História Division - Jikook ABO (BDSM) - Capítulo 6


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), EXO, Girls' Generation, Red Velvet
Personagens Baekhyun, Chanyeol, D.O, Irene, Jeon Jeongguk (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kai, Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Lay, Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais, Sehun, Seohyun, Seulgi, Suho, Taeyeon, Tiffany, Wendy, Yeri, Yoona
Tags Abo, Alfa, Alfaxalfa, Bdsm, Beta, Flex, Jikook, Jimin!bottom, Jimin!top, Jungkook! Bottom, Jungkook!top, Kookmin, Mpreg, Namjin, Ômega, Vhope
Visualizações 278
Palavras 4.893
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Ficção Científica, Lemon, LGBT, Misticismo, Romance e Novela, Slash, Sobrenatural, Universo Alternativo, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Cross-dresser, Estupro, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


CHEGAY, meu dedo tá coisado ainda mas tudo bem.


Boa leitura 📖


°•OMG, 102 favoritos em cinco capítulos?

Vou morrer e já volto°•

Capítulo 6 - Perseguição de cheiros!


Fanfic / Fanfiction Division - Jikook ABO (BDSM) - Capítulo 6 - Perseguição de cheiros!

Jimin estava em sua sala, os pagamentos da empresa ainda estavam para ser feitos e isso lhe dava bastante dor de cabeça, eram números e números para se contar e nenhum deles poderia ter sinais de erros, pois apenas uma margem de erro e tudo ia pelos ares, pelo menos na cabeça do Park. Pagar o salário de todos e a despesas da empresa era algo bastante difícil de ser feito e mesmo sendo o CEO de sua empresa o Park não tinha a mínima paciência quando se tratavam de números.

Tinha um copo de café ao seu lado, tomava o líquido escuro a cada dez segundos para tentar acelerar o seu metabolismo de uma vez só, a cafeína presente em seu sangue o fazia bater os pés de vez em quando, o alfa também passava a mão em seus cabelos negros por conta do nervosismo que sentia ao fazer contas.

Matemática nunca fora o seu forte.

Acabou sendo interrompido de seu trabalho ao ouvir a porta se abrir bruscamente, assim, lhe tirando a total atenção que dava a tela de seu computador. Yoongi entrou sem mais nem menos e carregava uma pasta verde em suas mãos. O ômega caminhou até sua mesa e deixou a pasta perto de Jimin.

— Jennie pediu que eu entregasse essa pasta a você, é a comparação, diga-se imensa, dos gastos do mês passado com os gastos deste mês. — Yoongi falou e cruzou seus braços enquanto observava o alfa sentado a sua frente abrir a pasta e folhear todos os papéis que estavam dentro dela.

— Aumentaram ou diminuíram? — Jimin perguntou sem olhar Yoongi ainda, o ômega se sentou em uma das cadeiras em frente a mesa do alfa e pegou um dos papéis que estavam na pasta.

— Aumentaram bastante, resumindo, os gastos feitos com a empresa inteira subiram muito, incluindo o pagamento dos funcionários, os gastos fixos com o edifício e os gastos com a construção da outra sede. Houve um aumento de vinte e cinco por cento dos gastos. — Yoongi falou um tanto resumido, o alfa soltou a pasta em sua mesa e suspirou alto enquanto passava a mão por seus cabelos, fazendo um pequeno topete. Aquilo significava mais dinheiro para gastar e mais contas para fazer, o Park sentia que poderia enlouquecer se ficasse dentro da empresa por mais alguns anos.

— Tudo bem… mudando de assunto, você ligou para o tal Jeon? — Jimin perguntou enquanto tomava mais um gole de seu café, o tempo que teria a conversa com Yoongi seria seu tempo de descanso daquele monitor a sua frente.

