1. Spirit Fanfics >
  2. Do Outro Lado da Linha >
  3. A segunda ligação

História Do Outro Lado da Linha - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


Obrigada pelos comentários e favoritos, vocês são de mais!




Boa leitura!💕

Capítulo 2 - A segunda ligação


Acordou e tudo doía, inclusive a cabeça que chegava a latejar de dor. Abriu os olhos com dificuldade e sentou-se, sentiu um gosto ruim na boca e uma tremenda sede. Olhou ao redor e deu-se conta de que estava na casa de Itachi. Fitou o criado mudo onde estava o celular e um papel com um remédio, provavelmente de dor e um copo de água ao lado. Itachi sempre fazia isso quando o irmão cismava em beber, isso porque sempre que algo ruim acontecia Sasuke tinha somente um destino: a casa do irmão. Tomou o remédio, foi ao banheiro fazer suas higienes diárias e aproveitou para tomar um bom banho frio. Saiu do banheiro notando não ter ninguém em casa. Pegou uma roupa confortável do irmão no quarto e sentou-se na sala fitando a televisão desligada, aproveitou o momento para pensar em tudo que o afligiu na noite passada, lembrou-se que ao contrário do que pensava, apesar da ressaca, não havia dormido mal, nem imaginou que conseguiria dormir. Pedia aos céus mentalmente para que quando voltasse para casa aquela mulher realmente não estivesse mais lá.

- Eh... Bom dia... - Itachi disse ao abrir a porta

Encarava curioso o irmão estático e relaxado fitando a televisão, desligada... Sasuke estava tão distraído que nem mesmo escutou quando a porta se abriu.

- Oh... Bom dia, Itachi.

- Está tudo bem? - o mais velho perguntou enquanto seguia para deixar a sacola de pães na cozinha

- Sim, tudo bem.

- Tem certeza? Não é muito normal assistir a televisão desligada...

Só ao ouvir a observação do irmão Sasuke se deu conta do que fazia naquele momento. Céus, além de corno também estava ficando louco!?

- E-eu... Não estou vendo nada, só estou pensando. Aliás, peguei algumas roupas suas, me desculpa.

- Não tem problema, vem tomar café. Fico feliz que não esteja louco a esse ponto. Aliás, para garantir que não está mesmo ficando louco, você passou a madrugada conversando com alguém ou estava falando sozinho? - perguntou quando o mais novo chegou a cozinha e se sentou

- O quê? - Sasuke perguntou sem entender

- Você passou a madrugada toda rindo e falando, imaginei que estava conversando com alguém no celular. Devo contatar um psiquiatra?

- Não! Idiota.

O mais novo olhava fixamente para a bancada enquanto se recordava da noite passada, lembrava que havia conversado com alguém por muito tempo mas não se lembrava com quem e muito menos como a conversa havia terminado.

- Você realmente está me assustando. - o mais velho brincou ao ver a expressão chocada do irmão se lembrando da noite passada

Sasuke não deu a mínima e foi correndo ao quarto para pegar o celular que lá estava. Tentou ligar umas 5 vezes para só então notar que o aparelho estava descarregado.

- Me empresta um carregador? - perguntou ao voltar a cozinha

- No meu quarto, ao lado da cama.

Pegou o carregador e ligou-o na cozinha. Ligando o aparelho com pressa assim que o mesmo completou 1% de bateria. Estava mais que curioso para saber com quem conversou por tanto tempo. Talvez Suigetsu? Ou então Juugo? Não, não, Juugo não era de muitas palavras, para terem conversado a noite toda e Suigetsu era irritante de mais para uma conversa tão longa. Ao finalmente possuir o celular ligado em mãos, vasculhou as chamadas da noite anterior, mais de 80 chamadas de Karin e uma chamada de um número privado que havia durado admiráveis 5 horas e meia.

- Uau... - exclamou admirado

Era um tanto estranho, já que odiava falar ao celular. Ainda mais sendo com um possível desconhecido, e ainda mais estando bêbado. Ficou até receoso do que poderia ter dito em tanto tempo, e como aquela conversa terminou? Lembrava-se de ter contado sobre a traição de Karin e de ter ouvido a história sobre a tal garota que a pessoa desconhecida gostou um dia.

- Era alguém ou realmente está ficando louco? - Itachi perguntou com deboche

- Eu conversei por 5 horas com um desconhecido... - respondeu pasmo

- Uau... 5 horas... Nem comigo você fala por no mínimo meia hora no celular. O que tanto tinha para conversar com um desconhecido? - era só uma pergunta boba mas na visão de Itachi era algo bem estranho

- Não sei, ele... Era legal(?) - respondeu em tom de dúvida - Ele me distraiu a noite inteira, eu até me esqueci dos meus chifres.

