1. Spirit Fanfics >
  2. Dividindo a dor. >
  3. Sharing the pain

História Dividindo a dor. - Capítulo 1


Escrita por: MinnieBaozi

Notas do Autor


Oláááááááá <3 Então, essa fic eu escrevi depois de um sonho bem loko que eu tive e tentei adaptar pra uma versão mais normal. Bom, é a primeira fic que eu escrevo sozinha, ( e a segunda da minha vida)e eu estava realmente querendo testar minha escrita em terceira pessoa - que a propósito é uma bosta cof cof - então, por isso tá bem.....
...
....
.... Zzzzzzzzzz
Se alguém quiser me dar uma chance, pode me dizer o que achou nos comentários, eu juro que ainda tenho jeito...(quando digo "o que achou" é crítica construtiva <3) Ain, to nervoser.

Ah, e por acaso, se alguém que lê a minha outra fic achar isso aqui, deixa eu te dizer que todas as semelhanças são meras coincidências...Juro pra vcs jklhkj O plot foi do sonho e o casal tbm kjhjghj E não me matem por estar postando outra fic ao invés de atualizar aquilo lá. É que hj é o dia dos namorados e eu vim presentear minha mozão.
E me perdoem os erros ortográficos, de pontuação, ou qualquer outro. Foi difícil de betar tudo isso (pq eu não tenho beta T-T) E como eu nunca escrevi em terceira pessoa, ficou tipo "O que essa menina tá fazendo? " jkhjkghj Aí eu me empolguei e ficou grande. Mas enfim, parei de falar.

Boa leitura, amoras (se é que alguém além da mozão vai ler isso)


* Gnt, achei a ft do Cap tão parecido com o Xiuyeol. Dei um berro quando vi.


MENSAGEM PRO AMOR DA MINHA VIDA : Sua linda, deusa, maravilhosa, Feliz dia dos namorados!! <3 *Beijinho* o nosso primeiro, ain, to emocionada, me desculpa escrever essa fic tão bosta pra vc, vc merece muitooo mais. Mas veja bem, essa fic tava morfando no meu Word, e como vc pediu uma de presente, liguei o Fuck you e pensei "Tenho que fazer isso pela minha esposa" Então, só queria dizer que eu te amo muito, e quero ser a mãe dos seus filhos...Ou o pai, já que eu sou a alfa, enfim shauhsua Te amo, muito <3 Vontade de casar todo dia <3

Capítulo 1 - Sharing the pain


Fanfic / Fanfiction Dividindo a dor. - Capítulo 1 - Sharing the pain

Já se passavam das dez horas, e Minseok ainda chorava copiosamente, desde às oito. Não entendia e não conseguia aceitar o porquê daquelas coisas acontecerem consigo, que sempre se dedicou tanto àquela pessoa...

 

Wu Yifan era simplesmente o amor da sua vida e a pessoa com quem queria passar o resto dos seus dias...

 

Sim, seus amigos diziam que era um pensamento equivocado e exagerado, mas o que ele podia fazer se era o que sentia?  Quantas vezes escreveu em seu diário, por mais que achasse ridículo, a vida perfeita que queria ter ao lado de Yifan?

 

Tudo seria perfeito na verdade. Se o chinês não fosse tão desinteressado no relacionamento que tinham.

 

Minseok chegou a pensar que o mais novo só estava consigo por estabilidade e conforto, já que sempre fez todas as suas vontades... Talvez, no fundo, a culpa do ocorrido fosse sua, por ser tão submisso.

Era um sábado à noite, a maioria dos seus colegas estavam em alguma festa no campus, deixando os corredores vazios e solitários para que o pequeno coreano pudesse chorar sem uma platéia questionando-o. Voltar para o seu quarto nunca foi uma possibilidade, o que menos queria no momento era ver o namorado, depois da cena que presenciou. Se era pra chorar até a cabeça doer, que fosse nos braços de um dos seus amigos, como normalmente fazia.

Já se passavam das dez horas, e Minseok ainda soluçava no dormitório de  Park Chanyeol, enquanto este, afagava seus cabelos recém descoloridos.

— Chanyeol...— começou, com vestígios de soluços. — Eu não entendo...por que ele não gosta de mim? Por que... — nem mesmo conseguiu terminar, e começou a chorar novamente. — Eu sou uma pessoa horrível, não é?

 

— Shh...Minseok, se acalme, por favor. — o moreno segurou seu rosto e levantou seu olhar, se encontrando com o mesmo. — Primeiramente, você não é uma pessoa horrível, nunca foi e nunca será. Agora pode me explicar o motivo de estar assim? O que houve?

Chanyeol lhe deu um olhar confiante, enquanto limpava uma última lágrima que escorria por sua bochecha. Minseok suspirou antes de começar.

Deu uma última fungada, e pensou se era melhor despejar tudo de uma só vez, ou lhe contar calmamente, para que o amigo absorvesse a informação. Optou pela segunda opção, afinal, Chanyeol também seria afetado pela notícia.

— Chan... Você sabe que eu me importo com você e que estarei aqui quando precisar, certo?

 

— Sei, Min...— respondeu, sem entender muito bem aonde o menor queria chegar.

 

— Okay, então eu vou lhe contar... Mas preciso que prometa que não vai surtar ou cometer nenhuma loucura.

 

— Prometo...

 

— Lembra que semana passada, o Baekhyun e o Yifan voltaram desarrumados e com os cabelos bagunçados do banheiro da faculdade?

 

— Sim....

 

— Lembra que eles disseram que o Yifan tinha arranjado uma briga com uns meninos no banheiro e o Baekhyun o ajudou a bater neles, e por isso eles estavam naquele estado?

 

— Sim, Minseok, eu me lembro disso, mas será que você pode ir direto ao ponto? Agora eu estou ficando assustado. — Chanyeol tinha um leve  tom de aflição, pois já tinha uma vaga ideia do que o amigo queria dizer, mas esperaria que ele terminasse, e rezava para que não fosse isso.

 

— Hoje, à tarde, Yifan esqueceu o celular no dormitório, e eu atendi uma ligação... — as lembranças de mais cedo invadiram a mente do coreano mais baixo, o fazendo se encolher e choramingar novamente. — E antes que eu pudesse dizer qualquer coisa, uma voz disse: "Yifan...eu estou com saudades, eu não consigo parar de pensar em você ou em te ter novamente"...

 

— Oh, Min... Eu sinto muito, eu não acredito que o Yifan...

O maior se interrompeu ao que Minseok levantou um dedo, em sinal de que o esperasse terminar.

 

— Chan... A voz era do Baekhyun...

Minseok observou a reação de Chanyeol, esperando algum tipo de surto, mas ele permanecia impassível...

 

— Continue...— ordenou, e assim Minseok o fez.

 

— Eu não tive reação pra responder Baekhyun ao telefone, ele disse: " Não consigo parar de pensar no que aconteceu no banheiro, foi tão arriscado, mas tão, tão gostoso...Queria poder repetir."... Eu não consegui responder nada, então encerrei a chamada, mas tinha uma mensagem dele, na caixa de mensagens; ela dizia: " Eu estou te esperando no meu apartamento, vou deixar a porta aberta...". Eu fiquei sem saber o que  fazer, Chanyeol...não queria acreditar, não podia, Baekhyun não seria capaz disso. — o mais baixo se sentia aflito a cada palavra que proferia, lembrando-se do quão ruim foi ser traído pelo melhor amigo. — Mas eu precisava saber, se fosse mesmo verdade. Então umas duas horas depois eu decidi ir até à casa do Baekhyun. Eu ia tirar toda história a limpo com ele, e depois eu iria falar com Yifan, esperava que eles dois me dissessem que era um tremendo de um mal entendido, mesmo não tendo condições disso. Eu me agarrei a essa possibilidade. — fez uma pausa, e deu um suspiro...—  Quando eu cheguei lá, de fato, a porta estava aberta... Esperava encontrar Baekhyun sozinho em casa, já que Yifan não tinha recebido sua mensagem, mas não foi bem isso que aconteceu. — disse, só agora desviando seu olhar das próprias mãos, para encarar o mais novo. — Chanyeol... Yifan estava lá... e eles estavam transando na cozinha.

Não aguentou e se desfez em lágrimas novamente, tentando ao máximo não sair do controle, ou poderia desmaiar. Além de que, não era a única vítima da história. Chanyeol deveria estar sofrendo tanto quanto ele, por também ter sido traído por Baekhyun.

