História Do que sou capaz? - Capítulo 17


Escrita por:

Postado
Categorias Shingeki no Kyojin (Attack on Titan)
Personagens Annie Leonhardt, Armin Arlert, Eren Jaeger, Erwin Smith, Hange Zoë, Historia Reiss, Jean Kirschtein, Kenny Ackerman, Levi Ackerman "Rivaille", Mikasa Ackerman, Personagens Originais, Petra Ral, Sasha Braus, Ymir
Tags Levi Ackerman, Mikasa Ackerman, Mikasa X Levi, Rivamika, Shipp, Snk
Visualizações 38
Palavras 2.568
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ecchi, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Boa leitura.

Capítulo 17 - Em busca de ajuda.


Fanfic / Fanfiction Do que sou capaz? - Capítulo 17 - Em busca de ajuda.

Sexta

Aqui estou me levantando para mais um dia, a única diferença é que hoje não haverá aula na faculdade, então poderei fazer algo de diferente. Me arrumei e fui de táxi para o serviço, pois acordei um pouco atrasada, tá aí mais uma novidade.

No carro fui pensando no Levi. As coisas entre nós têm estado estranhas ultimamente, não são as mesmas de antes da gente ter dormido juntos e tudo mais, isso faz eu me sentir ruim, afinal, ele não comenta nada sobre, nem eu tinha coragem de perguntar, não apenas isso, eu nem mesmo sabia o que dizer. A cada dia minha mente tirava uma conclusão diferente sobre isso: ele só queria uma transa; ele se arrependeu; ele está mantendo a vida profissional separada da pessoal; ele não sabe como agir, assim como eu; até mesmo se ele se esqueceu do que aconteceu ou tudo não passou de um sonho meu.

Então isso é deixar as coisas acontecerem naturalmente?


(Quebra de tempo)


— Boom dia, Mikasa.

— Bom dia, Hange.

Nos encontramos na recepção.

— Não nos vemos desde sábado, ein.

— Verdade, nem parece que trabalhamos no mesmo lugar.

— Haha, exato. Está tudo bem? Você parece um pouco desanimada.

— Hmmm… Essa semana tem sido um pouco complicada.

— É mesmo? Levi não te fez nada de ruim, certo?

— Não, não — disse balançando minhas mãos em frente ao meu corpo — Ele não fez nada de errado.

— Sua voz e seu rosto não condizem com suas palavras. O que ele fez?

— É verdade, ele não me fez nada de errado... Eu devo ter feito, não sei. Não é algo para se falar aqui e agora, sabe?

— Quer conversar? Podemos almoçar juntas.

Acho que não terá problema falar sobre isso com a Hange, ela pode me ajudar, afinal, ela conhece o Levi melhor que qualquer um.

— Sim, eu adoraria.

As coisas estão mudando hoje, isso é bom.

— Bom dia, Hange, Ackerman.

Uma voz familiar veio de trás de mim, o que me fez olhar instintivamente.

— Ah! Bom dia, Levi.

— Bom dia, senhor Rivaille.

Fazia tempo que eu não o chamava dessa forma, mas acabou saindo após o ouvir me chamar pelo sobrenome.

Ele me olhou por um instante, mas em seguida desviou o olhar, voltando sua atenção para Hange. Sua cara não estava das melhores, parecia estar um pouco irritado.

— Como estão as coisas no seu setor, Hange?

— Estão indo bem. Consegui terminar um projeto que você vai adorar.

— É mesmo? Mal posso esperar para ver isso então — disse caminhando para o elevador, afastando-se de nós duas.

— Ele não está muito normal. Parece que não dormiu direito — observou Hange.

— Quem sabe… Bem, nos vemos depois.

— Sim, até.

Caminhei lentamente até o elevador, para que não pegassemos o mesmo. Quando a porta estava prestes a se fechar, Eren surgiu correndo, pedindo-me para segurar a porta.

— Ahhh! — estava ofegante — Obrigada, Mikasa. Estou atrasado!

— Oh! Que incomum. Qual o seu andar mesmo?

— Décimo terceiro.

— Certo — disse pressionando o botão.

Percebi que o Eren ficou olhando-me de canto um pouco impaciente.