Itachi não sabia se ria ou ficava triste pelo irmão. Ao menos ele estava bem melhor que na noite anterior.

- E qual o nome desse seu novo amigo?

- Ham!? Não somos amigos! E eu não faço a menor idéia de qual seja o nome dele aliás.

- Ele não te disse?

- Não...

- Ligue e pergunte.

- Ele me ligou por um número privado e por que eu ligaria para ele novamente? Isso não ia passar de um trote se eu não estivesse bêbado.

- Não quer saber sobre e nem conversar novamente com esse desconhecido? É bom fazer novas amizades. Como assim um trote?

- Pra que novos amigos? E porque está tão interessado nesse desconhecido? Nunca mais nos falaremos de novo mesmo. - deu de ombros - Ele me ligou e perguntou se era do disk sexo...

Itachi tentava ao máximo ficar sério e não rir de toda essa história que só melhorava mais a cada segundo mas era impossível.

- E você simplesmente contou ao cara do disk sexo que foi traído?

- Para de rir! Não foi bem assim, bom, eu pensei que fosse a Karin antes de atender e comecei a xinga-lo antes mesmo de ouvir qualquer coisa.

- Sasuke... - Itachi tentava dizer algo enquanto tentava de forma falha segurar a risada - Que errado!

- Ai Itachi, você anda muito engraçadinho ultimamente.

- Enfim, vai almoçar aqui hoje?

- Sim, se você permitir. Só pego no trabalho 13h, ainda preciso passar em casa, não sei o que farei se aquela mulher ainda estiver la. - respirou fundo pensando em todas as atrocidades que poderia fazer

- Como se precisasse da minha permissão... E boa sorte, irmãozinho! - disse com ironia

Sasuke passou o resto da manhã sossegado, já que essa era a melhor parte de estar com Itachi, Itachi era um sinônimo de paz.

Pouco tempo antes de ir para o trabalho, ia desanimado para a casa, se questionando sobre como Karin havia passado a noite, não se ela havia passado a noite bem ou mal, pouco se importava com isso, se questionava se ela ao menos refletia sobre seus erros e se havia mesmo saído de sua casa, não suportaria ver o rosto daquela mulher agora.

Ao parar em frente a porta de casa pediu aos céus que nada mais piorasse, ao menos nesse momento. Mas percebeu que foi um pedido totalmente em vão ao abrir a porta e ver a ruiva sentada no sofá com o rosto inchado de tanto chorar enquanto fitava as flores da noite passada que agora estavam sobre a mesa de centro da sala.

Ao notar o moreno parado na porta a lhe fitar com desprezo não poupou lágrimas novamente, mas também não agiu em desespero, apenas continuou na mesma posição em que estava o vendo se aproximar e pegar as flores sobre a mesa.

- Pensei que havia mandado você sumir da minha casa antes que eu voltasse. - jogou as flores no lixo da cozinha

Sasuke não era paciente, muito menos tão compreensível assim, mas tentava ao máximo manter sua calma e não a xinga-la de todos os palavrões existentes na face da terra. Seria uma perda de tempo.

- Sasuke, deixe-me explicar. - pediu chorosa

- O que quer me explicar? Quer me explicar como foi sua transa de ontem? - dizia inexpresso enquanto se dirigia ao quarto para pegar um terno para ir trabalhar

- Me escuta! - pedia o seguindo

- Ou vai me contar que o pau dele era maior que o meu? O que seria mentira já que eu mesmo vi o pau dele ontem. - provocava como se aquilo também não o afetasse nenhum pouco

- Sasuke, para! - suplicava se segurando para não abraça-lo

- Diga para mim, Karin, - se aproximou até que ficassem a poucos centímetros de distância e afundou sua mão entre os fios ruivos da nuca da mulher, a fazendo olhar em seus olhos - Ele te fode melhor que eu?

A voz grossa, o aperto em seu cabelo, a proximidade, aqueles olhos frios, aquela pergunta. Tudo fazia com que Karin se arrepiasse por inteiro, o menor dos toques de Sasuke já era torturante.

- Sasuke, por favor...

- Me responde! - disse autoritário apertando ainda mais os fio em sua mão, mas não de forma que fosse a machucar

- Não... - respondeu derrotada

- Então por que transou com ele? - o silêncio tomou conta do cômodo e Sasuke riu com ironia - Você me enoja! - largou a mulher sem delicadeza e seguiu para o banheiro

Sua cabeça fervia só de pensar em quantas vezes ela já não deveria ter feito isso. Será que ela havia feito tal coisa em qualquer outro cômodo da casa? Precisaria trocar todos os móveis daquela casa se dependesse de sua mente.