Apesar do choque da notícia, Chanyeol permanecia sério, como se não acreditasse realmente, ou não quisesse.

— Cha...

 

— O que eles disseram? — o cortou.

 

— Não disseram nada. Nem ao menos me viram...eu saí de lá sem fazer nenhum barulho. Inclusive, Baekhyun já me mandou uma mensagem dizendo que estava com saudades de sair comigo... — disse, estendendo o aparelho, para que Chanyeol visse a mensagem do namorado em seu celular, como se tudo estivesse normal.

O mais novo, que até agora permanecia muito quieto, sem choro, ou tristeza, se levantou à procura do seu celular, o encontrando no criado mudo. Minseok assistia à cena, sem entender.

Por que Chanyeol parecia tão calmo?

— "Chan... Eu te amo, e sempre vou te amar, meu amor. Eu te pertenço, e você me pertence...para sempre".— o Kim o olhou confuso, e só então entendeu que ele lia uma mensagem de Baekhyun no celular.

Foi tudo meio rápido, mas quando deu por si, o coreano mais alto já tinha arremessado seu celular contra a parede e agora dava socos na mesma, enquanto proferia palavrões contra Baekhyun e o chinês.

Minseok ficou sem reação, se sentia culpado de ter contado ao amigo, mas assim como ele, Chanyeol merecia saber.

— Chanyeol! Se acalme. —  tentou, e nem ao menos obteve uma resposta.

 

— Vadia! Desgraçado! Aqueles putos. Malditos sejam vocês dois! Eu...Eu vou matar os dois! — a voz grave ficava ainda mais forte, por conta da raiva do momento.

 

— Channie, por favor, pare! Vai acordar todo o dormitório.

 

— Cale a boca, Minseok! Você não entende? Foi tudo uma mentira, todo esse tempo...

 

Se interrompeu ao perceber que tinha sido um idiota, e que Minseok tinha voltado a chorar. Quis se bater eternamente por isso. Como podia ser tão egoísta? O menor estava sofrendo tanto quanto ele, provavelmente, até mais! Todos sabiam do amor platônico que o mesmo sentia pelo chinês, e o quanto o Kim se esforçava para agradá-lo, em todos os quesitos.

— Min... Me perdoa, eu não quis ser rude, eu só...

 

— Não, você tem razão! Eu sou a merda de uma pessoa irritante, por isso Yifan me traiu, eu irrito as pessoas com meu jeito extremamente chato e carente.

 

— Não! Nunca mais diga isso. — Chanyeol segurou em cada um dos seus ombros, olhando em seus olhos. — Yifan traiu você porque ele é um cretino desgraçado. Não tem nada de errado com você, pequeno. Você é um namorado tão dedicado, se cobra tanto, ele nunca mereceu.

Minseok podia sentir o peso das palavras de Chanyeol, enquanto o mesmo o abraçava. Sim, era verdade. Era muito dedicado a Yifan, mesmo antes de começarem a "namorar".

Bom, o que tinham não era bem um namoro normal. Yifan dizia que o amava, e que era único pra si, a única pessoa com quem realmente se importava. Talvez não fosse de todo uma mentira... Mas o chinês não se impedia de sentir atração por outras pessoas além de Minseok, e até mesmo se envolver com tais.

Foi o caso de Baekhyun.

Yifan já tinha reparado no namorado do amigo há muito tempo, foi quando entrou no dormitório do mesmo para pedir a matéria que foi passada na aula em que faltara,  e o encontrou somente de boxer. Baekhyun também não demonstrou nenhum interesse em se vestir, ou algum constrangimento.

Desde aquele dia, Yifan costumava fazer visitas ao apartamento do amigo de Minseok, que já não morava mais na faculdade, só aparecia pra ficar com o namorado. Desde aquele dia, a tensão sexual entre os dois era quase palpável pra quem olhasse com atenção. O que não era o caso de Minseok e Chanyeol.  Este último, sempre desatento às ações do namorado, ou às investidas que o mesmo dava a Yifan

 

Mas se não percebia as investidas de Baekhyun para consigo, como raios perceberia com outra pessoa?

 

Já Minseok estava ocupado demais tentando agradá-lo, seja em sua aparência ou em seu jeito de agir, para perceber certas coisas. Também não é como se desconfiasse de Baekhyun, seu (ex) melhor amigo.

Sinceramente, não sabia com que cara olharia para ele. E como olharia pra Yifan agora? Mesmo com todos os erros de Yifan, como não elogiá-lo, não valorizá-lo, ou demonstrar afeto ou preocupação por ele, traição era uma coisa muito grave e Minseok não sabia se podia perdoá-lo por isso.

— Chanyeol... como eles puderam fazer isso com a gente? O que vamos fazer agora? — Minseok soluçava levemente.

 

— Não está claro? Ignorar a existência deles e manda-los ao inferno se ousarem falar conosco. — falou, como se fosse óbvio, e Minseok o olhou incrédulo.

 

— Você consegue ignorar o Baekhyun assim? Fingir que ele não é o seu namorado? Está dizendo que devemos terminar? — perguntou, como se não acreditasse que aquela era a única solução.

 

— Claro, Minnie! Já está terminado, não é como se precisássemos explicar ou algo do tipo. Deixe que venham até nós e simplesmente diremos: "Descobrimos tudo, acabou. " — o moreno disse, reparando em como o ruivo parecia apreensivo e pesaroso. — Olha, eu gosto do Baekhyun, mas o que ele fez foi imperdoável. Só preciso esquece-lo, mesmo que demore. E você, não me diga que pretende continuar com Yifan e perdoá-lo?

Chanyeol perguntou e o menor engoliu em seco, sabia que o amigo não aprovaria isso.

—Eu estava pensando em conversar com ele, ouvi-lo antes de terminar tudo e...

 

— Ah não, Minseok! Eu não acredito que você vai fazer isso. Eu não vou deixar você se machucar assim...

O mais alto o segurou pela mão e o levou até a sua cama no dormitório, sentando-se e o sentando também.

— Escute...— começou calmo. — Eu sou seu amigo, me importo com você, e não vou deixar que Yifan te faça sofrer mais uma vez. Minseok, quantas vezes você não veio chorando, não apenas pra mim, mas também para Kyungsoo e Luhan? Quantas vezes nós te consolamos por você ter brigado com ele, e por ele ter te dito besteiras e coisas que você não merecia ouvir? Não foram poucas as vezes... E apesar de eu adorar te abraçar e cuidar de você, te dar carinho e tudo mais, não quero mais você nesse estado. Nem por Yifan, nem por ninguém.

Minseok não sabia bem o que dizer, mas agradecia a Deus ou a qualquer força divina por ter conhecido Chanyeol, Kyungsoo e Luhan quando entrou na faculdade. Mesmo tendo conhecido Yifan junto, e as suas dores terem começado a partir daí, agradecia eternamente por tê-los em sua vida. Principalmente Chanyeol, que sempre foi um dos mais próximos.

— Chan, eu simplesmente não consigo. Eu queria tanto que ele olhasse pra mim, e só pra mim. Eu queria que ele se apegasse a mim, só a mim.  Eu queria ser a pessoa perfeita pra ele, sabe? Eu queria ser suficiente, só uma vez...

A melancolia em seu tom era quase palpável. Minseok se sentia um completo inútil, como se não fosse digno do amor de ninguém.

— Mas você é tudo isso, Min. Você só não achou a pessoa certa pra desfrutar da pessoa maravilhosa que você é. Mas não se preocupe. — o mais novo lhe sorria. —  Até você achar essa pessoa, eu vou cuidar pra que não se machuque, eu prometo...Como um irmão mais velho.

É... Com a companhia certa, talvez pudesse superar tudo.

 

— Yah! Eu sou o mais velho aqui, se você não se lembra.

 

— Mas eu sou o mais alto...

 

— Te odeio...— viu o moreno ri nasalado, enquanto se levantava. — Onde vai? — perguntou.

 

— Vou escolher um filme pra gente assistir. Vamos aproveitar que amanhã não tem aula e madrugar. Podemos até botar uns animes em dia, qual tal? Comer besteira, essas coisas...

 

— Se você acha que eu vou me animar porque teremos uma noite de nerds e muita comida, você está absolutamente certo!

O mais alto riu novamente e iniciou sua busca por um filme legal para assistirem. Enquanto isso, Minseok se levantou até o closet do amigo, e se pôs a procurar uma roupa para si.

— O que você está procurando aí, Min? Não, eu não escondo o Death Note aí, se é o que você quer saber...

