História Direto do Céu - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Fairy Tail
Personagens Erza Scarlet, Gajeel Redfox, Gray Fullbuster, Juvia Lockser, Levy McGarden, Lucy Heartfilia, Natsu Dragneel
Tags Anjos, Fairy Tail, Gruvia, Nalu, Romance, Tragedia
Visualizações 78
Palavras 1.215
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Misticismo, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


olá galera! espero que gostem do primeiro cap da minha fic
que fique claro que este é como um epílogo, curto e além disso, os personagens, as dúvidas, enfim... tudo ainda será desenvolvido! espero que gostem. o/

Capítulo 1 - A primeira caída


Juvia o olhou espantada — Natsu... mal posso acreditar! Você finalmente as despertou! — sorria, muito orgulhosa de seu amigo.

— E-Eu... Nem sei o que dizer. — a olhava desacreditado.

Juvia levantou-se e foi até as costas do amigo. Passou docemente as mãos, sentindo uma textura diferente do que já conhecia. Claramente diferentes das suas. Bom, ela possuía outras paixões. Natsu era... estranho. Quer dizer, que anjo guardião desperta suas asas nos dias finais de sua graduação?

Está certo que, abobado do jeito que é, fica difícil encontrar uma vocação. Mas o sonho de Natsu sempre foi ir a Terra. Ele queria conhecer os humanos, vê-los e tirar a prova tudo que ouvia de todos os deuses. Era fato que ele não acreditava em tudo. Digo, por que diabos os humanos reclamam do Sol? O Sol era seu parente e ele o achava incrível.

É claro que as minhas são melhores! — exclamou a azulada, se gabando — Afinal, a cor é muito melhor. — disse ao exibir suas lindas asas brancas com pontas degrade azuis claras. — Rosa é muito chamativo, não concorda?

— Ei! Não fui eu que escolhi. — puxou uma das plumas — Tem um pouco de laranja também... – murmurou.

Mal apareceram e ele já está as arrancando... — pensa a garota, balançando a cabeça. — Bom... mudando de assunto, está estudando para as provas finais? — sentou-se e passou a balançar as pernas sob as nuvens brancas que estavam iluminadas pelo pôr-do-sol.

Natsu abriu um sorriso — Você não vai acreditar, mas claro que sim! Preciso descer a Terra logo. Não aguento mais de tanta curiosidade. Você acredita que Apolo veio me provocar de novo? Não entendo o porquê dos humanos acreditarem em deuses tão bestas.

— Ne... se tivesse estudando saberia que tudo que eles acreditam vira realidade. — disse rindo.

— Claro que eu sei disso! — exclamou, vermelho — Mas ainda é difícil acreditar... — levantou-se, nervoso. O vento batia forte em suas costas. Os cabelos azuis da amiga voavam.  

Mal posso acreditar” é o pensamento que mais circulava a mente do rapaz. Ele não lembrava quem era antes de chegar onde estava. Tudo que sabe é o que lhe contaram. Não é como se o Todo Poderoso passasse a vida pré-morte num telão quando você chega lá. É como se tudo fosse uma grande experiência científica. Lúcifer, por exemplo, nem se quer é de todo mal assim. E, assim como todos os outros, apenas existe porque há quem acredite.

Como ele estava ali, afinal de contas? É impossível oferecer uma resposta coerente. De qualquer forma, assim que ele descobrir, descobriremos também.

Apesar dos apesares, ele achava tudo muito lindo no palácio onde vivia. Mas a sua paixão sempre fora a Terra e seus mistérios. Decidiu se tornar um guardião pois acredita que ao descer seria capaz de descobrir sobre sua antiga vida. Bom, foi isso que Thor lhe disse, mas cá entre nós, Thor não é das melhores fontes. Contudo, o rosado também não é dos mais espertos.  

— Bom, Juvi, estou indo. Preciso me preparar para o grande dia. — deu um abraço na amiga e se virou.

— Natsu! Só uma coisa — chamou — As suas... são iguais as do seu irmão.

Natsu sorriu — Fico feliz. Sayonara, Juvi! – e se foi.

Na verdade, não ficou tão feliz assim.

Passou-se alguns dias e Natsu estava pronto. Guardou suas assas nas costas e aprontou-se como um verdadeiro guardião. Vestiu uma roupa social e confortável juntamente com o anel mágico. Ajeitou os cabelos rosa e, sorrindo, estalou os dedos. Em um segundo, estava na casa de Amaterasu, pronto para se formar.

