História Do you believe in Narnia? - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias As Crônicas de Nárnia
Personagens Aslan, Caspian X, Edmundo Pevensie, Lúcia Pevensie, Pedro Pevensie, Personagens Originais, Ripchip, Sr. Tumnus, Susana Pevensie
Tags Adelaide Kane, As Cronicas De Narnia, Aslam, Caspian, Edmundo Pevensie, Lucia Pevensie, Pedro Pevensie, Susana Pevensie
Visualizações 16
Palavras 2.309
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção Adolescente, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Hey hey, narnianos. Como vocês estão?! Eu to bem. Demorei mais cheguei em, risos.
Bem, não vou tomar muito tempo aqui.

Lana Parrilla como Martina Lancaster.
Alexander Skarsgård como Laerte Lancaster.

Capítulo 2 - A lenda dos Lancaster


Fanfic / Fanfiction Do you believe in Narnia? - Capítulo 2 - A lenda dos Lancaster

Milhares de anos antes…

Nárnia parecia tranquila como sempre, nada apavorava o lugar e Aslam estava visivelmente tranquilo quanto a feiticeira. A família real Lancaster residia completamente sossegada em seu castelo com milhares de cômodos e centenas de funcionários a sua disposição. Martina estava em seus aposentos repousando após o almoço real com seu esposo e alguns amigos que vieram de outros reinos visita-lhe. A mulher estava grávida de seis meses e todos pareciam querer paparica-la até demais, ninguém sabia se seria uma menina ou um menino e com isso, já queriam estar por perto para uma possível aliança com os reis de Cair Paravel.

Laerte, esposo de Martina, sempre desconversava tal assunto quando via que incomodava sua amada. Como podia, suas crianças sequer tinham nascido ainda e já estavam em cima como urubus. Se dependesse dela, nunca daria a mão de seu pequeno bebê para nenhum deles. Gostava de pensar que seu reinado seria simplesmente o melhor dentre os que já tiveram ali, queria acreditar que não teria necessidade de prometer sua filha, ou filho, a alguém que sequer conheciam a muito tempo e que ela, ou ele, poderia se casar por amor. Assim como tinha acontecido com ela e com seu esposo.

Martina ainda se lembra de sua vida passada, quando era uma simples camponesa e colhia sua comida todos os dias para alimentar a si e ao seus pais. Trabalhava na feira todos os dias para ganhar algumas poucas moedas e foi lá que conheceu o Príncipe, agora rei, Laerte. Devia ter sido amor à primeira vista. Ela em sua vendinha de artesanatos e ele passeando completamente distraído, até parar em sua barraca. Quando seus olhares se cruzaram, ele tinha certeza de que era ela quem queria ao seu lado governando seu povo narniano. Apesar dos protestos do rei e da rainha na época, os dois lutaram até o final para que seu amor vencesse, e venceu. Martina ter se tornado rainha, fez o povo ficar muito mais perto da realeza. Sempre que podia, a mulher saia de seu castelo para fazer sua caminhada matinal pelas ruelas do reino.

Era a rainha que mais se identificava e ficava perto dos seus súditos, não tinha medo ou vergonha de dizer de onde veio e como chegou até onde chegou. Não deixou o poder subir a sua cabeça e continuou sendo uma pessoa completamente humilde. Era isso o que Laerte tanto amava em sua esposa. Sempre estava no meio do povo, ajudando sempre que podia e às vezes até convidava crianças para um passeio no castelo.

Mas algo mudou quando Aslam apareceu para eles enquanto passeavam pelo bosque. Não era algo que o grande Leão dourado fazia com frequência e quando fazia, sempre tinha sinal de guerra ou algo ruim se aproximando, portanto Laerte ficou logo preocupado com a segurança de sua amada e do bebê que estavam esperando. Aslam se aproximou do casal chegando perto de Martina, soprou em sua barriga e disparou as seguintes palavras em sua voz grave.

— Essas crianças nascerão com muita saúde, minha criança. Não tem necessidade de preocupações. — Martina no entanto se assustou com a segunda frase. Nem mesmo seu esposo sabia que estava preocupada. — Laerte, será que podemos conversar a sós?

Prontamente o rei deu sua disponibilidade para o Leão. Apenas pediu alguns segundos para levar sua rainha de volta ao castelo, após feito isso. Lancaster voltou para onde Aslam o esperava e se sentou de frente para o mesmo que estava sentado também a sua espera. Na visão de Martina da sacada de seu quarto, eram apenas dois pontinhos conversando. Enquanto isso, Laerte ouvia atentamente o que Ele tinha pra lhe falar.

— Escute, meu rapaz. Existe uma grande profecia em que os gêmeos de um casal de reis irá nascer com grandes poderes. — Aslam começou a falar vendo que Laerte estava atento. — Esses gêmeos estão destinados a salvar Nárnia de problemas que virão a aparecer daqui alguns anos. — O Leão olhou na direção do castelo vendo ao longe Martina.

