História Do Céu ao Inferno - O Vale da Morte - 2 - Capítulo 16


Escrita por: e MelanyAreco5890

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Drama, Mistério, Originais
Visualizações 19
Palavras 1.328
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Fantasia, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Olá olá!!
Tudo bom gente?
Espero que gostem do capítulo,e amanhã eu estou de volta.
Tenham uma boa leitura 😘
A foto é a Ally okay?

Capítulo 16 - CAPÍTULO - XVI


Fanfic / Fanfiction Do Céu ao Inferno - O Vale da Morte - 2 - Capítulo 16 - CAPÍTULO - XVI

                             ~Isaac~

Eu não lembro quando a conheci ao certo,eu e Julies crescemos juntos,lado a lado,desde muito pequenos.

Mas lembro de certas coisas no decorrer da minha vida,e em praticamente todas as minhas lembranças Julies estava.

Quando tínhamos cinco anos corremos para o pomar e subimos em uma árvore para pegar maçãs,vermelhas e frescas,mesmo que minha mãe dissesse sempre para não fazermos isso,ou nos machucariamos.Eu e Julies nunca ligamos para o perigo.Naquele dia ela caiu da árvore e quebrou a mão.Eu me senti muito culpado, e decidi levar uma cesta cheia de maçãs para ela,só para compensar.

Aos sete anos, literalmente brincamos com fogo,pegamos escondido o esqueiro do Sr.Billhater,e corremos para a sala de estar.Julies acidentalmente colocou fogo na cortina,e papai chegou bem na hora do ocorrido.Lembro-me de proteger Julies com tudo o que tinha,e de colocar a culpa toda em mim mesmo.Papai me castigou no lugar de Julies.

Quando tinha nove anos Lizzie morreu,minha irmã caçula,graças à uma praga que se impregnou nela.Lembro-me do enterro dela,de como eu chorava incessantemente,e de como eu me recusava a falar com qualquer um,exceto Julies,lembro-me dela se aproximando silenciosamente,e segurando minha mão enquanto as lágrimas caiam dos meus olhos.

Aos doze anos,eu dei meu primeiro beijo,em Katarina BillHater,a filha do cara do esqueiro,e lembro de ter passado a madrugada toda no quarto de Julies,deitado a seu lado,olhando para o teto, enquanto dizia o quão constrangedor havia sido meu primeiro beijo.Ela riu de mim.

Aos catorze anos, Julies deu o primeiro beijo,em Luis Dearn,e desta vez ela foi até meu quarto dizer o quão incrível havia sido seu primeiro beijo.E aí nos brigamos,graças a minha idiotice.Nunca havia gostado de Luís,e depois ele quer roubar a minha melhor amiga?De jeito nenhum.Mas depois fizemos as pazes,subimos mais uma vez numa árvore para pegar maçãs,e dessa vez ninguém se machucou.

Aos dezesseis anos,no meu aniversário,acordei com Julies me cutucando.O sol nem havia nascido,e ela me levou até o telhado da Guarda,onde nos sentamos,comemos os doces que ela havia roubado da cozinha,e vimos o sol nascer.Foi maravilhoso.

E não só agora,mas cada momento ao lado de Julies,me fez sentir especial.Eu realmente sempre fui feliz a seu lado,ouvindo o doce som da sua voz,vendo seus olhos brilhantes,e sentindo o seu toque suave.E não sei ao certo quando,mas me apaixonei perdidamente por ela,mesmo antes de perder as memórias.

°°°

Havia dormido como um bebê essa noite,sendo esta repleta de sonhos... lembranças minhas,de Julies,da minha vida.

Me levantei da cama esfregando a cabeça.Minhas lembranças estavam voltando aos poucos,e finalmente eu me sentia mais como eu mesmo.

Peguei minha faca dourada,colocando-a na proteção de couro que eu ganhara de Tyler,deixando-a sempre pendurada na cintura.Sai do meu quarto,indo para o quarto de Julies.

A garota não estava dormindo,apesar de ser mais de uma hora da madrugada.O abajur ao lado da cama estava aceso,e ela lia alguma coisa,sem me notar parado ali.

Eu não disse nada,apenas fiquei parado,observando-a ler,ver seus olhos passearem pelas páginas distraidamente.

Ela era tão bonita.Pensei.Tão linda que chegava a doer.

- Isaac - ela disse finalmente me notando na porta,se sentando e fechando o livro,pousando o mesmo na cabeceira da cama. - a quanto tempo está aí?

- Alguns minutos - dei de ombros. - por que não está dormindo? - falei.

- Estou com os pensamentos muito acelerados - ela disse - ler me distrai um pouco.

Fechei a porta atrás de mim,caminhando até Julies,me sentei a seu lado na cama.

- O que você está fazendo acordado? - ela disse me cutucando.

- Eu tive sonhos - falei pensativamente - com você.Na verdade acho que foram...as minhas lembranças voltando.

