1. Spirit Fanfics >
  2. Do I Wanna Know (Jeon Jungkook - BTS) >
  3. Do I wanna know If this feeling flows both ways...?

História Do I Wanna Know (Jeon Jungkook - BTS) - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Oi oi oi, sejam bem-vindos à mais uma one-shot. Espero que gostem e tenham uma boa leitura <3

Capítulo 1 - Do I wanna know If this feeling flows both ways...?


Quando a última aula da sexta-feira finalmente chegou, os alunos já não estavam mais se importando com a presença do professor. Alguns se reuniam em pequenos grupos no fundo da sala para conversar, alguns dormiam sobre as carteiras e poucos realmente assistiam a aula. Eu, por mais que estivesse em silêncio, estava com meus pensamentos bem longe dali.

— Para onde vamos hoje? — a voz de Park Jimin ecoou baixinho ao fundo da sala.

— Eu não sei — a voz que ecoou agora foi a dele. Jungkook não parecia empolgado ao combinar a saída com os amigos, o que era estranho já que ele sempre adorou festas e coisas do tipo. — Eu tenho umas cortesias para aquela boate nova que abriu no centro, o que vocês acham?

Jungkook não parecia animado ao falar com seus amigos sobre a tal boate e isso era estranho afinal, o asiático sempre adorou festas e sempre as frequentava durante os finais de semana e até em dias normais de aula mas hoje em particular ele parecia não parecia estar com vontade de sair.

Pelo canto do olho, eu consegui observá-lo de raspão enquanto mexia em meu cabelo e fingia estar ajeitando a alça da minha blusa. Jungkook estava de costas, usava uma camiseta preta meio justa que evidenciava todos os seus músculos bem definidos. O desenho perfeito de seus ombros, costas e braços me fez arfar em frustração. Eu ainda lembrava muito bem como era a sensação de arranhar toda aquela região de seu corpo enquanto ele metia em mim, me fazendo gemer como louca.

Minha relação com Jungkook sempre foi conturbada. Nos conhecemos quando eu me transferi para o turno da noite e de primeira não nos demos bem. Sua personalidade narcisista e até meio arrogante me irritaram e qualquer ação mínima era porta de entrada para uma discussão. Mas isso mudou quando frequentamos a mesma festa há quatro meses. Alguns goles de cerveja foram o suficiente para me fazer perder a timidez e me jogar na pista de dança e quando me dei conta, eu já estava dançando com Jungkook. Suas mãos apertavam meu quadril e seu corpo se mexia no mesmo ritmo que o meu enquanto eu rebolava de costas para ele, roçando minha bunda coberta pelo vestido minúsculo em seu pau que já estava duro dentro da calça. Aquela noite foi apenas a primeira de muitas, depois disso começamos a nos encontrar quase todos os dias durante dois meses seguidos. Eu não fazia ideia de quantas vezes o moreno havia me levado para casa após as aulas e acabou dormindo por lá também. Mesmo com nossas diferenças gritantes, conseguíamos fazer dar certo... Pelo menos por um tempo.

Jungkook sabia como me satisfazer muito bem e não deixava a desejar quando estávamos entre quatro paredes. Por um tempo achei que isso seria o suficiente pra mim e tentava me convencer de que estava tudo bem, mas quando meu coração começou a amolecer sempre que ele estava por perto eu soube que estava fodida.

Jungkook não é do tipo que namora e eu sabia muito bem que ele não mudaria sua personalidade por mim, jamais daríamos certo e essa conclusão me fez colocar um fim ao nosso rolo. Jeon não queria terminar e nem mesmo entendia os meus motivos e eu não o culpo por isso já que nunca fui sincera sobre meus sentimentos então ele não tinha como saber. Achei que iria superar rápido e não sentiria tanta falta dele, mas eu estava muito enganada.

Dois meses depois do término e eu ainda estou apaixonada por aquele idiota.

O toque indicando o final da aula ecoou alto, me tirando dos meus próprios pensamentos. Rapidamente juntei minhas coisas e saí da sala enquanto escutava o professor se despedir da turma.

Por mais que já fosse tarde, isso não impediu Jungkook e seu grupinho de amigos de se reunirem no estacionamento da faculdade. Meus passos que já eram rápidos apressaram ainda mais quando tive de passar por ali. Jungkook estava encostado em sua moto, assim como Jimin e Hoseok e todos os três pareciam estar esperando alguém. Ele tinha um meio sorriso nos lábios finos e um olhar distante, não parecia estar interessado na conversa dos amigos e ao chegar perto do portão de saída, eu finalmente percebi no que Jungkook estava focando a sua atenção.

O moreno olhava descaradamente pra mim. Aquele olhar debochado de sempre, com as sobrancelhas grossas e bem desenhadas um pouco franzidas e os lábios formando um pequeno sorriso de canto. Sua postura me irritava, mas ao mesmo tempo me deixava com as pernas bambas. Tentei desviar o olhar, por mais que fosse uma tarefa difícil mas ainda sentia seu olhar queimando sobre minha pele enquanto eu saía da Universidade.

Já que morava ali perto, em uma das várias repúblicas estudantis, não havia motivo para gastar dinheiro com táxi ou ônibus, eu podia apenas caminhar por uns quinze minutos e logo estaria em casa.

Meus passos continuavam acelerados, queria chegar em casa logo e hibernar na minha cama até segunda-feira e o frio já estava começando a me incomodar.

Como não tinha levado um casaco, apenas abracei meus próprios braços durante a caminhada mas logo percebi que aquele vento gélido não iria embora tão cedo quando um forte trovão ecoou bem em cima de mim acompanhado por um relâmpago que iluminou toda a rua escura.

O meu nível de azar aparentemente é algo gritante já que além de estar com frio e sem nenhum casaco, logo logo eu estaria completamente ensopada. Dito e feito, comecei a sentir leves pingos de águas caindo sobre meu corpo e não demorou para que ficassem mais forte.