— Mikasa?

Sua ação repentina me assustou.

— S-sim?

— Está tudo bem com você? Você anda meio estranha ultimamente.

— Estranha? Não, deve ser coisa da sua cabeça.

— Não é, você está assim desde que saiu do bar com aquele cara sábado.

Ouvir isso fez eu engolir o ar a seco.

— Eu estou normal, Eren…

A porta do elevador se abriu, indicando que havia chego no meu andar.

—… Não tire conclusões precipitadas, nem pense muito sobre isso — disse saindo do elevador.

Eren não teve tempo de dizer mais nada, pois a porta do elevador se fechou. Ele realmente me conhece bem para ter percebido algo diferente em mim quando tento não demonstrar nada… bem, ou eu que não sei disfarçar.

Cumprimentei a secretaria, entrei na sala em silêncio e me sentei. Levi realmente não parecia estar normal, mas sim irritado.

Algum tempo após começarmos a trabalhar, Levi recebeu uma ligação e foi impossível não prestar atenção no que conversava.

— Oi, Petra… Não! Estou trabalhando agora... Hoje?… Certo! Nos vemos no almoço então, pode ser?… Sim! Nesse restaurante mesmo... Não diga bobeira!… Vou voltar ao trabalho, até.

O ouvi bater o celular com força sobre sua mesa após desligar, o que me causou um pequeno susto.

Continuei trabalhando até dar o horário do almoço. Levi ficou na sala por mais um tempo depois que eu sai, então não tive que descer com ele no elevador. Assim que cheguei no térreo, Hange estava esperando-me, então fomos até um restaurante.


Levi on

Levantei depois de poucas horas de sono e fui fazer as minhas coisas antes de ir trabalhar.

Droga, não tenho conseguido dormir direito ultimamente.

Fiz tudo que costumo fazer diariamente e fui trabalhar. Quando cheguei, dei de cara com Hange e Mikasa, o motivo da minha insônia. Cumprimentei-as e logo subi para o meu escritório. Eu queria falar com ela, perguntar porque estava evitando-me, mas pensei em dar um espaço para não incomodá-la.

Estava concentrado no meu trabalho, até que fui interrompido por uma ligação.

Petra? O que ela quer a essas horas?

— Oi, Petra.
— Bom dia, Levi. Está em casa?
— Não! Estou trabalhando agora.
— Que pena... Cheguei hoje no Japão e quero muito te ver. Podemos nos encontrar?
— Hoje?
— Claro que é hoje. Estou morrendo de saudades.
— Certo! Nos vemos no almoço então, pode ser?
— Ebaa! Quer que eu te encontre na restaurante que íamos antes?
— Sim! Nesse restaurante mesmo.
— A sua namoradinha não vai ficar braba se você se encontrar comigo?
— Não diga bobeira!… Vou voltar ao trabalho, até.
— Haha, hai, hai… nos vemos no almoço.


Namoradinha? Que namoradinha?

Assim que recordei o que ela disse, olhei para Mikasa. Lá estava ela concentrada no seu trabalho, fingindo que eu não existo, como tem feito nos últimos dias, o que estava começando a me irritar. Graças a isso, após desligar o celular, acabei colocando-o encima da minha mesa com mais força que o necessário.

Tsc! Não sei se estou com muita paciência para a Petra hoje.

Voltei ao meu serviço, até que deu o horário do almoço. Mikasa saiu antes de mim, pois eu tive que enviar uns documentos importantes para um dos sócios.

Assim que desci para o térreo, vi que Eren estava lá esperando por alguém.


Narrador on

— Eai! Chefe — Eren cumprimentou Levi indo em sua direção.

— Olá, Eren. Mikasa já saiu para o almoço.

— Eu estava esperando você! A Mikasa foi almoçar com a Hange.

— Esperando por mim? Então diga o que quer, estou atrasado — Levi falou calmamente olhando no relógio.

— O que você fez a Mikasa? — seu tom era de alguém que estava irritado.

— Em que sentido você pergunta isso?

— Em todos os sentidos!

— Bem, por onde devo começar... você quer com detalhes? — Levi disse em tom provocativo.

