1. Spirit Fanfics >
  2. Do seu lado! >
  3. Perdi um, não posso perder o outro.

História Do seu lado! - Capítulo 5


Escrita por:


Notas do Autor


Ola, boa tarde e tenham uma boa leitura.

Capítulo 5 - Perdi um, não posso perder o outro.


Fanfic / Fanfiction Do seu lado! - Capítulo 5 - Perdi um, não posso perder o outro.









Autora.










Tzuyu andava cabisbaixa. Fazia dez dias desde que enterrou a única pessoa que se importava com ela. Não conseguiu nem se despedir e a última coisa que falou foi "eu te amo".




Tzuyu estava arrasada.

Perdeu seu avô. Simplesmente perdeu.

Não culpava Yoo Jeongyeon. A médica sempre fez tudo pelo seu avô.

Não culpava Hirai, nem o Park e nem ninguém, apenas se culpava.






●●●







Sana acordou com dores horríveis no peito. Abriu os olhos, mas os fechou rapidamente ao ver a claridade no quarto. Depois de alguns segundos se acostumando com a forte claridade do sol, tentou se sentar na cama mas sem sucesso. Apertou o botão esperando Dahyun passar pelo porta mas quem entrou, segundos depois, foi Yoo Jeongyeon.

- D-Doutora Yoo...? - Sana sussurrou baixinho. Jeongyeon Ajudou Sana a se sentar cuidadosamente.

- Olá Sana, bom dia, como se sente? - Jeongyeon perguntou colocando o estetoscópio no peito de Sana escutando seus batimentos cardíacos. Verificou sua pressão arterial, glicose e glicemia. Verificou o soro e o cateter no nariz da Minatozaki. Tudo normal.


- Sinto dores... - Sana respondeu depois de alguns minutos calada.

- Aonde? - Jeongyeon perguntou e Sana apontou para o tórax.




Isso não é bom, pensou Yoo.




- Vamos fazer alguns exames em você daqui a algumas horas, não faça esforço e não saia da cama, chame a enfermeira Kim para qualquer coisa. - A doutora falou e Sana assentiu. Logo Dahyun entrou na sala com um sorriso expressivo que encantava a Minatozaki.







●●●








Tzuyu estava no seu pior estado. Várias garrafas de uísque estavam jogadas pela sala da mansão que antes morava com seu avô e agora estava...



Sozinha...



Por um lado Tzuyu se sentia conformada, pois seu avô não sofreria mais com o câncer. Estava livre daquela maldita doença.



Mas por outro...



Sentia falta dele e das suas risadas roucas, do olhar de compaixão e das histórias de pescador dele. Tinha certeza que 99% das histórias eram invenções mas era tão fofo escutar seu avô contando elas que até parecia real.



- Tzuyu se levante agora daí! - Ela escutou a voz de Yeeun longe. Não prestava atenção em nada mais, sua mente estava em branco e seus olhos estavam tão vazios que deram medo em Elkie que também estava ali.

- C-Como... como entraram aqui? - Tzuyu perguntou e Yeeun sorriu triste.

- Vai ter que comprar uma porta nova. - Tzuyu olhou brevemente para a porta e riu. Estava arrombada. Jang era impossível.

- Tzuyu você não pode ficar assim. - Tingyan falou preocupada acariciando de leve o rosto da sua amiga.

- Ele se foi Ting... se foi... - Chou falou fraca. Quase não se ouvia a voz da mesma.

- Sabemos... recebemos a notícia. - Yeeun falou e junto de Elkie, levataram a taiwanesa do chão. Deram banho na mesma e a colocaram na cama.

- Elkie, fique com ela aqui que eu irei preparar um chá para aliviar a dor de cabeça dela. - Jang falou e saiu do quarto indo para a cozinha. Elkie se sentou na cama ao lado da Chou deitada e acariciou os cabelos negros da taiwanesa.

- Vou sentir falta dele... - Tzuyu sussurrou.

- Todos nós vamos sentir Tzu, mas precisamos nos conformar em saber que ele está em um local bem melhor agora... - Elkie falou segurando as próprias lágrimas.



Seria difícil...







●●●







Dahyun, como pegou o resto do dia de folga mas não tinha ninguém pra lhe fazer companhia, resolveu ficar no quarto 37, conversando com uma japonesa muito fofa e comunicativa.

- Você parece um Shiba! - Dahyun falou rindo e Sana a olhou indignada, sem falar sério óbvio.

- E você parece um tofu, seu tofu! - Sana revidou e Dahyun começou a rir mais ainda. Momo passou por aquele quarto e viu pela fresta da porta, Dahyun se matando de rir e Sana tentando segurar a risada, para não ficar com dores na garganta.