Comecei a correr, mesmo sabendo que as chances de acabar tropeçando eram gigantes. O vento forte acompanhava a chuva e batia sem dó em meu corpo, provocando calafrios em minha pele e me fazendo tremer. Minhas pernas vacilaram quando meu corpo inteiro começou a tremer mais forte e minha vista se tornou turva devido a toda água que caía.

Quase chorei de felicidade quando finalmente avistei o meu prédio. Empurrei a porta e entrei, já começando a correr até até o elevador. Tirei meus tênis e a roupa molhada e tirei todos os livros da mochila. Felizmente eles não tinham molhado tanto, ao contrário de mim e minhas roupas que estavam ensopadas.

Caminhei até o banheiro, liguei a água quente do chuveiro e entrei. Mas a água que deveria sair quentinha e aconchegante na verdade saiu gelada como a chuva lá fora. Como o prédio era velho, problemas como esse não eram difíceis de acontecer mas esse era o momento mais inoportuno possível.

— Inferno!

Reclamei para mim mesma e me joguei debaixo do chuveiro novamente. Tomei um banho rápido e finalmente vesti uma roupa quentinha. Enquanto caminhava até a cozinha após já estar devidamente vestida, senti uma leve fraqueza em meu corpo, provavelmente em consequência da chuva forte que peguei ou apenas por não ter me alimentado há um tempo já que minha última refeição foi um lanche no período da tarde. Soltei um espirro e suspirei pesado ao me dar conta de que a chuva que peguei mais cedo acabaria me rendendo um resfriado.

Mesmo já não me alimentando há um tempo, não estava sentindo fome então apenas coloquei uma chaleira com água sobre a boca do fogão e fiquei esperando ferver para que pudesse fazer meu chá e enquanto isso peguei um salgadinho de queijo e corri para o sofá. Não era uma refeição de fato saudável, mas era gostoso e no momento isso é tudo que importa, além de que eu já havia aceitado o fato de que morreria antes dos trinta anos devido à todas as porcarias que como diariamente. Me enfiei embaixo das cobertas enquanto segurava o controle remoto em minha mão e o salgadinho em outra, procurando por algo para assistir na Netflix.

Antes que pudesse dar play, batidas fortes na porta fizeram meu corpo paralisar. Eu não costumo receber visitas aqui e esse bairro é famoso por sua falta de segurança então ter alguém batendo em minha porta numa sexta à noite era de fato um motivo para que eu ficasse assustada. Permaneci no sofá, disposta a ignorar quem quer que fosse até que a pessoa desistisse e fosse embora, mas as batidas ecoaram outra vez e dessa vez ainda mais forte.

Levantei do sofá e caminhei até a porta.

— Quem é? — perguntei enquanto levava a ponta de meus dedos até a maçaneta.

— Abre logo isso!

A voz familiar ecoou abafada e o timbre mandão e ao mesmo tempo debochado não me deixava dúvidas de que era ele quem estava ali. Eu só não fazia ideia do motivo de sua visita.

Mesmo receosa, abri a porta e encontrei o moreno com suas roupas encharcadas e coladas no corpo, a camiseta justa grudava em seu abdômen, marcando todos os gominhos definidos e... Droga!

— O quê faz aqui?

Jungkook não me respondeu e adentrou a minha casa, deixando um rastro de água por onde passava.

— Por quê demorou tanto? — ele levou a mão direita até o cabelo escuro e bagunçou os fios de cabelos molhados, em uma falha tentativa de secá-los. — Eu estava congelando lá fora.

— O quê faz aqui, Jungkook? — reforcei a pergunta, dessa vez olhando fixamente para o Jeon, que encarava a situação com normalidade.

— É assim que você trata suas visitas?

Jungkook correu seu olhar pelo meu corpo e parou na altura dos meus seios. Eu estava sem sutiã e por mais que a blusa que usava fosse frouxa em meu corpo era impossível não perceber o formato redondo dos meus seios e mamilos marcados devido ao frio.

— Você não é visita — cruzei os braços sobre o dorso e Jungkook logo tirou o olhar dali, subindo até meu rosto. — Eu não te convidei então está mais para penetra.

— Não precisa agir assim — ele revirou os olhos. — Eu já estive aqui tantas vezes, não é como se fosse uma novidade pra você.

Eu mordi o canto da boca e desviei meu olhar quando lembranças dos momentos que passamos juntos em meu apartamento me atingiram com força. A presença de Jungkook mexia comigo de uma forma que eu nem mesmo conseguia explicar e por esse motivo eu sempre tentava evitá-lo na faculdade mas agora com ele parado bem aqui na minha frente eu me sinto fraca e indefesa como um bebê.

— É diferente — minha voz saiu baixa enquanto eu fitava um ponto qualquer do cômodo, evitando a todo custo olhar para Jungkook.

— Por quê?

Sua voz assumiu um tom mais grave.

— Não estamos mais juntos, Jungkook — mirei seu rosto rapidamente a tempo de vê-lo franzir a testa e suspirar enquanto mexia a cabeça para os lados.

— Mas poderíamos.

Deu um passo em minha direção.

— É melhor não começar com isso.

— Por quê acabou com a gente? — a voz que antes era grave agora assumiu um tom triste. — Eu gostava do que tínhamos e acho que você também. Eu não consigo entender porque decidiu acabar com tudo de uma hora para a outra.

— Se está aqui apenas para reclamar por eu ter terminado contigo era melhor não ter vindo, Jeon — encarei o moreno. Eu estava começando a ficar com raiva daquela situação e só queria estar debaixo das cobertas comendo meu salgadinho de queijo enquanto assistia a nova temporada de Dark. — Você está molhando a minha casa inteira, olha que bagunça…

— Eu gostava de você, sua chata.

Me interrompeu de forma brusca.

— Do que está falando, Jungkook?

— Estou falando de nós dois — apontou para o meu corpo e depois para o dele, repetidas vezes. — Eu gostava de você... De quando estávamos juntos. Sabe muito bem que ainda poderíamos estar daquele jeito.

— Não, Jungkook. Não poderíamos!

— Por quê não?