— Então é isso… — disse indo de forma agressiva para cima do Levi — Você se aproveitou dela enquanto estava bêbada, não é?

Eren visivelmente estava com raiva do Levi, dava para ver nos seus olhos.

— Que tipo de moleque pensa que eu sou? Não precisei apelar para a bebida para conseguir algo com a Mikasa.

Levi deu mais uma provocada no Eren, dizendo isso em referência ao momento que Eren deu bebida para Mikasa na boate, dando a entender que Eren queria se aproveitar dela.

— O que você quer dizer com isso? — Eren se alterou um pouco mais e pegou Levi pelo colarinho.

— Que complexo de amiga é esse, Eren? Não combina muito com você — Levi respondeu de forma debochada.

— Porra de complexo nenhum. Eu só não aceito que você se aproveite dela — disse apertando sua mão.

— Você por acaso é idiota? — Levi se irritou com a atitude do garoto e segurou fortemente o pulso dele que estava no seu colarinho, fazendo-o soltá-lo — Eu não fiz nada para a Mikasa… Nada que ela não quisesse e que não estivesse ciente que estava fazendo.

— Você tem certeza? Ela realmente queria? Então por que ela tem estado tão estranha ultimamente? Na hora que você a chamou, eu vi sua forma autoritária de falar com ela, como se fosse seu dono. Ela não está feliz ultimamente, está descontente com algo, infeliz, parece com medo. Com certeza você causou isso! — Eren disse quase que gritando, o que chamou atenção das pessoas à volta.

— Como é que vou saber? — perguntou soltando bruscamente o punho do rapaz — Se você é tão próximo dela assim, por que não pergunta?

Levi respondeu de forma apática para manter a postura, mas as palavras do Eren se misturaram com seus pensamentos e as lembranças de como Mikasa vinha comportando-se, deixando-o bastante preocupado.

— Maldito... Você está apenas brincando com ela, não é?

Eren avançou para cima do Levi mais uma vez, porém, foi impedido por um dos seus colegas.

— Eren! O que está fazendo? Está louco? — Jean disse segurando-o.

— Saia do meu caminho, Jean! — Gritou irritado.

— Não faça isso! Todos estão olhando... e ele é o nosso chefe.

Jean foi afastando Eren aos poucos para longe do Levi, o qual, por sua vez, manteve-se aparentemente calmo, mas não o faltava vontade de dar um murro no Eren, mas haviam muitas pessoas perto, ele tinha que se controlar.

— Vamos, Eren, você pode resolver isso em outro momento... Com licença, sr. Rivaille — disse retirando-se e levando seu amigo consigo.

— Não pense que isso vai ficar assim só porque é meu chefe.

— Das 17:00 às 09:00 eu não seu chefe, pode se atrever a vir falar comigo nesse meio-tempo — Levi deu sua última provocada, o que fez Jean dar uma risada.

— Pare de idiotice, Eren, você sabe que não pode com ele — Jean disse baixinho para o seu colega — Você terá muita sorte se chegar depois do almoço e ainda tiver um emprego.

— Cale a boca, Jean. Eu sei muito bem disso.

Felizmente para Eren, Levi sempre age de forma responsável e não iria deixar um problema ou uma rixa pessoal interferir em questões profissionais, afinal, Eren é um ótimo funcionário.


Levi on

Droga! Droga! Droga! Qual é o problema desse pirralho?… E qual é o problema da Mikasa também? Tsc!

Após esse pequeno contratempo, fui até o restaurante onde Petra estava esperando-me.

— Leeeevi! Aqui! — chamou-me levantando o braço.

Por que as pessoas a minha volta têm que ser escandalosas e irritantes assim?

— Desculpe a demora. Tinha uma pedrinha no meu sapato quando estava vindo, tive que tirar.

— Não se preocupe, isso é o de menos, afinal, agora estamos juntos de novo... Você não mudou nada, continua lindo como da última vez que nos vimos — ela disse aproximando-se de mim.

— Você também continua a mesma… Vejo também que não perdeu a iniciativa.

— Com você não dá pra bobear, não é? — disse afastando-se — diga, o que aconteceu para estar tão irritado?

— Não estou irritado.

— Te conheço melhor que qualquer um, Levi.

