1. Spirit Fanfics >
  2. Doces Momentos (Perversões em Westeros) >
  3. Coroa de bronze (Robb Stark e Jeyne Westerling)

História Doces Momentos (Perversões em Westeros) - Capítulo 4


Escrita por:


Notas do Autor


A @gretel2222 já postou um hot do Robb hoje, mas como eu tenho que me redimir com ela pelo hot do Brandon eu também estou postando o meu kkkkkk

Para quem não conhece os livros: Jeyne Westerling foi a garota das Terras Ocidentais com quem Robb casou, rompendo o noivado com uma das filhas de Walder Frey. Na série ela foi substituída por uma personagem nova chamada Talisa de Volantis.

Capítulo 4 - Coroa de bronze (Robb Stark e Jeyne Westerling)


Fanfic / Fanfiction Doces Momentos (Perversões em Westeros) - Capítulo 4 - Coroa de bronze (Robb Stark e Jeyne Westerling)

A Rainha Jeyne Westerling amava a forma como seu Rei Robb Stark a despia. Ele a deixava de costas para ele e desamarrava os fios traseiros de seu vestido, tão lentamente que ela era capaz de contar cada respiração que soltava a cada vez que os dedos dele lhe encostavam o corpo. E sempre que seu vestido caía no chão ela ainda sentia um pouco de vergonha, mas sempre relaxava logo em seguida, especialmente porque Robb a abraçava por trás, lhe acariciava a barriga e apalpava seus seios.

Dessa vez ela sentiu seus próprios seios um pouco mais duros nas mãos dele e talvez até ligeiramente maiores. Depois veio o beijo em sua nuca, que fez cada canto de seu corpo sofrer um arrepio longo e inebriante. Quando criança Jeyne ouviu história sobre os nortenhos, de como eles eram feitos de gelo e derretiam quando iam para o sul do Gargalo. Mas Robb não era gelado, na verdade era tão quente quanto o fogo de uma lareira e ela desejou que ele não derretesse nunca.

Ela teve que reunir toda sua força de vontade para se desvencilhar do abraço dele e do beijo em sua nuca, porém era preciso, ela queria virar-se para ele e encarar seu rosto. E foi o que ela faz, fazendo seus olhos encontrarem os olhos lupinos do Rei do Norte. De fato o Jovem Lobo era chamado assim não apenas pelo mascote de sua casa, como também por ter certas características que o lembravam um animal selvagem, sendo aqueles cabelos ruivos talvez a melhor delas. Infelizmente os olhos de Robb se fecharam logo em seguida, mas era por uma boa razão, encostando os lábios dele nos seus. O beijo também era tão quente que poderia aquecê-la durante todo o inverno que estava chegando.

As mãos de Jeyne foram imediatamente para os cordões do gibão com um lobo estampado de Robb, desfazendo os nós e abrindo a veste. Ao contrário de Robb ela tirava as roupas de seu esposo com mais pressa, sempre ansiosa por ver aquele corpo que tanto a encantou. Foi justamente tratando as feridas daquele corpo guerreiro que ela e Robb se aproximaram e tiveram sua primeira relação. O nortenho sendo tão honrado quanto o pai mandou para os ares a ponte das Gêmeas e a aliança com Frey para proteger a virtude da garota. O beijo só foi cessado depois que Robb também estava nu.

— Hoje minha Rainha não ficará totalmente despedida — disse o Rei do Norte.

— Do que está falando, meu Rei? — a voz de Jeyne era baixa como um sussurro.

— Você já vai descobrir.

Robb se afastou dela, indo em direção a uma cômoda na parede a sua direita. Jeyne tinha quase esquecido que eles estavam em um quarto no castelo de Corerrio, a fortaleza da Casa Tully. O Jovem Lobo abriu um pequeno baú que estava sobre a mesa e de dentro dele tiro uma coroa de bronze. Na verdade uma coroa que mais se assemelhava a um diadema, tendo sido encomendada por Robb para que fosse a coroa real da nova Rainha do Norte. Jeyne já tinha visto aquela peça anteriormente, porém sempre ficava deslumbrada ao vê-lo. Era uma coroa tão bonita quanto qualquer coroa de ouro e na verdade sendo feita de bronze ela adquirira uma coloração exótica. A coroa de Robb também era feita de bronze e a cor combinava com o cabelo dele. Dessa vez apenas a coroa de Jeyne é que estava ali.

