torcendo, para que desse certo, seja lá o que os dois estrangeiros fossem fazer

Nick: Fica esperto só, porque o que eles fizerem em relação à Ordem, vai nos afetar também

Douglas: Eu sei Nicolas, eu sei

 

 

 

 

 

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...