1. Spirit Fanfics >
  2. Doce Vingança >
  3. Capítulo 10

História Doce Vingança - Capítulo 10


Escrita por:


Capítulo 10 - Capítulo 10


Fanfic / Fanfiction Doce Vingança - Capítulo 10 - Capítulo 10

Tan Xue

 

Cansada vou para minha barraca quando abro e me deparo com o BaekHyun dentro com suas pernas cruzadas e com sorriso no rosto.

- Surpresa!

Ele fala como fosse algo normal estarmos no mesmo lugar juntos.

 

BaekHyun

 

Quando descobri que Tan xue tinha saído com o nerdezinho fiquei com muita raiva. Eu tenho problemas para controlar meu ciúme. Quando tenho a brilhante ideia de entrar na barraca dela sorrateiramente sem ninguém notar minha presença ali. Era 23h da noite, e meus nervos estavam sendo drenados de tanta espera, quando ela abriu e falei " surpresa”, foi uma ideia idiota, o semblante do rosto dela não foi dos melhores.

- Como ousa entrar na minha barraca, você ficou louco, saí daqui.

-Não vou sair.

- Mais Baek... Alguém da coordenação pode nos expulsar se vê-lo dentro da minha barraca. E uma, sou comprometida e não posso ser tocada por você.

-Vou fazê-la se apaixonar por mim.

- Nos teus sonhos seu convencido.

- Eu prometo fica comportado se deixar eu ficar aqui.

- Hum...fica. E fique distante de mim.

Ela se deita virada para mim. No entanto, puxo seu corpo perto do meu colocando meus braços na sua cintura.

Quando digo que estou com dor, ela se vira e coloco meu corpo em cima do dela.

- Byun BaekHyun!

Coloco meu dedo indicador nos lábios dela para silenciá-la.

- Está querendo que sejamos suspensos

 Aproximo meu rosto no seu pescoço e inspiro seu cheiro.

- Tão cheirosa.

- Para Byun...eu...

Ela tenta sair, mas a prendo colocando minha mão num braço e levo outra na sua perna começando a acariciar.

Ela começa a gemer e escorrego minha mão na sua parte íntima, porém ela apanha minha mão.

- Não, eu imploro ...eu quero ser tocada por alguém que amo e que tenha mesmo sentimento por mim.

 

Observo seu rosto angelical e penso: Não posso falar que a amo, não consigo...e ainda fiz a maldita aposta com Suho.

Com muita relutância, a solto e vou para o outro lado, ficando virado para ela.

Algumas horas depois, nenhum de nós conseguia dormir, a chuva começou a ficar mais forte e quando um trovão faz um barulho assustador, Tan Xue me abraça assustada.

- Aaaaa, estou com medo

Fico virado para ela, abraço e começo a acariciar seu cabelo para tranquilizá-la.

 

TAN XUE

 

Estava amanhecendo, quando desperto sinto o corpo dele perto do meu.

- Fica aqui comigo, não se mexa - Seu braço em minha cintura me aperta mais  e eu sinto sua ereção matinal em meu quadril e suspiro.

- Esqueceu que sou comprometida? Esqueceu?

Tento sair de seus braços, porém, ele me aperta mais colocando suas pernas entrelaçadas nas minhas.

-Tan sabe que a amo muito e...

- A claro que acredito, seu louco!

Mordo seu braço com força e ele geme de dor.

-Sua leoa selvagem, amo.

Quando tento desvencilhar, ele segura meus braços e coloca suas pernas no meu quadril, enquanto estou deitada de costas.

- Está brincando comigo, não é?

Quando escutamos vozes perto da barraca, uma voz masculina e meus olhos arregalam quando reconheço a voz, o timbre grave é do Chan.

Os passos estavam próximos, eu tento novamente mover o Byun de cima de mim, o esforço é em vão.

- O Chan está vindo, por favor desapareça daqui.

 

No entanto, o tempo de ele desaparecer tinha se dissipado, o Chan estava na frente e escuto sua voz.

- Princesa, vamos andar um pouco no lago

BaekHyun tenta responder, porém, consigo interrompe-lo tapando sua boca com minha mão livre.

- Vou abrir a barraca princesa

Quando tento responder, o Chan tinha aberto a entrada e tudo desmorona. A cena do Byun em cima de mim e os olhos arregalados do meu namorado foi devastador.

- O que está acontecendo aqui, pode explicar?

Chan encontrava-se com os punhos fechados e com o maxilar tensionado.

-Eu posso explicar...

Quando sou interrompida pelo crápula.

- Explica o que querida, que nós fizemos amor?

Eu começo a esmurra-lo enraivecida

-Seu mentiroso de uma figa!

 

BaekHyun saí da barraca com um sorriso sarcástico, mas, o Chan encontrava-se paralisado. Quando o crápula se aproxima dele o provocando.

- Tenho uma coisa a dizer, Tan Xue é minha e de mais ninguém.

Quando percebo que o Chan ia esmurra-lo, me coloco entre eles.

-Chega disso...não aguento mais suas brincadeiras. - Eu digo para BaekHyun- Eu não expulsei você ontem por causa da coordenação, com certeza teria feito um escândalo se pudesse para mantê-lo longe daqui.

 

Quando me viro o Chan tinha desaparecido.

 

CHANYEOL

 

Meu coração acelerava com minha corrida até o lago. Quando chego no local e coloco minhas mãos nos joelhos recompondo o fôlego. Aquilo que aconteceu a minutos atrás, o meu choque de observar minha princesa junto com playboyzinho me deixou muito chateado. Se eu continuasse no mesmo lugar ia socar o BaekHyun até a sua trágica morte nas minhas mãos. Portanto, decidi fugir quando Tan Xue se virou de costas para mim.

