1. Spirit Fanfics >
  2. Dividida entre o sobrenatural >
  3. Uma morte, um sequestro...E um lambedor de sangue?

História Dividida entre o sobrenatural - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Olá. Bem vindo (a) ao meu mundo sobrenatural. Espero que se divirta!

Capítulo 1 - Uma morte, um sequestro...E um lambedor de sangue?


Fanfic / Fanfiction Dividida entre o sobrenatural - Capítulo 1 - Uma morte, um sequestro...E um lambedor de sangue?

-Sabe aquela sensação de falta de ar ao receber um golpe no esterno? Pois é! É essa sensação que eu sinto agora!

Desde o meu nascimento moro em Gramado no Rio Grande do Sul, e mesmo considerando-a particularmente a cidade mais linda do Brasil, essa beleza toda não serviu para deixar minha vida mais bela.

 -Me chamo Isabella e moro com meu pai. -Uma rápida descrição dele?  Alto,olhos castanhos cor de mel e pele alva,não como a minha, pois pareço a branca de neve(Branca como a neve).

  -Devem estar se perguntando onde está minha mãe, não? -Bom,esta é a parte da minha vida que eu considero obscura!

   -Resumindo....- Eu matei minha mãe durante toda a gestação e finalizei durante o parto. -É claro que não foi de propósito mas aconteceu. -De acordo com meu pai pareço muito com ela.Sabe né? Branca como a neve, cabelos pretos como a noite e olhos azuis como os céus em um dia de paz.

  -Eu sei, bem clichê!

  -Pois bem, meu pai teve que cuidar de mim sozinho, pois de acordo com ele,não temos mais parente. -E quer saber como ele se saiu? -Bom, eu sou saudável e muito bonita, mas nesses 17 anos senti na pele que ele me culpa pela morte da minha mãe, e isso me tornou uma garota bem fria,nunca conversamos e eu nunca contei a ele as coisas estranhas que acontecem comigo desde os 10 anos.

   É um dia chuvoso e me encontro sentada na janela absorvendo o vento frio que eu tanto adoro,pensando nos sonhos estranhos que me atormentam. Da janela vejo meu pai chegando do trabalho, o que é estranho pois ele deveria chegar só a noite. Alguns minutos depois a porta do meu quarto abre e meu pai entra com uma expressão bem séria no rosto.

  -Vai lá, fala o que fiz de tão errado pra você ter que voltar do trabalho pra me encarar assim! -Digo antes que ele inicie o sermão.

  - Você não fez nada Bell e não fale neste tom comigo, sou seu PAI não um de seus amigos! 

 -Ao ver minha expressão de surpresa meu pai relaxa e muda o tom.      

-Eu voltei pra te buscar, tenho uma viagem de trabalho de última hora e você vai junto.

 -QUÊ???? COMO??? PRA QUE????? -pelo visto meu tom desaprova meu pai, pois ele fecha a cara novamente e aumenta a voz ao mesmo tom da minha.

 -FOI ISSO QUE VOCÊ OUVIU ISABELLA, E É MELHOR VOCÊ SAIR DESTA MALDITA JANELA E IR FAZER AS MALAS! -fico perplexa, mesmo não nos dando bem meu pai nunca gritou assim comigo.

-Manerando o tom,digo: -Mais pai eu não posso ir, e meus amigos? minha escola? minhas festas?-digo com uma cara de cachorrinho chorão! 

- Meu pai parece se sensibilizar e se aproxima de mim. 

-Bell é só por um tempo, vamos voltar, mas temos que patir antes do anoitecer. -essa última frase me deixa pensativa,geralmente meu pai não tem pressa nas viagens de trabalho. 

 -Um pensamento maluco invade minha mente e sem pensar direito faço a pergunta mais idiota de toda a minha vida. -Oh pai? -Você está fugindo de alguma coisa? -Por isso vai me levar?

-Ele se vira rapidamente e me lança um olhar de espanto.

- Tá maluca garota, tá pensando que sou o que?

 -É só uma viagem de trabalho e não posso te deixar sozinha por muito tempo! 

-Agora deixa de maluquice e arruma logo essas malas!

-Ótimo, agora pro meu pai sou uma maluca . -Mesmo contrariada faço o que ele mandou e arrumo as malas. -Decido pegar meu celular perto da janela para avisar a galera da minha viagem, mas algo me chama atenção lá fora, a chuva parou mas um frio intenso invade minha alma, um frio que venho sentindo desde os meus 10 anos.

 -Pego meu casaco, pego minha mala imensa e me preparo para descer. -Quando escuto a campainha. -Acho que meu pai atendeu,pois parou de tocar.-Deixo minha mala no topo da escada e desço lentamente para espiar quem é, não sabendo eu que esse momento séria o pior da minha vida.

 -Ao chegar na metade da escada me inclino para ver quem é,e nesse momento o ar desaparece dos meus pulmões. -Meu pai está caído e um cara alto e todo de preto está em cima dele com um punhal na mão. 

 -Cadê a garota Ellay? -Você fez um ótimo trabalho cuidando dela, mas está na hora dela conhecer o verdadeiro pai.

-Como??? -Que história é essa? -penso desesperadamente!

 -Meu pai (ou sei lá,quem seja) sorri e diz: -Ela é minha sim, eu criei, eu ensinei e mantive ela afastada desta vida, você nunca vai tirar ela de mim!

-O homem desdenha e com um olhar assassino diz: -Eu posso até não tirar ela de você, mas posso tirar você dela! -O homem faz um movimento rápido com o punhal e corta o pescoço do meu pai, sangue esguicha e suja as mãos do homem, ele leva a mão na boca e lambe o sangue.

 -Até o momento eu estava quieta, mas ao ver aquela cena o ar volta aos meus pulmões e eu grito desesperadamente.

 -o homem vira e me olha. -ele tem os olhos negros e a pele super branca como a minha. -Ao me ver ele abre um sorriso diabólico e eu e corro para o andar superior.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...