Arrumou-se logo e saiu para calçar os sapatos. Avistou Karin em silêncio juntando suas roupas enquanto continuava a chorar.

- Também pode levar a cama embora se quiser, eu me recuso a dormir nela de qualquer forma. Também leve todos os produtos, quadros, revistas e não esqueça nada, caso contrário eu jogarei tudo fora, também exclua meu número e nem pense em me ligar, mandarei os papéis do divórcio para a casa de sua mãe.

Após o recado dado saiu da casa em passos firmes, sem sequer olhar para trás. O pior é que aquilo havia o feito se sentir exausto e ainda precisava trabalhar o resto do dia.

Ao subir o enorme prédio seguiu reto para o seu escritório sem ao menos olhar o rosto de ninguém. E ninguém ousou olhar de mais também, já que era visível a nuvem negra acima da cabeça de Sasuke naquele dia.

Sentou-se e concentrou-se apenas em fazer seu trabalho, não queria pensar em mais nada.

- Sasukito! Como está o meu melhor advogado? - o platinado entrava porta a dentro sem cerimônia alguma

- Eu já te disse para bater antes de entrar.

- Hm, que cara péssima. O que foi?

- Nada de mais, pode me deixar trabalhar, por favor?

- Vamos lá, nós somos amigos, o que te aconteceu?

Sasuke respirou fundo, não havia necessidade alguma de surtar com um amigo, ainda mais no trabalho, não poderia deixar sua raiva vencer.

- Estou me divorciando.

- Ham!? Por que? Tudo bem que Karin é insuportável mas é tão bonit...

- Ela me traiu. - interrompeu

- Oh... Me desculpa. - o moreno permaneceu em silêncio - Quer encher a cara hoje?

- Não sei, estou exausto, mas... Quero. - sinceramente negar um convite desses nos próximos dias seria bem difícil

- Até mais tarde então! - disse se retirando da sala

Depois do trabalho a ida ao bar rendeu uma volta de táxi para casa, realmente encher a cara distraía qualquer um. Sasuke não gostava muito disso mas nesse momento parecia um tipo de necessidade.

Chegou em casa retirando os sapatos e o terno, mal havia reparado que felizmente Karin não estava mesmo lá. Jogou-se no sofá dispersando toda exaustão que sentia e ironicamente, naquele momento se sentiu sozinho. Poderia até ligar para Itachi, mas já era tarde, não queria incomodar o irmão por capricho. Já que não tinha a quem recorrer agora, o melhor a fazer era tomar um banho e dormir até se sentir renovado ao acordar.

Entrou na banheira sentindo a água prazerosamente percorrer por sua pele lhe fazendo relaxar de imediato. O celular em cima da privada tocava uma música qualquer tranquila e relaxante, compondo o ar de paz daquela noite, o fazendo, mesmo que sozinho, se sentir em paz consigo mesmo, e isso era ótimo.

Após alguns minutos de paz e de jazz lento, o toque já familiar do celular soou pelo banheiro.

Quem ligaria a essa hora?

Esticou-se para pegar o celular e leu de imediato o autor da chamada, "número privado". Não atenderia, mas certa curiosidade lhe tomou naquele momento, no dia anterior um número privado também havia ligado no mesmo horário. Qual era a possibilidade de ser a mesma pessoa? E se realmente fosse o cara do disk sexo, o que iria querer com ele dessa vez?

- Alô? - atendeu

- Olá, Sasuke, certo!?

- Sim... Quem é?

- O cara da noite passada. - respondeu simplista e com um tom risonho

Sasuke se sentiu um advinha naquele momento.

- Não tem nome? - lembrou-se que não lembrava da pessoa do outro lado da linha ter dito seu nome

- Hm, isso importa? - perguntou irônico

- Claro que sim! Por que um desconhecido me ligaria novamente e não me diria seu nome? Por acaso gostou da minha voz?

- Você está ignorante hoje, que horror. Eu liguei para saber se você estava melhor que na noite passada.

Por um momento Sasuke se sentiu um bosta por ter o tratado com certa grosseria, mesmo que não o conhecesse, não lhe custaria um centavo ser gentil. De certa forma ainda o incomodava estar conversando com um desconhecido, mas o modo sentimental com que ele falava parecia convincente, não parecia alguém com qualquer maldade, e se sentia sozinho naquele momento mesmo. Qual seria o problema de passar mais uma noite conversando com um desconhecido pelo celular?

- Me desculpa... Eu estou bem e você? - perguntou com certo estranhamento pela situação

- Que bom! Você estava um caco ontem, sabia!?

- Não diga isso, eu já sei!

