História Do You Remember Me? - TaeTen - Capítulo 1


Escrita por: e soua_jenny

Postado
Categorias Neo Culture Technology (NCT)
Personagens Chenle, Doyoung, Haechan, Hansol, Hendery, Jaehyun, Jaemin, Jeno, Jisung, Johnny, Jungwoo, Kun, Lucas, Mark, Personagens Originais, RenJun, Taeil, Taeyong, Ten, Winwin, XiaoJun, YangYang, Yuta
Tags Nct, Taeten
Visualizações 20
Palavras 1.294
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Ficção, Lemon, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olha eu aqui, hehehe
Boa leitura!!!

Capítulo 1 - Prólogo


Seoul, 06 de junho de 2018, 18:01Hrs 


- Taegi - o timbre manhoso e baixo se fazia presente após uma noite anterior de sexo selvagem - ande logo ou iremos nos atrasar para a festa do Hyuck e se isso acontecer ele vai insuportavelmente chato. Além disso, não paguei caro pro’ Mark comprar um presente e entregar um dia após o aniversário daquele anão de jardim para que me atrase por culpa sua - Insistente em deixar os fios recém platinados em seu lugar, o mais novo percorria os dedos por todo seu cabelo tentando a qualquer custo arrumá-los. Enquanto, seus pés batiam ritmados no felpudo tapete ao lado da cama e sua mão livre espalmava o tecido amassado da camisa, tentando concertar o erro causado por seu namorado, Taeyong. Que guardará todas suas roupas daquele modo, apressado e desajeitado, dando sempre a mesma resposta de “Tenho que terminar de limpar esse chiqueiro que chama de quarto”- Céus, nunca mais deixo ele guardar minhas roupas, caso contrário, irei parecer ter acabado de correr de um cachorro.

Logo após olhar-se uma última vez no espelho - deixar de conversar sozinho - e conferir se estava tudo em seu devido lugar, o loiro deu um largo sorriso para seu reflexo e caminhou até o criado-mudo, pegando a chave do carro e, rodando-a em seu dedo, seguiu em passos firmes até o banheiro, mantendo seu olhar fixado no pequeno relógio de ponteiros, este que sempre esteve preso em seu pulso.

- Lee Taeyong ?! O que diabos faz nesta merda de banheiro ?! Está aí a meia hora, por um acaso está se masturbando ?- impaciente, esfregou a mão livre pela face, demonstrando seu nervosismo ao continuar ouvindo o barulho do chuveiro ligado e alguns pequenos suspiros- Vamos, Taegi. A conta d'água e luz não são nada baratas e você sempre me ajuda a pagar- Seu tom de ironia poderia ser sentido a dois quarteirões dali- Lhe darei apenas um minuto para que desligue essa porra, caso contrário tirarei você daí a… MERDA.

Avermelhado, era desse modo que o tailandês tinha seu rosto, enquanto prendia seu lábio inferior entre os dentes e tentava se convencer de não amaldiçoar até a quinta geração dos familiares de criadores de quinas de camas. Contando até dez, levou a mão até a boca e abafou um grito histérico que veio em seguida, com a mais absoluta certeza de que se não o fizesse seus tímpanos doeriam de tão alto que seria.

- Maldita seja essa cama de madeira, ainda não sei porque quis gastar dinheiro com isso, eu ainda prefiro nossa outra cama. Já é a quinta vez nesta semana que bato meu dedinho- Irritado, o tailandês começou a gritar em sua língua natal, pensando em mil maneiras diferentes de se livrar daquela que fizera seu mindinho doer como um chute em seus países baixos.- Muito bem, Taeyong, vou lhe deixar para trás e seguir caminho com WinWin e Yuta- Cansado de passar raiva, avisou.

No minuto seguinte, o bater da porta ecoou pelo quarto, demonstrando que fora batida com brutalidade, enquanto o mais novo bufava seguindo seu trajeto para a sala e procurava um comprador para a cama.

{...}

- Sabe, Chittaphon ?! - A voz do japonês estava um tanto quanto engraçada, efeito da bebida. Esse que já encherá a cara devido a festa estar bombando- Eu ainda não sei como você consegue suportar o Taeyong por esses dez meses… vida de casado é um pé no saco. 