— Liguei sim, mesmo com a preguiça imensa de procurar a ficha dele nos arquivos do RH eu liguei, ele me pareceu um tanto nervoso no meio da chamada mas suponho que não soubesse o número que o ligava. — Yoongi falou enquanto se sentava de qualquer forma na cadeira de acolchoado e couro preto, o Park lhe dava total atenção enquanto tomava seu café.

— E que horas você mandou ele vir? — Jimin perguntou e pegou novamente os papéis que tinham na pasta, começando a analisá-los um por um novamente.

— Às oito e meia de amanhã, sei que o senhor Park detesta atrasos, mas se ele chegar não tem problema já que nós não podemos reclamar do chefe. — Yoongi falou se referindo ao alfa e debochou de sua cara, Jimin simplesmente não deu a mínima, conhecia Yoongi e sabia bem que o responder da mesma forma só resultaria em uma briga de argumentos desnecessária, pelo menos no momento.

— Ótimo, acho que terei que acordar mais cedo por amanhã, tenho várias coisas a fazer em casa. — Jimin falou e entregou novamente a pasta ao ômega, que se levantou e caminhou até a porta, mas antes se virou antes de sair completamente.

— Sua mãe também está no meio dessas coisas? — Yoongi perguntou descontraído e Jimin sorriu, o alfa sabia que talvez a própria mãe viesse até sua casa sem ao menos avisar.

— Olhe, eu realmente não sei, a senhora Park Jiyeon adora me fazer visitinhas inesperadas. — Jimin falou enquanto levantava os dedos mindinhos de forma estranha na tentativa de imitar a mãe que sempre fazia isso quando conversava com alguém.

— Pare com isso, se ela souber que o filho a imita o tempo inteiro irá sobrar pra você pagar o pato de escutar todos os sermões dela. Mesmo alguns deles muitas vezes sejam sem sentido. — Yoongi falou e gargalhou, saindo da sala do Park em seguida.


[…]


Eram 18:30 da noite, o Park estava cansado e agora se preparava para sair da empresa e ir direto para sua casa. Seus planos consistiam em chegar em casa, tomar um banho demorado e cair em sua cama como sempre fazia desde que assumiu o cargo de CEO da empresa que herdou de seus pais.

Sua vida monótona era um pouco entediante, lê-se muito, mas o que ele poderia fazer? Reclamar ainda não era uma opção já que seu sustento vinha dos lucros da própria empresa.

O alfa se levantou de sua cadeira e pegou suas coisas antes de sair de sua sala e trancar a porta, caminhou pelo corredor muito bem decorado do décimo quinto andar até chegar no elevador. Apertou o botão que mostrava uma seta virada para baixo, depois de um tempo as portas se abriram e ele entrou.

Minutos que mais se pareceram horas passaram e o alfa finalmente chegou ao térreo do edifício, várias pessoas se despediram umas das outras ou passavam seus cartões nas catracas para confirmar a sua saída da empresa.

Jimin saiu do edifício e pegou suas chaves, logo destravando seu carro que estava a metros de distância, pegou seu celular e checou antes de entrar no carro.

O alfa deixou seu celular no banco do passageiro e deu partida no carro, logo saindo do estacionamento da empresa.

O trânsito estava um pouco cheio e aquilo virava mais um dos motivos da dor de cabeça do Park, tudo piorava quando chegava em sinais de trânsito já que poderia ocorrer aqueles engarrafamentos produzidos pelo capeta. Isso quando não tinha um magote de pessoas buzinando e gritando sem parar, eles realmente acham que buzinar vai fazer o próprio carro ter asas?

Enquanto permanecia com o carro parado no sinal o alfa batucava os dedos no volante a fim de se acalmar e ter alguma distração que não fosse olhar para um monte de pessoas passando a sua frente.

Jimin se surpreendeu ao sentir o velho cheiro cítrico pairando no ar, era o mesmo cheiro do possível alfa que passou em frente a cafeteria em que estava.

Mas porque se importava tanto com o cheiro de um alfa? Um possível alfa que ao menos tinha visto o rosto ou conhecido nem que seja de longe, era algo no mínimo novo — ou estranho — na mente do lúpus.

