História Dívidas - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Gintama, Sailor Moon
Personagens Abuto, Gintoki Sakata, Isao Kondo, Kagura, Kamui, Kotarou Katsura, Makoto "Lita" Kino / Sailor Jupiter, Personagens Originais, Rei "Raye" Hino / Sailor Mars, Sagaru Yamazaki, Shinpachi Shimura, Shinsuke Takasugi, Shouyou Yoshida, Sougo Okita, Tatsuma Sakamoto, Toushirou Hijikata
Tags Drama, Gintama, Gintoki, Hijikata, Katsura, Kotarô, Policial, Sakamoto, Sakata, Shinsuke, Takasugi, Tatsuma, Toshirou
Visualizações 7
Palavras 1.185
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Ficção, Policial, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Essa eu vou terminar sim.
As meninas de Sailor Moon é só o nome e a aparência, logo a idade é na faixa do 25-30 anos.
Divirtam-se

Capítulo 1 - 1


- Não acredito que você tá chorando por Glee, de novo, no mesmo episódio, a mesma cena – Rei se levanta da cadeira onde estava e vai até a cozinha que era praticamente embutida a sala para beber um copo d’gua.

- VOCÊ PARA É MUITO TRISTE QUAN...  – Makoto soluça enquanto tenta formar alguma frase em meio a lágrimas – É MUITO TRISTE QUANDO A RA... – Ela abraça a almofada e afunda seu rosto nela para que ninguém, no caso Rei, a ouvisse gritando.

Rei volta da cozinha, senta-se ao lado de Makoto e da alguns tapinhas nas costas dela.  A policial – que deveria ser a mais séria entre as duas, com melhor postura – se joga no colo da técnica em informática.

- EU NÃO AGUENTO MAIS SOFRER POR FINNCHEL! – Makoto grita e abraça a cintura de Rei. – É TODA VEZ ASSIM NÃO AGUENTO MAIS!

- Ta bom, ta bom. Primeiro, eu vou ir trabalhar agora e segundo você vai para casa curtir seu dia de folga. Solta Makoto vou te matar. – Makoto a solta limpando as lágrimas que não paravam de descer e fungava o nariz. Rei se levanta e se espreguiça, pega o controle da televisão e a desliga.

..........

Chegando ao hospital onde trabalhava, Rei cumprimenta seus colegas de trabalho e vai direto para sua sala de trabalho. Porém, antes disso, ela se depara com um novo funcionário na área de enfermagem – ela precisava passar por lá antes de chegar a sua sala. Um homem relativamente alto, com um rabo de cabelo no topo de sua cabeça, todo de branco. Alguém o chamou por “Katsura” e logo se virou dando de cara com Rei. Ele caminhou em sua direção, sorriu para Rei sendo o mais simpático possível e seguiu seu caminho para onde quer que aquela voz o tenha chamado. Ela admitiu: ele realmente era bonito, mas deu de ombros e foi direto para sua sala.

..........

Mais um dia comum se passou, mais papéis, mais pessoas, mas nada com que Rei não pudesse lidar e não pudesse resolver. Conseguiu conversar com o novo homem de branco durante uma pausa do trabalho, descobriu que Katsura era realmente novo na área de enfermagem, mas já tinha trabalhado em outro hospital, saiu deste, pois estava mudando de cidade. Era bom no que fazia, mesmo sendo algumas vezes atrapalhado com a papelada que tinha que carregar, a burocracia daquele hospital era imensa.

- O primeiro dia foi bom, as pessoas são simpáticas aqui nesse hospital. No outro que eu trabalhava elas eram tão frias. Um “bom dia” deles era quase como encontrar ouro. – Katsura riu da própria piada. – Mas, obrigado por me receber, foi bom conversar com você...

- Rei Hino, pode me chamar de Rei.

- Ok, Rei.

............

[Alguns dias depois]

Makoto atendeu o celular que tocava “Bad Romance” no último volume e viu “Anta” escrito e um coração amarelo ao lado no seu celular, já sabia quem era e como trata-la.

- Alô, alô, to falando com a Anta mais iNdiota da cidade? AH, e você atrapalhou meu Luke Cage, DE NOVO.