 

— Idiota! — Minseok riu.— Eu estou procurando uma roupa confortável pra usar depois do banho... a propósito, se importa se eu usar o seu banheiro? — perguntou, depois de finalmente ter achado algo que gostasse.

 

— Ah, claro que não...— respondeu.— Minseok... sabe que vai ficar grande em você, não é? — o moreno prendia o riso, pois certamente ficaria um vestido no Kim.

 

— Tsc...Não exagera, eu não sou tão pequeno assim.

 

— Okay, então...

Concordou, mas tinha total certeza de que ficaria enorme, pois o loiro era 2 vezes menor que si.

Minseok deu de ombros e seguiu seu caminho.

Chanyeol reparou na forma como o Kim caminhava graciosamente até o banheiro, e não pôde conter um sorriso de canto, ao descer os olhos de suas costas para as nádegas destacadas na calça apertada.

Era seu amigo, sim, mas Chanyeol não era cego...

Nunca foi, pra falar a verdade.

Depois de uns 20 minutos, e de já ter revirado toda a estante, o moreno finalmente escolheu um filme, e riu sozinho imaginando a reação de Minseok ao assistir consigo.

— Do que está rindo, Channie?

Minseok havia acabado de sair do banho e Chanyeol não pôde deixar de reparar em como ele ficava extremamente fofo com a sua camisa, quase como um vestido. Ainda mais por o Kim estar usando apenas um short curto por baixo. Se perguntava o que ele tinha na cabeça pra usar uma vestimenta daquelas em sua presença.

— De nada...Ah, eu disse que ia...

 

— Cala a boca! Eu sei que ficou grande, o que você quer agora? Uma medalha?

Minseok se estressou e o maior riu escandaloso, típico de si.

— Calma aí...e se você quer saber, ficou muito fofo essa blusa comprida em você, tão adorável.

Fofo pra não dizer sexy, porque foi o primeiro pensamento que teve ao vislumbrar o menor com aquelas coxas lindas à mostra.

"Tão cheinhas..." Pensou o moreno.

E se Minseok já estava vermelho por ser chamado de fofo, imagine se soubesse o que Chanyeol pensava...

— Não me chama de fofo, eu fico com vergonha...— murmurou desconcertado. — Então, que filme vamos assistir? — se apressou em mudar de assunto, antes que acabasse gaguejando. Não sabia reagir a elogios.

 

— Ah, senta aí que você vai ver...eu vou pegar alguma coisa pra gente comer. — o moreno se levantou para ir à dispensa, enquanto Minseok se acomodava com algumas almofadas no chão mesmo.— Minnie... Me ajuda aqui...

 

Minseok se levantou para ajudar seu amigo, que carregava umas 7 embalagens de salgadinhos, refrigerantes e alguns pacotes de doces. Teria sido uma coisa normal a se fazer, se ele não tivesse tropeçado nos próprios pés, na pressa de ajudar o mais alto.

O resultado foi um Minseok aterrissando em um Chanyeol com mais força do que queria, e todas as embalagens de guloseimas espalhadas pelo chão. Por um momento, a situação ficou embaraçosa para ambos.

Minseok estava tão perto, mas  tão perto de Chanyeol, que quem visse a cena diria que eles estavam prestes a se beijar. O menor se encontrava vermelho pela posição que estava em cima do amigo, mas nenhum dos dois tomaram a iniciativa  para saírem dessa situação. Pareciam entretidos demais no olhar um do outro.

 

Minseok, que já não aguentava mais o constrangimento de estar sentado em Chanyeol, tentou se levantar, mas teve sua cintura segurada pelo moreno. O olhou confuso, tentando ignorar o arrepio que sentira pelo aperto em sua cintura.

 

— O-Os nossos colares estão grudados...— informou, olhando fixamente suas orbes, e só então Minseok percebeu que seus colares de Yin Yang tinham formado um só. Arrependera-se de ter dado aquilo como presente de aniversário a Chanyeol, por suas personalidades contraditórias, mas que se completavam.

 

— Ah...C-Claro, deixa que...deixa que eu....

 

— Não...eu tiro...só preciso...

 

Os dois se remexiam inquietos, tentando soltar o colar. Minseok estava tentando ao máximo não encarar o amigo enquanto tentava tirar aquilo, pois de repente, só o contato com as mãos de Chanyeol o estava deixando nervoso. Estava tão concentrado no que fazia, que não percebeu um suspiro vindo do maior.

 

— Min...— o chamou, com a voz um pouco entrecortada.

 

— Meu Deus, Channie. Está passando mal? Por que está suando?

 

— Na verdade, estou sim...é que...Você está se mexendo em cima do meu...Você meio que está "rebolando" no...

E só então entendeu o que ele estava querendo dizer.

— Oh, meu Deus! Me desculpe, desculpe. — se levantou de um modo automático, fazendo com que os colares simplesmente se soltassem, sem nenhum problema.

 

O Kim não podia estar mais envergonhado com a situação. A vontade que tinha era de se enfiar em um buraco pelo resto da noite. Também não entendia o motivo de estar tão nervoso... foi um acidente. E melhor, com seu amigo, Chanyeol. Não precisava ter vergonha dessas coisas.

 

Certo?

 

Chanyeol, por sua vez, achava a situação engraçada. O modo como o menor havia ficado vermelho por uma coisa tão boba...

Okay, talvez não fosse tão bobo, mas ainda sim, era engraçado.

Isso o fazia pensar em como Yifan o tinha trocado por Baekhyun. O Kim era tão adorável e tímido. Baekhyun não tinha nem um pouco dessa timidez e inocência, e se o ocorrido fosse com ele, provavelmente teria se aproveitado da situação para que se agarrassem.

Realmente não entendia o chinês.

 

— Min, me ajuda a pegar essas coisas, vamos começar o filme logo.

 

— Ah, claro... — concordou baixo. — E me desculpe por... Eu não queria ter...

 

— Hey, Min, pare de se desculpar. Foi um acidente, okay ? — o tranquilizou, e Minseok assentiu, sorrindo pequeno. — Também não é como se você nunca tivesse sentado num pau antes. — Chanyeol teve a audácia de dizer, depois rir da vergonha do mais velho.

 

— Cala a boca, seu idiota! — Minseok lhe deu um tapa forte na cabeça e Chanyeol gemeu de dor. — Para de chorar aí e vai colocar o filme.

 

— Aish... Grosso.

Chanyeol o se atreveu a dar língua, mas logo obedeceu a ordem, pelo olhar raivoso que recebeu. O menor se acomodou para assistir, com um pacote de salgadinho em mãos.

 

...

 

Minseok nunca se sentiu tão enganado por pensar que não precisava ter vergonha de Chanyeol. Nunca se sentiu tão enganado por achar que a coisa mais vergonhosa que acontecera, foi cair em cima do mesmo.

Mas agora, assistindo Fifty Shades of Grey, em companhia do amigo, tinha certeza de que estava completamente enganado.

Não é como se fosse um bebê inocente e não soubesse do que se tratava aquilo. Mas ouvir a risada debochada de Chanyeol cada vez que se envergonhava, não era algo que estivesse acostumado. As reações e os comentários do maior às cenas de sexo, também não estavam ajudando. Chegou a pensar que em pouco tempo, ele tiraria o pênis pra fora e se masturbaria ali mesmo.

Não era uma coisa que queria presenciar, então agradeceu mentalmente pelo filme já estar chegando ao fim. Depois disso, era bom tomar outro banho, mas dessa vez, frio; por precaução... Vai que sonhava com uma daquelas cenas quentes do filme. Aconselharia o amigo a fazer o mesmo, pois esse tinha sido mais afetado pelo conteúdo.

 

— Chan... Já está acabando, não é ?

 

— Sim, Min, já tá acabando. Infelizmente...

 

Chanyeol estava se divertindo com as reações do mais velho. Parecia um adolescente de 14 anos, virgem. Não que isso fosse de todo ruim, gostava daquela pureza que Minseok tinha, era um tipo de pureza que não se perde nem com anos de muito sexo. Se sentia feliz por Yifan não ter arrancado essa característica dele.

Estava tentando prestar atenção às últimas cenas do filme, mas se distraiu rapidamente com Minseok. Este que chupava um  pirulito de uma das embalagens distraidamente, e o maior analisava com atenção cada detalhe daquela cena. Quis se bater por ser tão pervertido, mas não pôde deixar de pensar que, se o Minseok ficava tão sexy chupando um pirulito, imagine outra coisa...