O cheiro um tanto forte misturado com algo adocicado era viciante, o lúpus acabou por se remexer no banco do carro enquanto sentia o cheiro ficar mais forte a medida que os segundos passavam.

O cheiro lhe causava excitação.

Jimin agora contava os segundos para o sinal abrir e aquele magote de pessoas saírem da frente, sua vida parecia depender daquilo. E de alguma forma dependia.

Seus olhos rolavam pelas pessoas que passavam a sua frente, seu instinto procurava pelo alfa com o cheiro cítrico — sem perceber — o Park agora tinha seus olhos numa coloração vermelha, suas presas saiam levemente de sua gengiva e aquilo lhe incomodava, não podia deixar que seu lobo tomasse de conta de seu ser, não agora.

Jimin viu o maldito sinal mudar para o verde e pisou o pé no acelerador, queria sair dali o mais rápido possível, parecia uma prisão invisível, e o que lhe segurava era o cheiro forte do alfa. Jimin não sabia onde ele estava, poderia estar entre as pessoas que passavam pela faixa de pedestre ou podia estar passando pela calçada, o lúpus realmente não sabia.

O alfa poderia estar ultrapassando os limites de velocidade? Sim, ele estava, Jimin dirigia a quase 400km por hora mas não se importava, só queria chegar em casa logo.

Assim que percebeu o seu bairro se aproximando o alfa começou a diminuir a velocidade de seu carro, sua casa poderia ser vista no fim da rua por qualquer pessoa que a conhecesse.

Jimin entrou em seu estacionamento e deixou seu carro ali, pegou seu celular e suas chaves, saindo dali em seguida. Mal percebia que caiam pequenas gotas de suor por sua testa, chegando até seu pescoço e se possível molhando sua tatuagem.

O lúpus entrou em casa e deixou suas chaves entre as outras de seus carros que estavam guardadas em uma gaveta de um criado mudo perto do sofá, Jimin observou a casa inteira e viu que tudo estava em seu devido lugar, Olympia tinha feito faxina.

Jimin subiu as escadas de sua casa e passou pelo corredor extenso até chegar em seu quarto, o lúpus se sentou em sua cama e tirou seu paletó, desabotoou dois botões de sua camisa social e a soltou de sua calça, agora o alfa parecia mais um adolescente rebelde do que um CEO de uma empresa renomada.

O lúpus passou novamente a mão por seus cabelos, sua mania piorava quando estava nervoso, sentiu as gotículas de suor molharem sua mão e aquilo lhe assustou de alguma forma.

Teria ficado um tanto excitado com o cheiro de um alfa? Não poderia ser, na verdade não poderia ser de maneira alguma verídico aquilo, não era o cheiro que o incomodava e sim o dono.

Um alfa.

A sociedade jamais aceitaria um relacionamento como esse, a capital com certeza os colocaria na forca ou algo pior, tudo podia acontecer num caso desse nível de gravidade.

Essa era uma das leis mais rígidas da Coréia do Sul, ou até do mundo inteiro se possível, a lei dizia que o governo de todas as capitais de estado e países do mundo inteiro proibiam terminantemente o relacionamento entre dois alfas e dois ômegas, seja homossexual ou heterossexual.

Essa era a lei n° 13.002/05, uma das leis da constituição federal do país, essa lei era tão rígida que chegava ao ponto de ser uma lei constitucional do país, fazia parte das mais importantes leis da sociedade de uma capital.

Jimin sempre escutava de seu pai que ele havia se apaixonado por sua mãe somente ao sentir o cheiro de chocolate e menta da mulher e aquilo o preocupava, Jimin poderia ter se apaixonado por um alfa?

Não, definitivamente não, ele apenas tinha achado o cheiro um tanto bom para um alfa, tinha que ser apenas aquilo.

Bem, ele o que ele queria acreditar, ou melhor, se forçava a acreditar.