Pareceu durar uma eternidade os passos que Robb deu de volta ao seu encontro, carregando a coroa de bronze nas mãos como fosse um Grande Septão prestes a coroar alguém. E de fato ele estava coroando uma pessoa, mesmo que dessa vez fosse simbólica, uma vez que Jeyne já havia sido declarada Rainha do Norte ao casar com Robb. Ela sentiu outro arrepio quando ele pôs a coroa em sua cabeça, deixando-a apenas com aquela peça de ‘vestimenta’, fazendo-a entender o que ele havia dito.

— Esta noite você não será rainha do Norte e nem eu o rei — disse Robb — será apenas minha rainha.

— E você apenas meu rei — completou Jeyne.

— Certamente — Robb a beijou mais uma vez.

As mãos de Robb foram para as nádegas de Jeyne, apertando-as com ferocidade e vigor. Ela por sua vez pôs as mãos atrás da nuca do seu amado rei, o que foi muito oportuno, pois ela teve como se apoiar quando ele a ergueu para o alto sustentando-a com as mãos firmes em sua bunda. A rainha ficou grata por seu nortenho ser um homem forte e robusto, capaz de fazer uma coisa como aquela. Agora os dois não mais se beijavam, pois o rosto de Jeyne estava um pouco acima do rosto de Robb por ela ter sido levantada, entretanto isso permitiu que ele se ‘agarrasse’ os seios com a boca. Ele sugava alternadamente cada mamilo da garota como uma criança faminta que busca pelo leite materno. E mais uma vez Jeyne percebeu que seus seios estavam enrijecidos e com um volume maior do que o normal. Ela não teve muito tempo para pensar sobre aquilo, estava sendo invadida em sua intimidade.

Ali mesmo, erguendo sua esposa, o rei lobo a penetrou, tão profundamente que sentiu todo seu membro duro afundar no interior dela. As estocadas estavam tão vorazes que Jeyne quase feriu nuca de seu rei por ter instintivamente apertado as unhas nela. Seus gemidos lobo vieram, alto e estridentes, como se estivesse gritando. Ainda com a boca nos seios de Jeyne, Robb soltava abafados rosnados de lobo, demonstrando toda a ferocidade de um nortenho, algo que devia ser típico daqueles que descendem dos Primeiro Homens, mas mesmo assim soava doce e romântico.

Sem parar a penetração ele deu alguns passou e se deitou na cama com Jeyne, ainda com seus corpos agarrados e o membro fazendo morada dentro dele. Eles continuaram o ato com ele deitado sobre o corpo de sua rainha e ela ainda lhe afundando a nuca com as unhas, contudo ele não ligava para aquilo, ele era um nortenho, filho da Casa Stark e tinha sangue dos Primeiros Homens em suas veias. Ter a esposa lhe ferindo com as unhas durante o sexo era o mesmo que massagem para ele. Quando sentiu que sua semente estava vindo ele finalmente parou, não desejando que aquilo acabasse. Robb ergueu o tronco e encarou o rosto contorcido de prazer de Jeyne.

— Vire-se — o rei ordenou — vamos fazer filhotes de lobos.

E a rainha obedeceu, sabendo perfeitamente sobre o que ele se referia ao falar em fazer filhotes de lobos. Ela ficou de quatro para ele e teve quee tocar na própria testa com as mãos para não deixar a coroa cair. Ela poderia até ter se tornado a loba selvagem de Robb, mas era uma Rainha Loba, assim como ele era o Rei Lobo. Não podia deixar a coroa cair.

