1. Spirit Fanfics >
  2. Dive in >
  3. Único

História Dive in - Capítulo 1


Escrita por: sadisten

Notas do Autor


eu tava ouvindo dive in e pensei no chan comendo o Hyunjin no carro k
mas vou fazer um extra na piscina/banheira pra fazer sentindo com o título apesar de o *molhado* ser outro rs

eu ate faria uma capa melhor mas fodasse ne hwang hyunjin suado eh melhor

sem avisos hoje, apenas: Hyunjin de calcinha.

Capítulo 1 - Único


I'm about to dive in
Baby boy hold your breath
We about to get so wet
Swimming in your body, let me dive in
You know ain't no running 'round this pool
Going under just for you
Baby you, watch me stroke







Jisung daria uma festa para comemorar os dois anos de namoro com Minho — contando desde a última vez que eles terminaram e voltaram — e o tema era Mocinha x Bad Boy. 


A ideia era simples: ou você ia de jaqueta de couro, ou de roupinha fofa. Eu cheguei aqui com um moletom branco e uma calça jeans preta normal, mas tinha uma maquiagem rosada no rosto. Quando Jisung me viu ele quase teve uma parada cardíaca antes de dizer que estava brega e me puxar para o quarto dele. Ele me entregou uma caixa e nela havia uma saia rosa e uma calcinha de renda. 


— Que porra!?


— Usa, Hyunjin. Aposto que hoje o Chan não vai te ignorar. — Para ele dizer algo assim, é porque ele tinha uma informação que eu não tinha. — Ouvi uma conversa dele com Minho, ele disse que gosta de femboys. 


E foi assim que ele me fez vestir aquilo. Quando saí do quarto a primeira coisa que fiz foi beber alguns drinks, incluindo shots de tequila. Eu precisava mesmo de coragem. Para minha surpresa, Christopher estava de Bad Boy assim como Minho, mas ele não usava jaqueta, apenas uma regata preta que um dia foi uma blusa com mangas com estampa de banda. Ele estava gostoso e eu me tremi inteiro olhando para ele. 


— Chris. — Chamei um pouco nervoso ao me aproximar com Jisung que rapidamente puxou Minho para longe. — Você tá bonito. 


— Ah, obrigado. — Ele sorrindo daquele jeito que deus olhos fechavam. Merda, não faz isso comigo, por favor. É meio óbvio, mas eu como nas mãos dele desde a sexta série. E ele já se formou na faculdade enquanto eu estou quase lá também. Muito tempo, eu sei, mas eu não era idiota e tive meus casos nesse tempo. — E você tá… Uma gracinha. 


"Seja direto" a voz de Jisung gritava na minha cabeça desde que eu contei para ele sobre meus sentimentos sobre o Bang. 


— Você pode me acompanhar até o banheiro? Acho que exagerei, me sinto tonto. — Exagerei nada, eu bebia muito mais que aquilo. Eu só precisava de uma desculpa para ficar sozinho com ele. 


— Claro, Jinnie. Consegue andar sozinho? — Assenti e ele colocou a mão na minha cintura mesmo assim, me guiando até o banheiro social da casa dos Lee. — Precisa jogar uma água no rosto? 


— Na verdade… Eu menti. Só queria ficar sozinho com você. — Meu coração parecia que ia sair pela boca nessa hora. 


— Hm, e por que você queria ficar sozinho comigo, bebê? — Eu não respondi de imediato, mas sabia que ele ficaria parado ali enquanto eu não demonstrasse consentimento para o que viria a seguir.


— Eu quero beijar você. Ou fazer qualquer coisa com você. — Eu pareci um desesperado falando assim, atropelando as palavras e me engasgando com medo de ser rejeitado.


— Sabe, eu estava pensando sobre a mesma coisa. — Christopher sorriu, dando alguns passos na minha direção, eu caminhei para trás até ficar bem próximo da parede. Em uma fração de segundos ele já estava me beijando com fervor, minhas pernas ao redor de sua cintura e seus dedos em meus cabelos. Fui colocado sobre o mármore da pia e seus lábios desceram para meu pescoço. Eu mal entendia o que estava acontecendo de tão rápido que havia sido, mas gostava da ideia dele ser tão direto quanto eu. 