Um local dourado e extremamente apropriado. Os quase-guardiões se sentiam deslocados ali. O local dava eco e quanto mais todos se pronunciavam mais Natsu sentia dor de cabeça. A ansiedade estava o matando. Mais vezes do que Amaterasu tentou lhe matar. Só de pensar o quanto ele sofreu em suas mãos, lhe dá calafrios.

— Será que Ama-sama pegará leve com a gente durante a formação? — indagou Gajeel — Eu não aguentaria um dia sequer a mais nas mãos dela...

Natsu engoliu seco — Imagina eu, que reprovei ano passado.

— Você foi um idiota, cara! Se não sabia qual caminho seguir podia ter esperado.

— Bom, eu paguei pra ver. Pelo menos agora já sei por onde ir — sorriu, animado.

Gajeel suspirou — Seguindo as falas de Thor, acho difícil... — pensou — Bom, espero que dê tudo certo pra você. Não quebre nenhuma regra! Seu cabeçudo... — o abraçou pelos ombros — Se é que você lembra de alguma.

Os dedos de Natsu começaram a suar frio quando Amaterasu se pôs sobre o piso dourado. Bom, pelo menos, linda ela, com certeza, era. Seus olhos passaram a encarar com cuidado cada anjo naquele lugar, observando-os e avaliando-os desde sempre. Sorriu ao pronunciar “Tadaima” e pôde ouvir um “Okaeri” em uníssono pela multidão.

Após todo o seu discurso, ousou repetir tudo aquilo que dizia desde o início: “As regras são as mesmas. Repetirei as mais importantes: O humano não deve ter conhecimento sobre de onde você vem, seu nome, etc. Conversas são restritas para a proteção de ambas espécies. Jamais voar na terra sem estar invisível. Não vigiar o humano, apareçam somente quando ele precisar ou chamar por você, claro, sempre invisível. Jamais manter qualquer relacionamento com o humano, seja de amizade ou de romance. Entre todas as outras. Aquele que quebrar as regras, tenha em mente que o seu destino será junto de Hades e Hell. E garanto que eles são bem piores que eu. Além de ter suas asas arrancadas. E todo o destino cruel que já conhecem. Preciso repetir?” mais uma vez? Não, obrigado. Todos disseram que não em desespero uníssono. É óbvio. “Maiores dúvidas perguntem a Lúcifer.”

Após levantarem seus certificados de guardiões, todos foram conduzidos até certas nuvens, estas que representavam cada país e possuíam seus respectivos painéis, onde foi mostrado o local, o idioma, o nome e tudo que cada guardião precisava saber de seu primeiro humano.

Juvia saltitava — Natsu-san! Mal acredito que nós estamos no mesmo local. Olhe o meu humano — projetou a foto pelo anel em seu polegar — Ele não é lindo? — suspirava encantada.

— Juvia não se esqueça que não podemos de forma alguma nos envolver com humanos! — disse, dando leves batidinhas na cabeça da amiga.

— Humpf... Eu sei — bufou. — Ele mora no Japão. Mas está atualmente em Hong Kong. Posso ver o seu?

Natsu projetou a foto para que Juvia pudesse avaliar — Ela também mora no Japão. Mas está por lá mesmo — riu

Juvia sorriu maliciosamente — Hum, Natsu-san deu sorte!

— N-Não fale assim, Juvia...

— Bom, isso significa que ainda nos veremos de alguma forma! — pulou nos braços do amigo, o assustando e abraçando com força — Vou sentir saudades de você, rosinha! Vê se não cai no seu primeiro pulo.

Natsu riu — Pare de me sacanear. Você também não é das mais experientes.

— Pelo menos mais que você! — acenou enquanto caminhava até a borda da nuvem branca — Até a próxima. — disse, e então se jogou de costas no infinito da atmosfera, com o objetivo de chegar ao seu humano.

Natsu caminhou até a borda. Porém, antes de pular, deu uma bela olhada na sua humana, para se lembrar do rosto dela quando for a procurar.

Bom, apenas espero que eu não caia e morra antes de tudo acontecer” pensava, olhando para baixo.

— Lucy Heartfilia... estou indo. — disse, e se jogou.


Notas Finais


desculpem alguns errinhos, escrevi sem óculos kkkkkk espero que tenham gostado!!
por favor favoritem e comentem o que acharam para me ajudar! até o próximo!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...