História Do outro lado! - Capítulo 7


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Personagens Ino Yamanaka, Iruka Umino, Kakashi Hatake, Konohamaru, Kurama (Kyuubi), Naruto Uzumaki, Nawaki Senju, Obito Uchiha (Tobi), Personagens Originais, Shisui Uchiha, TenTen Mitsashi, Tsunade Senju
Tags Kakairu, Kurama, Magia, Naruto, Obito, Shisui, Shisunaru
Visualizações 16
Palavras 4.128
Terminada Não
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Lemon, Magia, Misticismo, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Bissexualidade, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Era para eu ter postado mais cedo... Mas, assim como minhas canetas e... todas as minhas coisas, na verdade, esse capitulo foi engolido por um buraco negro. Levou um tempo para achar -_-*
Boa Leitura! :D

Capítulo 7 - Continue a nadar...


-Tem certeza de que isso vai dar certo? - Perguntei, enquanto observava Nawaki misturar algumas ervas e líquidos estranhos. 

-Hunf, tenho... Quer parar de me perguntar isso? Já é a terceira vez. 

-Oh! Me desculpe se eu estou preocupado de morrer afogado no fundo do mar, por que sua poção estranha não deu certo.  

-Relaxa, não é a primeira vez que eu faço essa poção... Sei o que estou fazendo, apenas confie em mim. 

-... Certo. - Respondi suspirando. 

"Isso é uma péssima ideia."

Quando eu disse que não dava para ir até o QG nadando, eu realmente achava isso... Bom, pelo menos até o Nawaki dizer que dava. Como? Com uma cauda... e brânquias.  

Aparentemente, há uma poção que pode fazer isso. Te transformar em uma sereia por um certo tempo... quer dizer, tritão. O problema é que, se a poção perder o efeito enquanto eu ainda estiver na água, morrerei afogado... ou de hipotermia. O que vier primeiro. Daí meu nervosismo. 

-Durma um pouco. Sairemos cedo amanhã. 

-Ok. - Resolvi seguir seu concelho e fui me deitar.  

Vi, o que presumi ser o mascote do Nawa, pousar ao seu lado. O lobo escreveu um bilhete, enrolou e amarrou na pata do animal, semelhante a um morcego, só que com asas enormes. Ele disse algo que eu não ouvi para o mascote e este saiu voando. 

Menos de dez minutos depois, eu já estava dormindo. 

 

*** 

Com Iruka. 

 

"Vamos Iruka. É só dizer “Oi”. Qual a grande dificuldade nisso? "

Dez minutos. Faziam malditos dez minutos que eu estava me escondendo, observando Kakashi sentado de baixo de uma arvore, lendo um livro. 

Essa é uma daquelas raras ocasiões onde você tem uma chance de conversar com a pessoa por quem você tem uma queda sem ninguém te atrapalhar. 

Normalmente estamos muito ocupados com nossos trabalhos e nas poucas vezes em que nos vemos estamos acompanhados de outras pessoas. 

Nessas ocasiões, eu não tenho problemas em conversar com ele... Mas, agora, sozinhos, sem nada nem ninguém por perto para atrapalhar, eu nem consigo me aproximar e dizer  “oi”. 

Eu respirei fundo e decidi parar de ser covarde e ir falar com ele. Comecei a andar em sua direção. A cada passo que eu dava meu nervosismo só aumentava. 

-O-Oi, Kakashi.  

-Hum... Oh, oi Iruka. – Ele tirou os olhos do livro e respondeu, com um sorriso que me fez corar. - Faz um tempo que não te vejo, o que tem feito? 

" Droga, Iruka, recomponha-se e pare de gaguejar."

- Oh, nada demais, realmente, só os mesmos trabalhos de sempre. – respondi, tentando controlar o rubor nas minhas bochechas. – E você, o que tem feito? 

-Uma missão atrás da outra... Essa é minha primeira folga real em tempos. 

-Oh, me desculpe, eu devo estar te atrapalhando. Vou te deixar em paz agora. – Me virei e comecei a sair quando senti Kakashi segurar minha mão, levou tudo de mim para não desmaiar nesse momento. 