— Isso não... Ao menos não aqui — murmurei quando ele tentou puxar minha calcinha por baixo da saia. É, maldito dia para eu ter aceitado as ideias idiotas do Han e nem ter colocado um short por baixo. Minha voz havia falhado no meio da frase, eu não esperava perder minha ficar com ele de uma forma super romântica, mas também não queria que fosse em um banheiro. — Você quer ver estrelas, meu bem?


— Minha preferência é ver você de joelhos, gracinha. Vem. — ele sussurrou e me tirou de cima da pia. Christopher não se importou em entrar em um dos box, apenas me colocou de joelhos na sua frente e desabotoou a calça, deixando para mim o serviço simples que era libertar seu membro que, porra, já estava duro dentro da boxer. Eu salivei enquanto espalhava o pré-gozo por seu membro, deixando-o lambuzado. — Como você quer fazer?


— Você pode apenas foder a minha garganta. 


Eu não ia mentir, adoro sentir quando um pau toca o fundo da minha garganta. Mas com Christopher eu não queria ir tão rápido, gastei tempo demais chupando outros para ser bom o suficiente para ele. 


Coloquei a língua para fora e toquei a ponta de seu pau, exatamente na fenda, eu estava olhando em seus olhos, já que ele parecia mesmo querer me ver devorar aquilo tudo; eu também queria na verdade, mas não era como se fosse pedir para ele filmar. 


— Você gosta de provocar, não gosta? Me chupando assim você parece um gatinho, sabia? — se isso fosse dito por qualquer outro, eu pararia, mas não por Christopher, então eu apenas ignorei o comentário ridículo e coloquei mais da metade de seu pau na boca, fazendo-o agarrar meus cabelos. Em seguida ele empurrou minha cabeça até que eu sentisse a glande bater com força no fundo da minha garganta, tentei respirar pelo nariz ao mesmo tempo em que esfregava a língua no pau dele, quase sorri por ter conseguido, mas não dá para sorrir com um pau enorme enfiado na sua garganta. 


Ele parecia apressado, já que estávamos no meio do banheiro e qualquer um poderia entrar ali, então eu fui mais rápido sugando com força enquanto levava uma das mãos até seus testículos, brincando como se fosse mesmo um gato que logo tomaria meu leitinho quente tão aguardado. 


E não demorou muito, Christopher agarrou minha cabeça enquanto gozava na minha garganta com a minha boca levemente aberta e os olhos lacrimejados. Havia sido rápido, mas era o que tínhamos para fazer naquele banheiro que graças a uma provável faxineira (ou Minho) estava cheirando bem. 


— Então… Quer ir pro meu carro?— Ele perguntou enquanto eu limpava os cantos dos lábios.


— Quero. 


Eu não precisava pensar duas vezes, eu finalmente estava conseguindo tudo que queria, tinha saído de vez da merda que é a friendzone. Se ele quisesse me bater eu deixava.







(...) 








Ele pareceu tentar ser romântico, abrindo a porta do carro para mim, mas eu tenho certeza que ele só queria poder ver aquela porra de calcinha. Eu juro que depois disso vou arrebentar aquela carinha cínica do Jisung, foda-se se ele é meu melhor amigo ou se Minho vai me socar depois.



─ Posso ligar o som? ─ Chris perguntou e eu assenti. Ele abriu o porta-luvas depois de ligar o som, dali de dentro tirou um maço de cigarros mentolados, tirou um dali de dentro e acendeu. ─ Essa música me deixa duro e sinceramente, ela deveria ser meu lema. 


─ Você se garante demais, não acha? 


─ Hyunjin… Você acha mesmo que eu não sou bom? Eu te juro, garoto, eu não desaponto na cama. — Ele disse a última frase enquanto cantava a música que tocava do carro, havia uma careta engraçada em seu rosto. 


Eu assenti rindo, ele estava no banco da frente e eu no de trás, meio deitado. Christopher me passou o cigarro que tinha aquele cheiro esquisito de fumaça e menta, e eu traguei sem pressa, eu não fumava, mas ele ficava tão sexy fazendo aquilo que eu queria tentar.