Ficou bem claro que a Hirai não gostou muito daquela interação toda, sua expressão facial dizia tudo.



- Disfarça Hirai. - Jihyo passou por ali e não perdeu a oportunidade de zoar com a cara da médica psicóloga.

- Ora sua... Trem Thomas! - Momo falou em um tom baixo e Park riu.

- te amo também Hirai Momo. - E saiu. Hirai quis rir de sua amiga mas ao olhar novamente para Dahyun e Sana, rindo com aquela intimidade, se retirou dali.



- Ela tá com ciúme de novo? - Jisoo perguntou e Jihyo riu.

- Sim e muito, Dahyun que lute. - E sairam rindo. Quem olhasse nem perceberia que a médica e a enfermeira que iam se empurrando pelos ombros no corredor, já deram uns amassos por aí.







●●●







Tzuyu estava olhando fixamente para o teto do seu quarto, enquanto Yeeun estava no seu curso e Elkie na sua escrivaninha, desenhando.

- e a... Sana? Acho que é assim... - A chinesa perguntou e Tzuyu a olhou confusa.

- Quem...?

- Sana, aquela menina qu-



Tzuyu se sentou na cama rapidamente.

Como pode esquecer de Sana?

Como pode esquecer um dos últimos motivos de seu sorriso?




- Meu Deus! Preciso ir visitar a Sana-unnie!- Tzuyu trocou seu short por uma calça jeans azul claro e sua blusa de alça por um moletom rosa bebê. Normalmente não usaria nada assim, mas estava apressada entao pegou a primeira coisa que viu no guarda roupa.


- Tzuyu, vai agora lá? - Elkie perguntou se levantando.

- Sim, eu preciso - Tzuyu falou e Elkie segurou seu braço antes dela ir.

- Tem certeza que pode ir lá? - Tingyan perguntou preocupada.

- Elkie... eu já perdi um... Não posso perder o outro... - Tzuyu falou e Elkie a soltou. - Pode ficar aqui se quiser. - Falou e saiu deixando a chinesa com um sorriso convencido nos lábios.

- Tá apaixonada né Chou...







●●●







Tzuyu entrou correndo na recepção do hospital e foi até o homem atrás do balcão.

- Com licença senhor Jung... - Ela chamou baixo.

- ah oi Tzuyu, me chame de Hoseok, não esperava te ver aqui... - Ele sorriu e Tzuyu engoliu em seco.

- Quero visitar uma... amiga... - Chou falou receosa.

- Claro, qual o nome dela?

- Minatozaki Sana.







●●●







Tzuyu tinha recebido a permissão para visitar a japonesa. Andou um pouco, sendo cumprimentado pelos enfermeiros e médicos que a conheciam. Até alguns pacientes que a admiravam por cuidar do seu avô até o último dia dele. Acenou brevemente e parou em frente ao quarto 37. Bateu na porta e a abriu levemente. Encontrou Kim Dahyun, sem roupas tradicionais de enfermeiras e observando uma Minatozaki adormecida na cama.



- Chou Tzuyu? - Dahyun a olhou confusa.

- Kim Dahyun. - Tzuyu a olhou de volta e Dahyun limpou a garganta.

- Veio visita-la? - Perguntou a Kim.



A resposta grosseira Tzuyu conseguiu segurar, menos o olhar debochado.



- Sim. - Respondeu apenas isso.

- Vou deixa-las a sós. - Dahyun saiu do quarto não muito feliz e Tzuyu desfez sua expressão fria ao olhar para Sana que estava alheia a tudo, dormindo.



Tzuyu sorriu levemente e se sentou na poltrona ao lado da cama da japonesa e levemente, passou seus dedos na bochecha da Minatozaki.



- Você é... tão... linda... - Tzuyu sussurrou pausamente.


Conseguiu reparar no seu coração acelerado e suas mãos suando frio.


Pegou na mão fria da japonesa e percebeu que era tão pequenina perto da sua própria mão. Fofa. Olhou novamente para o rosto de Sana.


- Não posso te perder...

- Bem, você não vai. - Tzuyu sorriu ao ver somente os lábios da japonesa se movendo. Segundos depois, Sana abriu os olhos e os focou na Chou ali. Sorriu. Um sorriso com direito a todos seus dentes branquinhos aparecendo.


- Não posso te perder Sana-unnie... ainda mais depois que ele se foi... - Tzuyu chorou.