— Olha aqui... — me aproximei de seu corpo e apontei o dedo para ele. — Por quê não vai sair com seus amiguinhos e me deixa em paz?

Jungkook estava pronto para me responder e prolongar a nossa discussão, mas eu o interrompi quando minha vista se tornou turva e minhas pernas bambearam por um momento, fazendo com que eu agarasse com força no braço do moreno para que não caísse no chão.

— O quê você tem?

Balancei a cabeça para os lados, tentando afirmar que estava tudo bem mas a verdade é que eu estava me sentindo fraca.

— Nada... — pronunciei ainda segurando em seu braço e esperando que minha visão voltasse ao normal.

— Não me convenceu — sibilou baixo próximo ao meu rosto. — Vem aqui! — senti Jungkook passar seu braço por minha cintura enquanto me guiava até o sofá. — Pegou chuva hoje? — já estávamos sentados sobre a mobília confortável e Jungkook se ajoelhou no chão, mantendo seu corpo em frente ao meu. Eu assenti e no mesmo momento senti sua mão tocando em minha testa. — Pelo menos não está com febre. Quando foi a última vez que se alimentou?

— Antes de ir pra aula — respondi enquanto abria os olhos lentamente. Me sentia levemente melhor, mas meu corpo ainda estava fraco.

— Fala sério, princesa — ele soltou um risinho e segurou a embalagem de salgadinhos em sua mão. — Está sem comer há todo esse tempo e escolhe comer essa porcaria no lugar de uma refeição decente?

— Eu não estava com fome — dei de ombros. Jungkook parecia preocupado mas logo colocou um sorriso de canto em sua boca rosada.

— Acho que não tenho escolha — ele soltou o salgadinho no sofá e fitou meu rosto. — Vou ter que me casar com você para te alimentar direito.

Por mais que eu soubesse que ele estava brincando, suas palavras mexeram comigo. O empurrei pelo ombro e revirei os olhos.

— Para de falar besteira, Jeon.

— Estou falando sério.

Ele colocou a mão sobre o peito como se estivesse ofendido.

— Até parece.

— Não acredita em mim? — seus dedos correram por minha perna, me tocando por cima da calça de moletom e pararam perto da região interna de minhas coxas.

— Por quê eu deveria?

— Porque gosto de você.

— Se gosta mesmo, faz um chá pra mim — sorri amarelo para ele. — Já coloquei a água para ferver.

Apontei para a cozinha onde a água já deveria estar no ponto.

— Posso me trocar antes? — perguntou receoso. — Lembro que deixei algumas roupas aqui da última vez.

Eu assenti e observei Jungkook levantar. Me aconcheguei melhor sobre o sofá, mas fui surpreendida quando o asiático passou seus braços por baixo das minhas pernas e me ergueu em seu colo.

— O quê está fazendo, idiota?

— Idiota? — franziu as sobrancelhas. — Eu só estou te ajudando, sua chata. Não vou deixar que saia caminhando por aí depois de quase desmaiar.

— Você é muito exagerado.

Jungkook já havia começando a fazer o caminho até meu quarto, ele abriu a porta e me colocou delicadamente sobre a cama.

— É assim que você agradece uma pessoa que está cuidando de você? — perguntou ao se afastar.

Por mais que odiasse admitir isso, ele estava certo. Levantei o rosto levemente e o encarei antes de pronunciar baixinho, quase como num sussurro.

— Obrigada.

Jungkook sorriu, mostrando os dentinhos brancos de coelho e meu coração apertou. Inferno, por que ele tem que ser tão bonito?

— Boa garota — falou ainda com o maldito sorriso no rosto. — Agora fica quietinha aí enquanto eu faço o chá.

Eu observei Jungkook caminhar até meu armário e abrir a gaveta em que ele costumava guardar suas roupas. Deixei minha cabeça cair pra trás enquanto fechava os olhos e escutei os passos do moreno deixando o cômodo.

Não sei ao certo quanto tempo Jungkook demorou para voltar, mas eu acabei cochilando e só acordei quando senti o espaço vazio ao meu lado no colchão afundar. Abri os olhos a tempo de ver Jungkook sentando cuidadosamente na cama enquanto segurava uma bandeja com sanduíches e uma xícara.

— Aqui, Bela Adormecida — pronunciou ao me entregar o meu chá. — Está quente, cuidado.

Eu apenas assenti e levei a xícara até meus lábios, dei um gole no líquido e no mesmo segundo o sabor amargo tomou conta da minha boca.

— O quê você colocou nesse chá, Jungkook? — perguntei enquanto afastava a xícara.

— É gengibre com limão.

— Quando eu pedi um chá não era bem isso que eu tinha em mente, sabia? Camomila já estaria ótimo.

— Você disse que pegou chuva hoje mais cedo.

— E daí?

— O chá vai ajudar a prevenir que fique com a garganta doendo caso pegue um resfriado.

— Desde quando ficou tão cuidadoso comigo?

Ele revirou os olhos.

— Só bebe logo e depois come esses sanduíches que eu fiz — ele empurrou o prato com os dois sanduíches para perto de mim. — Não achei nada que pudesse usar pra fazer uma refeição completa, você tem o paladar de uma criança de três anos.

— Ah, cala a boca!

— Quem sobrevive só comendo salgadinho e pizza congelada?

— Vai implicar até com a minha alimentação?

— Sim — ele sorriu fechado, unindo os lábios finos em uma linha. — Ao contrário do que você pensa, eu me preocupo de verdade com você, princesa.

Eu apenas dei de ombros, sem realmente levar a sério e dar muita importância para o que ele dizia. Ignorar as suas palavras e fazer conta que elas não eram de verdade era uma forma que eu havia encontrado de me proteger para que meu coração não sofresse ainda mais e Eu não criasse falsas esperanças para algo que nunca aconteceria.

Depois de terminar o chá que Jungkook me obrigou a tomar eu comecei a comer os sanduíches. Por mais que fosse simples, estavam deliciosos. Jungkook sempre se saiu bem na cozinha ao contrário de mim que só consigo no máximo fazer um macarrão.