─ Tá tentando me deixar leve pra conseguir me comer? ─ Perguntei rindo e ele assentiu, em meio a uma gargalhada. ─ Porra, Christopher. Até o Seungmin foi mais esperto. 


─ Espera aí... Seungmin te fodeu? ─ Ele riu, meio desacreditado. 


─ Fodeu, e como fodeu... Minha bunda tá toda roxa... Aquelas mãos dele são pesadas... ─ Resmunguei rebolando um pouco contra o banco do carro, no fim eu gostava daquela dor. 


─ Aquele pirralho... ─ Ele riu alto, tragando com força e o cigarro voltou pra mim, eu estava me saindo bem nessa coisa de foder os pulmões por estética. ─ Mas e aí? Quando é que eu vou foder com você? 


Olhei em seus olhos, tragando profundamente e mantendo a fumaça presa por uns segundos, depois soprei, rindo sem motivo. Merda eu sou tão apaixonado por esse desgraçado.


─ Minnie já tirou o que tinha que tirar, agora tanto faz? 


─ É uma pergunta? 


─ Não. 


─ O quê?


─ Não sei porra, eu ainda tô um pouco bêbado. ─ Xinguei, mas logo estava rindo outra vez. Ele passou para o banco de trás e sentou na outra ponta, jogando suas pernas sobre as minhas. ─ Eu quero chupar você outra vez, mas também queria que você me fodesse... Mas eu não aguento mais nada hoje, aquele pirralho acabou comigo. Sabia que eu gozei quatro vezes com ele? 


─ Cala a boca, eu posso te fazer gozar seis vezes. 


─ Você se acha demais para alguém que cita as músicas do Jay Park, sabia? ─ Comecei a rir, dessa vez estava focado apenas em provocá-lo.


─ Você é a melhor vadia daqui, Hyunjin. Eu vou te foder tão bem... Que você nunca mais vai aceitar outro pau metendo em você. 


─ Eu tô pagando pra ver. ─ Traguei outra vez, notando que o cigarro já tinha apagado, chegando no filtro. ─ Tá esperando o quê, Christopher? Um convite formal? Se for isso…


Apenas abri as pernas e puxei a calcinha fina até tirá-la, usar uma saia naquela merda de festa havia sido a melhor de todas as ideias que eu já tive. Ele se ajeitou melhor no banco, o espaço pequeno atrapalhando bastante nos movimentos porém não o bastante para impedi-lo de se curvar entre minhas pernas, enfiando a cabeça sob a saia rodada e ridícula que Jisung me fez vestir para participar dessa maldita festa que ele estava dando com o namorado dele. Aqueles dois shots de tequila realmente havia deixado meu corpo quente e a maior prova disso era meu pau duro sob a saia rosa que Christopher não teve dificuldade nenhuma de tirar do caminho, jogando o tecido para cima do meu quadril. Eu estava realmente querendo ele naquele momento, iria facilitar tudo que fosse preciso. 


Christopher não fez muito, apenas me lambeu um pouco antes de colocar aqueles dedos dentro de mim, provavelmente notando que não precisava me preparar. Sim, ele sabia e aquele sorriso desgraçado que ele me mostrou antes de morder minha coxa com força, deixando uma marca instantânea era a prova disso.


— Eu vou descontar essa merda. — Disse entre dentes e ele assentiu olhando nossa situação antes de suspirar e abrir a porta do carro atrás de mim. — Que porra você tá fazendo?


— Ninguém vai vir aqui, eu quero fazer isso direito. — Eu esperava que ele fosse sair do carro para ficar de pé, mas não, ele apenas deu um jeito de me colocar deitado naquele banco, a porta aberta apenas dava espaço para que ele não batesse ali. Minha ideia era muito melhor, mas ele não precisava saber disso. Antes de vir para cima de mim mais uma vez, ele deu um jeito nas próprias roupas, descendo-as até os tornozelos. Porra, a gente se parecia com dois adolescentes no ensino médio tentando foder pela primeira vez. — Você não tem camisinha aí, tem?


— Não vim para cá esperando foder, sabe? — Respondi forçando uma risada sem graça e ele riu de verdade, provavelmente do meu desespero. 