 

Argh, Quando exatamente comecei a enxergá-lo assim? Era o que o moreno pensava.

 

— Ufa, finalmente terminou. Que filme grande. — Minseok fez um biquinho.

 

"Tão rosados, devem ser tão macios... Imagine tê-los te chupando", sua mente maliciava.

 

— Chan? Tá me ouvindo?

 

— Hã? O que disse? — voltou à realidade, como um banho de água fria.

 

— Eu disse que o filme acabou. O que você está pensando? Faz um tempão que tá com essa cara de otário aí.

Só então voltou a si, e pode ver os créditos finais sendo exibidos na tela da Tv.

— Ah, você sabe, às vezes a gente entra num estado de retardamento do nada. Mas então, o filme, é até legal, mas eu só assistiria pra bater punheta e tal. — disse, e Minseok gargalhou com o jeito meio escroto do amigo.

 

— Ai, você não tem salvação... Se quer saber, eu até gostei do filme. Mas eu preferia que a gente assistisse algum anime, como o que saiu semana passada. Puxa, eu estou tão ansioso pra assistir. A sinopse era muito legal...

O mais novo ouvia as palavras, mas não prestava verdadeiramente atenção. Estava mais entretido em observar a boca do amigo. A forma bonita que os lábios se mexiam enquanto Minseok conversava animadamente. Era tão melhor vê-lo sorrindo, do que no estado que estava mais cedo. Nunca entenderia o porquê do chinês não valorizar o namorado que tinha.

Como pôde trocá-lo?

Voltou ao presente quando ouviu o nome de Yifan na conversa, e se perguntou de como as coisas mudaram o rumo tão rápido. Não estavam falando de animes? Tinha brisado tanto tempo assim?

 

— ... Talvez tenha sido por isso, Chanyeol. Eu... Você promete que não conta pra ninguém ?

 

— Hum? Claro, claro. — respondeu meio no automático, mas não fazia ideia do que o amigo estava falando.

 

— Bom...é que...É que...— suspirou.— Yifan...É que...Yifan e eu nunca transamos, pronto, falei.

 

Chanyeol quase se engasgou com o refrigerante que estava bebendo. Seus olhos tinham duplicado de tamanho.

 

— Como assim nunca transaram!?

 

— Isso, Chanyeol! Grita mais, eu acho que ainda não te ouviram na Alemanha.

 

— Desculpe, é que eu fiquei muito chocado. Mas, como assim vocês nunca dormiram juntos? Vocês namoravam há dois anos e meio.

 

Chanyeol não conseguia acreditar que Yifan nunca havia tomado Minseok. Se perguntava como ele conseguiu namorá-lo tanto tempo sem terem transado? Requer muito autocontrole. Verdade seja dita, Minseok era uma perdição.

Seja no jeito fofo quando faz um biquinho, ou como franzi o cenho quando não entende algo, de uma forma completamente adorável. Ou seja nas curvas maravilhosas que possuía, tanta carne nos lugares certos. Uma cintura quase feminina, quadris largos e uma bunda empinada. O jeito sensual que tinha naturalmente, enquanto mordia os lábios distraidamente, ou até mesmo chupando um pirulito. Tudo nele era sexualmente atrativo. Então, ou Yifan era cego, ou era muito controlado.

 

— Bom...— começou, meio incerto. — É que eu tive medo. Medo que que ele me largasse depois disso. Eu nunca me senti seguro pra fazer, sabe? Eu entendia que ele tinha as necessidades dele, e que todo casal fazia, mas eu  simplesmente não me sentia bem... Eu fiquei com tanto medo de ser largado depois, que não percebi que estava cavando minha própria cova... talvez a culpa seja minha. Se eu tivesse confiado no meu namorado e me entregado a ele, ele não teria procurado prazer em outra pessoa.

O tom melancólico aparecendo novamente, Minseok queria poder não se sentir culpado, ou triste por tudo, mas era automático. Sempre acabava se culpando por tudo.

 

— Minseok, para de ficar se culpando. Se você não se sentiu confiante com ele, foi porque ele não te deu essa confiança. Apesar dele ter sido meu amigo, nunca achei que ele te merecesse. E se ele realmente te amou, ele tinha que esperar o seu tempo. Imagino que deve ter sido difícil pra ele, mas ele tinha que esperar.

Definitivamente, Chanyeol sabia como fazer Minseok se sentir melhor. Sabia como aliviá-lo um pouco da culpa, sempre lhe dando um incentivo, com um sorriso bonito.

 

— Deve ter sido difícil? — o loiro perguntou, arqueando uma sobrancelha.

 

— B-Bom... É que...Você sabe, você... Você é muito bonito, e tem belas... — o moreno estava nervoso, pois havia dito sem pensar. Mas não negaria os fatos.

 

— Belas...?

 

— Pernas! Belas pernas. Ah, você está entendendo onde eu quero chegar. — disse por fim, envergonhado.

 

— Ah, Chan. Suspeito que você tem pensamentos impuros comigo, hein? — o mais alto quase engasgou novamente. — Tudo bem, eu sei, eu sou mesmo irresistível, não é?

O tom brincalhão era evidente, e Chanyeol riu junto ao amigo, para disfarçar a veracidade de suas palavras.

— Okay, senhor irresistível. Mas enfim... Não se culpe por não ter transado com o Yifan. Afinal de contas, eu e Baekhyun transávamos muito, e nem por isso ele deixou de me trair.

 

— É... você tem razão. Mas... Baekhyun sempre se queixava sobre você não o desejar mais, como podiam transar tanto?

 

Para Minseok, era  estranho conversar sobre seu amigo. No tempo em que conversavam sobre essas coisas, Baekhyun era um anjo em sua vida, o melhor amigo do mundo. Nunca imaginou que se sentiria tão mal em relação a ele. Achou melhor não pensar em como o amigo o apunhalou pelas costas, ou acabaria chorando novamente.

 

Com certeza seria uma dor difícil de superar.

 

— Não o desejava mais? Como assim? Eu não podia nem entrar no nosso dormitório que ele me agarrava e a gente fazia a noite toda. Bom... Tudo bem que nas últimas semanas eu andei meio indisposto, mas era o cansaço da faculdade, você sabe, as provas não estão fáceis.

 

— Bom, Chan, acho que o Baekhyun se sentiu desvalorizado. Quando ele não corria atrás, vocês não faziam nada...Talvez por isso.

 

Chanyeol se perguntou como Minseok conseguia ser compreensível com o amigo, mesmo depois de tudo. Realmente, Baekhyun era outro idiota por desperdiçar uma amizade como aquela.

 

— Não justifica, Min. Nada justifica o que ele fez. Não sinta pena do Baekhyun. Ele não sentiu pena de você quando deu pro Yifan. E talvez seja isso mesmo... — parou um pouco pra pensar, chegando a uma conclusão.— Pensando bem, Baekhyun já não me atrai como antes.

 

Minseok tinha um olhar surpreso. Nunca imaginou que todas as reclamações de Baekhyun em relação ao namorado tivessem um fundo de verdade.

 

— Você está certo... Então, talvez tenha sido melhor assim pra vocês dois.

 

— É...Então... Já que o Yifan nunca... Você sabe.... Então quer dizer que você é virgem?

 

O constrangimento com aquela pergunta para ambos era notável. Minseok se sentia estranho ao falar disso, de repente se sentia envergonhado com quase tudo em relação a Chanyeol.

 

— Aigoo. Claro que não! Eu sou um adulto, Chanyeol. Tenho 19 anos, seria ridículo eu ser virgem.

 

— Então, quando você perdeu…

 

— No ensino médio, pronto, falei. Agora  vamos parar de falar disso, esse assunto já deu, vamos passar pra próxima tarefa da lista. Vamos assistir um anime.

 

Chanyeol riu pelo constrangimento do amigo.

Minseok pegou uma barra de chocolate no meio das várias guloseimas que tinham ali, e mordeu um pedaço, se lambuzando como uma criança. O tamanho, e a aparência mais nova, contribuíam para tal pensamento.

 

— Ah, Minnie. Está sujo aqui...

 

— Ond...

 

Foi interrompido pela mão do moreno, em seu rosto. Depois do choque inicial, veio a vergonha. Por que Chanyeol o estava encarando assim?

O mais alto o observava intensamente, como se estivesse olhando sua alma. Sua íris castanha focada no rosto redondo e delicado, analisando os detalhes.

O polegar deste, deslizou por sua bochecha, limpando o chocolate. Depois deslizou sutilmente para sua boca, e ali parou.