Jeon me observava com cuidado enquanto eu comia e sorria satisfeito. Eu tentava a todo custo desviar o olhar mas era difícil pois ele mantinha seus olhos puxadinhos fixos em meu rosto. Senti meu corpo esquentar por baixo daquela roupa grossa. A chuva já havia parado e o tempo não estava mais tão frio, ou talvez fosse apenas a presença de Jungkook estava me fazendo pensar assim.

Terminei de comer e segurei o prato vazio em minhas mãos, fiz menção de levantar da cama para que pudesse levá-lo pra cozinha mas Jungkook me interrompeu.

— Deixa que eu levo — eu assenti e observei o moreno deixar o quarto segurando o prato e a xícara.

Aproveitei o tempo em que ele havia saído para ir até o banheiro e jogar uma água no rosto. Molhei meu rosto e em seguida a minha nuca em uma tentativa falha de diminuir o calor que começava a crescer em meu corpo. Desci a minha calça de moletom, ficando apenas com a blusa e comecei a escovar meus dentes enquanto sentia aos poucos o meu corpo esfriar.

Guardei a escova de volta no potinho quando já tinha acabado e ao olhar para o espelho outra vez gritei de susto ao ver Jungkook parado ali atrás de mim.

— Isso é invasão de privacidade, sabia? — me virei para o moreno que tinha seus olhos fixos sobre meu corpo e devorava as minhas pernas nuas com seu olhar. — Eu poderia estar sem roupa, por quê não bateu antes de entrar?

— Você deixou a porta aberta — ele falou baixinho, ainda mantendo seu olhar fixo. Jungkook deu um passo em minha direção e depois mais um, se aproximando aos poucos. Eu tendi o corpo pra trás enquanto segurava com força na borda da pia a medida que ele ficava ainda mais perto.

— Jungkook…

— Me desculpa, princesa — sua voz continuava baixa. Agora ele estava com o corpo bem perto do meu, quase colado em mim. — Mas eu preciso fazer isso.

Ele deslocou seu olhar até que encontrasse meus olhos e levou sua mão até a lateral do meu rosto. Jungkook tocou com carinho em minha bochecha e aproximou seu rosto do meu. Levei minhas mãos até seu peitoral quando ele fez pressão com seu quadril para me encuralar entre a pia e seu corpo. Tentei fazer força para empurrá-lo mas a verdade é que eu estava morrendo de vontade daquilo.

— JK…

— Você pode me empurrar se quiser, eu não vou forçar nada. Mas não minta pra mim e nem pra você mesma, seu corpo entrega o tanto que você quer isso.

Eu engoli em seco, hipnotizada por suas orbes escuras que me encaravam com intensidade. Jungkook estava com os lábios vermelhinhos entreabertos e o cabelo bagunçado sobre a testa.

Ele conseguia ficar ainda mais sexy assim.

— Você disse que precisava fazer isso... — sibilei próximo a sua boca. Jungkook raspou os lábios nos meus e mordeu o meu inferior. — Então faz! Eu também preciso, Jeon. Preciso muito.

Uma de suas mãos desceu pra minha cintura, seus braços fortes me prenderam à ele e sua boca finalmente encontrou a minha.

— Boca gostosa do caralho, puta que pariu.

Ele grunhiu antes de colar nossos lábios novamente. Jungkook me levantou até que estivesse sentada sobre a pia e abriu minhas pernas o suficiente para que pudesse se encaixar ali. O tecido da minha blusa subiu devido ao movimento e Jeon não deixou esse detalhe passar em branco já que começou a apertar com força as minhas coxas. Gemi contra sua boca quando Jungkook chupou a minha língua e puxou meu cabelo ao mesmo tempo, me fazendo ficar completamente mole para ele. Suas mãos subiram pela lateral do meu corpo, contornando todas as minhas curvas e depois desceram novamente até meu quadril, onde ele subiu ainda mais a minha blusa e tocou em minha pele, me fazendo gemer ansiosa em seus lábios.

— Sem calcinha, princesa? — falou em meu ouvido quando seus dedos tocaram a minha virilha e contestaram a falta da peça.

— Sabe que não uso calcinha quando estou em casa, Guk — respondi enquanto arranhava seus ombros. Jungkook estava maltratando meu pescoço com beijos agressivos e seus dedos deslizaram para minha buceta, começando a massagear de forma lenta. — Hmm...

— Isso é bom, vai facilitar o meu trabalho — ele deslizou seus dedos em minha intimidade, espalhando a minha lubrificação. — Eu ainda nem fiz nada e você já está assim — ele arfou sádico. — Imagina como vai ficar quando eu meter meu pau em você.

Eu levei meus dedos até a barra da sua camiseta e puxei o tecido. Jungkook me ajudou a tirá-lo e quando finalmente o seu abdômen definido estava todo exposto pra mim eu não me contive e comecei a arranhar toda a sua pele lisinha. Subi até seus ombros e apertei com força, saboreando cada toque.

— Gostoso — aproximei meus lábios dos seus. — Você é uma delícia, sabia? — eu mordi seu inferior e Jungkook sorriu safado antes de dar um tapa estalado em minha coxa. Levei meus lábios até seu ouvido e gemi baixinho, sentindo ele se arrepiar. — Jungkookie…

Em um movimento brusco, o moreno segurou meu pescoço e apertou. Beijos foram deixados em minha bochecha e mandíbula e Jungkook prendeu seu olhar no meu enquanto ainda me apertava com seus dedos.

— Só me chame assim quando estiver implorando para eu te foder, entendeu?

Eu assenti, me sentindo totalmente submissa à ele, do jeitinho que eu sempre gostei. Jungkook parou de apertar meu pescoço e levou suas mãos até minha bunda. Apertou com força a minha carne volumosa e eu abracei sua cintura com minhas pernas. Ele começou a caminhar comigo no colo enquanto nos beijávamos, senti meu corpo ser colocado em uma superfície macia e Jungkook logo se deitou em cima de mim, voltando a me beijar enquanto suas mãos corriam por meu corpo. Jungkook subiu minha blusa até retirá-la por completo do meu corpo e desceu a sua calça de moletom, ficando apenas com a cueca box preta.