-Você não está atrapalhando. Fique, vamos conversar.  

 Eu me virei para Kakashi. Ele soltou minha mão e apontou com a cabeça para o lugar ao lado dele. Eu me sentei, um pouco afastado. 

-Você sabe! Eu não mordo. – Disse sorrindo, o que só serviu para me fazer corar de novo. 

-E-Eu sei.  

Ficamos em um silencio estranhamente confortável, depois disso... Aos poucos, meu nervosismo foi diminuindo. 

-Ei, Iruka?  

-Humm.  

-Somos amigos, certo? 

"Amigos. Você não sabe o quanto isso magoa." 

-Sim, claro. Por que a pergunta? Perguntei. Eu não tinha ideia de onde ele queria chegar com essa conversa. 

-Posso te pedir um concelho? Um... Concelho amoroso. -Disse franzindo a testa. 

"Não, não pode. Eu não quero dar concelhos amorosos  para o cara que eu gosto."

Era o que eu queria gritar, mas me controlei ao máximo para não fazer isso. 

-P-Por que está pedindo isso para mim? Por que não Shisui ou Kurama? – "Por favor, não insista."

-Shisui nem consegue admitir para si mesmo o que sente, quem dirá dar concelhos aos outros, e Kurama é um idiota haha  – Respondeu, brincando com uma folha entre seus dedos. 

Suspirei, sabendo que eu não teria como fugir disse sem que que parecesse estranho. 

-Tem razão. O que quer saber? – perguntei com um sorriso amarelo. 

-Eu gosto de alguém. Mas não sei como dizer isso a essa pessoa.  

"Você não faz ideia do quando doeu ouvir isso. "

-...Eu fico nervoso perto dele e nunca sei bem o que fazer. Não estou acostumado com isso. – Ele continuou.  – O que acha que eu devo fazer?  - Perguntou, olhando para mim. 

E o meu coração, que estava se partindo, pedaço por pedaço, terminou de se quebrar quando eu engoli em seco e respondi. 

-Você devia dizer a essa pessoa como se sente, antes que seja tarde demais.  

-E se já for tarde demais? 

-Você segue em frente, mas sabendo que perdeu a chance de passar o resto da sua vida com uma pessoa incrível, por que foi covarde demais para dizer o que sente. 

-Eu... 

-Eu tenho que ir. – Disse, me levantando. Eu precisava sair dali antes que começa-se a chorar na frente dele. 

-Ah, claro. Obrigado... Pelo concelho.  

-Sem problemas. É para isso que servem os amigos. – Disse, forçando um sorriso. 

Não esperei ele responder, apenas me virei e saí. No minuto em que eu fiquei fora de vista, o primeiro soluço deixou minha garganta, seguido de vários outros. Eu parei e me encostei em uma arvore próxima, sem conseguir mais conter minhas lagrimas. 

Eu perdi minha chance. Eu tive três longos anos para dizer a ele como me sentia e agora é tarde demais. Ele gosta de outra pessoa e eu vou ter que aprender a lidar com isso. 

Depois de alguns minutos, eu finalmente consegui parar de chorar. Enxuguei meu rosto, respirei fundo e voltei a andar. 

Eu precisava continuar. 

 

*** 

 

Com Naruto  

 

-Hei! Acorde! 

-Humm... 

-Vamos, Naru! O vovô não vai nos esperar por muito tempo. 

-Como?

-Eu terminei de preparar a poção ao nascer do sol e o vovô já está pronto para partir. 

-Mas já? Eu... Eu... - Perguntei, ainda meio zonzo. 

-Sim, ele adiantou seus planos. Segundo ele, a viagem será mais longa conosco e por isso nós precisamos sair mais cedo. 

-Mas... Eu... 

-Olha, eu não quero saber os motivos. Nós temos a poção, nós temos alguns mantimentos e nós temos a chance de voltar para o quartel general, então levanta a bunda daí e vamos, antes que eu te deixe para trás. - Disse irritado. 

 -Hunf, não precisa ser grosso. - Respondi, me levantando rapidamente e indo até o lago jogar um pouco de água no rosto.  - Vamos - Disse, passando por Nawaki. 

