1. Spirit Fanfics >
  2. Doce vingador (Sasuke e Sakura) >
  3. Fortes sentimentos

História Doce vingador (Sasuke e Sakura) - Capítulo 27


Escrita por:


Notas do Autor


Oula!
Demorei mais pra postar, vocês tão comentando menos :(

Capítulo 27 - Fortes sentimentos


Fanfic / Fanfiction Doce vingador (Sasuke e Sakura) - Capítulo 27 - Fortes sentimentos

Alguns meses depois, compramos uma nova casa, com um quarto espaçoso para Sarada. Sasuke estava trabalhando na ANBU, e isso lhe favorecia o suficiente para permanecer na vila por um tempo e ainda conseguir estudar o inimigo. 



Hinata também teve um filho nesse período de tempo. Ele é a cara do Naruto, sinceramente, até nos mínimos detalhes, e esperamos que ele seja tão esforçado quanto. Às vezes, nós nos encontramos para conversar, e apreciar nossas lindas criações. Percebi que nossos amigos tiveram filhos em época semelhante, o que me assegura que Sarada terá muitos amigos. 



No decorrer do meses, Sarada mostrava o quanto era apegada à Sasuke. Chegava até a dormir mais fácil com ele. Sinto um pouco de tristeza, por saber que a menina irá sofrer bastante se o pai precisar se ausentar por um tempo, e nós sabemos que ele vai. 



 Quando me dei conta, Sarada já tinha um ano, e andava como uma borboletinha tonta,  e gostava de sorrir sempre. Sua semelhança física com Sasuke é enorme, mal consigo enxergar algo meu nessa menina. 



— Estou de volta. — Sasuke fala, retirando os sapatos.



— Bem vindo. — Sorri, terminando de cozinhar. 



— Papa! — Sarada fala, esticando os braços para o mesmo. 



Sasuke a pegou em seu colo, beijando o rosto da mesma, que o agarra pelo pescoço. — Já estou terminando. — Afirmo, checando a outra panela. 



— Sakura, tenho uma coisa pra te contar. — Se aproxima, e eu sinto uma pontada no coração, por já imaginar o que seria. 



— Não me diga que… — Parei o que estava fazendo, olhando para ele. 



— É, infelizmente terei que viajar. — Acariciou o rosto da menina, que nos encarava sem compreender nada.



— Sasuke, você não pode adiar isso por hora? A Sarada não vai se adaptar a isso tão nova. — O encarei, séria. 



— Você sabe que não. — Sarada estava começando a se agitar.



— Você não tá vendo que ela é apegada a você? O que eu vou fazer? Um clone seu com o Orochimaru? — Me irritei, gritando com o mesmo.



— Sakura, e que merda de culpa eu tenho? Me responda. — Sarada chorou, nos fazendo parar imediatamente com aquilo. 



— Me desculpa. — Limpei a lágrima que escorreu de meu rosto. — Eu só estou preocupada com ela. — Olhei para Sasuke, que estava acalmando-a em seu braço.



— Está tudo bem, eu sei o quanto é difícil. — Respondeu. — Mas você é uma ótima mãe, não tenho com o que me preocupar.



— Eu realmente espero que sim. — Respondi. Não acredito que eu estava brigando com Sasuke, realmente perdi o controle. 




Sasuke passou o resto do dia com Sarada, assistindo algo ou ajudando-a a montar seus blocos. A menina estava apreensiva, ela sabia que algo estava acontecendo mas não sabia o que era. Não sei o que irei fazer quando ela acordar e perceber que o pai não está mais em casa. 




Sasuke dormiu com a mesma em seu peito, estava me sentindo terrível. Eram só por alguns meses, mas eu sabia que ela iria sofrer. Principalmente porque assim que acorda, chama pelo "papa" no berço. Sasuke toda manhã levanta e a tira de lá, levando-a para tomar café. 




No dia seguinte, Sasuke saiu assim que o sol nasceu, dando-me um beijo rápido, e um na testa de Sarada. Estava em pânico, o que falaria para ela? Minha nossa… 




Como esperado, ela acordou chamando por ele. E eu a enrolava, falando que o mesmo voltaria logo, mas, não funcionou para sempre e Sarada chorava bastante. Busquei começar a levá-la para casa de Hinata, para brincar um pouco com Boruto. Por esse tempo, ela parecia se distrair. 