Tinha algo no olhar do mais novo que era diferente. Como se Minseok fosse uma obra de arte sendo avaliada.

E de fato, era o que Chanyeol pensava no momento. Ah, os olhos... Aqueles olhos tão lindos, com um formato único, gateado. Realmente o Kim se assemelhava muito a um gato, com um olhar penetrante, profundo, misterioso.

Era contraditória, o mais velho possuía olhos de fácil leitura, sempre demonstrando seus sentimentos, mas ao mesmo tempo, completamente indecifráveis.

Sempre se perdeu na imensidão negra que eram aqueles olhos, sempre admirou essas características no amigo.

Minseok não sabia dizer exatamente o que estava sentindo naquele momento. Era uma sensação estranha, como se o tempo tivesse parado, e só as respirações de ambos podiam ser ouvidas. Sentiu um frio na barriga, similar a sensação de dar o seu primeiro beijo. O ar estava carregado com uma atmosfera que Minseok não sabia identificar.

Mas sabia que não queria quebrar aquele contato, pois também estava perdido no olhar brilhante do Park. Parecia o estar estudando, com bastante interesse. Se sentiu nervoso, vulnerável.

Droga, por que Chanyeol tinha que ser tão bonito? Deveria estar mais vermelho do que cereja.

Então o mais novo desceu o olhar para sua boca, encarando os lábios rosados e carnudinhos.

Ambos perceberam o que estavam sentindo no momento.

Chanyeol tinha uma imensa vontade de juntar seus lábios ali, só pra saber se eram tão macios e doces como pareciam. Sentia uma vontade louca de agarrar o amigo, beija-lo com vontade, e depois descer seus lábios pela tez imaculada do seu pescoço, para ouvi-lo gemer, provavelmente tímido e manhoso.

 

Ah, como queria fazer isso!

 

Não sabia ao certo se era a excitação do filme que tinha assistido agora a pouco, mas não conseguia pensar em outra coisa no momento.

Já Minseok, reconhecia as  borboletas no estômago. A mesma sensação de quando Yifan lhe encarava intensamente antes de lhe beijar. O nervoso que sentia por estarem tão próximos e suas bocas estarem a poucos centímetros. Os típicos sintomas de quando se gosta de alguém.

Mas por que estava sentindo essas coisas com Chanyeol? Não fazia sentido.

Por que queria beijar-lhe os lábios?

O momento transe que estavam tendo foi interrompido por um toque de celular. Minseok foi o primeiro a se afastar, meio desnorteado pela tensão de agora pouco.

 

— É o meu... — disse, e levantou- se.

 

Chanyeol permaneceu sentado enquanto o Kim procurava seu celular. Pareceu o achar na estante, pois foi em direção a mesma. Na pressa de atender, acabou derrubando o celular embaixo da peça.

 

— Droga! — praguejou, e se curvou para pegar o objeto.

 

Chanyeol não podia pedir por uma visão melhor.

O menor se abaixou até à estante, na tentativa de recuperar o celular, e consequentemente, se empinando. Ah, um completo estrago na mente maliciosa do Park. Seus olhos astutos não perderam um segundo se quer, para analisar as coxas descobertas e apreciar posição que estava.

 

"Tão grande... e redondo. " pensou, enquanto observava as nádegas avantajadas e redondinhas do Kim, completamente visíveis pelo short extremamente curto e colado que usava. Quase uma boxer.

" Imagine apertar, Chanyeol. Imagine morder..." sua mente, mais uma vez, maliciou, e o moreno se perguntou se estava pensando com a cabeça de cima, ou com a de baixo.

Minseok bateu a cabeça na estante, soltando um gemido de dor. Isso fez o Park sentir uma fisgada, em seu baixo ventre.

É...Com certeza era com a de baixo.

O loiro finalmente conseguiu tirar seu celular debaixo do móvel, se erguendo para atender, antes que desligassem, e Chanyeol suspirou em frustração.

 

A visão estava tão boa.

 

O Kim estava mais do que feliz por terem ligado pra si e lembraria de agradecer seja lá quem o tivesse tirado daquela situação constrangedora com Chanyeol. Atendeu na pressa, sem fazer a menor ideia de quem seria.

 

— Alô?— seu sorriso se desfez na hora.— Yifan?

 

Foi a vez de Chanyeol ficar sério... Como aquele desgraçado tinha coragem de ligar para o menor? Por um momento se esqueceu de que o chinês não sabia da descoberta.

 

— Y-Yifan, e-eu...Ah, você não vem hoje? P-Por quê? Eu...Mas a gente precisa conversar... Ah... Bom...

 

O mais alto escutava o diálogo do Kim, inquieto. A vontade que tinha era de arrancar o celular de suas mãos e encher Yifan de desaforos. Poderia dizer que aquilo era a raiva da traição, mas uma parte dentro de si insistia que havia algo a mais nesse sentimento. Talvez porque não queria ver Minseok sofrendo, e não queria que tivesse mais nenhum contato com o Wu. Talvez por temor de que o mesmo enrolasse Minseok e acabasse o tendo de volta... A possibilidade remota lhe enchia de calafrios.

Chanyeol parou um pouco, e pensou: que sentimentos eram aqueles que estava tendo por Minseok? Será que estava gostando do amigo? Bom, não entendia direito o que estava acontecendo. Mas enquanto observava o corpo à sua frente, meio encolhido, teve duas certezas.

 

Um: Daria um jeito para Yifan não machucá-lo novamente. 

Dois: Não aguentava mais não tocá-lo

Tomaria uma atitude em relação a essas duas coisas e seria agora. E foi pensado nisso que se levantou, com total convicção do que iria fazer.

 

Enquanto isso, o mais velho estava quase tendo um ataque. Não esperava ter que lidar com o ex tão cedo. Sabia que uma hora teria que enfrentá-lo, mas não tinha o mínimo de disposição pra isso. Queria simplesmente fugir, queria poder passar o restos dos dias de faculdade no quarto de Chanyeol, conversando sobre besteiras e assistindo suas séries abraçados um ao outro, como costumavam fazer. Infelizmente, as coisas não eram como queria.

Uma hora teria que encarar Yifan e Baekhyun para que assumissem a responsabilidade pelo que haviam feito.  Decidiu que estava disposto a enfrentar isso logo. Ali mesmo, ao telefone, diria a Yifan que havia acabado.

Estava prestes a interromper o namorado, quando sentiu mãos em volta do seu corpo e uma cabeça repousada em seu ombro. A primeira reação que teve foi paralisar, por Chanyeol o estar abraçando daquela forma, como se ele não estivesse falando ao telefone. Se perguntou o que ele tinha na cabeça para fazer tal coisa.

 

— Yifan, eu preciso te dizer uma coisa. — disse ao telefone. — Olha, eu já...— se interrompeu ao que sentiu beijos em seu pescoço, um dos pontos mais sensíveis para si.

 

Chanyeol simplesmente e descaradamente, distribuía beijos molhados pela sua pele, e apertava levemente sua cintura, fazendo o menor se arrepiar por completo.

 

— Humm...Bom, eu... — tentou dizer alguma coisa, pois Yifan estava esperando do outro lado da linha. — Eu já sei que...Ahhh. — foi interrompido novamente, por um arfar.

Queria bater em Chanyeol por estar fazendo aquilo consigo. Era extremamente sensível aqueles tipos de beijos pecaminosos, e ainda estava tentando resolver um assunto sério. Maldito seja Park Chanyeol, pensava, enquanto Yifan o questionava sobre algo que não sabia ao certo.

 

Talvez o motivo de estar gemendo.

 

— Sim, Yifan...Estou bem, é que eu machuquei o pé e está doendo muito. Awn...— acabou por gemer surpreso, quando Chanyeol levou a mão direita à sua nádega, a apertando. E decidiu que já era a gota d'água. — Olha, Yifan, amanhã eu te ligo pra gente conversar. Tchau.— encerrou a ligação, e se soltou do abraço, encarando o amigo com uma expressão raivosa e de desentendimento. — Você está louco? Por que fez isso, Chanyeol ? — questionou.

 

Chanyeol não sabia a resposta para essa pergunta. A única coisa que sabia é que Minseok ficava lindo com uma carinha de raiva e vergonha, e que não se arrependia nem um pouco do que havia feito, pelo contrário.

 

E olhando Minseok à sua frente, com aquelas vestes provocantes e tão acessível, teve total certeza de que o desejava.