- Como é, Yuta ? - A voz ao fundo, abafada pela música alta, era de WinWin, que logo apareceu ao lado do marido, segurando uma colher e o empurrou, aparecendo na câmera- Quando estamos na cama você não diz isso, muito pelo contrário, você geme o meu nome a noite toda…

- Okay, gente - Interrompeu-lhes e tomou mais um pouco do seu Whisky - Eu não preciso saber da vida sexual de vocês… até porque eu vou ver se a madame Lee já saiu do seu digníssimo banho

Desligando a chamada de vídeo ao som das risadas escandalosas do casal, o loiro guardou o celular no bolso e voltou ao quarto.

- Amor ?! Já terminou de se produz…- Estreitou os olhos ouvindo o barulho do chuveiro ligado e pensou sentir alguém escrever “trouxa” em sua testa - sério isso? Quarenta minutos?

Em sua mente passava que seu presente para Haechan seria seu corpo nu, banhado a leite condensado e morangos no lugar do bolo de vinte wons que Jisung comprou na primeira confeitaria da esquina. Convenhamos, os ratos na calçada davam “oi” a cada novo cliente que entrava no estabelecimento.

- Eu realmente espero que você tenha pedido perdão a Deus nesses quarenta minutos que ficou debaixo do chuveiro, senhor Lee. Porque hoje você vai sair daí com um dente a menos de tanto soco - Sua respiração ofegante devido a raiva, denunciava seu estado - Você brinca demais - Empurrou a porta e logo teve sua expressão de raiva para assustado.

- M...me aj…mhmmh - O chiado que veio a seguir e a tosse fizeram o loiro desligar o chuveiro e pegar seu ruivo no colo - E… eu tentei te cha… mar

Antes que chegassem na cama, Tae desmaiou, aumentando ainda mais o desespero do tailandês. Esse que o vestiu de qualquer jeito e correu até o carro.

- Amor - Deu leves tapinhas no rosto pálido - Tae, espero que não seja mais uma das tuas brincadeiras de péssimo gosto - Seu desespero foi tanto que o baque que veio a seguir foi da cabeça do mais velho entrando em contato com a porta do carro - Respira, inspira. Ele não tá acordado para te xingar, não é mesmo?

Colocou-o no banco do passageiro e prendeu o cinto-de-segurança, logo dando a volta e entrando no carro. Desesperado e trêmulo, tentou dar contato no carro, mas todas as tentativas eram frustadas, sempre com a chave errando o buraco.

- Por que nos filmes é tão fácil?! - Depois de conseguir ligar o carro, saiu em disparada ao hospital mais próximo, enquanto olha va o namorado começar a abrir os olhos - Amor, o que houve?

- E-eu…- O rosto entristecido deu lugar à uma feição sorridente, levando o tailandês a uma confusão mental- Eu te amo, agora diz oi para a câmera.

Sorrindo, apontou para o pequeno objeto preso no vidro do carro. Trouxa, idiota, otário. Tais palavras estavam presas no subconcente do platinado que agora respirava fundo tomando paciencia para nao surtar.

- Porra, Taeyong - Deu um soco no volante, assustando o ruivo. Falhou novamente - Você me deixou preocupado por nada? Você é um grande idiota - Seus olhos começavam a marejar enquanto cuspia as palavras que estavam entaladas em sua garganta, palavras essas que saiam e ardiam no peito do ruivo. Ardiam te tal maneira que esse tentava a qualquer custo apaziguar os ânimos do outro.

- Amor, eu não queria que você ficasse nesse estado - na tentativa de continuar com seu plano e acalma-lo, Lee levou sua mão até a bochecha do outro fazendo-o lhe olhar - Desculpe-me, uh? Eu apenas… ah, esqueça.

- Olha, Tae. Eu te amo de mais para continuar brigando e mesmo você sendo um completo idiota eu não consigo viver sem v… - Sua frase seria terminada e ele poderia então se acalmar um pouco se não fosse pelo farol alto e uma buzina penetrando no cérebro de ambos antes que uma grande colisão entre os dois veículos viesse a surgir e o carro  rodopiasse até a beirada da ponte. Mas não era isso que assustava o tailandês, mas o tanto de sangue presente naquele vidro quebrado e o corpo ensanguentado a alguns metros longe dali...

Taeyong estava morto?!



Notas Finais


Vim ferrar a vida de vcs com a jenny. Haha, amamos vcs


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...