História Do you want milk? Taekook - Capítulo 47


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bts, Exo, Jeon Jungkook Park Jimin, Jung Hoseok, Kim Namjoon, Kim Seokjin, Kim Taehyung, Lemon, Lgbt, Min Yoongi, Mpreg, Taekook, Vkook
Visualizações 407
Palavras 2.012
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção Adolescente, Fluffy, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Slash, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi mores, desculpa estar att tão tarde.

Capítulo 47 - He made me sad.


09/02

Três dias depois de ter o número, propositalmente espalhado por cada canto daqueles corredores. Um terrível sonho que, mais parecia um pesadelo, um monstro de sete cabeças. O Kim desligava o aparelho sempre que podia, em uma vontade enorme de, fazer com que uns garotos parassem de o encher. Odiava responder mensagens quando estava cuidando de seu pequeno. Mataria KyungSoo no dia seguinte, querendo ou não, o veria de novo, pela ultima vez. Eram quase oito e meia da noite, sexta feira, um pouco fria e nada agitada. Com a volta as aulas, os jovens não iriam sair assim, logo de cara. Então, os bares e baladas do centro não tinham tanto movimento, diminuindo o barulho das ruas. 

- Oi anjinho. - Tae sorriu simples, tomando o filho nos braços. O protegendo de Seokjin que, vinha para encher o sobrinho de cócegas, e isso normalmente o irritava, ao extremo. - Seu tio tá te maltratando, né? Ele é um chato mesmo. - O pequeno abriu um sorrisinho gostoso, ameaçando espirrar. 

- Aigoo, para de estragar minhas brincadeiras. - Disse em um muxoxo, cruzou os braços e, tirou a mamadeira do sobrinho de cima da mesa, um pouquinho mais morna. Entregando para o irmão mais novo. - Aquele menino, parou de te mandar mensagens? - Seokjin riu breve, relembrando o caos que foi o dia em que Tae bateu a porta na cara de um novato do primeiro ano, que estava o seguindo a exatos dois dias. 

- Graças aos céus, sim. Não tava aguentado ele perguntando da minha vida, credo! - Subiu novamente para o quarto, arrumando seus edredons da pior maneira, só pra dar mamadeira pro filho, quando tivesse calma e tempo, arrumaria tudo certinho outra vez. 

A campainha tocou, uma, duas, três vezes, fazendo Jin descer correndo. Gritando um "Já vai", pensando ser Yoongi ou o namorado vindo visitá-los. Para sua surpresa, não era apenas Namjoon, além do moreno, dono das covinhas mais lindas para Seok, Yoon e Hoseok seguravam sacolas, cheias de doces e pipocas, tudo o que não é recomendado para se comer a noite. 

- Nannie! - O garoto pulou, no colo do mais jovem, o abraçando forte, pra matar a saudade de uma semana sem se verem. A faculdade sinceramente tomava todo o tempo de Jin, o enlouquecendo. Nunca pensou que, uma paixão por culinária fosse se transformar na sua motivação. - Senti sua falta, Achei que nunca mais fosse me ligar. - dramatizou, emburrado. Afundando o rosto no pescoço quente do moreno, murmurando o quanto fez falta. 

Hoseok inflou as bochechas geladas, desanimado em ficar de vela, soltou um suspiro longo, escapando entre os lábios avermelhados e ressecados do frio que pegou na rua, passando entre o casal e, adentrando a sala da casa, entregando as sacolas para o namorado. Ainda vestido com o uniforme do trabalho. Completamente exausto, coordenar um time não o mataria de cansaço. só o estressava já que, muitos daquele jogadores, sem querer lembavam Jungkook e as atitudes infantis de sempre, com um jeito irritante de playboy, criado da maneira mais dócil do mundo. Com todas as regalias existentes. 

- Vou lá ver o Tae. Não é pra comerem antes da gente voltar. - Anunciou ameaçador, subindo as escadas apressado demais para tomar cuidado.Andou no corredor bem iluminado sem fazer barulho. Deu algumas batidas na porta, antes de entrar ali. Não queria ser o responsável se acabasse acordando Yeon. - Que bonitinho, tão cuidadoso. Nossa. Quem vê pensa que é uma pessoa séria. - Riu, vendo o mais novo entretido no filho e sua fofura com a mamadeira quase na metade. 

