1. Spirit Fanfics >
  2. Do que uma mente perversa é capaz.- Imagine Levi Ackerman >
  3. Capítulo Único

História Do que uma mente perversa é capaz.- Imagine Levi Ackerman - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Desde já peço desculpas pelos erros ortográficos ❤❤

Beijinhos e boa leitura 💋



C/c= Cor do cabelo

C/p= Cor de pele

C/o= Cor dos olhos

Não sei se vou usar tudo isso, mas é precaução

Capítulo 1 - Capítulo Único








A mão do moreno era dirigida aos fios c/c, a jovem moça estava entre sua pernas enquanto realizava uma lenta masturbação. Do pau teso já se escorria o pré-gozo, aquilo só instigava a colocá-lo na boca.







A camisa do homem desabotoada, deixando parte de seu peito definido a vista, sua franja colocada a testa por conta do suor e sua boca semi-aberta era uma visão um tanto lasciva. Sentia seu membro quente pulsar entre seus dedos, não querendo mais exitar, colocou sua pequena boca sobre ele, o mesmo chegou a tocar o fundo de sua garganta, a fazendo engasgar e lacrimejar, mesmo assim não parou.








Seu maxilar começava a doer, ignorou a dor e iniciou as sobidas e descidas com sua boca, algumas vezes ficava sem ar, mas nada que chegasse a incomodar tanto. Em um rabo de cavalo mal feito, Levi segurou seus cabelos e começou a forçá-la a ir mais rápido, sua glande batia com força no fundo de sua garganta, estava engasgada e com falta de ar. Em uma tentativa de o fazer parar, saiu de perto dele tossindo com um pouco de saliva escorrendo do canto da boca.









Não satisfeito pela sua ação, o mesmo se levantou e foi até você, com uma certa brutalidade, o homem puxou seus cabelos na nuca, assim lhe fazendo grunhir de dor pelo puxão. Um beijo então foi depositado em seus lábios, não um beijo qualquer. 











Um beijo carregado de luxúria, selvageria e intensidade.









Sua língua invadiu a pequena cavidade, tomando controle sobre a língua alheia, as fortes mãos iam em direção ao seu quadril o apertando, sua intimidade encontrava-se molhada, precisava dele dentro de ti. 










  Suas roupas, se é que poderiam ser chamadas de roupas, já que ele havia as rasgado de seu corpo, estavam jogadas pelo chão. 







Levi a colocou de quatro no chão, em seguida ajoelhou-se atrás de ti, querendo brincar com sua inquietação e ânsia, o mesmo começou a pincelar a cabeça de seu membro em sua entrada encharcada. Em um gemido manhoso, você implorou para que ele colocasse.










Mas quem disse que o mesmo faria as suas vontades?








Entre ser o submisso e dominador, ele preferia exercer a autoridade.














Com um grande tapa estalado desferido em sua nadega direita, você arfou arqueando-se, o local ardia e parecia que o Rivaille estava o massageando.









Mas não demorou para outro tapa ser desferido novamente no mesmo lugar. 











Sem avisos prévios, o mesmo a penetrou de uma vez a fazendo revirar os olhos e ter a sensação de estar completamente preenchida. As estocadas começaram rápidas e com brutalidade. Seu membro deslizava entre as dobras com muita facilidade, o nível de excitação da mais nova era surpreendente quando estava com o Ackerman.










E naquela posição, Levi aproveitou mais uma vez para agarrar os cabelos da jovem, tendo assim o controle total sobre ela. Desta vez o mesmo puxava os fios com uma força moderada. Seu quadril batia com fervor contra o traseiro que se encontrava vermelho por conta das palmadas. Os sons indecentes dos corpos se chocando era música para o ouvido dos dois.










S/n estava a beira de seu-






















****






S/n: Mas gente?- Dizia a garota enquanto atendia a chamada em seu celular.- Fala o que você quer logo!








Disse sem a menor paciência com sua amiga que havia lhe ligado. 






S/a: Você vem na minha casa hoje?


S/n: Querida, eu tô em quarentena. Não posso sair.


S/a: Mas é pertinho, minha mãe fez brigadeiro e pensei em te chamar.


S/n: Bom...Acho que visitar minha amiga não faz mal.


S/a: Interesseira.


S/n: Seu toba. Eu chego aí daqui a pouco, tchau.


S/a: Tchau.









E encerrou a chamada.








S/n: Bem...- Olhou para sua história no rascunho.- Parece que vou ter que te terminar outra hora...Para ser sincera, nem sei se ficou bom para continuar...Mas quem sabe, né.- Sorriu fechando o aplicativo e saindo de seu quarto. 






















Notas Finais


;u; Eu tentei, me desculpem


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...