1. Spirit Fanfics >
  2. Do ódio ao amor (Jarchie) >
  3. Não tem nada para ver aí

História Do ódio ao amor (Jarchie) - Capítulo 4


Escrita por: SprouseApa

Capítulo 4 - Não tem nada para ver aí


Fanfic / Fanfiction Do ódio ao amor (Jarchie) - Capítulo 4 - Não tem nada para ver aí

Eles chegaram a adoelescência, um momento muito delicado, tudo se torna extremo. Adolescentes não gostam, amam. Adolecentes não tem isso de "não gostar", eles odeiam.

E Jughead odiava a si mesmo.

Ele tinha se assumido a pouco tempo, ele era Gay. Algumas pessoas foram idiotas com ele. E embora ele não admita, ele ficou bastante triste com isso.

Com a sua playlist favorita tocando de fundo, Jughead rodava em frente ao espelho.

Encarou seu rosto, que antes parecia uma bolacha, e apertou as bochechas, percebendo o quando sua feição estava mais magra. Olhou para seu nariz fino, e sorriu ao perceber que ele estava mais bonito. Admirou a cor dos seus olhos, os cílios naturalmente longos. 

Mas então, as inseguranças e medos o atacaram completamente.

Olhou para o cabelo escuro e bagunçado, ele vivia despenteado. Passou a mão pela espinha de estimação que tinha no queixo, não importava quantas vezes espremesse, quando percebia ela estava lá novamente, como se disse-se: "Você não se livrará de mim, jamais."

Ele suspirou, mirando agora seu corpo. A bunda e as coxas cheias de celulite, não precisava nem apertar a pele, as marcas que se assemelhava a casca de laranja estavam espelhadas por seu corpo. Na cintura, as estrias pareciam cortes, de tão marcadas que eram, se destacavam terrivelmente quando ele estava de cueca.

Colocou as mão nos seus abdominais inexistentes.

Passou a mão pela sua barriga, virado de perfil para o espelho, odiando cada uma de suas curvas. A barriga um pouco cheia, a bunda meio caída, os braços grossos, o pescoço um pouco gordo demais.

Archie abriu a porta do banheiro, em silêncio. Banheiro o qual ficava no meio dos dois quartos e tinha portas dos dois lados para que ambos pudessem entrar- também usado como corredor que Archie usava para torrar a paciência do moreno- ele parou encostado na batente, sem que o moreno o visse, e o abservou se apalpar por um momento, um sorriso esnobe apareceu em seu rosto. Então, com uma voz alta para assustá-lo, disse:

-As mães estão chamando a gente para jantar.

Jughead deu um pulo em frente ao espelho, puxando seu lençol para cobrir o corpo.

-Archie, seu idiota! Não sabe bater não? Eu estou de cueca!

-Não precisa se cobrir, Forsythe.

Ele lançou um olhar meio debochado.

-Não tem nada para ver aí.

Deu de ombros, ainda recostado contra a batente da porta do banheiro. Então se manteve completamente de pé e disse:

-Só vem logo jantar.

Ele fechou a porta atrás de si, deixando o garoto lá, segurando o lençol nos braços, sentindo-se mal. Ele já sabia que não era atraente, mas não precisava ouvir aquilo vindo de Archie. Aquilo foi maldade.

-Embuste mal comido.- ele murmurou, vestindo uma calça moletom e uma camiseta larga qualquer.

Mas a verdade era que Archie não tinha destestado ver Jughead daquele jeito.

Quando entrou no quarto, ficou perplexo com a beleza do menino. Ele sempre fora seu inimigo gordinho e desengonçado, mas també cabeça quente e respondão.

Mas quando o viu, Archie não conseguiu dizer nada. Simplesmente o encarou, obsorvendo a visão de cada traço seu, cada curva, cada marca. Ele estava lindo.

Quando o garoto o notou, ele tentou agir da forma mais natural possível, e esperava que tivesse sido convincente.

-Minha nossa.- ele sussurrou quando fechou a porta que dava para o seu quarto. Não conseguia parar de pensar em Jughead.

Ele entrou no banheiro para lavar o rosto. Mas sentiu um perfume doce, parecia uma mistura de frutas tropicais e grama cortada. Jughead tinha estado lá. Era o perfume que ele usava.

Ele prendeu a respiração e saiu de lá. Já não bastava se sentir fisicamente atraído por seu inimigo, agora também se sentia acalmado simplesmente pelo perfume dele?

Não era possivel, Archie devia estar drogado. Pensou em todos os lugares em que estivera, se teria tido a possibilidade de alguém lhe dar uma droga disfarçada. Mas não, não havia nada.

-Archie, você vem jantar ou não, animal?!?- ele escutou Jughead gritar do corredor, a caminho da cozinha.

Ele deu um leva tapa no rosto, tomando controle novamente.

-Já vou, estrupício!- gritou, abrindo a porta.


Notas Finais


Gente, desculpem se os capítulos estiverem muito curtos, é que eu ainda ando aterefada com a escola


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...