No trajeto para a praia, onde encontraríamos o Kappa, eu não parava de me perguntar se a poção seria realmente eficaz e se meu corpo aguentaria tamanha mudança. 

Balancei a cabeça de um lado para o outro, para me livrar desses pensamentos calamitosos. 

" Eu não ganho nada sendo pessimista."

Ao chegar na praia, eu descobri com certa surpresa o nosso meio de locomoção. 

-Isso... É uma carapaça de tartaruga gigante? - Perguntei, com os olhos arregalados. 

-Ah é? Pensei que fosse uma cenoura gigante! - Disse Nawaki, sarcástico. Eu o olhei com o meu olhar mais severo. 

-Por favor, tomem os seus lugares. - Pediu o Kappa. 

"Como ele consegue viajar em uma carapaça de tartaruga, sendo que ele é uma?"

-Não se trata de uma carapaça de verdade. Mas sim de uma de nossas obras em homenagem ao nosso povo. 

-Ah, entendo. - "Espera aí, como ele sabia o que eu estava pensando? Cas fez a mesma coisa quando eu estava escolhendo seu nome. Eu pensei em Cas e Bob e ele disse que preferia Cas... Será que os Kappas possuem capacidades extra-sensoriais? "

-As suas perguntas podem ser lidas no seu rosto, garotinho. - Disse o Kappa, divertido. 

"Oook, eu vou parar de pensar perto dele agora... só por precaução." 

-Então, vamos? - Perguntou Nawaki. 

Nós embarcamos nessa coisa e foi assim que nossa viagem de volta começou. Eu dividia com Nawaki um certo medo em confrontar Tsunade. Ele tinha certeza de que ela não ficaria nada contente com a notícia da perda do barco. 

*** 

Nós ja estávamos viajando a muitas horas e eu estava bastante entediado. O mestre Kappa estava meditando... Mas depois de ouvi-lo roncar levemente, percebi que ele estava mesmo era tirando uma soneca. 

-Ei, Nawa! Você disse que um dos ingredientes da poção era o 'elemento vital de um ser da água'. Como você conseguiu isso? - Perguntei curioso.  

-Ehh... Eu estou ocupado agora. Falamos disso depois. 

-Estamos em uma carcaça no meio do oceano... Você não tem nada para fazer. 

-Claro que tenho, olha só, eu estou me bronzeando. - Disse, fechando os olhos e jogando a cabeça para trás. 

-Você pode continuar tomando o seu solzinho e me responder, não é?! 

-É sério, eu não estou com vontade de falar sobre isso. 

-Por que? Está escondendo alguma coisa? - Perguntei divertido. 

-Nada a ver! - Ele franziu a testa e olhou para o lado. 

-Nawaki! O que você fez? - Eu estava começando a me preocupar. 

-Eu não vou te dizer. 

-Eu não entendo por que você não quer me contar... Não é como se você tivesse roubado a água de um Ka... NAWAKI! - Exclamei surpreso, quando me dei conta do que ele fez.  

Para terminar a poção, ele roubou a água que os Kappas tem na cabeça, que, segundo o ancião, era o que os mantinham vivos... Seu elemento vital. Nos humanos, coração, nos Kappas, uma piscina na cabeça. 

Sussurrando, Nawaki começou a me dar um sermão. 

-*Sussurro* Fale baixo, quer acordá-lo? Se eu disse que não queria falar sobre isso é por que eu tinha um motivo. 

-*Sussurro* Mais que ideia você foi ter também! Muito idiota. 

-*Sussurro* Não é como se eu tivesse tido escolha. Eles não teriam me dado se eu pedisse. 

-*Sussurro* Talvez se você fosse mais gentil, as pessoas te ajudariam com mais frequência. 

-*Sussurro* Que seja. O melhor é que você guarde essa informação só para você. 

Seguimos o resto da viagem em silencio. O tempo passava lentamente. Sentado nesse barco estreito, eu sentia um formigamento em minhas pernas e cãibras assustadoras tomando conta de cada um dos meus músculos. 

A viagem estava muito cansativa e eu sentia uma falta absurda do nosso barco perdido. Ainda estávamos muito longe da ilha. 

