História Do pó a carne - Capítulo 2


Escrita por:

Visualizações 3
Palavras 258
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Fantasia, Ficção Científica, Luta, Musical (Songfic), Romance e Novela
Avisos: Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Estou de volta

Nenhum dos personagens a seguir são de autoria minha.

Capítulo 2 - Novo amigo, nova ameaça


-Vínculo neural pronto para ser efetuado- disse o gigante de ferro.

- é um titã, da batalha da fronteira, e ainda operacional!-Falou emocionado- o kit de salto ainda está com ele. Rápido, vista-o é mais eficiente que a armadura feita por mim.

Mecanicamente retirei cada peça de minha armadura, que ao ser atingida por um feixe de luz oriundo do meu fantasma, desaparecia. Primeiro vesti o colete, em seguida as manópulas e as armaduras de perna. Eu me admirava impressionado. Por último peguei o capacete. Cuidadosamente passei o dedo onde seria o visor, todo o "kit de salto " estava tingido de verde musgo, exceto a viseira essa possuia o mesmo azul que Urano.

Vesti meu capacete, ele ligou e informações surgiram. Eu estava sendo mostrado como Eli Shane, dizia que eu possuia trinta e oito anos e era datado como piloto da "milícia". Também era mostrado que eu desapareci por vinte anos. Depois que li tudo, os dados sumiram e um pequeno circulo amarelo demarcava meu destino.

O titã se ergueu e disse.

-Meu nome é BT-7274, bem vindo de volta piloto. O seu destino está a 475 km daqui. Meus sensores detectam movimento hostil a frente. Aconselho que tome cuidado.

Meu fantasma mostrou uma arma jogada ao chão. Sem pensar duas veses peguei e parti para briga. Eram seres um pouco maiores que eu com quatro braços. Eu avançava devagar, mas matando cada uma daquelas coisas. Depois de uns dez minutos fiquei sem munição e um deles chegou na minha frente e levantou um revólver a minha cabeça. Então tudo se escureceu.




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...