— Puta que pariu, princesa — Jungkook arfou enquanto passava seus olhos sobre meu corpo totalmente nu. — Você é perfeita pra caralho.

— Não é pra tanto, Guk.

— É sim — sua voz saiu rouca e seus dedos apertaram minha coxa. — Gostosa... Você me deixa louco.

Jungkook desceu o rosto até parar na altura dos meus seios. Ele se aproximou de um dos meus biquinhos e rodeou com a boca. Não demorou para que ele abocanhasse o meu seio, chupando com vontade enquanto apertava com força o outro. Jungkook estava me fazendo delirar, ele alternava as carícias entre um seio e outro, dando a devida atenção aos dois e quando seus beijos começaram a descer por minha barriga eu gemi em empolgação.

Jungkook parou com o rosto na altura de minha buceta, abriu minhas pernas e começou a distribuir beijos na parte interna da minha coxa. Ele mordeu a minha pele, me fazendo soltar um gritinho.

Jungkook pressionou com força seus dedos em minhas coxas e sorriu malicioso próximo a minha vagina enquanto encara descaradamente a minha intimidade, se deliciando com a cena. Pincelou sua língua em minha buceta, tão lentamente que chegava a ser doloroso.

— Eu quero te deixar toda molhada pro meu pau entrar bem gostoso em você, hum?

Passou a sua língua mais uma vez, lambendo toda a minha região úmida.

— A-aw, não me tortura assim — supliquei de olhos fechados, com meu corpo quente e implorando por mais.

— Eu gosto de te torturar, gatinha — Jungkook subiu seu olhar até o meu e levou a língua até meu clitóris, mordiscando de leve em seguida. — Tão inchadinha... Caralho, que delícia.

O Jeon gemeu antes de começar a passar sua língua de cima a baixo, em cada cantinho da minha intimidade.

Eu emaranhei meus dedos em seus fios de cabelo ao senti-lo chegar em minha entradinha e me penetrar sem pressa. Meus gemidos saíram altos quando seus movimentos se tornaram ainda mais precisos, e após me penetrar várias vezes com seu músculo quente, Jungkook começou a mexer o rosto para os lados enquanto o afundava entre minhas pernas, me chupando com força e vontade como se eu fosse seu doce preferido. O moreno prendeu meus lábios vaginas entre sua boca e os puxou, provocando um estalinho erótico que me fez estremecer.

Rebolei contra seu rosto e apertei com força os seus fios de cabelo.

Eu rebolava sedenta a procura de mais, sem conseguir conter todo aquele prazer que só ele sabia me dar e Jungkook pareceu gostar de ver como eu estava louca por ele já que levou suas mãos até meu quadril e apertou com força a minha bunda, me incentivando a continuar com meus movimentos.
Jeon começou a alternar entre os movimentos de sua língua e dedos e quando ele finalmente enfiou dois dentro de mim enquanto ainda me chupava e me lambuzava com sua saliva eu não consegui conter um gemido alto.

— Jungkook... — miei enquanto jogava a cabeça pra trás sentindo minha respiração descompassada e coração acelerado.

Seus dedos me invadiram com mais rapidez e os movimentos de sua língua se concentraram em meu clitóris, chupando e lambendo com força. Minhas pernas tremeram, assim como todo o resto do meu corpo e senti meu orgasmo se aproximar. — A-aw, v-você é tão bom nisso... Ah, merda! Jungkookie…

Rebolei com mais força contra seu rosto e Jeon gemeu abafado. Seus dedos me penetraram com precisão, atingindo um ponto sensível dentro de mim e me arrancando um gemido escandaloso. Seus dedos se mexeram dentro de mim e meus olhos lacrimejaram de prazer.

— Aguenta mais um, gatinha?

Sua voz gostosa invadiu meus ouvidos, tirando o resto de sanidade mental que eu ainda tinha. Assenti com dificuldade e logo senti ele enfiando mais um dedo dentro de mim. Jungkook encostou a boca em minha buceta novamente e seus toques quentes que exploravam por completo acompanhados dos movimentos rápidos de seus dedos me fizeram desmanchar em sua boca. Deixei minha cabeça cair pra trás novamente enquanto todo aquele emaranhado de sensações me atingia com força.

O mais alto ainda me tocava com sua língua, mas agora seus movimentos eram lentos e ele me lambia inteira, sugando todo o prazer que escorria por minhas pernas.

— Você é viciante, sabia? — beijou a parte interna das minhas coxas, mordiscou de leve e deixou uma última chupada em minha buceta antes de subir seu rosto até o meu e me olhar com seus lábios vermelhinhos entreabertos. — É tão gostosa — senti seus dedos deslizando por meu quadril até chegar em minha intimidade. — E molhada…

Ele me tocou com as pontas do dedos e eu gemi baixinho. Jungkook prendeu meu lábio inferior entre seus dentes e puxou com força.

— Tira isso — pedi levando minhas mãos até sua cueca. Jeon rapidamente me obedeceu e ao se livrar da peça passou a pincelar seu membro duro em minha buceta. Eu gemi em resposta às suas provocações e impulsionei meu quadril contra o seu. Jungkook riu do meu desespero e deu duas batidinhas em meu clitóris antes de deslizar até minha entrada e encaixar. — Isso, Jeon — gemi alto quando senti seu pau entrando bem devagar em mim, me alargando de forma lenta e prazerosa.

— Eu senti tanta saudade de te ouvir gemendo assim — impulsionou sua pélvis contra a minha de uma só vez, chocando nossos quadris. — A-ah! Como você consegue ser tão deliciosa?

Jungkook enfiou todo o seu comprimento em mim e parou com seus movimentos, me permitindo sentir o seu pau pulsando deliciosamente dentro de mim.