- Tzuyu... - Sana não falou mais nada e apenas puxou a mão da taiwanesa e se afastando um pouco na cama e dando espaço para Tzuyu se deitar com ela. E assim Chou fez.

Sana a abraçou e beijou sua testa, sussurrando que estava tudo bem e somente a voz doce e calma de Sana conseguiu consolar a acalmar Tzuyu.

- Sana... eu... - Tzuyu a olhou nos olhos. Aqueles lindos olhos azuis a deixaram tão dispersa, tão fora de si que nem raciocinou que avançou contra os lábios da japonesa que a olhou surpresa por alguns segundos mas logo se entregou aos lábios macios e carinhosos da Chou.


Wow, era uma das melhores sensações que Chou Tzuyu já tinha experimentado. Sana tocou seu pescoço e subiu um pouco mais para sua bochecha e se aproximou mais. Tzuyu por sua vez, tocou a cintura da japonesa e arriscou colocar a mão por baixo da blusa hospitalar da mesma, sem a mover.




Até que...




- Sana... - Tzuyu se afastou e olhou o olhar confuso da Minatozaki.



Ela parou por que? Sana pensou.



- Algo errado Tzuyu? - Sana perguntou e Tzuyu negou.


Não havia nem um problema, somente a pequena confusão na sua cabeça.


- Não se arrepende? - Tzuyu perguntou e Sana riu.

- Não mesmo, na verdade, na hora em que você se afastou, eu iria dar mais um passo.- Sana falou sem indícios de vergonha e Tzuyu riu. A Minatozaki era impossível também.

- Tudo bem... mas não podemos fazer isso muito, sua imunidade é baixa. Não vamos correr riscos. - Tzuyu falou e Sana a olhou... provocativa? É, provocativa.

- Vai ter outras vezes? - Tzuyu riu mas dessa vez de nervoso.

- Sim... vai...







●●●







- VOCÊ A BEIJOU?! - Elkie perguntou em um tom de voz alto e rindo.

- Sim...

- De lingua?

- Não maluca, foi apenas movimento de lábios. - Tzuyu respondeu e Elkie fez uma careta decepcionada.

- Esperava mais da minha cria. - A chinesa colocou a palma da mão no peito e fez uma expressão exageradamente dramática. - Onde eu errei senhor? - Chou riu com a bobeira da amiga.

- deixando de lado esse assunto, onde está Yeeun-unnie? - Tzuyu perguntou e Tingyan riu.

- Yeeun? Tá presa no congestionamento no centro de Seul. - Elkie falou e Tzuyu sentiu pena da coreana. O trânsito de Seul era o pior.

- acha que ela vai demorar? Que tal irmos comer algo? - Chou perguntou esperançosa.

- Só se você pagar fofa. - Elkie riu e Tzuyu revirou os olhos mas esboçou um sorriso divertido.

- Tá tá... eu pago.







●●●







- Sana? - Jihyo entrou no quarto assustando a menina na cama. - oh me desculpe Sana, está na hora de seu remédio. - A enfermeira falou e Sana assentiu. A enfermeira Park era outra enfermeira que Minatozaki gostava muito. Era atenciosa e carinhosa com os pacientes.

Jihyo ajudou Sana a se sentar cuidadosamente na cama e entregou o comprimido branco a ela com água. Colocou outro remédio na veia da japonesa que sentiu um leve incômodo na região, como sempre. Verificou se estava tudo normal com a Minatozaki e depois de mais algumas palavras trocadas com a japonesa, saiu.

- Ah que tédio... - Sana se deitou novamente. Olhou para a janela e viu a lua crescente no céu.

Não demorou muito e logo adormeceu por causa do efeito dos remédios.







●●●






Eram exatas 23:57 PM e Tzuyu andava em direção ao hospital. Não usou seu carro, já que o mesmo foi para a manutenção com um problema no pneu, Então só lhe restou suas longas pernas para a levar até o hospital naquele horário.



Queria ver Sana...



Seu coração estava apertando no peito a medida que ficava mais tempo sem ver a japonesa. Sentia-se igual uma dependente Química que não pode ficar muito tempo longe da droga. Mas no seu caso, estava em crise de abstinência, de olhar para a Minatozaki.


Ah e dos seus doces e gentis lábios.


Chou podia dizer com todas as letras mais difíceis do dicionário que os lábios de Sana eram os melhores que ela já provou. O toque daqueles lábios nos seus lhe causou tantas emoções que não conseguia distingui-las até aquele momento.


Minatozaki Sana...


Esse nome pairava na sua mente, como um tipo de aviso para algo que, ela não esqueceria tao cedo ou não esqueceria nunca. Estava mais para a segunda opção.