- Ah, estava demorando. - Esticou as pernas no colchão. Hobi prontamente andou até eles, dando um beijo no menor que, quase adormecia nos braços quentes e aconchegantes do pai. - Eu sou sim uma pessoa séria. Só que, as vezes ainda tenho umas recaídas. E outra, tem como não ser cuidadoso com ele? - Justificou, vendo o filho aninhar o corpinho ainda mais em seu peito, manhoso. 

- Tem razão. Nós trouxemos umas besteiras lá, depois vamos assistir um filme. Quer? - O Loiro deu de ombros, concordando. - A febre dele passou? - O ruivo questionou, ficou preocupado nos últimos dias, ao saber que ele estava com uma possível gripe, Taehyung largou a mamadeira quase vazia, sobre seu criado mudo.

- Passar até passou, só que demorou, ele tava bem manhoso esses dias. Não quis nem ir com o Jin, muito menos com o Jungkook. - O Kim conhecia e admita que, a pior sensação era de, estar no meio da aula e, voltar para casa, por não ser capaz de aguentar aquelas intermináveis horas longe do filho. Os professores perguntavam, o motivo dele estar faltando nos primeiros dias de aula. Até se preocuparam, dando dicas para acabar com a quentura do bebê. - Mas, não posso deixar ele dormir agora. 

- Por que não?

- Nem dei banho nele ainda, e também não quero ele com a mania do Jungkook. - Cerrou os olhos. 

- Um dia sem banho não mata ninguém. - Disseram juntos, se entre-olhando cúmplices. 

- Tá conversando com ele ainda? - Jung inclinou o corpo, curioso. Ainda torcia para que Taehyung esquecesse o vizinho e seguisse a vida da sua maneira. 

- Nós tivemos um filho, não posso viver a vida ignorando ele. 

- Faz sentido. Enfim, quer ajuda pra colocar ele no berço? - Hobi se animava com tudo o que relacionasse o pequeno,sentia um carinho enorme pelo bebê. - Tá bom então, eu vou lá pra baixo, fazer pipoca. 

- Hyung, tem chocolate e leite?

- Acho que sim, a casa é tua e não sabe o que tem? - O loiro deu de ombros. Ficando em pé para ajeitar o berço. - Toma um banho e, se quiser,desce. - Sorriu, saindo do quarto.

Kim Taehyung. 

Sai do banheiro tão relaxado, com uma toalha enrolada na cintura e indo procurar meu pijama, querendo assistir qualquer programa que tivesse no ar na televisão e, olhar para o teto,dormir não era uma opção no momento. Arrumei minhas coisas e, acabei adiantando umas tarefas do dia seguinte, aproveitando que, Yeon ainda, milagrosamente não acordou chorando, pedindo colo. 

Soo: Meu anjinho dormiu?

Soo: Tá cuidando dele? Taehyung, você matou a criança? 

Me: Besta! Lógico que não! rs

Me: Ele dormiu tem uns quarenta minutos. Eu acho. 

Me: Tá todo fofinho no berço. 

Soo: Iti malia, que gracinha. 

Soo: Jongin me decepcionou essa noite...

Me: Ele ñ quis transar?

Soo: A gente até "transou", só que depois ele virou e dormiu. Foi broxante, sério. 

Me: Eu sou desses mesmo, rs. Transar cansa demais. 

Me: Enfim, vou dormir bebê. 

Soo: Vai dormir logo! Dá um beijinho no Yeon. Bjs neném. 

Bloqueei o celular, dando uma olhava para Yeon, me certificando que ele ainda dormia acalmo, aperando a chupeta nos lábios e respirando sereno. Dizer que, queria descer e assistir ao filme que os mais velho viam, era a maior mentira. Voltei pra cama, cruzando minhas pernas, procurando maneiras de como fazer um bebê dormir a noite inteira, não que Yonie chorasse vinte e quatro horas, mas acordar as três da madrugada não é pra qualquer um. 

- Que porra é essa? - Olhei para a janela, ouvindo algo a ser jogado contra o vidro. De primeira, pensei ser chuva, entretanto continuou, ficando estranho para ser uma simples chuva de sexta feira a noite. - Ai caramba. Jungkook, você é cego? - Perguntei alto, massageando meu braços direito que, foi atingido por uma pedrinha jogada pelo mais velho. 

- Foi mal, estende a mão. Taehyung. - Pediu, sentando na beira da sua janela, como sempre agindo como um idiota, sem imaginar a altura que ele podia cair. Eu fingiria que não vi nada caso ele escorregasse. - Vai logo, eu vou cair. Opa! - Disse entre risos, poderia ser impressão minhas mas, Jungkook chegou cheirando a soju. 