A noite caiu e eu acabei adormecendo, embalado pelos sons e movimentos das ondas. 

Acordei de manhã bem cedo. Nós avistamos uma ilha ao longe e algumas horas mais tarde, atracamos. 

Quando eu tentei me levantar do barco, eu caí e dei de cara na areia. Era como se eu tivesse perdido o hábito de andar. 

Eu me virei e sentei na areia, limpando-a do meu rosto, e depois de alguns minutos massageando minhas pernas, eu pude andar tranquilamente como antes. 

-Nunca mais faço uma viagem assim. - Resmungou Nawaki. 

-Apesar de todo o meu respeito e gratidão pelo senhor, por ter nos trazido até aqui, eu preciso ser sincero: Foi a pior viagem da minha vida! - Disse ao mestre Kappa. 

-É por que você não está acostumado. - Respondeu, sorrindo. 

-Eu concordo haha. Obrigado novamente por nos trazer até aqui. Apesar de reclamar da viagem, eu lhe sou eternamente grato. - Disse, fazendo uma reverencia. 

-Não há de que. 

-Bom, nós precisamos ir. - Disse Nawaki. - Senhor Kappa, eu posso te pedir um favor? 

-Qual? 

-Se encontrar meu mascote, dê a ele nossas coisas e peça para que ele transmita essa mensagem a Tsunade: "Nós chegaremos daqui... umas vinte horas", Ok? 

-Sem problemas. Eu desejo a vocês uma excelente viagem. 

-Obrigado. Boa estadia, senhor! 

-É hora de entrar na água... -Disse Nawaki, me olhando com uma ar bastante incomodado, depois que o Kappa saiu. 

-O que foi? 

-Bom... Nós vamos precisar... Enfim, você sabe. 

-Não, eu não sei não... - Respondi confuso. 

-Na hora da transformação. Nossas roupas... Precisamos tira-las. 

-O que? Por que? Nós podemos ficar com elas e fazer como o Hulk... 

-Hein? Do que você está falando? Bom, não importa. Precisamos tira-las, você entende né... 

-Não... Eu recuso. 

-Você não tem escolha. Ou tira ou perde tudo. 

Eu não quero perder minhas roupas, foram um presente... Mas eu não quero, de jeito nenhum, ficar nu na frente do Nawaki. 

Ele andou em direção a água. Eu não ousei avançar. 

-Vamos logo. 

Suspirei, resignado. Acho que eu não tenho escolha. 

Eu retirei meu casaco, meus sapatos e minhas meias e me juntei a ele na água. 

-Vira para lá, Nawaki... - Disse, me distanciando dele. 

-Você que tem que virar para lá! 

-Eu já virei, vira você também. 

-Eu também já virei... Idiota. 

Nós continuamos brigando, mesmo enquanto eu tirava minhas roupas... Agora, escondido na água, eu tinha certeza que estava longe dos olhos dele, mas eu continuava me cobrindo com as mãos, como se elas criassem uma barreira protetora. 

Eu peguei a poção que Nawaki me deu, respirei fundo e bebi. Eu reconheci o gosto do sal e, para minha surpresa, framboesa... E logo senti um gosto de ovo podre. Eu não entendia de onde vinha todos esses sabores. 

-Aargh, eca. Não custava nada o gosto da framboesa vir depois do gosto de ovo podre. 

A transformação começou poucos minutos depois. Eu senti as minhas pernas se aproximando contra a minha vontade para se transformarem em uma cauda de tritão e ao mesmo tempo uma forte dor surgiu no meu pescoço. 

Eu tinha a sensação que minha garganta queimava, era muito forte... Eu mergulhei de cabeça na água com a clara impressão de estar sufocando. 

Pouco tempo depois a transformação estava completa. Eu tinha uma cauda e brânquias e senti uma energia invadir meu corpo, sem dúvida graças a uma descarga de adrenalina. 

-Vamos lá. - Disse Nawaki. Ele mergulhou e eu o segui. 

  

*** 

 

Com Ino. 

 

-Ei, Kyu. - Cumprimentei Kurama, quando entrei em seu laboratório. 

-Coelhinho da páscoa, que trazes pra mim... 