— A Sarada ainda não parou de chamar por ele? — Hinata me olhava triste.



— Terrível, não é? — Respondi.



— Sim, eu imagino. — Hinata disse. — Não tem nada dele em sua casa? Que possa colocar perto dela quando for dormir? Talvez o cheiro dele possa ajudar. — Hinata complementa.



— Imagino que tenho, uma de suas capas ficou. — Coloquei a mão no queixo, lembrando do que tinha no guarda-roupa. 



— Bom dia. — Naruto aparece na sala, tinha acabado de acordar. — Ah, olá Sakura-chan! — Sorri.



— Bom dia Naruto. — Retribui seu sorriso.




Comecei a levar Sarada para casa de Ino também, e assim por diante. Logo Sarada começou a ter amizade com muitas crianças da aldeia. Porém, eu notei que Sarada tem uma péssima característica de seu pai, ela é um pouco séria e não confia em muitas crianças para brincar, isso me preocupou um pouco. 





Sasuke costumava trocar cartas comigo sempre, falando do quanto está com saudades de casa. Porém, hoje fazem dois dias que Sasuke parou de mandar notícias. Sarada está na cama, resolvi seguir a dica de Hinata, e ela serviu muito bem nesses últimos meses. 



Deitei em minha cama, apreensiva. Agarrei o travesseiro e me segurei para não chorar por mais uma noite. — Sakura. — Ouço sua voz, suspirei, achando que estava ficando louca, fechando os olhos.



— Agora é nova, estou ouvindo coisas. — Murmurei. 


— Mas eu estou aqui. — O ouço novamente, e dessa vez me virei, vendo-o na porta.  



— Sasuke-kun! — Gritei, correndo para abraçá-lo. 



— Desse jeito vai acordar Sarada. — Sorriu. 



— Você parou de me dar notícias, está maluco? — O repreendi. 



— Me desculpe. Parece que terei que recompensar você em dobro agora. — Seu sorriso malicioso brotou, depois de bastante tempo.



— Querido? — Me afastei.



— Kage bushin. — Vi o mesmo fazer sinal com a mão, e um clone aparece ao seu lado.



— O que está pretendendo fazer? — Sorri, nervosa, sentando-me na cama. 



— Veja o que aprendi. — Fez sinal novamente, e seu clone mudou de idade, passando a ser o Sasuke de dezessete anos.



— Minha nossa. — Coloquei a mão em minha boca, já conhecia essa técnica, mas nunca imaginei usá-la.



— Seu marido está fora a meses, não está com saudade? — Tocou em meu rosto. 



— Cla-claro que estou. — Senti meu rosto esquentar.




— Tudo o que precisa fazer é ficar quietinha. — Aproximou-se, junto do clone.



— Estou um pouco insegura. — Encarava o Sasuke mais novo, morrendo de vergonha. 



— Eu sei o que você queria fazer comigo nessa idade. — O clone falou, e eu me encolhi.



— Maldito Sharingan. — Soltei uma risada baixa, com a mão no rosto. 




O Sasuke original me beija, me deixando um pouco mais calma. Enquanto seu clone acariciava minhas pernas, também beijando-as, e em intervalos fazia alguns chupões. Sasuke retirou meu vestido de cetim, que uso para dormir, deixando-me apenas de calcinha. Sasuke não perdeu tempo e colocou meu seio em sua boca, enquanto o outro fez questão de acariciar minha intimidade por cima da calcinha. 



— Mmm...



Sasuke voltou a me beijar, acariciando meus seios, sinto seu clone puxar minha calcinha com a boca, olhando em meus olhos, aqueles três olhos vermelhos me encarando, estavam me deixando louca. 



Seguro na calça de Sasuke, pondo seu membro para fora. O mesmo não esperava tal atitude de minha parte, então parou o beijo. O puxei pela cintura, para ficar mais perto, e então o coloquei na boca. Sasuke arfou, e sem esperar, seu clone abre minhas pernas, colocando a língua em minha vagina. Gemi com o contato, mas continuei o que estava fazendo. Sasuke apertou meu ombro, excitado. Me pergunto como está conseguindo concentrar chakra o suficiente para manter seu clone ali. 