A resposta que Minseok teve para sua pergunta, foi um Chanyeol vindo em sua direção, e agarrando sua cintura com possessividade, para logo depois, beijar-lhe os lábios, afoitamente.

Seu amigo o segurava de tal forma, que não sairia dali, nem se quisesse, o que não era o caso. E Minseok se viu correspondendo àquele beijo, quase que automaticamente. Suas mãos foram aos cabelos pretos do amigo, afagando-o, enquanto suas bocas se encaixava de um jeito bonito. O mais alto dava um passo à  frente, à medida que colava os corpos, consequentemente, prensando Minseok na parede mais próxima. As mãos astutas do mais novo se infiltraram em sua camisa, alisando a pele macia de sua cintura.

E quando pararam pra respirar, Chanyeol se sentiu extasiado ao vislumbrar o menor com os lábios vermelhos e ofegante pelo beijo. Quase gemeu, ao imaginar as expressões que Minseok podia fazer, em situações mais quentes. Sorriu com tal pensamento e viu a expressão do mesmo mudar para uma de confusão.

 

— O que deu em você, Chanyeol? Por que me beijou?

Em vez de responder, Chanyeol segurou as mãos do menor acima de sua cabeça, enquanto o beijava novamente, desta vez mais calmo. Saboreando cada parte daquela boca macia e os lábios doces.

 

Puxa vida, eram ainda melhor do que o esperado.

 

Minseok se entregou ainda mais rápido a esse novo beijo, se permitindo suspirar, ao que Chanyeol movimentava os lábios sobre o seu.

Deixou um gemido escapar, quando Chanyeol desceu os lábios de sua boca, para o seu pescoço, beijando-o novamente. O mais alto aspirava o aroma doce que Minseok possuía, enquanto distribuía leves chupões pela pele leitosa.

 

— Chan...Para...— meio falou, meio gemeu e Chanyeol só teve mais vontade de continuar. — Por favor, para.

 

— Qual o problema, Minseok? — perguntou por fim, se afastando do corpo de Minseok e desprendendo suas mãos.

 

— Como assim qual o problema? N-nós...Nós somos amigos e... Olha, eu...— tentou explicar, mas a verdade é que nem ele mesmo sabia qual o problema. Afinal de contas, eram solteiros e livres agora.

 

— Min, por favor. Não tem problema nenhum, nós não estamos mais namorando. — se aproximou perigosamente, deixando Minseok meio zonzo.

 

— Mas somos amigos, Chan. — tentou argumentar.

 

— E daí que somos amigos? Não se faça de difícil, Min, eu sei que você também quer isso. Eu vejo a forma que reage a mim.

 

Minseok ainda relutava em aceitar. Não sabia ao certo se era o choque de nunca ter pensando neles dois juntos, ou se era a vergonha de ter o amigo o querendo daquela forma. Além de que, se perguntava se isso era mesmo verdade, afinal de contas, não se achava nada perto das pessoas que Chanyeol já tinha ficado.

 

— Minnie, olha pra mim. — Chanyeol levou suas mãos ao rosto angelical. — Não precisa ter medo, nem nada. Eu não vou te machucar, vou ser carinhoso, eu juro. — disse, e viu seu rosto corar fortemente entre suas mãos.

 

— Não! N-não é isso.. É que... É que...

 

— É que..? — o incentivou.

 

— É que eu tenho vergonha de que você me veja...Que veja o meu corpo, entende? — Chanyeol o olhou incrédulo, depois de sua fala. — Você está acostumado a ficar com pessoas mais bonitas, eu não quero decepcionar você e... — Parou de falar, quando viu Chanyeol dar uma risada alta. — Você está zombando de mim?

 

— Não! Não, é que... Não acredito que esse é o seu medo. — confessou, ainda sorrindo, levando a destra ao rosto do menor, afagando sua bochecha. — Min, como pode ter vergonha de mostrar o seu corpo? Como? Você é tão lindo.

 

Minseok não podia estar mais vermelho e envergonhado. Por que sentia seu coração acelerar cada vez que Chanyeol o elogiava? Céus, estava a ponto de entrar em combustão.

 

— Não, Chanyeol! Eu não sou lindo... Se fosse, eu não teria sido trocado. Baekhyun é muito mais bonito que eu. — o mais novo suspirou com sua fala.

 

— É mesmo? — desceu suas mão para a cintura do menor, o puxando pra si. — Sabia que Baekhyun não tem uma bunda tão grande? — perguntou, apertando a região mencionada, arrancando um gemidinho surpreso de Minseok. Sorriu com isso. — E sabia que ele não tem bochechas fofas e redondinhas como as suas? — apertou levemente a bochecha alheia. — Sabia também, Min, que Baekhyun não tem olhos tão bonitos, e nem lábios tão doces? — fitou os mesmos, com uma tremenda vontade de beija-los.

 

— Chanyeol, não diga essas coisas, você está...

 

— Minseok!  Esqueça Baekhyun! — pediu.—  Por que não aproveita que estamos aqui e mostra pra ele que pode me fazer esquece-lo, assim como ele fez com Yifan? — se aproximou de seu ouvido. — Mostra pra mim o que Yifan está perdendo...— sussurrou, mordendo o lóbulo e Minseok estremeceu.

 

— Chanyeol... Está me deixando maluco...— disse ele, tentando manter o controle.

 

— Seja meu essa noite, Min...— pediu de uma forma que derrubou todas as barreiras que Minseok lutava em manter. — Deixa eu te fazer se sentir bem, se sentir maravilhoso, do jeito que você é.

 

O loiro não teve uma resposta imediata, mas seu consciente implorava por aquilo. Então assentiu, timidamente, abraçando o pescoço do amigo, que não perdeu nem um minuto em selar os lábios novamente, adentrando sua língua na cavidade do menor, explorando cada parte. Chanyeol segurou em cada uma de suas pernas, o erguendo, e ficando entre elas.

 

Minseok entrelaçou as pernas na cintura de Chanyeol, enquanto era recostado na parede e agora, tinha seu pescoço chupado afoitamente. Tentava não gemer manhoso, mas era só o que conseguia fazer, até que Chaneyol o carregou no colo, o levando até a cama de Baekhyun que era a mais próxima no momento. Naquele momento, tiveram certeza de que a noite de nerds tinha ido por água abaixo.

 

— Chan...Na cama do Baekhyun não...Hum..— tentou protestar, enquanto Chanyeol distribuía beijos pelo seu pescoço e tentava arrancar sua blusa.

 

— Qual o problema? — dizia, entre um beijo e outro. — Você acha que o Yifan nunca ficou com o Baekhyun na sua cama?

Em outra situação, Minseok se sentiria triste com o que ouviu, mas estava tão focado nas sensações que lhe estavam sendo proporcionadas, que nem ao menos ligou.

 

— Chan...Pare de me torturar assim. — gemeu, quando o mais novo apertou seus mamilos por debaixo da blusa.

 

— Imagine, Min. A cama que eu deveria usar para foder o Baekhyun, vou foder você...— sussurrou em seu ouvido, com seu timbre rouco, ignorando completamente a fala do menor.

Minseok sentiu todos os seus pelos eriçarem e um tremendo arrepio percorrer por sua espinha. Podia jurar que tinha ficado duro só de pensar em Chanyeol cumprindo o que disse. Gemeu em resposta, ao que sentiu suas nádegas sendo apertadas e viu Chanyeol sorrindo sacana.

O menor achou que estava sendo provocado demais, e decidiu que já estava na hora de fazer alguma coisa também.  Pensando nisso, empurrou o amigo, fazendo com que se assustasse um pouco e acabasse caindo deitado. Quando Chanyeol percebeu, ele já estava sentado em si, o olhando com uma expressão que julgou sexy demais para um mero mortal. E tudo só piorou quando o mesmo mordeu o lábio inferior, dando uma risadinha fofa seguida de uma olhar inocente.

Chanyeol sentiu sua sanidade escapar completamente, restando apenas o instinto que o guiava e a luxúria presente em seu olhar. E quando Minseok rebolou de forma nada discreta em sua região pélvica, teve total certeza de que estava duro. Suspeitava que estava pra acontecer desde que o menor caiu em cima de si, mais cedo, e com o filme que assistiram então... A vontade de toma-lo estava quase insuportável.

Levou suas mãos à cintura do mais velho, percebendo como se encaixavam perfeitamente ali, e apertou com força, o ajudando a rebolar em cima do seu pênis, se sentindo cada vez mais duro e excitado. O moreno não estava mais aguentando tanta provocação e o desespero começou  lhe subir à  cabeça, quando Minseok passou a gemer com a fricção que ambos faziam.