O lúpus balançou a cabeça tentando afastar os próprios pensamentos e seguiu até o banheiro, necessitava de um banho gelado, e rápido.


[…]


Jungkook ainda permanecia com o celular ao ouvido, o alfa com a boca entreaberta e escutava repetidamente o “pi” da chamada finalizada. Seu coração agora batia freneticamente e ele sentia gotículas de suor descendo por sua testa.

Jungkook sentia que a qualquer momento ele poderia ter um infarto fulminante e cair duro no chão, mas a adrenalina no seu sangue era alta demais para isso, o alfa ainda mexia a boca mas não conseguia pronunciar absolutamente nada.

Seu processamento poderia ser como o de celulares da geração retrasada mas ainda funcionava direito, não havia ficado surdo ainda, ele estava ficando velho mas não doido.

Jungkook fora aceito.

Isso só poderia ser feitiçaria, Joshua havia lhe avisado sobre isso a horas atrás e lhe acontece da mesma forma que o beta explicou.

Premonição? Talvez?

O alfa realmente não acreditava muito nessas coisas, mas aquilo era pura coincidência não era? Bem, de qualquer forma ele deveria agradecer ao beta por ter falado nisso, talvez ele tivesse desligado a chamada do número desconhecido se não se lembrasse das palavras do melhor amigo.

Tirou o celular do ouvido e o olhou completamente mesmo sem ter nada para se ver na barra de notificações, soltou o celular na cama e permaneceu sentado em posição de índio.

Agora o alfa tentava recapitular tudo que estava acontecendo e o que aconteceria depois desse emprego, teria que pedir demissão do supermercado e falar com Joshua sobre, mas isso não vinha de mais importante em sua mente, definitivamente o seu emprego no supermercado é o que menos lhe preocupava no momento.

O alfa focava na doença de sua mãe, agora com o salário alto que receberia talvez ele conseguisse pagar o tratamento extremamente caro para sua mãe, mesmo que a mulher insistindo em dizer que não precisava.

Hari era um pouco orgulhosa às vezes e isso, na maioria das vezes, atrapalhava as coisas, a ômega sempre dizia aos filhos que gastassem o próprio dinheiro apenas com suas necessidades, não com ela, pois Hari nunca aceitaria esse tipo de ajuda dos filhos.

Segundo ela, a ômega se sentiria um encosto na vida dos filhos se precisasse ser sustentada por eles alguma vez mas Jungkook não ligava, era sua mãe precisando de ajuda. Nem mesmo um orgulho besta iria lhe atrapalhar.

O alfa saiu de seus pensamentos quando escutou a porta de seu quarto abrir, Min-Haa colocou apenas metade do corpo para dentro do quarto e sorriu para o irmão, que a retribuiu.

— Omma está chamando para comer. — A alfa mais nova falou e saiu do quarto em seguida, Jungkook se levantou de sua cama e seguiu até a porta, saindo de seu quarto.

Jungkook seguiu até a cozinha e viu sua mãe servindo sua irmã com o jantar, o alfa se sentou a mesa e logo sua mãe o serviu, Jungkook apenas acabou por estranhar o fato de que não viu seu pai ali.

— Onde está o appa? — Jungkook perguntou enquanto começava a comer, Hari se sentou e suspirou alto, algo estava errado.

— O machucado de seu pai piorou um pouco, mas nada para se preocupar, eu já fiz um novo curativo nele e agora seu pai está repousando. — Hari explicou e Jungkook murchou sua expressão, sabia que os tratamentos em hospitais para com os castas cinco eram um tanto ruins demais, talvez os pontos que o pai levara estivessem se soltando ou algo assim, mas Jungkook fingiu não ligar.

— Eu… irei lhes dar uma vida melhor, pelo menos a partir de amanhã. — Jungkook falou e Hari estranhou, seu filho estava lhe escondendo algo, o conhecia bem demais para perceber que ele guardava segredo.