Robb a pegou com força pelas ancas e voltou a penetrá-la naquela posição, como se fossem mesmo dois animais selvagens e Jeyne adorava quando eles brincavam de fazer filhotes de lobo. Ter seu rei lhe puxando por trás e a invadindo com força era uma das sensações mais prazerosas que ela sentia quando estavam juntos. Seus gemidos se tornaram até mais altos do que antes quando ele a penetrava erguida no ar. O movimento de vai e vem fizeram com que os quadris de Robb dessem fortes tapas nas nádegas de Jeyne, produzindo um barulho tão alto quanto os gemidos que eles proferiam.

Agora sim Robb deixaria toda a sua semente lupina escorrer para dentro do corpo de sua rainha, certo de que mais lobinhos estariam a caminho com aquela ação. Quando Jeyne sentiu algo quente além do membro de Robb tocar as paredes de dentro de sua vulva, ela logo percebeu que era o líquido masculino dele. A semente da vida espirrada pelo homem que a possuía... pelo lobo que a possuía. Foi tão mágico quanto as canções que os pantomimeiros cantavam sobre os feiticeiros de Asshai.

Os dois acabaram caindo na cama um ao lado do outro, ofegantes e risonhos, como duas crianças travessas que haviam acabado de aprontar alguma brincadeira matreira ou pregado uma peça. De fato eles haviam feito uma brincadeira, pois tinham acabado de brincar de fazer filhotes de lobo. Mais uma vez a coroa de bronze quase caiu e novamente Jeyne teve que segurá-la com as mãos.

— Acho que agora esse lobinho sai — Robb espirava pesadamente, ainda tentando se recuperar — ou será que são lobinhos? Vou adorar se for mais de um de uma só vez.

— Tenho certeza que sim, meu rei — respondeu Jeyne ainda entre risos.

A Rainha do Norte no entanto colocou as mãos nos próprios seios, ainda sentindo-os endurecidos e um pouco maiores que o normal, se perguntando se aquilo era um dos sintomas que indicavam que na verdade já havia um lobo a caminho. Talvez fosse apenas um efeito da excitação que sentia por estar perto de Robb. Ela poderia pedir ao meistre de Correrrio para examiná-la e dizer se estava com algum lobo dentro da barriga.

— Eu sentirei sua falta, Jeyne — Robb interrompeu seus pensamentos.

Ela lembrou que ele estava partindo para As Gêmeas no dia seguinte para o casamento de seu tio Edmure Tully com uma das inúmeras meninas da Casa Frey e que ela própria ficaria em Correrrio. Segundo Robb, seria melhor assim, para evitar tensão maior entre ele e o velho Walder Frey.

— Eu sei que sentirá minha falta, meu rei — disse Jeyne — você fazer sexo comigo.

Robb se virou na cama e ficou em cima dela, deu-lhe mais um beijo nos lábios e sorriu ternamente.

— Não é apenas pelo sexo, minha rainha — advertiu Robb — eu amo você.

— Achei que tivesse se casado comigo só para proteger a minha virtude que o senhor roubou, meu rei, não por amor.

— Admito que no começo foi, mas depois me apaixonei por você, minha rainha.

Ele deitou a cabeça sobre os seios dela e Jeyne afagou os cabelos vermelhos do nortenho. Ela também o amava e também sentiria falta dele enquanto ele estivesse nas Gêmeas. Em seu coração ela desejou que ele não fosse para aquele casamento e que continuasse com ela em Correrrio, ou que fossem para Winterfell. Porém ela sabia que esta última opção não era possível no momento, pois o castelo dos Starks ainda não havia sido reconstruído depois de ser saqueado e incendiado pelo filho de Balon Greyjoy. No fim das contas ela teria que se conformar em esperar Robb voltar do casamento do tio. Jeyne no entanto não fazia ideia de que se arrependeria amargamente por não contar a Robb sobre sua suspeita de já estar com um lobo na barriga.


Notas Finais


Para quem não ler minha fic sobre Sansa e Harrold: a Jeyne já estava sim grávida e de gêmeos!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...