— Não acha que Martina está grávida de gêmeos, certo? — O homem achava a ideia simplesmente louca demais. Poderes? Ele não desacreditava que magia existisse, mas não achava que seu filho, ou seus filhos, fossem mesmo do tipo que teriam poderes. Aslam no entanto apenas o olhou quando escutou sua pergunta, aquilo era apenas uma afirmação da parte dele. — Isso é loucura demais, Aslam. — o Leão deixou uma risada escapar.

— Olhe a sua volta e me diga o que não parece loucura aqui, meu jovem. — Aslam se levantou começando a caminhar na direção do castelo logo sendo acompanhado por Laerte. — Escute bem, haverá um tempo em que Jadis irá tentar roubar o poder das crianças para si, é nesse momento em que vocês devem partir para outro mundo. Um mundo sem magia. Lá seus filhos e vocês estarão seguros. — O Leão afirmou para o homem que estava um tanto quanto assustado, tinha medo que tudo desse errado nesse novo mundo.

Os dois caminharam, em silêncio dessa vez, em direção ao castelo enquanto Martina permanecia na sacada apenas os olhando. Ela sabia que era algo ruim e que talvez ameaçasse a vida de seu filho, mas Aslam não iria arriscar contar em sua frente para não a deixar desesperada. A de fios escuros voltou para dentro com suas mãos na barriga, não via a hora de ver o pequeno rostinho do bebê, ver os olhinhos se abrindo para olhar o ambiente de forma curiosa como a maioria dos bebês eram. Respirou fundo caminhando para fora do cômodo e logo se dirigiu a sala do trono, era lá que a maior parte das conversas com Aslam eram realizadas.

Ao chegar, a sala ainda estava vazia. Eles ainda não tinham entrado no castelo. Respirou fundo caminhando até seu trono, sentou-se sobre o mesmo e esperou pelo esposo e pelo guardião de toda a Nárnia. Não iria negar que estava ansiosa e curiosa para saber sobre o que os dois tanto conversaram. Poderiam ser coisas ruins ou boas, isso apenas eles poderiam lhes dizer. A mulher respirou fundo desviando seu olhar para o lado encarando uma pintura sua que estava ali. De longe aquela era a sua favorita, preferia a que tinha ela e seu esposo.

Teve sua atenção tirada do quadro quando o homem entrou no salão junto ao Leão. O olhou vendo que estava nervoso, algo o consumia e ele parecia querer desembuchar de uma só vez. Porém o grande Aslam se aproximou da rainha ficando ao seu lado. Ponderou um pouco antes de pensar em falar qualquer coisa, estava observando como o grande salão era enorme. Nos anos que viriam nobres pessoas iriam governar aquele lugar com sabedoria, porém muita tragédia aconteceria para chegarem aos seus tempos de glória novamente.

— Escute bem, minha jovem. Dentro de você existem dois pequenos reis. Num futuro muito distante, os dois crescerão e tomarão seu trono por direito. Por ora, a única coisa que precisam saber é que Jadis virá atrás de seus pequenos filhos. — o Leão falou olhando agora para a rainha que apenas o ouvia atentamente. —  As crianças terão poderes especiais e assim que nascerem precisarão abandonar o reino para um mundo sem magia alguma que assim Jadis nunca poderá acha-los.

— Terei que me separar de meus filhos? Não pode me pedir isso, Aslam. — ela suplicou e o Leão apenas balançou a cabeça. Sua intenção não era separar os pais dos filhos e sim os irmãos um do outro. Estariam sempre perto, mas não teriam a amizade forte que irmãos teriam.

— Não, minha criança. Irei separar você apenas de um deles, mas não se preocupe, vocês sempre estarão perto um do outro, apenas não lembrarão quem são de fato. — Ele se levantou e caminhou em direção a sacada olhando atentamente as pequenas casas do reino. — Quando eles voltarem, vocês dois se lembrarão de tudo, mas não poderão retornar. Os dois conhecerão a história de sua família e descobrirão que são irmãos dando ao fim uma ameaça juntos, como deve ser.

O Leão parecia saber tudo o que iria acontecer com a família e isso assustava demais o rei. Sabia que tudo o que Aslam falava sempre acontecia, então tinha aprendido a simplesmente não duvidar mais de suas palavras, mesmo que às vezes parecesse tudo muito surreal. Laerte respirou fundo se levantando e caminhou até sua amada abaixando-se ao seu lado, levou sua mão até o rosto dela e acariciou dando um sorriso completamente sincero, mas carregado com um pouco de medo. Por mais que não devesse mostrar a ela o que sentia, simplesmente não conseguia. Tinha medo do que poderia acontecer a eles dois. 

Alguns meses depois…

Martina gritava de dor, estava prestes a ter seus filhos e sabia o que estava por vir depois que os tivesse. Teria que se preparar para se despedir de um deles, o outro ficaria com Laerte e tinha certeza de que ficaria muito bem. O homem já mostrava o quanto amava os filhos sem nem terem nascido a meses atras e apenas por isso ficava tão tranquila.