— O que aconteceu? Você mesmo disse que o supermercado entraria em reforma e você não poderia trabalhar ou pelo menos não era obrigado a estar lá todo dia. — A ômega falou um tanto alto, ainda estava impressionada com a fala de seu filho, ele teria que contar o que escondia.

— Eu consegui um novo emprego. — Jungkook falou e Hari soltou os próprios hashis e deixou que um sorriso grande moldace seus lábios, a pequena alfa sorria para o irmão que ainda comia como se nada estivesse acontecendo.

— Onde? — Hari perguntou eufórica e o alfa riu alto e engoliu a comida, seria uma tremenda falta de educação falar de boca cheia na frente de sua mãe, ela com certeza lhe daria uns belos cascudos por isso.

— Em uma empresa, serei secretário do dono, bem, creio que não será muito difícil para mim já que sei ler e escrever mas mesmo assim, eu estou nervoso. — Jungkook falou e a ômega sorria mais ainda, talvez sentisse suas bochechas doerem mas a felicidade era tanta que ela não se importava.

— E quanto irá receber? — A ômega perguntou enquanto levava um pouco de sua comida a boca, Min-Haa apenas observava calada a conversa entre os dois.

— Julgo eu ser um salário alto, suficiente para sairmos daqui e viver em uma casa maior, e também… o suficiente para eu conseguir cuidar da senhora. — Jungkook falou e engoliu em seco, Hari deu apenas um pequeno sorriso, se achava um incômodo se isso acontecesse.

— Não adianta dizer que não precisa mãe, Jungkook e eu fizemos uma promessa de cuidar da senhora custe o que custar. — Min-Haa se pronunciou e olhou para o irmão, que sorriu para si, a alfa podia ter apenas dez anos mas era esperta demais para sua idade.

— Tudo bem filha, agora vá para seu quarto, eu e seu irmão temos que conversar. — Hari falou e a pequena alfa assentiu e saiu da cozinha, deixando os mais velhos sozinhos.

Hari suspirou alto e passou suas mãos pelo rosto, não queria que os filhos cuidassem tanto de si ao ponto de gastarem dinheiro com ela, ela se sentiria um encosto na vida dos dois.

— Não adianta dizer o contrário, a senhora já fez muito por nós dois, agora é a hora de retribuirmos. — Jungkook falou e a ômega sorriu sem mostrar os dentes, seu filho às vezes adorava lhe mostrar o quanto lhe amava, e aquilo de certa forma lhe aquecia o coração.

Depois de um tempo o alfa terminou de comer e se levantou, colocou o prato na pia e se preparava para sair da cozinha, se a mãe não o chamasse antes.

— Aonde vai? — Hari perguntou enquanto começava a lavar as louças sujas.

— Preciso falar com um amigo, em meia hora estarei de volta. — Jungkook falou rápido e foi até seu quarto, pegou o celular e saiu do cômodo, se despediu da mãe e saiu de casa.

Agora caminhava um tanto rápido até a casa do amigo, agora teria que passar pela avenida infestada de carros buzinando e pessoas falando alto demais, aquilo era demais para seus ouvidos, a audição de um alfa era aguçada quando queria.

Assim que o sinal fechou o alfa se pôs a passar junto das outras pessoas, andou um tanto mais devagar ao sentir um cheiro conhecido, o forte e atraente cheiro de whisky.

Olhou para os lados discretamente enquanto procurava o dono desse cheiro, ele poderia estar na calçada, andando junto de si ou entre os carros da frente, era difícil dizer.

Aquele cheiro lhe acalmava, mesmo sendo bastante forte, lhe passava um ar de superioridade e segurança, mas o alfa deixou isso de lado e atravessou de uma vez.

Assim que chegou ao outro lado ouviu um barulho alto, olhou para trás e viu um dos carros da frente acelerar como se não houvesse um amanhã, era um carro de luxo.