- o que ela faz comigo...? - Tzuyu se perguntou e uma mulher que passava ao lado dela na rua a encarou estranho. Mas Chou estava alheia demais ao mundo para perceber.




Me faz parecer que terei uma taquicardia, meu corpo treme e começar a suar frio, meus olhos parecem não sair dos olhos vividos de Sana, minha boca agora implora pela dela e meu coração grita que eu devo protege-la.





Tzuyu franziu o cenho.

Era confuso.

Não conhecia a japonesa a muito tempo mas já se sentia como estivesse... com ela a muito tempo na sua vida. Como se a conhecesse a vida inteira.



Sorriu.



Era uma sensação boa E reconfortante, nada que a assustasse. Apenas a deixava confusa e em dúvida se ela tinha o que realmente pensava que tinha.




Amor, o tal bem e mal falado amor.




- Será que é amor...? - Olhou para o céu vendo a lua crescente. Percebeu bem ali que não precisava de uma lua cheia para o céu ficar bonito.







●●●







- Chou, São quase 12:40 AM, tá de madrugada. - Hoseok a olhava divertido.

- Por Favor Hoseok, preciso ver a Sana. - Tzuyu pediu calma. Sua voz tinha uma lentidão de dar sono.

- Eu sei que precisa, mas ela deve estar dormindo... - Ele falou e me entregou o adesivo como nome "acompanhante"

- "acompanhante"? Cadê a mãe dela? - Tzuyu perguntou confusa. Jung suspirou.

- Senhora Minatozaki Mei não apareceu hoje aqui. - Ele falou e Chou assentiu.

- Estou indo para lá.

- Vai lá atrás da sua pombinha Chou. - Hoseok falou e Tzuyu o olhou, repreendendo-o.







●●●








- Ela realmente tá dormindo... - Tzuyu falou sozinha se sentando na poltrona. Minatozaki dormia virada para o lado de Tzuyu. Seus cabelos rosas estavam com algumas raízes já se mostrando castanhas e algumas indo ficando Rosa fraquinho, quase como um loiro. Sua boca estava entreaberta e o único som daquele quarto era a irritante máquina que verificava os batimentos cardíacos. O cateter nao estava no nariz da mesma o que fez Tzuyu estranhar.

-T-Tzuyu...? - Sana balbuciou ainda sonolenta demais. - Pensei que você só viria amanhã... - Falou e sua voz estava rouca, então limpou a garganta, tentando fazer voltando ao seu tom normal de voz. - cade a mamae...? - Tzuyu sorriu boba. Minatozaki era tão fofa ao acordar que queria ver isso sempre.




Mas não poderia né?




- sua mãe... não apareceu hoje. - Tzuyu repetiu as palavras de Hoseok.

- Ah... - Sana ficou desanimada mas o pensamento de Tzuyu estar ali, a animou rapidamente.

- Tudo bem? - Tzuyu perguntou se sentando ao lado dela na cama.

- Não, mas posso melhorar se me der um beijo e se deitar comigo... - Sana falou e Tzuyu deixou um selinho demorado nos lábios dela e se deitou com a japonesa que deitou sobre o peito da mais alta.

- Onde está o cateter? - Tzuyu perguntou.

- A doutora Yoo, falou que eu podia ficar hoje a noite sem ele. Estava incomodando demais... - Sana falou e Tzuyu riu.




Ah Sana... queria ficar ao seu lado sempre...




●●●





Dia seguinte...

Tzuyu acordou sentindo um peso sobre Seu tórax se movimentando muito. Abriu os olhos e viu Sana tossindo desesperadamente.

- Sana! - Tzuyu se levantou da cama e tocou o botao de emergência. Logo Dahyun entrou no quarto, com uniforme de enfermeira dessa vez.

- O que aconteceu?! - Dahyun entrou e rapidamente Jeongyeon também entrou no quarto junto com Jisoo.

- Sala de exames, rápido! - Jisoo falou e alguns enfermeiros trouxeram uma maca e levaram Sana.

- Doutora, ela vai ficar bem né? - Tzuyu perguntou quase chorando para Jeongyeon que sentiu seu coração acelerar.

- sim, ela vai ficar Bem Tzuyu. - Yoo colocou suas duas mãos nos ombros da mais nova. - eu te prometo. - Falou olhando diretamente nos olhos da Chou. Após isso, saiu para a sala de exames juntamente com Jin que tinha chegado naquele horário.

- Vamos conversar Tzuyu, o que acha? - Hirai apareceu atrás da taiwanesa que se assustou com o aparecimento repentino da médica.

- t-ta...