Eu o fuzilei com o olhar. 

-Pare! Você sabe muito bem que eu detesto essa música. 

-Era um coelho de orelhas douradas... 

-Você é realmente uma raposa cretina e sem limites!!! 

-Hahaha, serei eternamente grato ao Kai por ter me ensinado essa música. 

-Eu não! Se eu cruzar com ele, ele será um homem morto. 

-O que está fazendo aqui? Por que não está na biblioteca escrevendo seus relatórios? 

-Já terminei e não tenho mais nada para fazer. 

-Hum... Teve notícias do vira-lata irritante?  

-Na verdade, não... E não chame-o assim.

-Aff! Eu realmente me pergunto o que eles estão fazendo. 

-Isso te preocupa? 

-Ele partiu para o outro lado de Eldarya sendo que ele mal conhece esse mundo. - Disse franzindo a testa. 

-O Nawaki é jovem mais não é idiota. Ele sabe se virar e o Nar... - Ele desviou o olhar, embaraçado. "Espera... Ele nem gosta do Nawaki.. Será que...?" Eu comecei a rir e ele me olhou irritado. - Ooooooooon, o Kurama está preocupado com o Naruto! 

-Eu não estou preocupado, só estou constatando. 

-Aaah, mas é claro que é isso, eu acredito. - Disse, rindo mais. 

-Tsss. Eu só estou com um mal pressentimento, só isso.  

-Ah, é? Em relação a que? - Perguntei, parando de rir.  

-Eu não sei... 

*** 

Depois de conversar com Kyu, sai do laboratório e fui dar uma volta do lado de fora do Q.G. 

Eu estava um pouco preocupada. Quando Kurama tem um mal pressentimento, normalmente não acaba bem. 

Eu andava, distraída, quando um barulho em uma arvore chamou minha atenção. Me aproximei, cautelosa, para ver o que era e vi a mais horrível das coisas: Um Lepidoneae. 

-Aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaah! 

Eu corri para dentro do Q.G, batendo as mãos em volta do meu cabelo e gritando, como se tivesse um enxame me perseguindo. Alguns dos membros da guarda pararam perto de mim e começaram a caçoar... É preciso que eu diga que eu nunca suportei esses bichinhos? Com suas oito patas peludas e aquelas... aquelas... asas. Não, serio, essas coisas são os seres mais horríveis de toda Eldarya. 

Enquanto eu tentava recuperar o folego, ouvi o som de asas batendo atrás de mim e virei assustada, preparada para correr... Até perceber que era apenas Crow, o mascote do Nawaki. 

-Ei, Crow. - Me aproximei e vi um papel preso em sua pata. - Nawaki enviou você? - Ele respondeu com um "Huuuuuu!", que eu interpretei como um "Sim". - Perfeito! Vou te levar até a Tsunade. 

Para variar, ele resolveu pousar no meu ombro. Meio mancando, eu fui ao encontro de Tsunade.  

Enquanto passava pelo jardim, vi Iruka.... Ele me parecia tão triste que eu resolvi parar e falar com ele. 

-Iruka, o que está acontecendo? 

-Ah... Ino. Eu não estou com muita vontade de falar sobre isso. 

-Você tem certeza? Você parece triste, eu não gosto de te ver desse jeito. 

-Não... Mais vai ficar tudo bem, não se preocupe!  

-Claro que eu me preocupo. 

-Eu te falo quando tudo estiver resolvido, prometo. - Disse sorrindo 

-Hum... Ok.  

Terminamos a conversa e eu retornei meu caminho em direção a sala do cristal, entregar o mascote a Tsunade. 

Quando cheguei, vi Shizune, nossa médica, conversando com a loira. 

-Ola,Shizune. - Ela respondeu com um aceno de cabeça e um sorriso gentil. - Tsunade, olhe o que eu trouxe. 

-Oh! Crow! Já não era sem tempo. Eu estava começando a ficar preocupada com aqueles dois.  

Crow voou até Tsunade, que pegou o papel da pata do mascote assim que ele pousou em seu ombro. 

-Humm... Cas foi entregue... Boa notícia. - Tsunade disse, lendo a carta. 