— Esse cara é completamente louco. — Jungkook falou enquanto observava o carro ficar pequeno a medida que se afastava.

Começou a caminhar um pouco mais rápido, já avistava a casa de Joshua ao longe, ele com certeza teria que estar em casa.

Assim que chegou na casa um pouco maior que a sua o alfa tocou a campainha, esperou um tempo e viu uma mulher abrir a porta, ela sorriu para o alfa.

— O que deseja? — A mulher que parecia ser uma ômega pelo seu jeito meigo lhe perguntou.

— Eu preciso conversar com Joshua, ele está? — Jungkook perguntou um pouco acanhado, a mulher assentiu e lhe deu espaço para entrar, o alfa avistou o beta sentado em seu sofá enquanto assistia algo em sua televisão.

— Jungkook! — O beta se surpreendeu ao ver o amigo a sua frente, Joshua se levantou e foi até o alfa, sua mãe, a mulher que atendeu a porta, apenas saiu dali para deixar os dois um pouco mais a vontade.

— Eu preciso lhe dizer algo. — Jungkook falou tentando conter a euforia em sua voz, o beta se sentou no sofá e baixou o som da televisão assim que avistou o controle perto de si, Joshua bateu a mão no sofá e Jungkook logo se sentou.

— Conte logo, está me deixando nervoso. — O beta falou eufórico e bateu palmas, o alfa tomou fôlego para falar, ainda não tinha caído a ficha de que fora contratado por essa empresa.

— Então, lembra de quando você me falou sobre a possibilidade de alguém da empresa me ligar ao invés de mandar algo por e-mail? — Jungkook perguntou e Joshua assentiu rapidamente, seu sorriso era mega grande.

— Sim, ainda existe essa possibilidade. — O beta falou um pouco pensativo.

— Bem, essa possibilidade acabou acontecendo e meio que… — O alfa mal acabou de falar e o então já tinha se jogando sobre seu corpo enquanto dava gritinhos nem um pouco másculos.

— Te aceitaram? — O beta perguntou alegre e saiu de cima do alfa que se ajeitou novamente no sofá, Jungkook apenas assentiu rapidamente e sentiu o amigo se jogar em seu pescoço.

— Eu sabia, eu sabia, eu sabia. — Joshua falava repetidamente. — Você tinha potencial pra isso Jungkook, ainda bem que eu, como um bom amigo, te ajudei com isso, mas… promete que não irá me esquecer mesmo trabalhando longe de mim? — O beta perguntou e Jungkook assentiu logo lhe retribuiu o abraço apertado.

— Mas é claro que não te esquecerei, trabalhei anos com você naquele armazém, não terá como esquecer você. — O alfa falou e Joshua sorriu enquanto encerrava o abraço.

— Quando começa? — O beta perguntou rapidamente e Jungkook piscou rápido os olhos, tentou entender o que o amigo tinha falado.

— Amanhã mesmo. — Jungkook respondeu e revirou os olhos sorrindo ao sentir o amigo se jogar em seu pescoço novamente.


[…]


O Park agora acordara um tanto emburrado, resmungava todos os palavrões possíveis contra seu despertador, seu celular virava definitivamente uma caixa de som quando se tratava de o acordar cedo todas as manhãs.

O lúpus pegou seu celular e encerrou o barulho estridente, mal tinha acordado e seu dia já começava ruim como os outros, Jimin agora tinha um olho aberto e outro não enquanto tentava, de maneira falha, ficar acordado.

Depois de um bom tempo pensando em absolutamente nada o alfa resolve levantar, mesmo não querendo, Jimin respirou fundo e passou a lingua em seus lábios a fim de umedecê-los, seguiu até o banheiro e parou na frente do espelho de sua pia de mármore branco.

Seu rosto estava inchado, sua boca um pouco mais vermelha que o normal e seu cabelo parecia mais um ninho, é… aparentemente tudo normal.