- venha comigo. - Momo falou e saiu sendo seguida por Tzuyu.







●●●







- gosta daqui Momo-unnie? - perguntou ao passarem pela porta principal da padaria onde trabalhavam suas amigas.

- venho aqui de vez em quando tomar um café antes de pegar plantão no hospital. - A médica respondeu sorrindo. Logo Lisa se aproximou.

- Bom dia senhorita Hirai e senhorita Chou.- Lis falou educada se curvando levemente.

- Sem essa de formalidades Lisa, somos amigas. - Tzuyu falou rindo.

- E por favor me chame de Momo. - Hirai falou e Manoban assentiu.

- Vão fazer os pedidos agora? - Manoban perguntou e as duas sentadas assentiram.

- Quero alguns bolinhos de queijo e café puro por favor. - Momo respondeu.

- Biscoitos de morango e chocolate quente pra mim - Tzuyu falou logo após. Lisa anotou tudo e saiu em direção ao balcão para fazer o pedido das meninas.

- Então Tzuyu, como se sente? - Momo perguntou suave.

- Desde que ele foi embora... - Tzuyu respirou fundo. - Pensei que não tinha mais sentido em estar viva... - Momo a olhou com atenção. - mas... eu encontrei um sentido em estar viva...

- Minatozaki Sana. - Hirai falou e sorriu. Tzuyu a olhou surpresa.

- Mas...

- Chou, não adianta negar, eu sinto sua paz quando você está com a Sana ou fala dela - Momo falou e Chou sentiu suas bochechas esquentarem.

- Eu gosto dela.

- como amiga?

- Não... como algo a mais. - Tzuyu falou e Momo pode sentir toda a sinceridade vinda da Chou.

Sorriu.

- E já falou pra ela? - Hirai perguntou.

- Não... eu-

- me perdoem, vim trazer os pedidos. - Lisa apareceu envergonhada

- Tudo bem Lisa. - Momo mandou um sorriso sincero para a Manoban, que saiu depois de deixar os pedidos das clientes.

- Então... eu não contei a ela, tenho medo, receio, sei lá. - Tzuyu falou ficando confusa e Momo bebeu um gole do seu café que estava quente mas ela pouco se importou.

- olha, eu te aconselho, a ir com calma. - Tzuyu assentiu olhando sua amiga e psicóloga. - tenha certeza do que está sentindo, e se você se sentir bem, fale com a Sana. - Momo concluiu e tomou mais um gole do seu café.

- farei isso unnie, obrigada.

- estou aqui pra ouvir e te ajudar Chou. - Momo respondeu e mordeu um dos bolinhos de queijo.



Ficaram conversando sobre qualquer coisa e após terminarem, dividiram a conta e saíram em direção ao hospital.



- Obrigada pela conversa Momo-unnie. - Tzuyu agradeceu se curvando.

- Ah deixe disso Tzuyu, sempre estou aqui.- Momo a abraçou e saiu. Seu plantão começaria em cinco minutos. Tzuyu riu e colocou a mão dentro do bolso do casaco que usava.




Ao chegar no quarto da Minatozaki, encontrou Jisoo, verificando o soro da japonesa, que estava dormindo profundamente.




- Doutora Kim...?

- ah oi Tzuyu, a Sana dormiu ainda nos exames, não vai acordar agora. - Jisoo falou calma. - Pode ir em casa e voltar hoje a noite, que é o horário que provavelmente ela vai acordar. - Tzuyu assentiu e depois de se despedir da médica, saiu.







●●●







Tzuyu agora estava deitada na sua cama, eram por volta das 15:30 PM e sua mente estava apenas voltada a japonesa no hospital.

Pensou sobre o que sentia pela Minatozaki.



Amor? Carinho? Amizade? Paixão?



Ou será que era tudo junto?


Chou só tinha uma certeza: de que gostava de Sana mais do que podia imaginar.

Isso era ruim? Claro que não.

Tzuyu gostava desse sentimento doce que sentia quando estava perto da japonesa e arriscou pensar que se apaixonou por ela.



Mas e Sana?



Era Essa agora a única dúvida da taiwanesa. Sana gostava dela também? Ou para a Minatozaki, Tzuyu era apenas uma amiga?

Tzuyu fechou os olhos. Sabia que devia ter certeza dos seus sentimentos antes de falar qualquer coisa sobre isso com Sana. Iria seguir o Conselho da sua psicóloga e iria com calma e iria primeiro, ter certeza do que estava sentindo.











Mesmo que ela já soubesse que gostava, ou melhor, amava Sana.





Notas Finais


Até a próxima~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...