-Ele diz se os Kappas ficaram contentes? - Perguntei, curiosa. 

-Eu acho que sim... Mas não há muitos detalhes. Eu acho que vamos descobrir mais coisas assim que eles chegarem. 

-Hum... Eu estou bem preocupada... 

-Você está sempre preocupada, Ino, haha – Disse Shizune. - O que mais ele diz, Tsunade? 

-NÃO ACREDITO!!! - Tsunade gritou irritada, fazendo a sala toda tremer com seu poder. 

"Pelo menos ela não abriu outra cratera no chão... Os construtores não iam gostar nada de ter que conserta-lo... outra vez."

- O que ele fez?  - Perguntei, suspirando. 

-Não estou acreditando... Eu dei uma nova chance para ele, e ele me faz isso? EU VOU MATAR AQUELE MULÉQUE... EU VOU ESTRANGULAR ELE!! 

 "...Ele lá está a nova cratera." 

 -Tsunade?  

 Ela deu o papel para Shizune e eu lermos e começou a andar de um lado para o outro, amaldiçoando Nawaki em linguagem élfica. 

-Que idiota! Ele conseguiu fazer isso! - Disse Shizune surpresa. 

-Como ele conseguiu fazer isso? - Perguntei, tão surpresa quanto Shizune. 

-Eu não sei... Ele disse que não tem explicação. - Respondeu Tsunade, parando de andar. - Pelo menos eles encontraram outra maneira para voltar...  

-Só não disse qual.  

Tsunade veio até nós e pegou o papel de volta. 

-Ele disse que chegam em três dias, mais ou menos... Crow, faz quanto tempo que Nawaki te deu essa mensagem? Um dia? ...Dois dias? ...Três dias? 

-Huuuuuu! Hu! Hu! - Crow 'respondeu', quando Tsunade disse 'Três dias'. 

-Caramba! Eles podem chegar a qualquer momento. Shizune, avise Kurama, preciso que vocês preparem alguns remédios, por precaução, e alguma solução, para repor os nutrientes e hidratar... acho que eles vão precisar. 

-Certo. - Shizune respondeu e saiu para cumprir sua missão. 

-Espero que eles cheguem bem. - Disse preocupada. 

 

*** 

 

Com Naruto 

 

Nós seguimos nadando por muitas horas. Foi uma das experiencias mais difíceis que eu  tinha vivido ate então. Ao contrário do que eu pensava, nadar com apenas uma cauda ao invés de duas pernas era um exercício muito complexo. 

Além disso, a água estava muito fria e congelava minha pele. Eu não estava a vontade com meu novo membro inferior, mas era preciso me virar. 

E toda essa água que enchia meus pulmões sem me afogar. No começo, era uma sensação muito incomoda. Mas a medida que o tempo passava, eu ia me acostumando. Minha respiração estava cada vez mais natural.  

Depois de mais algumas horas, eu me sentia enfim a vontade com a imensidão do oceano. 

Eu fiquei um pouco surpreso por estar nadando por tanto tempo e ainda assim não estar com fome ou tão cansado quanto deveria. Deve ser uma espécie de "poder de tritão". 

Continuamos nadando por horas a fio e estava ficando cada vez mais difícil continuar. Olhei para o Nawaki e ele não parecia estar tão cansado quanto eu. 

Eu continuei seguindo  Nawaki, que se distanciava cada vez mais... Nós estávamos nadando dentro de uma gruta submarina. Eu sentia a água cada vez mais opressora, a medida que eu avançava. 

Eu tinha a impressão de estar perdida em um caminho sem fim e sem volta... Foi neste momento que uma forte dor no peito tomou conta de mim... 

 

*** 

Com Ino 

 

Acordei no meio da noite, com sede, só para perceber que eu havia esquecido meu copo na cozinha. Suspirei, cansada, vesti meu roupão, saí do quarto e fui até a cozinha beber água.  

Quando estava voltando para o meu quarto, vi Shisui encostado em um dos pilares, com as mãos nos bolsos da calça, olhando para a porta e batendo o pé no chão em uma atitude nervosa. 