— Chan...você não está com muita roupa? — perguntou de forma simples, e viu o mais alto sorrir safado em sua direção. Não pôde  evitar retribuir o sorriso, mordendo os lábios novamente.

 

— Você também está, tira você primeiro. — rebateu, e o Kim congelou por um momento. Não sabia se estava pronto pra revelar seu corpo não tão musculoso, ou a sua barriga não definida. Sem falar em suas gordurinhas localizadas.

 

— Eu não quero, tenho vergonha... — disse com dificuldade, pois o olhar que o maior o lançava o estava intimidando.

 

— Olha aqui, Kim Minseok, eu só não arranco essa blusa de você, porque você fica fodidamente sexy usando uma roupa minha. Mas eu juro que ainda vou fazer você se mostrar completamente pra mim, e eu vou amar cada pedacinho maravilhoso do seu corpo. — Chanyeol passou as mãos pelas coxas cheinhas, apertando a carne macia  que Minseok tanto odiava. — Agora tira esse short... Ou quer que eu tire ?

Minseok nunca se sentiu tão surpreso em sua vida. Nunca pensou que encontraria alguém que gostasse de si dessa maneira e que não ligasse pros seus defeitos — que considerava altamente ridículos.

 Levando em conta o modo que seu coração batia rapidamente e suas mãos suavam, se perguntou o que estava acontecendo ali.

 

Céus, estava apaixonado por Chanyeol?

 

Teve vontade de chorar por finalmente encontrar alguém que pudesse corresponder os seus sentimentos, mas não o fez. Ao invés disso, se levantou do colo de Chanyeol, se virando paro o lado oposto e se pondo de quatro em sua frente. Por cima do ombro, o olhou com uma expressão tímida, e extremamente pornográfica, fazendo com que o maior tivesse vontade de fode-lo no mesmo instante.

 

— Quero que você tire...

 

"Puta que pariu"... Foi tudo que Chanyeol conseguiu pensar ao ver Minseok naquela posição, e depois de babar um pouco por aquela visão, se recompôs indo até o mesmo e lhe dando um forte tapa em sua nádega direita. Se sentiu realizado quando o Kim gemeu manhosinho por isso. Então, levou suas mãos ao short curto, descendo lentamente e levando sua boxer junto. Quando vislumbrou a entrada rosada e pulsante, sentiu  uma fisgada tão forte em seu baixo ventre, que sua ereção deveria ter crescido o dobro.

Se afastou rapidamente, apenas para tirar sua regata e sua calça junto com a cueca, logo após, se aproximou novamente. Estava em dúvida entre despir-lhe rapidamente, ou lentamente pra apreciar a visão. Optou pela primeira opção, pois estava extremamente sedento, mas jurou que em outra ocasião, faria tudo com muita calma pra saborear cada parte.

O moreno puxou seu short, com um pouquinho de pressa, e uma certa dificuldade em passar pelas coxas grossas. Quando finalmente tirou a peça de roupa, Chanyeol levou as mãos às nádegas fartas, abrindo as bandas e ouvindo Minseok arfar. Conseguiu, depois de um tempo salivando, alisar seu ponto, mas sem penetrar, apenas testando a elasticidade. Concluiu, por fim, que precisaria de um pouco de lubrificante.

Claro, seu idiota, o Min é praticamente virgem. Seu subconsciente frisou, fazendo Chanyeol se sentir um bobo.

Depois de depositar um beijo demorado em cada uma de suas  nádegas, levantou-se da cama, e não pôde ver a expressão meio extasiada, meio confusa do loiro. Foi até a gaveta do seu criado mudo, a abrindo e encontrando frascos de lubrificantes e algumas camisinhas. Pensou em pegar uma, mas depois da visão que teve, queria sentir Minseok completamente, sem nada o incomodando.

Quando voltou à cama, seus olhos quase saltaram da órbita. 

 

Minseok tinhas as pernas afastadas, e a cabeça apoiada em um travesseiro, enquanto se auto penetrava com os dedos pequenos e delicados. Alguns gemidos escapavam de sua boca e Chanyeol levou suas mãos ao seu membro de forma automática, se masturbando rapidamente com a visão que lhe fora proporcionada.

 

— Droga, Minseok! A cada segundo que passa eu fico mais duro. Daqui a pouco o meu pau vai explodir! — exclamou, se aproximando. — Agora deixa que eu cuido disso pra você. — afastou a mão do outro, substituindo por sua semelhante, e iniciando uma penetração de dois dedos, assim como o outro fazia.

O loiro mordia o travesseiro e segurava os lençóis da cama com certa força. Estava quase à beira de um colapso apenas por ter os dedos de seu amigo o penetrando, e tudo só piorava quando o maior os tirava para enfiar tudo de uma vez, o fazendo estremecer e gemer. Sentia um pouco de dor, mas considerando o fato de ser um pouco masoquista, conseguia focar apenas no prazer, e achar a dor prazerosa.

O maior se impressionou com a falta de dificuldade que seus dedos entraram, então concluiu que Minseok já sabia se preparar há bastante tempo para que não doesse tanto, pois a expressão que adornava seu rosto era uma mistura de incomodo, com um quantidade grande de êxtase. Sua mente se atreveu a criar imagens de um Minseok brincando sozinho de se dar prazer.

Alguns minutos tentando alarga-lo devidamente já estavam o deixando louco, então retirou os dedos, tateando a cama, à procura do vaso de lubrificante que tinha trago. Despejou uma quantidade em seu membro, e uma quantidade maior na entrada do mais velho. Levou seus dedos novamente à entrada pequena, usando o indicador de cada mão, para afastar o máximo que podia, vendo Minseok enterrar a cabeça no travesseiro para abafar quaisquer sons e gemidos.

Chanyeol deu uma risada safada, desferindo um tapa forte em uma das bandas, e pensou em como seria maravilhoso provoca-lo, antes de tudo. Oh, céus, tinha que imprensar Minseok em seu quarto qualquer dia desses pra que pudesse fazer tudo que sua mente pervertida e maliciosa  queria no momento.

O menor estava ansioso com o que viria, depois de tanto tempo sem fazer sexo, Chanyeol seria o primeiro e se sentia feliz por tirar esse atraso com ele. Olhou brevemente pra trás para checar as coisas, e quase saltou da cama quando viu o que estava pra enfrentar, engoliu em seco pensando em se realmente caberia tudo, e viu o amigo sorrir de um jeito bonito, mas safado.

— Você vai estar tão ocupado gemendo, que não vai se lembrar da dor. — disse, e o menor estava pronto pra responder, quando sua expressão mudou de assustada para uma com olhos arregalados e boca aberta.

Chanyeol o havia penetrado de uma única vez, sem cerimônia e sem demoras. Ficou parado por um tempo, ainda que fosse extremamente difícil, porque apôs entrar em contato com seu interior, só conseguia imaginar o quanto queria foder com força aquele lugarzinho apertado, e o quanto queria ouvi-lo gemer por isso.

Minseok tentava a todo custo não focar na dor que sentia, acreditava que fora melhor assim de uma única vez, para ele doeria menos, então passou a se masturbar, como forma de esquecer um pouco o incômodo que sentia. E quando Chanyeol começou a dar estocadas lentas, sentiu seu corpo inteiro entrar em combustão. Parecia que estava preste a explodir, o único som que podia ser ouvido no quarto eram suas respirações pesadas e profundas.

O moreno já havia desistido de se controlar, chegou a pensar que Minseok não aguentaria de fato, pois sentia que precisava se manter parado. Talvez não fosse uma boa ideia ter colocado tudo de uma vez. Mas quando o Kim impulsionou os quadris pra trás, Chanyeol não sabia se gemia de prazer ou de alívio.

 

— Vai, Channie...— foi o estopim para uma série de estocadas lentas, porém firmes, e Minseok se via gemendo de forma languida e desesperada a cada vez que Chanyeol saia lentamente e entrava com força total. Sentiu o maior retirar suas mãos de seu membro, que ainda masturbava e passou a fazer ele mesmo a tarefa. Masturbando rapidamente o menor, e o estocando lentamente. Quando Minseok não estava mais aguentando a tortura, pediu que Chanyeol fosse um pouco mais rápido.

 

— Como, Min? Assim? — perguntou, dando uma série de estocadas rápidas e certeiras, fazendo Minseok perder o equilíbrio do próprio corpo, quase caindo na cama. — Hum, então você gosta assim, não é? — provocou, repetindo a ato anterior, e ouvindo o menor gemer extremamente alto.