Depois de resolver nosso pequeno empecilho com a camisinha, ele finalmente pareceu estar satisfeito com tudo, mantendo uma mão no meu ombro mesmo que eu já estivesse me segurando no banco da frente enquanto ele estocava com força dentro de mim. Eu tenho certeza que alguém estava me ouvindo, eu nunca fui do tipo que faz silêncio e porra, Christopher era gostoso para caralho, fodia do jeitinho que eu gostava, chegava a doer por dentro, mas era tão, tão bom… 


— Você está fazendo um escândalo. — Ele comentou do nada, tentando mudar nossas posições, dessa vez ele se sentou e me puxou para seu colo, com uma perna em cada lado de seu corpo. — Espero que você não bata a cabeça. 


— Maldito. — Resmunguei com a piada besta dele, era óbvio que eu não seria louco de pular no colo dele desse jeito, eu sabia que o teto do carro não era tão alto assim. 


Ele agarrou meu quadril e para minha surpresa, eu não precisei fazer nada, ele mesmo fazia aquilo, impulsionando o próprio corpo para cima e entrando com força e rapidez, parecia um pouco rápido demais na verdade, mas eu gostava, gostava do jeito que aquilo me obrigou a segurar em seus ombros e curvar meu corpo para conseguir deitar minha cabeça no ombro dele, começando a chorar pelas sensações que aquele tipo de estímulo me causava. 


— Chris, devagar. — Ouvi um riso soprado dele e a sua desobediência veio com o aumento da força aplicada em meu quadril, dessa vez suas mãos me puxavam para baixo sempre que ele jogava o quadril para cima. Estava indo fundo demais, eu sentia que se fechasse os olhos iria apagar de vez. — Caralho, eu achava que a nossa primeira vez seria fofa.


— Que tal na próxima? Eu posso te comer com umas pétalas de rosa depois de um encontro. — Ele quase não respirava durante a fala, mas eu não me importo com isso, apenas mantive minhas unhas cravadas nos ombros dele, notando que já estava bastante machucado; ele parecia não ligar. Ele parou subitamente e eu pensei que havia algo errado, mas era só ele cansado demais mudando nossas posições mais uma vez. 


Meus joelhos agradeceram quando ele me colocou no banco, abrindo minhas pernas daquele jeito apressado dele, voltando ao que fazia antes, eu não precisava de apoio algum agora, então podia usar minhas mãos para me dar um pouco mais de prazer, meu pau já havia molhado uma boa parte da saia cara demais, eu estava excitado há tempo demais e tudo que Christopher fazia apenas aumentava isso, o jeito fixo que ele me olhava não me deixava mais controlado e quase que no mesmo momento que comecei a me tocar, eu gozei terminando de sujar a saia bonitinha. Eu não estava esperando aquilo tão rápido e tão forte, e literalmente perdi as forças com aquilo, Christopher notou, lançando um riso cínico na minha direção.


— Deixei você tão excitado assim, Jini? — A voz dele era cínica apesar de estar trêmula pelo esforço que ele fazia para atingir o próprio limite. 


— Vai se foder. — Mandei e ele ergueu uma sobrancelha, apertando minhas coxas sem parar de se mover apesar de estar mais lento agora. — Cansou, Chris? 


— O bastante para querer te levar para casa. — Eu não entendi bem essa frase, mas ignorei já que ele fechou os olhos, me apertando mais e mais enquanto diminuía os próprios movimentos até parar. — Você é muito mais gostoso do que eu esperava, caralho. Eu não deveria ter perdido tanto tempo.


— Me jogou na friendzone porque quis. — Perguntei tentando vestir a calcinha de novo, mas eu nem sabia como vestia aquela merda, Jisung me ajudou com tudo. A saia estava toda melada também, como eu ia para casa assim?


— Eu não tinha certeza sobre o que você sentia, Jini. E eu falei sério sobre te levar para minha casa. — Ele disse baixo, também ajeitando as próprias roupas, mas ele não estava sujo como eu. — Você pode tomar banho lá, dormir ou fazer o que quiser.


— Que cavalheiro, nem parece que me chamou de vadia várias vezes hoje.


— Quer ou não?


— Você ainda pergunta, Chris? Eu quero tudo que você puder me dar. 










Notas Finais


tem nem o que falar aqui KKKKKKKKK


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...