O alfa se despiu e entrou no chuveiro, a água quente lhe dava sono e não era isso que ele queria, mas não iria arriscar tomar banho com água gelada demais, ele não queria ”nadar nú no polo norte”.

Depois de um banho considerávelmente demorado o lúpus saiu do banheiro apenas com uma toalha na cintura, seguiu até seu closet e vestiu uma roupa um tanto… casual, mas mesmo assim formal.

Jimin não vestiria seus ternos caros demais hoje, não queria parecer um babaca que se acha apenas por ter mais dinheiro que os outros na frente de seu novo funcionário, então optou por uma calça jeans e uma blusa azul claro de mangas que iam até seu antebraço, ajeitou seus cabelos em um topete um pouco rebelde e saiu do cômodo pequeno.

Jimin não parecia mais um adulto com grandes responsabilidades e sim um típico “badboy” adolescente de séries, o alfa gostava assim, era um tanto ruim envelhecer e saber disso.

Pegou seu celular e saiu de seu quarto, desceu as escadas e foi até a cozinha, Olympia acabava de colocar a mesa e o alfa sorriu ao vê-la.

— Me perdoe mas eu não irei comer aqui, mas não significa que dispenso um desses bolinhos. — Jimin falou e pegou um dos bolinhos de chocolate que a beta havia feito, a mulher riu baixo e cruzou os braços enquanto olhava para o lúpus de cima a baixo.

— Olha só, vai trabalhar ou vai à um encontro? — Olympia falou tentando ser sexy, o alfa piscou para a beta que não se aguentou e riu.

— Quem me dera ter um encontro, eu só vou trabalhar mesmo. — Jimin falou e abraçou a beta por trás e lhe deixou um selar em seu pescoço, ele fazia isso desde que se conhecia por gente.

Jimin saiu da cozinha e pegou uma de suas chaves de carros, saiu de casa e foi até a garagem, hoje seria dia de pôr seu Mustang para trabalhar.

Entrou no carro e deixou seu celular dentro de um dos compartimentos para copos e deu partida no carro, saindo de sua casa em seguida.

Era cedo e não havia quase ninguém no trânsito ou nas ruas, por isso o Park nem ao menos se importou com a velocidade que dirigia, a rapidez era tanta que as coisas do lado de fora passavam feito vultos irreconhecíveis.

Em poucos minutos havia chegado no prédio de sua empresa, olhou a hora em seu celular e viu que ainda eram 07:40, ele aproveitaria esse tempo para acabar o trabalho as planilhas de contas que havia começado antes de ontem.


[…]


Jungkook mal conseguira dormir de noite, se ele tirou um cochilo de trinta minutos era demais, o alfa ficou acordado quase a noite inteira enquanto checava de cinco em cinco segundos a hora em seu celular.

Por fim, já eram 07:30 quando o alfa acordou, Jungkook ficou assustado ao ver o tempo passar um pouco mais rápido e se levantou de sua cama seguindo até o banheiro.

Se despiu e tomou um banho gelado, precisava acordar de qualquer maneira, fez suas higienes pessoas e saiu do banheiro quase tropeçando nos próprios pés de tanto nervosismo.

Acabou por vestir uma calça jeans e uma blusa social branca, eram até agora suas melhores roupas, o alfa juntava economias todos os anos para comprar alguma roupa nova, nem que fosse apenas uma por ano.

Calçou seus tênis preto e saiu do quarto, escutou barulhos na cozinha e deduziu ser sua mãe, entrou no cômodo e viu a ômega pondo café em uma xícara, mas assim que Hari o olhou, se assustou.

— Meu Deus garoto, seu cabelo parece mais um ninho ensopado. — A mulher falou e Jungkook murchou sua expressão, estava nervoso demais para perceber isso. — Me deixe arrumar isso. — A ômega falou e parou na frente do filho enquanto ajeitava o cabelo do alfa de um jeito bom.

— Agora isso parece um cabelo. — Hari falou e não conseguiu conter o riso ao ver a cara emburrada de seu filho.