- Você não vai terminar nunca isso, burra. Vamos sair.  Sabe aquele cara novo que te contei do hospital? Então, ele me convidou para ir à abertura de uma loja de vinhos de um amigo dele, uma tal de Kiheitai, acho que é esse o nome. Nós iremos. – Rei disse, ao fundo parecia tocar alguma música de Glee.

- E ONDE FOI QUE EU CONCORDEI?? Ah e você tá ouvindo Glee , sua safada.

- Você concordou a partir do momento que atendeu o telefone, não me venha com desculpinhas... E EU SEI QUE VOCÊ NÃO VAI TRABALHAR NESSE DIA. Que Glee o que... – O som da música se extinguiu.

- Mas....... – Makoto parou um momento para achar alguma outra desculpa para não ter que sair. – E se houver alguma emergência? E se precisarem de mim em algum homicídio? Posso pelo menos levar minha arma.

- Não precisarão. O Katsura também vai e ele é perfeito para você. E leva vai, mas não mata ninguém não.

- OI?

- Tchau.

A linha do outro lado desligou e Makoto só pode aceitar: teria que sair de casa no sábado para ver alguns vinhos com Rei. Jogou o celular no sofá onde estava sentada, ele quicou e caiu no chão. Ela só o viu em câmera lenta cair e lamentou:

- DESCULPA FILHO! NÃO FAÇO MAIS ISSO! – Pegou o “pequeno” e colocou em uma mesa perto do sofá, se levantou e foi fazer algo para comer.

 .................

Sábado chegou e junto com ele a preguiça, mas assim Makoto e Rei estavam em frente à loja desse tal de “Takasugi Shinsuke” que abriria a adega.  Alguns minutos se passaram e Katsura também apareceu.

- O-olá, -Makoto sorriu estendendo a mão, estava nervosa, não sabia o porquê, ela sabia lidar com pessoas facilmente e sempre se portava bem na frente dos outros – eu sou a Makoto, amiga de Rei e ela me chamou para ver a inauguração.

- Ahhh, a amiga perita de Rei, ela me falou sobre você. – Ele apertou a mão de Makoto. - Disse que às vezes tem medo de te perder quando vai a lugares mais perigosos.

- QUE MENTIRA! – Rei tentou esconder o que Katsura tinha falado por causa de seu orgulho. – Eu nem me importo com essa menina.

- Tem certeza? – Makoto riu e passou o braço pelos ombros de Rei. Katsura acompanhou sua risada. – Faltam quantas horas para isso abrir? Não era umas 16h?

- Agoniada, são 15:45 ainda, vamos conversar por enquanto. – Rei respondeu, tirando o braço dela que estava em volta de seu pescoço.

- Eu vim pelo sorteio de vinhos que ai depois eu vendo eles na internet e faço meu “money”... – Makoto faz bico e Katsura ri. Ela presta mais atenção em sua risada e em tudo daquele homem, ele realmente era muito bonito e simpático, parecia ser bem humorado e tão dedicado de acordo com que Rei dizia sobre ele. Ele não percebeu que estava sendo massacrado pelo olhar dela, mas Rei sim e a cutucou rindo de sua expressão. “Para de babar”, ela cochichou e só elas duas puderam ouvir.

- Eu não estou!

- Não esta, o quê? – Katsura pergunta, sem entender muito o motivo pelo qual Rei ria da situação de Makoto. – Aconteceu alguma coisa Makoto? Você não parece estar bem, está um pouco vermelha. Posso verificar sua temperatura?

- P-pode. – Ela consente o movimento de Katsura até sua testa e depois para seu pescoço, verificando sua temperatura. Ela fica mais nervosa ainda enquanto Rei tenta conter a risada. Makoto com o olhar conseguiu expressar um “eu vou te matar quando você menos esperar”.

- Nada, mas não entendi o porquê de você ficar vermelha assim do nada. – Katsura disse afastando sua mão suave do pescoço de Makoto.

- Ahhhhhhh que isso, deve ser nada, nada não. – Makoto sorri nervosa e balança a mão mostrando que não houve nada enquanto Rei vira de costas para os dois e solta uma risada. – OLHA SÓ, A LOJA VAI ABRIR!! SORTEIO, LÁ VOU EU.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...