- Do que se lembrou? - ela disse curiosa.

- Várias coisas - sorri - todas elas envolviam você.Lembrei de quando quebrou a mão...

- Quando tentamos pegar maçãs - ela disse rindo - sua mãe gritou com a gente.

- Sim - também ri - me lembrei também quando colocamos fogo na cortina da sala de estar e papai nos flagrou.

- Certeza que Sr.BillHater que nos entregou ao seu pai.

- Nós roubamos o esqueiro dele - falei erguendo os ombros.

- Fala sério,era só um esqueiro! - Julies riu.

Eu ri tocando seu rosto suavemente,observando cada detalhe dele,desde as bochechas pálidas e grandes,aos olhos castanhos claros,os quais sempre ficavam verdes quando ela chorava.Ela era linda,e simplesmente perfeita aos meus olhos.

Eu me inclinei sobre Julies tocando seus lábios com os meus,e suas mãos agarraram a minha camisa,me puxando para mais perto de si,de modo que meu corpo pressionava o dela contra o colchão,suas mãos deslizaram para debaixo da minha camisa,enquanto eu estudava a sua boca com a minha...

- Ai - ela disse - o que é isso?

Seus dedos cutucaram a faca presa no coldre na minha cintura.

- Minha faca - eu a peguei colocando-a sobre a mesa ao lado da cama,voltando a beijar Julies.

- Espere - ela disse me afastando.

- O que foi?

- O que é isso? - ela pegou a minha faca novamente olhando para a lâmina.

Uma imagem apareceu ali,meio embaçada,mas ainda assim muito visível.Era Tyler,na sala de Manutenção,ele estava em cima de um dos altíssimos andaimes,sem grades,perto da parede,mexendo no painel de controle que ficava ali.Então um brilho iluminou tudo,e Tyler foi arremessado,segurando-se no andaime,ficando com as pernas penduradas no ar...

- A gente precisa ajudar - disse Julies com olhos arregalados,saindo de baixo das cobertas.

- Nem sabemos se isso realmente está acontecendo - protestei.

- É melhor conferirmos então - ela abriu a porta do quarto correndo pelo corredor.

Peguei a minha faca prendendo-a novamente na cintura e corri atrás de Julies.

Assim que as portas do elevador se abriram novamente no segundo andar,Sala de Manutenção,eu e Julies corremos para ajuda-lo.

Tyler estava ainda ali,pendurado,com as pernas balançando no ar,suas mãos estavam cobertas de óleo e escorregavam.E,o mais aterrorizante,bem embaixo de si,havia uma das máquinas,e esta tinha um ferro afiado que saia da parte de cima,bem na direção de Tyler.

Corri,deixando Julies para trás,subindo as escadas de metal como a luz.

- Tyler... - era Allicia surgindo do elevador também,assim que seus olhos pousaram em Tyler ela levou a mão até o bolso,tirando algo dali de dentro.

Me voltei para Tyler,terminando de subir os últimos degraus...

Mas era tarde,as mãos de Tyler escorregaram e...

Eu pisquei,apenas pisquei,não durou nem sequer um segundo,e quando abri meus olhos novamente Tyler estava estirado no andaime,bem a meus pés,e Allicia estava ao lado dele,ainda com as mãos nos braços dele,como se ela o tivesse puxado da beira do andaime.

Mas o mais curioso,como ela havia chegado aqui tão rápido?

Tyler,coberto de óleo, suspirou rindo histericamente.

- Eu...achei que fosse morrer - ele disse olhando pra Allicia - não é uma sensação nada legal.

Allicia riu colocando o cabelo atrás da orelha,e sujando o rosto com óleo e graxa.

Julies,que estava ao pé da escada até então,subiu parando ao meu lado com expressão confusa.

- O que...?

- Como fez isso? - falei olhando para Allicia.

- Como salvei a vida dele? - ela disse - subindo as escadas e segurando a mão dele antes que ele caísse em direção a sua morte certa...

- Não - falei - como subiu aqui assim,tão rápida? - falei - você estava perto do elevador... - apontei,do outro lado da sala - não tem como ter chegado aqui a tempo de ...

- Qual é,eu salvei a vida dele,nem um...obrigado? - disse Allicia mudando de assunto.

- Obrigado - suspirou Tyler.

Engoli em seco e não falei mais nada, porém aquilo ainda martelava na minha cabeça...

Como raios Allicia havia subido aqui tão rápido e sem nenhum de nós sequer ver?

Só haviam duas respostas para isso:a)eu estava ficando louco;b) Allicia era o verdadeiro flash.

A segunda opção seria bem legal.

Porém a expressão de espanto no rosto de Julies me mostrava que não fora o único a reparar naquilo.

Allicia estava escondendo alguma coisa,e algo me dizia,que era algo muito importante.


Notas Finais


Então??O que acharam?
Digam as paranóias que se passam nessas cabecinhas,podem vir com as teorias doidas hahahshah
Até amanhã 😊😘😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...