Olho para o céu, o mesmo azulado e com os raios brilhavam, todavia, meu ânimo estava morto. Tinha planejado andar com minha princesa e pedi-la em namoro oficialmente. Antes de vir para o acampamento, passei numa joalharia e comprei uma aliança prata de compromisso. Os meus planejamentos foram cancelados, por enquanto. Acredito na minha princesa, ela não faria isso de trair com o pior cara da espécie. Não sei qual é a dele, sinceramente, mas irei tirá-lo do meu caminho, Tan Xue é minha.

 

TAN XUE

 

Quando percebi que o Chan tinha ido embora fui atrás dele, mas o encontrei. Até fui ao local a ala onde os meninos montaram suas barracas, mas já não havia nada na área.

Quando o professor anuncia pelos autofalantes espalhados pelo camping; que devíamos arrumar os nossos pertences para voltarmos para casa, decidi parar de procurar, pois eu sabia que o encontraria no ônibus.

Depois de tudo arrumado fui para o ônibus e como tinha previsto, o Chan estava sentado num banco, o seu semblante aparentava de uma pessoa cansada e abatida. Quando decido ir ao seu encontro.

-Posso me sentar aqui? -Perguntei com um pouco de receosa pois não sabia o que poderia estar pensando sobre os acontecimentos anteriores. Ele levanta a cabeça me sondando e afirma assentindo, e retorna a olhar a paisagem ignorando minha presença.

Logo estávamos a caminho de casa e eu não me atrevi a dizer nada durante a viagem, ele precisava de um tempo e eu ia respeitar isso.

E pensei: O que passou pela minha cabeça para deixar o Baekhyun dormir comigo?

Quando finalmente chegamos na escola, saímos da condução e acabo recordando que tinha vindo com o Chanyeol.

-Vou leva-la para casa. - Disse o Chan sem sequer olhar para mim.

-Não precisa, eu posso pedir ao meu irmão para me buscar.

-Se teu desejo é voltar com o Baekhyun poderia falar imediatamente.

-Não, eu quero ir contigo, mas eu sei que estas chateado e não queria aborrece-lo mais.

-Não vai incomodar, passarei no quarteirão de sua casa mesmo. Vamos.

Dito isto, ele entrou no carro e eu fiz o mesmo. O caminho até minha casa foi feito em silêncio. Assim que chegamos eu desci do carro e agradeci. Ainda tive esperança que o Chan descesse, porém, nada que previa aconteceu. Entrei em minha casa e apenas meu irmão estava presente.

-Sehun! E o nossos pais?

-Viajaram a trabalho.

-Ok, eu vou tomar banho e dormir um pouco.

-Tan chega aqui para eu confirmar uma coisa. - Achei estranho, mas aproximei-me mais dele. E Sehun começou a cheirar a minha roupa. - Porque a tua roupa cheira a BaekHyun?

-Você está louco?

-Maninha, se há uma coisa que eu conheço bem é o perfume do Baekhyun. Agora diga o que aconteceu, porque se não disser, eu vou perguntar ao Byun.

-Não aconteceu nada, porra.

Já completamente corada, corri em direção ao meu quarto. Quando acordei, tinha anoitecido.  Ao acordar me deparo com muita fome e decido pegar algo para comer na cozinha. Todavia, quando cheguei no local, percebi que deveria ter ficado no meu quarto.

Na minha cozinha estava o Byun BaekHyun fatiando pão de sanduíche.

-O que está fazendo aqui?

-Olá, Tan Xue - Diz ele com um sorriso irônico nos lábios.

-Não muda de assunto, o que está a fazendo aqui?

-Vim visitar o meu amigo, não posso?

-Faz o que quiser, não quero saber, que não chegue perto de mim.

-Sabe que se não quer a toque seria melhor vestir alguma coisa mais comprida.

E foi nesse momento que lembrei vestia apenas uma camisola quase transparente.

-Aish... Seu pervertido pare de olhar. – Digo completamente corada. No entanto, Baek não parou de observar meu corpo, o que num ímpeto deixa o copo que anteriormente estava na sua mão em cima da mesa e caminha na minha direção.

-O que é bom é para se ver.

Tudo aconteceu muito rápido e quando dei por mim, estava sentada na mesa com o Baekhyun no meio das minhas pernas e as suas mãos na minha cintura. Não consigo nem o repreender, tão logo sinto meu corpo sedento pelos seus beijos e mordiscadas no meu pescoço.

-Baek... - Gemi quando ele mordeu mais forte o meu pescoço.

-Hum...

Quando ouvimos o meu irmão, paramos, e viramos em direção a porta da cozinha. O meu irmão estava encostado na parede com os braços cruzados.

-Interrompendo algo?

-Não.

Digo e saiu de cima da mesa rapidamente e arrumando minha roupa, e o Baek faz o mesmo.

-Então, não aconteceu nada entre vocês os dois, não é Tan?

-Não aconteceu nada. - Tentei escapar como tinha feito mais cedo, mas desta vez não tive sucesso.

-Na próxima façam isso no quarto, não preciso de vê-los transando.  E Tan, a Mi Cha está no teu quarto a tua espera.

Nem foi preciso escutar mais nada, eu rapidamente sai da cozinha e fui para o meu quarto encontrar a Mi Cha.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...