— Gosta quando eu meto assim? — sua mão subiu por minha coxa, apertando sem dó a minha pele. Jungkook levou seu rosto até a curva do meu pescoço e deslizou o nariz ali antes de parar com a boca perto do meu ouvido e continuar me enlouquecendo com suas palavras. — Gosta quando eu te fodo até o talo, princesa? Quando eu meto meu pau todinho em você? — Jungkook passou a ponta de sua língua pelo lóbulo da minha orelha e mordeu com força, logo seus lábios voltaram ao meu pescoço e ele maltratou o local, me enchendo de beijos, chupões e mordidas. Eu estava tão inebriada que não conseguia nem mesmo falar qualquer coisa, apenas gemia em resposta a cada toque seu. O moreno se afastou, mas não sem antes prender a pele do meu pescoço entre seus dentes e puxar com força enquanto levava o rosto para longe daquele local sensível e voltava a me encarar fixamente nos olhos. — Responde — sussurrou rouco com seus lábios quase encostando nos meus. A sua mão que repousava em minha coxa subiu até minha mandíbula e apertou-a firmemente entre seus dedos. Mais uma mordida foi deixada em mim, dessa vez no meu queixo e seus dedos continuavam apertando meu maxilar até que ele finalmente o soltou e bateu em meu rosto com força moderada, do jeitinho que ele sabia muito bem que eu gostava que fizesse. — Se não responder, vou tirar meu pau de dentro dessa sua bucetinha gulosa.

Ele mexeu o quadril como se fosse se retirar de dentro de mim e em um impulso eu levei minhas mãos até suas costas, o puxando pra mim.

— Jeon... — falei com dificuldade. — E-eu gosto tanto... Eu amo tudo que você faz comigo.

Ele gemeu em resposta e balançou a cabeça para os lados enquanto sorria safado.

— Você vai acabar comigo, garota.

Jungkook levantou o tronco levemente e aos poucos foi tirando o seu pau de dentro de mim.

— Guk... N-não.

Gemi em resposta e tentei puxá-lo pelos ombros, mas foi em vão.

— Quietinha, amor — falou fitando meus olhos. Suas mãos apertaram minhas coxas e em um movimento brusco ele me puxou pra baixo, me fazendo bater contra seu quadril. — Eu vou te comer com força agora, quero matar toda a saudade que eu senti de você.

— Me fode, Jungkook — implorei. Minha buceta piscava, eu precisava senti-lo metendo em mim logo ou iria enlouquecer. — Tô doida pra sentir você metendo bem gostoso em mim.

Jungkook arfou enquanto fitava todo o meu corpo embaixo do seu. Senti a cabecinha inchada roçando em minha entrada e fechei os olhos quando finalmente senti ele me penetrando mais uma vez.

— Gostosa — vociferou enquanto empurrava com força seu pau pra dentro de mim. Guk levantou um pouco mais minhas pernas, fazendo com que assim pudesse se encaixar bem melhor em mim e começou a surrar a minha bucetinha molhada. Ele já tinha deixado bem claro o que queria, sexo carinhoso nunca fez o nosso estilo e agora, assim como ele, eu também queria foder violento, bem forte e fundo do jeito que só ele sabe fazer.

— M-mais — pedi entre os gemidos. — Jungkook, eu quero mais…

— Se continuar gemendo e implorando tanto assim eu não vou conseguir me controlar.

— Eu não quero que se controle — arranhei com força o seu abdômen, deixando a marca das minhas unhas sobre sua pele lisinha. — Me fode com força, quero ter você todinho pra mim.

Nossos gemidos se misturaram quando Jungkook aumentou a velocidade de seus movimentos, estocando fundo e forte dentro de mim. Nossas carnes se chocavam com força, produzindo um barulho que ecoava alto pelos quatro cantos do quarto. Eu não poupei meus gemidos, estava tão sensível e tinha sentido tanta falta de ter aquele pau dentro de mim que nem fiz esforço para me controlar.

Jungkook ergueu ainda mais minhas pernas e suas mãos que apertavam minhas coxas desceram até minhas panturrilhas, empurrando levemente meu corpo para cima e me deixando ainda mais aberta para ele. Continuou com seus movimentos, sem parar em momento algum até que em um movimento brusco, Jungkook juntou minhas pernas uma na outra e colou minhas panturrilhas e coxas em seu peitoral e tronco definido. O asiático me abraçou pelas pernas, mantendo-as paradinhas rente ao seu corpo e os movimentos que haviam desacelerado um pouco voltaram a ser bruscos.

— Jungkookie! — gritei quando seu pau atingiu com força o meu pontinho mais sensível.

Ele riu sádico e passou a mover o quadril de forma lenta.

— É aqui que você gosta? — me atingiu novamente, mas dessa vez bem devagar.

— Isso, Guk — assenti com dificuldade enquanto arfava. — Eu quero rápido... Bem rápido.

Jungkook bateu com força em minha coxa e repetiu o ato mais três vezes, fazendo minha pele queimar.

— Você é uma safada sabia? — os movimentos aceleraram novamente e ele me tocava precisamente onde eu mais gostava. — Anda, princesa... Quero te ouvir gritando pra mim.

Jungkook deixou pra trás qualquer tipo de autocontrole e passou a mexer sua cintura de forma precisa, encaixando sua pélvis direitinho e metendo forte dentro de mim.

— A-ah, Jungoo... Assim é tão gostoso. A-ah! Você me fode tão gostoso, meu gatinho.

Jungkook gemeu sôfrego e meus olhos correram por meu corpo, mirando cada detalhe. Os músculos dos braços e abdômen contraídos por conta do esforço o deixavam ainda mais gostoso do que já era normalmente. O cabelo escuro e um pouco cumprido já estava suado e com alguns fios grudando em sua testa, Jeon tinha uma expressão deliciosa em seu rosto, os lábios vermelhos entreabertos enquanto ele gemia gostoso e os olhos escuros mais brilhantes que o normal apertavam quando ele franzia a testa e tendia a cabeça pra trás ao sentir uma descarga muito grande de prazer. Jungkook é a personificação de perfeição.