- Sua sorte, é que nossas janelas são perto. - Resmunguei, de cara fechada, recebendo um selar indesejado da sua parte, confirmando o gosto de álcool, misturado com algum doce de hotelã. Um atrevido e muito do sínico. - Desconhece a maravilha, chamada porta de entrada?

Ele revirou os olhos e foi ver Yeon, bagunçando os fiozinhos escorridos em seus dedos. Jungkook largou o corpo no meu colchão, apertando meu travesseiro em seu peitoral descoberto. Andei até meu guarda roupa, depois de fechar a janela. Fuçando ali acabei tirando uma camisa esquecida dele ali dentro. 

- Toma! - A joguei, acertando maravilhosamente em seu rosto. 1 x 0 para mim. - Veste e sai da minha casa. Seu folgado. - Bati em suas coxas. 

- Mal educado. Eu vim ver meu filho. - Justificou. - E te ver também, vem anjinho, deita aqui comigo. Vamos conversar, vem cá. - Pediu docemente. 

Com muito custo, acabei cedendo, sentando ao seu lado. 

- Como foi seu dia? - Juro, não esperava receber aquela pergunta. Logo assim, do nada, dei de ombros, desinteressado. Colocando metade do meu cabelo para trás da orelha. - Responde, o gatinho comeu sua língua? - Aproximou o rosto do meu, ameaçando beijar-me, acabei afastando ele com a pama da minha mão. Ouvindo um grunhido seu de desgosto. - Au! Au!

- Isso é um cachorro. Tonto! Ainda me pergunto como tive filho contigo. 

- Vai, o que fez hoje? - Insistiu. 

- Nada de diferente, levei ele na creche, duas horas depois tive que voltar pra buscar por que, só deus na causa. ficou chorando lá, acordando as outras crianças. Tomou remédio, mamadeira, e dormiu o resto da manhã.

- A febre passou? - Concordei. - Fiquei preocupado com ele e com você. Por que não me respondeu? - Dei de ombros, murmurando um "Sei lá" bem fraco. - Tá tudo bem, mesmo?

- Tá, e já disse, ele está melhor. mais calminha e...

- Não, eu sei que o Yeon tá muito bem. E contigo? - Disse me cortando,senti suas mãos pousarem em minhas pernas, sem nenhum tipo de malícia ou luxúria no toque. Somente um carinho. - Já comeu? Já Dormiu? Pensou em mim?

- Comer ainda não, banho sim e, pra quê vou perder meu tempo pensando em ti? - Talvez pudesse ter sido, grosseiro demais com o jeito de expressar meus sentimentos. 

- Por que, eu penso em ti. Todos os santos dias. - Confessou, dando um beijo molhado em minha bochecha. 

- Desde quando voltamos a ter essa intimidade toda? Se não lembra, nós dois não namoramos mais. - O afastei. 

- É por pouco tempo. Antes que pergunte, eu vim aqui pra pedir um lugar pra dormir. - Ditou sereno, cobrindo as pernas com os edredons e os lençóis da cama. - Meus pais brigaram e, já bebi demais pra meia hora. - Aperto sua cara, escondendo as maçãs do rosto, avermelhadas. - Tem seu cheiro aqui. - Fungou, afundando o rosto no travesseiro. 

- Quando vai parar de beber? Encher a cara não resolve seus problemas. - Indaguei. 

- Só paro de beber quando, voltar pra mim. - Impôs tal condição, coma voz embargada do sono chegando. 

- Ah tá, vai preparando pra receber seu transplante de figado. - Brinquei, sendo puxado pelo maior, ficando com meu corpo sobre o seu. - Lá vem com suas brincadeiras? Solta, vai Jungkook, me larga. 

- Não! Dorme aqui,comigo. Prometo que, não vou tentar nada. - Formou um bico na boca. - Pode me jogar da janela se eu te violar. 

- Tá. Vai ser um pra cada lado. Entendeu? - Ele afirmou, virando o corpo para o lado da comoda de Yeon. - Jungkook, não é pra ficar se mexendo. - Reclamei, ele estranho dividir a mesma cama com você. 

- Eu sei, prometo que nunca mais vai ser assim. - Sussurrou, ainda virado para o lado oposto. - Agora dorme, anjinho. - Selou delicadamente minha testa, voltando a deitar. - Boa noite, Tae. 

- Boa noite, Jungkook. 

Só esperaria ele pegar no sono e, depois pediria para Namjoon o levar pra casa. 


Notas Finais


Gostaram? Comentem nenéns. <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...