Chanyeol saiu brevemente da entrada apertadinha e Minseok quase o bateu por isso, então o moreno simplesmente guiou o loiro até a cabeceira, apoiando suas mãos ali. Segurou a cintura com força por cima da blusa, e literalmente, fodeu. Entrou com mais forças que das vezes anteriores, e com muito mais facilidade, puxando os cabelos alheios, e colando seus corpos completamente. Estocava rápido e forte, entrando quase por completo, e os gemidos do mais velho só aumentavam de volume, como música para seus ouvidos.

Queria tomar Minseok de todas as formas, a vontade imensa de possuí-lo cada vez mais o estava assustando, mas ignorou tais pensamento, se retirando mais uma vez do mais velho e o pegando no colo. Quando Minseok não aguentava mais um segundo sem ser preenchido pelo outro, o mesmo o penetrou enquanto se levantava, ainda com Minseok no colo, este que se agarrou fortemente em seu pescoço, mordendo seu ombro para descontar o prazer que sentia. Esta ação durou até o trajeto da cama de Baekhyun para a cama de Chanyeol, onde fora jogado e logo em seguida estocado novamente.

Minseok  abriu as pernas o máximo que conseguia, sentindo o amigo ir cada vez mais fundo dentro de si, entrando e saindo cada vez mais rápido. Cobriu os olhos com as mãos, com vergonha de encarar o garoto à sua frente, ato que o mesmo achou fofo demais para o momento.

 

— Está com vergonha de mim, Minnie? — Chanyeol provocou, descendo o rosto até o pescoço do menor, chupando com gosto a tez imaculada, e logo depois a bochecha, o queixo e tudo que podia alcançar. Se afastou um pouco, para vê-lo cheio de marquinhas vermelhas.  

Minseok revirou os olhos em deleite, quando em uma estocada certeira, sua próstata foi atingida e o mais alto grunhiu roucamente por acertar aquele ponto sensível.

A cama rangia constantemente e levando em conta a força com que Chanyeol se enterrava no loiro, poderia quebrar a qualquer momento.

Quando de repente, um barulho irritante e incômodo se fez presente em meios aos gemidos e mais gemidos.

Chanyeol tateou o criado mudo ao seu lado, procurando seu celular que tocava, a tela meio rachada pelo impacto contra a parede. Ele atendeu a ligação, sem ao menos se perguntar quem era,  não parando de estocar Minseok por nem um segundo.

 

— Alô... Ah, isso! — gemeu em deleite ao atender, quando o menor contraiu o interior, o apertando gostosamente. — Baekhyun?

 

Minseok gelou ao ouvir tal nome, para logo depois se enfurecer com tamanha audácia de Baekhyun por interromper um momento tão...

Nem se quer tinha palavras pra descrever aquele momento que ficaria gravado pra sempre em sua memória.

 

— Channnie...Annnw, Channie! — gemeu mais manhoso do que o recomendável, e de modo totalmente provocante. — Desliga isso, vai...Se concentra em mim...

 

— Chanyeol!? Chanyeol, amor, o que está acontecendo aí!? — Baekhyun gritava do outro lado da linha, mas nem se quer foi ouvido, pois Chanyeol largou o celular em um canto qualquer da cama, gritando todos os palavrões que conhecia, por tamanha provocação de Minseok.

Virou o  menor de bruços, erguendo seu quadril, para que ficasse empinado, e segurou seus cabelos para trás com uma mão, para se enterrar logo após, com toda força na entrada alheia, agora bem alargada.

 

— Ahhhhhh!! — gritou o Kim, quando sentiu sua próstata ser atingida novamente pelo membro grosso do amigo.

 

Baekhyun ouvia os gritos e gemidos dos dois, desesperado, como se não acreditasse de fato no que estava ouvindo, mas há muito fora esquecido, quando a única coisa que Chanyeol se preocupava era em dar prazer e receber prazer do seu gatinho. Era a forma com o interior tão apertado e quente lhe abrigava bem, no modo como entrava e saía gostosamente, deslizando cada vez mais fácil à medida que o menor se empinava.

Ah, o modo como Minseok gemia envergonhado quando sussurrava as mais diversas pornografias e obsenidades.

Tudo no momento parecia mil vezes mais importante que Baekhyun.

Por isso, nenhum dos dois ligou para a surpresa e o desespero que haviam implantado no mesmo, e nem na possibilidade que Baekhyun estivesse com Yifan e que os dois já soubessem o que estavam fazendo.

E pensando no modo como se encaixavam bem — literalmente — e como o melhor aroma que podia dar a sua cama, era o perfume de Minseok, levou suas mãos até o membro do menor, o masturbando para que chegassem ao orgasmo juntos, e para que pudessem repetir novamente tudo que haviam feito.

— Goza pra mim, baby. — foi a última coisa que disse, sussurrando, antes de solavancar com força, sentindo Minseok gozar em sua mão, enquanto gemia seu nome e tinha seu membro esmagado pelo interior quente. Acabou gozando também, quando Minseok o apertou deliciosamente, e depois de tal acontecimento, só pode concluir que aquela havia sido a melhor transa da sua vida.

E entre tentativas de regular a respiração e suspiros cansados, Chanyeol se retirou do menor, vendo todo o seu sêmen escorrer pela entrada violada, e escorrendo também pelas pernas bonitas.

Apesar de ter acabado de toma-lo, o Park estava animado para fazer novamente, e com energia suficiente para o resto da madrugada, mas quando viu o menor coçando os olhinhos fofamente, e bocejando, chegou à conclusão de que não ia rolar.

— Isso foi...

 

— Incrível! Eu sei... — Minseok completou, segurando a barra da camisa timidamente.

 

— Foi sim...— concordou, limpando a mão suja de sêmen com um lenço que não soube de onde veio. — E se eu dissesse que ver você com a minha blusa ainda está me deixando excitado, e que eu quero repetir...?

o Kim riu, balançando a cabeça negativamente.

— Amanhã, Chan, já acordamos o dormitório inteiro, vamos dormir antes que nos expulsem.  — murmurou baixinho, se deitando na cama e se cobrindo com um lençol, ainda meio mole pelo recente orgasmo.

 

— Não vai nem tomar um banho antes? — perguntou, não tendo a certeza de que o pequeno ainda estava acordado.

 

— Ah, Channie. Amanhã...Eu estou com sono. — respondeu dengoso. — Vem dormir comigo, vem.

 

Chanyeol se perguntou como Minseok podia ser tão sexy e sensual em um momento, e tão fofo e neném no outro.

Ah, não importava.

 O importante é que tiveram sua primeira vez, dormiriam juntos como um casal, sabendo que aquilo não tinha significado apenas uma foda. E quando Chanyeol se juntou ao menor, o trazendo para seus braços, teve a certeza de que foram vingados, e que seria pra sempre.

 

Acordaram no dia seguinte mais felizes que o comum, trocando sorrisinhos e beijos de bom dia, sem se preocupar com o fato de ainda estarem pelados — no caso do mais novo —, sem se preocuparem com o fato de terem realmente acordado o dormitório inteiro na madrugada passada, sem se preocuparem absolutamente com nada.

  E muito menos com o fato de Yifan e Baekhyun estarem apenas a alguns passos do quarto em que estavam, e apenas a alguns passos de descobrirem o que haviam feito na noite anterior.

Não estavam ligando, só queriam ficar o dia inteiro na cama trocando carícias e beijos.

Minseok não podia se sentir melhor, se sentia vingado, e acima de tudo, se sentia amado pelo grandalhão. Perdeu uma paixão, mas ganhou algo muito melhor. E se lhe dissessem que aquela descoberta terminaria nisso, com certeza não acreditaria.

Ah, mas dane-se tudo, afinal, desde que tivesse Chanyeol para consolá-lo, tudo ficaria bem.

 


Notas Finais


...
Eu to mais nervosa ainda, nunca achei que ia postar esse desastre, eu não sei escrever pwp kjkljkkj, o que deveria ser um pwp, mas eu to vendo que tem mais conversa que tudo, ai ai...
Então, obrigada se alguém além da minha esposa leu até aqui <3 Bju de açúcar.

Esposa, diga que vai continuar me amando mesmo depois desse presente kjkhjk nervosa hjkhkj Beijo.

E como podem perceber, eu só tenho merda pra falar, nada de importante, então eu vou parar hjkhjkghj
KISSUSSS e até meu próximo desastre.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...