— Eu não quero mais ficar longe de você — ditou rouco e soltou as minhas pernas. Jungkook jogou seu corpo por cima do meu e eu rapidamente abracei sua cintura com minhas pernas, o prendendo a mim e intensificando nosso ósculo. Beijos sedentos e agressivos foram deixados em meu pescoço acompanhados por mordidas que provavelmente deixariam marcas roxas em minha pele. Arranhei suas costas com força enquanto gemia em seu ouvido e apertava seu cabelo entre meus dedos.

— Eu também não — levei meus lábios até seu ombro e o enchi de beijos e mordidas enquanto minhas unhas arranhavam com força toda a sua pele exposta. — Preciso de você, Jungkook. Preciso disso.

Impulsionei meu quadril de encontro ao seu, arrancando um gemido rouco dele.

O asiático levantou o rosto e atacou meus lábios, chupou a minha língua e mordeu o meu inferior ao se afastar. Sua testa encostou na minha e nossos olhares finalmente se conectaram mais uma vez.

— Senti tanta saudade — miei baixinho, completamente hipnotizada e perdida em seu olhar.

— Sentiu, é?

Concordei e selei nossos lábios em um beijo. Jungkok levou suas mãos até meus seios e apertou antes de descer com sua boca até a região e abocanhar meu peito. Sua boca o puxou para si, me fazendo gritar de prazer. Senti sua sua língua quente rodear meu mamilo e sua boca chupar o meu biquinho.

Jungkook mordeu de leve ao se afastar e repetiu os mesmos carinhos em meu outro seio.

— Muita — meu interior se contraiu em resposta aos seus movimentos bruscos e toques certeiros e eu senti meu orgasmo se aproximar. Como se percebesse isso, Jungkook agarrou em minha cintura e forçou meu corpo pra baixo, me firmando em seu pau e impulsionando com força o quadril frente a minha intimidade. — Ah, Jungkook! Isso é tão gostoso...

— Eu sei, princesa. Eu sei...

Nossos gemidos se misturaram mais uma vez, Jungkook apertou com força a minha cintura e quando espasmos tomaram conta do meu corpo, eu não consegui mais segurar e gemi ainda mais alto.

— E-eu... A-ah, caralho. Eu vou gozar, Guk.

— Goza pra mim, hm? Você tá me apertando tanto, amor — ele gemeu rouco. — Quero te sentir lambuzando meu pau inteiro com esse seu gosto delicioso.

E com essa frase, eu me desmanchei em seu pau, sendo atingida por um orgasmo fodidamente delicioso que já não sentia há meses.

Abracei seus ombros, suspirando com força e ainda aproveitando seus movimentos precisos.

— Quero gozar na sua garganta, gatinha — semicerrou, seu corpo tremia e eu sabia que ele já estava perto do ápice. — Deixa?

— Eu deixo, Guk — suspirei e prendi seu lábio inferior entre meus dentes, puxando com força. — Faça o que quiser.

Em um movimento rápido ele tirou seu corpo de cima do meu e ficou em pé frente à cama enquanto eu permaneci ali. Rapidamente fiquei de joelhos sobre o colchão macio e desci meu tronco até que estivesse bem perto do seu pau.

Jungkook segurou nas laterais do meu rosto, tirando todas as mechas de cabelo que caim por minha face e levando-as para trás. Sua mão esquerda continuou na lateral do meu rosto enquanto a direita segurou em minha nuca.

Abri minha boca e coloquei a língua pra fora e Jungkook meteu em mim. No começo foi devagar mas logo ele já estava mexendo com força o seu quadril e estocando sem dó em minha boca fazendo com que seu pau batesse em minha garganta. Jungkook puxou o cabelo da minha nuca e eu gemi com seu membro em minha boca. Ele mordeu os lábios com força e tendeu a cabeça para trás enquanto gemia alto. Ele estava perto e eu estava morrendo de vontade de senti-lo se desmanchar inteiro em minha boca.

— Princesa... Porra, isso é tão gostoso — gemeu mais uma vez. Jungkook mexeu devagar o seu quadril, enfiando tudo em minha boca até que meus lábios encostassem na pele de sua virilha e seu pau ocupasse toda a minha garganta. Mesmo com o incômodo e a leve ânsia de vômito eu impulsionei minha cabeça ainda mais pra frente sem deixar de estimulá-lo com minha língua e engolindo todo o seu comprimento. — A-ah, que garganta gostosa do caralho... Eu vou gozar tudo nessa sua boquinha linda.

— Goza pra mim, Jeon. Eu quero sentir seu gosto — falei quando ele tirou o pau da minha boca apenas para me deixar respirar um pouco. Coloquei minha língua pra fora e lambi a ponta de sua cabecinha inchada. Jungkook deu um tapa estalado em minha bochecha e eu gemi em resposta, sedenta para tê-lo em minha boca de novo. — Mete, vai…

— Safada do caralho — suas mãos voltaram até a lateral do meu rosto, apertando com um pouco de força e trazendo minha cabeça pra frente denovo. Jungkook deslizou seu membro por meu rosto e bateu em minha bochecha antes de parar em frente à minha boca novamente. — Cai de boca nele, gatinha... Quero te sentir engasgando no meu pau.

Eu abri a boca, deslizei meus lábios por seu mastro e apenas deixei que Jungkook continuasse a meter em mim. Ele rebolava com força o seu quadril contra meu rosto e os barulhos eróticos preencheram o quarto. Continuei observando sua expressão deliciosa até que senti seu líquido quente jorrar em minha cavidade. Jeon gemeu alto e satisfeito enquanto me preenchia com seu líquido e fitou meus olhos enquanto sorria. Engoli o máximo que pude, mas ainda senti sua porra escorrer entre o vale dos meus seios.

— Você é incrível, sabia? — Jungkook colocou o joelho na cama, subindo logo em seguida e parando com o corpo colado no meu. — Senti a sua falta, gatinha... Pra caralho!