Sinto o Sasuke mais novo colocar um dedo em mim, e apertei a cintura do original, gemendo com seu membro em minha boca. Sasuke segurou minha cabeça para estocar com precisão. Enquanto o outro fazia o trabalho de me deixar mais excitada, com seus dedos e sua língua, era tão quente quanto o original.



Sinto-me ser penetrada de surpresa, não imaginava que um clone poderia fazer isso, mas, eu estava adorando. O Sasuke mais novo era tão gostoso quanto eu imaginei, parece que não deixa a desejar em nenhuma faixa etária. 



Por um momento parei de chupar o Sasuke original, apenas o estimulando com a mão, somente para admirar o trabalho explêndido de seu clone, estocando-me rápido e forte, mordi os lábios em excitação.



Voltei à colocar seu membro em minha boca, abafando meus gemidos. Era tão fofo e excitante ver as mãos menores do Sasuke mais novo apertando minhas coxas, pelo visto, descobri da melhor forma que os clones não servem só para uma luta. 




Sasuke chegou à seu ápice, despejando o líquido em minha boca, e o clone desapareceu. — É difícil mantê-lo assim. — Fala com dificuldade, retirando seu membro de minha boca.



— Não se preocupe. — Falei, engolindo o líquido. — Eu adorei. — Sorri.



— Que bom. — Fala. — Agora venha aqui. — Sentou, e balançou seu membro para que eu sentasse em cima dele. 




Fiz um sinal de mão e fiz o mesmo que ele, mostrando também saber o jutsu, com um clone meu mais novo. Sasuke ficou impressionado, e gostou muito da ideia. Confesso estar um pouco envergonhada, mas agora minha vontade é ter prazer, e dar prazer ao mesmo. 



Cavalguei sobre ele, enquanto meu clone passava a mão em seu corpo, como também mordia seu pescoço, ombro e lóbulos da orelha. Sasuke apertou minha nádega direita, jogando a cabeça para trás e arfando alto o suficiente para parecer um gemido. 



Ele levanta comigo no colo, deitando-me na cama, pedindo para que o clone também deite. Retirou a luva de sua mão, jogando-a no chão, e introduziu seus dedos em meu clone, enquanto penetrava-me. Meu corpo sentia o dobro de prazer, sentia seu membro entrando e saindo de mim, era gostoso sentir que estava sendo fodida de duas formas diferentes, ao mesmo tempo. 




Revirei meus olhos, gemendo alto. — Mais baixo, vai acordar a Sarada. — Sasuke alertou. 



— Mas…está tão bom… ah… — Apertei os lençóis. 



— Sentiu falta disso, não foi? — Sorriu, sarcasticamente, enquanto me estocava.



— Do seu pau, senti. — Desdenhei, e meu clone sumiu, eu não aguentei manter por mais tempo.



Sasuke lambe seus dedos, me encarando. — Só do pau? — Fez bico. 



— De tudo...ah! — Ele me estocou com mais força, dando um tapa em minha coxa.



— Muito bem. — Falou, me beijando. 




— Sa-sasuke-kun… 




Sasuke apoiou-se na cama, me beijando enquanto mantém as estocadas. — Geme meu nome, Sakura… — Falou, quase sem ar. — Sasuke-kun… — Ah, que saudade desse corpo maravilhoso eu estava. 



Sinto meu ápice chegar, e me seguro em suas costas, gemendo o mais baixo que consegui. — Estou de volta, Sakura… — Sorriu, me olhando.



Afastei uma mecha de cabelo de seu rosto, prendendo-a em sua orelha. — Bem vindo de volta, querido. 




Depois de todos esses meses finalmente tivemos um momento e dormimos juntos. Desde que Sarada nasceu Sasuke andava um pouco distante, e como sempre, ocupado. Minha maior alegria, foi ouvir Sarada chamar por seu pai e ele responder. 



— Papa? — Falou baixo, como fala todos os dias em seu berço.



— Estou aqui. — Pegou a mesma em seu colo.



Transbordei de alegria, vendo o grande sorriso que brotou no rosto de minha filha, depois de todo esse tempo. Ela o abraçou e não quis soltar mais, assim como eu, que me juntei a eles. Sorri, abraçando as coisas mais importantes em minha vida. 




































Notas Finais


Espero que tenham gostado❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...