- E aquela mulher, foi embora?

- Sim... Foi hoje quando cheguei em casa.

Se questionava se havia contado tanta coisa quanto realmente parecia.

- Não colocou fogo nela, né!?

- Quê!? Claro que não! - respondeu com convicção

- Ufa, ainda bem. Eu quase acreditei quando você disse que faria isso ontem.

- Eu disse isso? - perguntou desacreditado

- Disse!... Não se lembra?

- Não lembro de algumas coisas na verdade.

- Aé, você estava bem bêbado.

- Não vamos lembrar disso, okay!?

- Certo, certo. E como foi a despedida?

- Péssima... Acho que eu exagerei, mas não é como se eu me importasse com isso, eu só quero me divorciar logo.

- Eu imagino! Isso demora muito?

- Não se ela assinar logo os papéis, espero que ela não faça caso mais uma vez.

- Ser adulto deve ser bastante complicado, não sei como conseguem lidar com essas coisas.

Sasuke se questionou por segundos. Estava conversando com uma criança?

- Quantos anos você tem? - perguntou curioso e meio receoso

- Tenho 18, na verdade fiz 18 ontem.

Um completo desconhecido, ou melhor, um adolescente completamente desconhecido, passou a noite de seu aniversário numa ligação consigo? Que tipo de jovem tinha uma comemoração tão desanimada e infeliz?

E por que estava se perguntando isso!? Não era de sua conta. Aliás, deveria questionar-se de porquê estava conversando tão intimamente com um estranho como se fossem amigos de longa data?

Mas se bem que não queria questionar-se. Conversar com ele era confortável mesmo que não se conhecessem, e de certa forma aquilo preenchia seu vazio momentâneo.

- Ah... Hm... Então, parabéns atrasado. - parabenizou com certa vergonha

- Oh, obrigada!

- Não há de que. Como foi seu aniversário?

- Desanimado, só consegui me divertir quando te liguei de madrugada.

- Então se divertiu no seu aniversário conversando com um estranho?

- Sim. Parece um pouco idiota né!? - deu uma risada irônica - Eu me mudei recentemente e não tenho amigos aqui, também não podia sair então, obrigada por não desligar na minha cara, o que é até um pouco estranho.

- Entendo... Esse é o agradecimento mais esquisito que já recebi.

- Provavelmente sim. Mas já que você parece não se importar com isso, me diga, Sasuke, o que faz da vida?

- Hm... Eu sou advogado, um pouco jovem e divorciado.

- Uau, advogado, você deve ter bastante dinheiro!

- Ah, sim, graças a minha família também, mas não é como se fosse grandes coisas, eu acho.

- Ham!? Você acha? Com certeza nunca te faltou dinheiro né?

- É... Mas realmente não me faz tão feliz assim. Eu tenho dinheiro, mas o que eu faço com ele? Além de pagar o que eu preciso e comprar coisas de boa qualidade. Não é como se só isso fosse me satisfazer.

- Rico e solitário? - perguntava entre risos - Você é realmente engraçado, se eu fosse rico e solitário eu no mínimo viajaria o mundo, compraria uma casa em uma daquelas cidades bem frias e cheias de neve, sabe!? Também teria vários animais!

- Você é cheio de planos então?

- Não, na verdade eu não gosto de planos, não sei se eles vão me adiantar de algo amanhã, eu prefiro apenas dizer que são vontades.

- E qual a diferença entre planos e vontades?

- Hm... Deixa eu ver. Planos eu me esforçaria para alcançar, seriam tipo metas. Já vontades eu acho que são coisas que não importam se acontecerem ou não, ao menos quando você tem uma vida longa pela frente você pode ter muitas vontades, elas vêm e vão como se não fossem grande coisa.

- Entendo, então você não tem planos ou metas?

- Não.

- Por que não?

- Acho que não preciso disso..

- Compreendo.

- Bom, hoje eu não posso falar muito, mas obrigada pela conversa. Te ligo depois?

- Ah... Certo, não me importo.

- Você é realmente gentil. - a risada animada mais uma vez se fez presente - Então eu te ligo, até mais.

- Até...

Certamente estava ficando solitário ao extremo para sujeitar-se a isso. Mas sério, o que havia de mal em conversar com um desconhecido se esse desconhecido parece ser uma boa pessoa além de sempre lhe tratar como um bom amigo. Não se sentia mal ignorando os fatos disso ser algo estranho, estava bem lidando com isso, então apenas continuaria como estava. 


Notas Finais


Sasuke burguês safado.

•Lembrando que p quem acompanha hoje sai capítulo novo de Irony of fate! E p quem não acompanha também, vai lá dar uma olhada!•


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...