Jungkook ainda me encarava nos olhos, mas eu desviei o olhar com vergonha.

Agora que tínhamos acabado eu me sentia totalmente tímida e com medo do que poderia acontecer agora. Não faço ideia do que isso significou para Jungkook e me recusava a me deixar iludir pelas coisas que ele havia falado durante o sexo.

— Eu também, Kook.

Confessei enquanto fitava um ponto qualquer do quarto.

— O quê foi? — seus dedos tocaram em minha bochecha e de forma carinhosa ele puxou meu rosto para que eu o encarasse novamente. — Tudo bem?

Eu neguei com a cabeça e mordi o canto da boca, totalmente nervosa.

— O quê acontece agora?

Ele franziu as sobrancelhas.

— O quê quer dizer?

— Nós — minha voz saiu em um sussurro. — Como ficamos agora?

O asiático riu baixinho e me surpreendeu ao me puxar para um abraço. Suas mãos deslizaram por minhas costas, fazendo um carinho gostoso com a ponta dos dedos e seu queixo foi apoiado em meu ombro.

— Não ouviu o que eu disse? — balancei a cabeça em negação novamente e Jeon saiu do abraço apenas para encostar sua testa na minha enquanto fitava meus olhos — Não quero mais ficar longe de você, princesa. Não consigo!

— Kook...

— Preciso de você, entendeu? — ele segurou com delicadeza em meu rosto e fechou os olhos, agora ele parecia nervoso e seus ombros estavam tensos. Senti suas mãos deslizarem do meu rosto e se apossarem da minha cintura ao me apertar com força naquele local. — Eu te amo, linda.

— Jungoo...

— Não precisa falar nada agora — ele me interrompeu com a voz trêmula. — Eu apenas precisava dizer isso, mas não vou cobrar para que diga também. Quero estar com você apesar de qualquer coisa e três palavras idiotas não vão mudar isso. Eu tô completamente apaixonado por você, princesa.

Dizer que as suas palavras haviam me deixado confusa não era o suficiente. Elas haviam embaralhado todo o meu cérebro criando uma grande confusão e trazendo de volta problemas que eu achei já estarem resolvidos.

— Kook, e-eu... — fui interrompida pelo toque do celular do mais velho, que ecoava pelo quarto enquanto Jungkook me olhava em expectativa sem se importar com aquele barulho irritante. — Atende!

Ele bufou com raiva, esticou o corpo até que pudesse pegar o celular, atendeu e antes de falar qualquer coisa ativou o alto falante e colocou o aparelho sobre a mesinha da cabeceira. Senti seus braços envolverem meu corpo e juntos caímos deitados sobre a cama enquanto ele me abraçava e apertava contra seu peito.

— Pode falar, Hobi — falou ainda nos mantendo naquela posição e começando a distribuir beijos por minha bochecha.

— Onde você está, Kook? — o outro perguntou com a voz abafada por uma música alta. — Não vai aparecer na festa?

Jugkook revirou os olhos.

— Eu falei que não ia, esqueceu?

— Achei que você tava zoando.

— Eu tenho coisas mais importantes pra fazer.

— Tipo o quê? — o outro perguntou. Era óbvio que ele queria a presença do amigo ali. — Você tá perdendo a melhor festa do semestre.

— Eu não ligo, Hobi.

— O quê você está fazendo para não querer vir na festa? — perguntou nervoso. — Tem que ser algo muito importante se não eu não vou te perdoar.

— Eu estou ocupado com a minha garota, Hobi. Entendeu agora?

— Eita, que coisa boa — ele deu uma risadinha. Seu tom de voz havia mudado completamente. — Desculpa interromper os pombinhos, aproveitem o resto da noite e não esqueçam de usar camisinha, por favor. Eu sou muito novo pra ser tio.

Eu segurei uma risada e observei Jungkook fazer o mesmo enquanto desligava o celular. Eu apoiei meu queixo em seu peito e levantei o rosto para olhar Jungkook que sorria bobo enquanto fitava o teto.

— Sua garota? — perguntei e senti um sorriso involuntário se formar em meus lábios.

— Não se faz de desentendida, linda — JK desceu seu olhar até o meu e levou seus dedos até minha nuca, começando a fazer carinho em meu cabelo. — Você sabe que é a minha garota.

— E você é meu?

— Todo seu.

— Então isso significa que... — eu levantei e saí de seu abraço. Rapidamente passei minhas pernas ao redor da sua cintura e sentei em seu colo enquanto ele permanecia deitado na cama. — Eu posso fazer fazer o que eu quiser com você?

— Tudinho — suas mãos apertaram meu quadril e me impulsionaram pra baixo, aumentando a pressão do meu corpo sobre seu membro que já estava duro outra vez. — Pode usar e abusar de mim, eu não ligo.

— Isso é bom! — falei enquanto abaixava meu tronco até que minha boca estivesse perto o suficiente da dele.

Colei nossos lábios lhe roubei um beijo.

— Você assim em cima de mim é uma visão que eu nunca vou enjoar.

— Eu espero mesmo — aproximei meus lábios do seu ouvido. — Por quê vai se repetir muitas vezes.

— Eu nunca vou me cansar de você, princesa.

Jeon levou sua mão direita até meu cabelo e segurou em uma mecha antes de começar a rodá-la em volta do seu dedo. Jungkook me olhava sem nem mesmo piscar, com o olhar fixo no meu como se estivesse observando uma obra em exposição no museu.

— Nem eu, Jungkookie — espalmei minhas mãos em seu peito, ainda hipnotizada por seu olhar. Eu sabia que ele estava sendo cem por cento sincero, aquele olhar que ele estava me lançando não era algo possível de fingir então ali, naquele momento, eu finalmente me senti confortável para soltar aqueles sentimentos que tenho guardado só pra mim há tanto tempo. — Eu te amo.


Notas Finais


Não esqueçam de me dizer o que acharam, hein!? Espero que tenham gostado e agora uma perguntinha... Vocês teriam interesse em ler um capítulo bônus dessa one?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...