— Não tem porque falar sobre isso, não é algo da sua conta. Aliás, tenho certeza que não foi para isso que me chamou aqui — respondi distraído lendo o cardápio.

— Astuto como sempre, haha… foi por isso que me apaixonei por você.


Mikasa on

— Então, Mikasa, o que está acontecendo? — Hange questionou-me.

Contei para Hange tudo o que aconteceu: que eu disse que queria fazer companhia a ele, que dormimos juntos, acordamos juntos, tomamos café da manhã, que fizemos sexo, que dormimos juntos de novo, que fui embora e a forma que temos nos comportado um com o outro, tudo mesmo, mas poupando os detalhes.

— É isso... O clima entre a gente ficou estranho depois disso. Minha cabeça está cheia de pensamentos, não sei o que fazer. Não é que eu esteja apaixonada por ele, mas isso incomoda, mesmo eu não querendo e tentando não dar importância para isso.

— Eu não acredito que o Levi… Como foi? Você gostou? Ele é bom nisso? — Hange perguntou animada.

— Você me ouviu?

— Claro que sim, mas é a primeira vez que converso dessa forma com alguém que... Você sabe... transou com o Levi.

— Shhhh! Fale baixo, Hange.

— Ah! Desculpa — disse baixinho — Mas temo que não poderei ser útil nesse momento. Conheço muito bem o Levi, mas desses assuntos eu nunca tive a chance de falar com ele, então não sei porque está agindo assim. O melhor a se fazer é perguntar diretamente.

— Entendi. Faz sentido, ele não parece ser o tipo de pessoa que comenta sobre isso com amigos.

— Sim. Sem contar que ele nunca se relacionou por muito tempo com alguém desde que terminou seu namoro com a Petra, então não sei te dizer o que está se passando na cabeça dele nesse momento, nem como você pode lidar com isso.

— Petra?

— Você a conhece?

— Não. Eu ouvi ele falando com ela no telefone essa manhã. Se não me engano foram almoçar juntos. Quem é ela?

— Como? Ela voltou para o Japão?

— Quem é ela?

— Petra é uma garota que conhecemos desde criança. Quando Levi tinha 16 anos, ela se declarou pra ele e eles começaram a namorar. Os dois se davam muito bem, namoraram durante 6 ou 7 anos, mas ela terminou com ele porque teve que ir embora do país com seu pai. A mãe dela morreu quase que na mesma época que os pais do Levi, isso parece ter unido ainda mais os dois. Quando ela foi embora, Levi ficou abalado, mas pareceu superar rápido, não sei se é por conta da sua personalidade, escondendo dos outros seus verdadeiros sentimentos, ou se realmente superou a ausência dela.

— Isso é muita informação.

— Ah, ela também foi assistente dele quando seu tio passou a empresa para ele.

— É impressionante saber que o Levi já teve alguém assim na vida dele.

— Você está com ciúmes?

— O que? Não! Isso faz as coisas parecerem mais claras. Deve ser por isso que o Levi tem agido assim. Agora que ela está de volta no Japão, eles devem ter voltado— respondi pensativa.

— É uma possibilidade.

— Olha que horas são… Já temos que voltar.

— Meu Deus… é verdade.

Terminamos de comer e fomos para o serviço.

Fico feliz da nossa conversa ter acabado. Por mais que eu tenha dito que não estava com ciúmes, as coisas que fiquei sabendo me deixaram um pouco triste. Mas estou tentando me convencer de que isso é o melhor.

Entrei no elevador acompanhada da Hange e dos meus pensamento. Chegamos rapidamente no nono andar e nos despedimos.

— Nos vemos, Mikasa. Qualquer coisa que precisar é só me ligar, ok? qualquer mesmo.

— Obrigada, Hange. Até mais!

Acho que ela percebeu. Realmente sou péssima disfarçando.

Voltei para o escritório e Levi já estava lá.

— Está atrasada, Mikasa.

— Sim! Desculpa, eu acabei me distraindo mais que o desejado. Ficarei até mais tarde para repor meu atraso.

— Ótimo.

Ouvi a sua resposta e logo voltei ao trabalho.


Notas Finais


Até o próximo sz


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...