Jungkook se sentou a mesa e se serviu com uma xícara de café, ele precisava tomar algo que o acordasse, mesmo não precisando pois sua ansiedade e frio na barriga não lhe deixavam quieto.

— Se acalme, a empresa não irá sair do lugar. — Hari falou enquanto tomava uma xícara de café.

— Falar é fácil, eu estou nervoso demais para isso. — Jungkook falou enquanto olhava as horas em seu celular, 08:20.

— Preciso ir, me deseje sorte mamãe. — O alfa falou e se levantou, depositou um beijo na testa de sua mãe e saiu em disparada para fora de casa.

Jungkook andou rapidamente até a avenida e chamou um táxi, o velho homem parecia alguém de bom coração.

— Para onde meu jovem? — O homem perguntou enquanto o olhava.

— Para a Park's Corporation, e sem demora por favor. — Jungkook respondeu e viu o homem assentir e logo sair do acostamento.


[…]


Jimin estava em sua sala junto de Yoongi, os dois analisavam todas planilhas feitas por Jimin antes delas serem enviadas para Hoseok, que estava em Londres.

Os dois foram interrompidos por Jennie, a ômega entrou na sala após dar duas batidas na porta, chamando a atenção dos dois.

— Já são 08:30, o rapaz que contratou como secretário está lá embaixo, mando subir? — Jennie perguntou enquanto olhava algo no iPad em sua mão.

— Mande subir. — Jimin respondeu e a ômega assentiu e saiu da sala em seguida.

— Vejo que o alfa é pontual. — Yoongi falou enquanto juntava as planilhas com um clipe, Jimin assentiu enquanto guardava a outra metade das planilhas dentro de uma pasta.

— Sim, melhor assim, gosto de gente que não se atrasa. — Jimin falou e se sentou em sua cadeira, Yoongi apenas saiu da sala com as pastas em sua mão.

Jimin permaneceu de cabeça baixa enquanto tentava recapitular tudo que iria fazer daqui em diante, virou sua cadeira para o lado oposto enquanto esperava o rapaz chegar.

Ouviu a porta se abrir bruscamente, se impressionou ao sentir o cheiro cítrico e adocicado novamente, aquele cheiro lhe perseguia arduamente ou o que?


[…]


— Você poderá subir, já falei com o chefe. — A recepcionista dizia ao alfa que estava sentado em uma cadeira perto da recepção.

Jungkook assentiu e sorriu para a moça, foi até o elevador com ela e entrou naquela prisão, pelo menos para alguém que nunca tinha ficado tão perto de uma mulher assim, Jungkook estava no mínimo tímido demais, mas aquilo fazia parte de sua personalidade.

Assim que as portas se abriram o alfa ficou ainda mais nervoso, a moça ao seu lado lhe levou até a porta da sala do dono da empresa e o deixou lá.

— Ele está o esperando, pode entrar quando estiver preparado. — A ômega falou e lhe deu um sorriso antes de sair.

Jungkook respirou fundo e fez um punho com a mão, iria bater se seu nervosismo não deixasse, juntou suas forças e bateu três vezes na porta, logo entrando na sala.

Era tudo muito bem decorado, os painéis de vidro fumê da sala deixava tudo num ar um pouco executivo, tudo era em preto e branco, poucas coisas eram coloridas por ali.

O alfa sentiu novamente o cheiro forte de whisky, aquele cheiro conseguia lhe embriagar de uma forma avassaladora. O alfa viu o dono da empresa se virar um pouco para si, Jungkook tentou esconder a surpresa de ter visto a tatuagem de pássaro em seu pescoço, a tatuagem que nunca saíra da sua mente.

— Você? — Jungkook sussurrou para si mesmo quando viu o alfa lúpus a sua frente.


Notas Finais


Eita porraaaaa....... Interações a partir do próximo capítulo, se prepararem para provocações e muitos hots....

Amo vocês 💗


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...