A cada contração, mas ela apertava a mão de seu esposo. O mesmo já nem sentia mais a mão e muito menos dor, apenas fazia os exercícios de respiração com sua esposa e a incentivava o máximo que conseguia. Estava tentando dar todo o suporte que ela merecia dele e se pudessem, se tivessem mais tempo, com certeza daria todo o amor que a morena precisava ter.

Ao ver a parteira entrar pelo quarto, quase soltou um suspiro aliviado. Só queria que aquilo terminasse de uma vez e que sua amada pudesse finalmente respirar sem sentir uma pontada toda vez. A cada grito dela, Laerte dizia palavras de para tentar amenizar a menor dor que seja. Ele só não aguentava mais tudo aquilo. Respirou fundo incentivando da maneira que podia. Dizendo que tudo daria certo e que sempre estaria com ela, o que não era mentira, sempre estaria com Martina onde quer que ela esteja.

O primeiro choro foi ouvido, era uma menina e mostrava a quem quisesse ver que tinha pulmões completamente fortes enquanto chorava com força. Laerte não saiu do lado de sua esposa, não enquanto o segundo bebê não saísse também. Ele queria que ela se sentisse segura e isso só aconteceria com ela ao seu lado. Em poucos minutos o segundo choro ecoou pelo quarto, um suspiro de alívio saiu por entre seus lábios e Martina chorou exausta. Desejava descansar por pelo menos alguns minutos antes de ver seus pequenos filhos, os dois brotinhos de gente que seriam sua felicidade.

Uma das criadas se aproximou com os dois bebês e entrou nas mãos dos pais, Laerte segurou sua menininha enquanto Martina acariciava o rostinho do garotinho. Ambos estavam babando por seus pequenos e mal conseguiam conter a felicidade de ter eles em seus braços. Como poderia dois pequenos bebês fazendo dois adultos chorarem como se fossem crianças que acabaram de ganhar doce. Martina olhava seus filhos pensando cuidadosamente nos nomes de cada um, porém o que estava mesmo tirando sua atenção era o sorrisinho que eles tentavam dar sempre que olhavam seus pais.

Aslam já sabia do nascimento dos gêmeos e estava por perto esperando o momento certo para se aproximar da família. Precisava dar os presentes deles e também alertar que Jadis estava cada vez mais próxima de se fortalecer para ir atrás dos pequenos. Precisava também dar a benção aos pequenos para que eles sejam completamente abençoados e que voltem com saúde e bem. Porém, o Leão deu alguns dias para que Laerte e Martina conhecessem seus filhos e decidissem seus nomes.

Quando achou que foi tempo suficiente, neve já começava a cair em Nárnia denunciando que a grande feiticeira estava mais perto do que era imaginado. Aslam aproximou-se do grande salão com um homem e caminhou até os reis observando atentamente os pequenos gêmeos. Sobre eles soprou sua benção e fez um pequeno gesto para que o homem se aproximasse com o presente deles.

— Eu espero que aceitem o presente que quero dar-lhes. — O Leão começou a falar. — Um colar para os dois. Para ela a sol, demonstrando que seu poder será tão forte quanto aquele astro que nos aquece e para ele a lua, mostrando que é tão forte quanto o sol com seu brilho próprio e que se completa apenas com ela. — explicou quanto os colares eram colocados nas crianças. — Eles jamais devem tirar esses colares, representam o símbolo de sua força.

— Obrigada, Aslam. Por tudo o que está fazendo por nós. Não tenho palavras para te agradecer. — Martina sorriu para o Leão que deu uma risada.

— Me agradeça mantendo-os seguros. Está na hora de vocês irem. — o Leão se virou caminhando para fora do salão e logo para fora do castelo.

Na entrada do grande reino, existiam duas árvores que formavam um arco e era por ali que eles passariam para ter uma nova vida. Antes de passarem, Aslam chamou atenção dos dois para si.

— Antes de irem, quais os nomes dos pequenos? — perguntou por curiosidade. Martina sorriu com o pequeno garoto no colo e olhou para a garotinha nos braços de seu esposo.

— O nome dele é Hector e esta é Kayla. — respondeu ao grande Leão antes de passarem pelo portal e sumirem de vista.

Aslam então desapareceu soltando no ar por entre os bosques duas profecias. A primeira dita quatro filhos e filhas de Adão e Eva que os salvará de um inverno incessante. A segunda dita que num futuro distante, os gêmeos irão salvar, juntos, seu povo de um mal vindo diretamente do mundo sem magia, mas que antes disso cada um irá trilhar seu próprio caminho.

Com isso, Aslam fez por anos que a família Lancaster acabasse virando uma lenda nos ouvidos de todos os narnianos… Mas ninguém sabia que essa lenda estava prestes a virar realidade.


Notas Finais


Perguntinha: preferem que eu continue a narração em terceira pessoa ou mude para primeira?

Jornal do cast: https://www.spiritfanfiction.com/jornais/do-you-believe-in-narnia-cast-17157178


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...