-Shisui? - Ele olhou para mim e tentou disfarçar, sem sucesso, seu nervosismo.  - O que está fazendo parado aí, a essa hora? 

-Nada... Só estou dando uma volta. 

Arqueei a sobrancelha e suspirei. 

-Naruto e Nawaki ainda não chegaram, não é? - Ele apenas balançou a cabeça negativamente. - Relaxa, eles vão ficar bem. 

-Está dizendo isso para mim ou para você? - Perguntou com um sorriso. 

-Provavelmente é mais para mim do que para você. - Respondi, rindo.  

Eu me encostei no pilar, ao lado dele, de costas para a porta. Ficamos em silencio um tempo, até que eu decidi perguntar algo que eu venho pensando a alguns dias, desde que Tenten me disse o que viu. 

-Shisui? 

-Humm 

-Você go... - Minha frase morreu no meio do caminho, quando eu olhei para cima e vi, na porta que leva até as escadarias, Nawaki, com uma mão na parede e outra no joelho, respirando com dificuldade. 

Mas o que me fez perder a fala e ficar vermelha dos pés a cabeça foi o simples fato dele estar totalmente nu. 

Vendo que eu parei de falar do nada, Shisui olhou para mim e, notando minha expressão, seguiu meu olhar até Nawaki. 

-Nawaki? - Perguntou surpreso.  

O lobo, ainda tentando recuperar o folego, apontou para a escadaria e murmurou "Naruto" e "Água", o que foi o bastante para fazer Shisui disparar naquela direção e me fazer sair da minha bolha de constrangimento e ir correndo avisar Tsunade e Shizune. 

 

*** 

 

Com Naruto 

 

Eu perdi Nawaki de vista. Eu estava ficando cada vez mais fraco... mas eu tinha que avançar. Apesar do meu mal estar, eu segui nadando. A água estava cada vez mais fria e desagradável. 

Eu sabia que isso não era normal. Então eu criei mais forças, pressentindo que o inevitável iria acontecer. Eu subi até a superfície, em vão... 

...Meu corpo ficou paralisado, eu perdi o ar e comecei a afundar. Completamente sozinho e perdido na imensidão do oceano, acreditando que esse era o meu fim... 

Eu fechei meus olhos, me sentindo já incapaz de deixa-los abertos embaixo d'água. Minhas forças me abandonavam e eu sentia que meu coração estava apertado. Eu não queria parar de lutar, mas meu corpo não obedecia mais. 

De repente, os braços de alguém me seguraram. Eu senti novamente o doce sopro do ar sob minha pele. Eu abri os olhos e vi Shisui. 

Ele estava lá, sem que eu entendesse como e por que. Eu que pensava estar no fundo do oceano, na verdade estava ao lado do Quartel general. 

-Shi-Shisui. - Disse, baixinho, sem folego.

-Eu estou aqui, Naru. Você está de volta. Continue acordado, eu vou te levar até a enfermaria. 

 Eu o senti me segurar mais forte e me tirar completamente da água. Eu fiquei calado e deixei ele me levar em seus braços. Eu me sentia seguro... Eu escutava sua voz, me pedindo para ficar acordado. 

Nós chegamos na enfermaria e eu percebi que Tsunade e Ino, assim como a médica que eu vi quando trouxe Cas para cá, estavam aqui. 

-Coloque ele na cama e saia. - Disse Tsunade à Shisui. 

-Mas, por que? 

-Ele vai voltar a ser humano. Ele já perdeu as brânquias. 

-Oh, entendi. Estou saindo. 

-Ino, você também. 

-O-Ok. - Disse Ino, saindo apressada. 

-Shizune, aplique uma injeção nele... 

-Eu estava qua... 

-Fique... ado. 

"Por que eu não consigo entender o que elas dizem?"

-...uto. 

-...gue... 

"Por que está tudo embaçado? Eu...Eu... Tsunade... Eu."

 


Notas Finais


Um pouquinho do Iruka para vocês :D
Quando comecei a escrever esse capítulo, eu estava ouvindo Start Me Up - Rolling Stones; quando terminei tava tocando Hakuna Matata o_O YouTube não é muito certo....
Espero que tenham gostado :)
Kiss Kiss
Bye Bye


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...